História Espelho - Capítulo 37


Escrita por:

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Castiel, Personagens Originais, Viktor Chavalier
Tags Amor, Amor Doce, Armin, Artes, Beleza, Bullying, Castiel, Desenhos, Drama, Família, Filosofia, Lágrimas, Lysandre, Moda, Mudança, Namoro A Distancia, Nerd, Pinturas, Poesias, Romance, Sofrimento, Tristeza, Viktor Chavalier
Visualizações 68
Palavras 6.055
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, me desculpem!. Fazem 4 Fuckings meses que eu não atualizo a fic, tudo por conta de falta de criatividade em utilizar palavras para descrever cenas em terceira pessoa!. Juro que não era preguiça, eu realmente não estava conseguindo de jeito nenhum...

Mas bem, vamos esquecer isso!
Eu me dediquei bastante a esse capítulo que tem mais de 6.000 palavras!!!, e acho bom que vocês se manifestem aí nos comentários! Hehe
Desculpem pela a má escrita desse capítulo.. prometo que vou melhorar! :3
Para quem não lembra do que aconteceu nos capítulos passados, aqui vem um breve resumo:

Bela ganhou uma festa surpresa, feita por Castiel, Rosa, Alexy e o Lys. Porém antes, ela havia recebido um email da empresa se seus pais, falando que Ela precisaria voltar para o Brasil durante um tempo para tomar conta da Empresa. Agora, ela está na festa de seu aniversário, juntamente com seus amigos e colegas!.

Beem, boa leitura! 💕

Capítulo 37 - Sensações


Bela — Salão Sucrette, França

A música alta abalava as estruturas do prédio, tremelizando o chão e o corpo de cada um que se mantinha parado. O que já era bem difícil, pois todos ali dentro, dançavam como se não houvesse um outro amanhã, ao som de músicas extremamente famosas mundialmente. Ao contrario de algumas festas de adolescentes, a festa de Bela estava sendo um máximo!, sem brigas, sem coisas erradas, apenas sendo divertida. O ambiente, uma hora verde, outra azul ou rosa, brilhava em diferentes luzes coloridas, animando ainda mais os convidados eufóricos. Entre todos aqueles que conduziam seus corpos através da dança, Bela se encontrava agradecendo as pessoas por terem vindo a uma comemoração daquelas. Permanecia mais alegre que o normal, por conta de bebidas fracas que mexiam um pouco com sua personalidade tímida, porém, não estava bêbada ou embriagada, permanecia ciente de tudo que estava fazendo. Bom, nem tudo. Ao fim da décima terceira música da recém chegada noite, cansada de gastar saliva com as pessoas presentes e de andar de um lado para o outro, encostou-se na parede mais próxima, e jogou algumas mechas de cabelo para trás com um sorriso bonito de se ver. Estava tão feliz com tudo aquilo. Fechou os olhos e recuperou parte de seu fôlego, ficando segundos em seu próprio silêncio.

— Hey, garota. -Alguém chamou-a, fazendo que a mesma despertasse de seu transe. Não conseguiu identificar a voz de quem falava, por conta do som alto.

Assim que a menina abriu os olhos, pode visualizar a figura masculina que lhe chamara. Com dois copos em ambas as mãos, Castiel mantinha um sorriso com os lábios fechados. Aproximou a mão direita até Bela, lhe entregando o recipiente da bebida.

— Obrigada. -A morena agradeceu, segurando o copo com as duas mãos.

— Eai? O que está achando da festa? -O ruivo falou, encostando suas costas na parede ao lado da garota.

— Eu estou adorando. Sinceramente, está sendo a festa mais legal que eu já tive! -Ela disse sorridente, balançando lentamente o copo em movimentos circulares.

— Que ótimo. -Sorriu meia boca- Foi meio difícil de organizar tudo isso em poucos dias. Porém, gostei do resultado. Valeu a pena. -Ao final da frase, Castiel direcionou o recipiente contendo líquido até seus lábios, e bebeu o que ali estava. A bebida desceu meio quente e azeda por sua garganta, lhe oferecendo uma sensação mais refrescante.

— Esse foi o melhor presente que alguém podia me dar.. -Murmurou Bela, virando o copo e sentindo a mesma coisa de quem estava ao seu lado ao beber o líquido.

Com a palavra “Presente” vindo da boca da garota, um flash de luz veio em mente, fazendo-o recordar da caixinha aveludada que estava dentro do bolso da Calça. Não era lá uma coisa muito frágil ou algo grande para a mesma, portanto, era de coração.

— Ah, falando em presente.. -Castiel iniciou, virando seu rosto para as proximidades de Bela- Vamos um segundinho para um lugar mais calmo?. Gostaria de te mostrar uma coisa.

— Oh, mas é claro. -Bela sorriu curiosa.

— Então vamos. -Segurou a mão da garota após a frase, e puxou-a no mesmo momento.

Mesmo sendo pega desprevenida, a morena riu e o acompanhou, atravessando toda aquela não tão grande multidão de pessoas, para no fim chegarem ao início de uma escadaria, a qual levava até uma porta, provavelmente sendo a entrada do terraço. Chegando ao final dos lances de degraus, uma porta já se encontrava aberta, e por aí passaram. A boca de Bela foi aberta em um “O” ao ver o que lhe esperava. Não era um presente ou algo deste tipo, mas sim, uma grande paisagem lhe aguardava. O céu azul escuro, quase negro, destacava lindas estrelas brilhantes e cintilantes, as quais se misturavam com as fortes luzes de toda a cidade. O ar estava arejado, e o clima perfeito para ficar do lado de fora. “O ambiente não estava tão bonito assim quando sai de casa!”, ela pensou sorrindo.

— Taran!. -Castiel abriu os braços, chamando a atenção da garota- Eu sei que você gosta de admirar paisagens, então te trouxe aqui. Não é demais? -O ruivo afirma caminhando até um muro do outro lado do terraço, e ela vai atrás dele, olhando tudo em volta com os olhos brilhando.

— É sim -A Heterocromada confessou, encostando-se no mesmo lugar que ele.- Como é bom tomar ar fresco. Lá dentro estava tão abafado que só agora percebi.

— Verdade..

Castiel respirou fundo, tomando coragem para entregar mais um presente a ela. No fundo, ele sabia que aquele presente seria mais um motivo para mima-la, mas foi inevitável. Quando o mesmo acho aquele item na vitrine de uma loja, a primeira coisa que veio em mente, foi Bela, então aí surgiu a necessidade dele comprar algo como aquilo, apenas para agrada-la e ver a alegria da heterocromada sendo expressada num belo e singelo sorriso.

— Olha, tenho algo para te dar. -Sem jeito, o garoto colocou a mão dentro da calça, pegando instantaneamente a caixinha que ali repousava o dia inteiro.

Bela observava-o intrigada, inclinando a cabeça para o lado, indagando-se sobre o que ele estava falando. De repente, na visão da morena, uma caixinha avermelhada foi exposta em sua frente, e na hora levou um arrepio, imaginando o que seria. Ela encarou Castiel, não sabendo se olhava-o, ou se voltava a atenção para o item aveludado.

— Relaxa, não é um pedido de casamento, haha. Bom.. Ainda não. -Rindo com a reação da menina, o ruivo disse, murmurando a última parte.

A garota soltou um suspiro de alívio. Não imaginava sendo noiva logo agora com seus dezenove anos. Se sentiu até boba por pensar nessa hipótese, corando sutilmente. O engraçado era que, semanas atrás, a mesma ria e sorria com seus delírios, sonhando que um dia se casaria com Castiel, teria filhos e sua vida seria perfeita; e agora, estava até com medo de imaginar isso. Ambos tão jovens, mal começaram a viver, imagine se casarem logo agora?, perderiam uma grande parte da fase vida em que estavam tendo. Não que ela não quisesse se casar com o ruivo, pelo contrário, Bela queria ficar eternamente junto com o garoto, só que.. casar? Com dezenove anos?, não seria uma boa idéia.

— Bem… -Ele iniciou a frase, desamparado. Não sabia bem o que dizer- Isso é só uma forma de mostrar a todos que você já tem alguém. É como uma coleira mais sutil no dedo. Até porque.. Eu quero que todos saibam que você é minha. -Abrindo-o a pequena caixinha, um anel da cor prata se revelou, fazendo o coração de Bela disparar por tamanha beleza. Por certo, aquilo deveria ter sido caro pelo grande detalhe de uma pedra azul, nem tão escandalosa, nem tão pequena.

— Castiel.. É lindo! -Ela elogiou, admirando a tamanha beleza do item.

— Me dê sua mão. -Ele afirmou, pegando o anel. Sem hesitar, a garota direcionou a mão até a frente do garoto, e o mesmo pousou o presente em um dos dedos de Bela, indo até o final.- Gostou?

— Eu amei!. -Confessou, sorridente, sem desviar o olhar daquele acessório tão bonito e reluzente.

A brisa não tão gélida daquele começo de noite, chocou-se em seus corpos, e isso fez que Bela levantasse seu olhar diretamente para o ruivo. Ao visualiza-lo, não se arrependeu de ter levantado a cabeça. Assim como o balançar do vento, os cabelos avermelhados do ruivo sobrevoavam e balançavam suavemente pelo ar, fazendo que algumas mechas cobrissem um pouco seus olhos acinzentados, porém não interferindo na beleza do garoto. A paisagem atrás do mesmo ajudou a melhorar a visão do ambiente, estimulando-a admira-lo repleta de paixão. Na visão de Bela, como um ser humano igual ao Castiel poderia ser tão irresistível ao ponto de deixa-la em um transe tão grande, apenas para observa-lo e absorver toda a beleza que o ruivo emanava, não apenas pela parte física, mas sim pelos simples atos de amor que o mesmo cometia. Atos os quais deixavam-na cada vez mais apaixonada pelo garoto. Não estava mais reconhecendo o garoto que implicava com ela no começo do período das aulas, aquele garoto parecia ter mudado tanto, que estava irreconhecível!, quer dizer, ele havia mudado apenas para ela, para outras pessoas, Castiel continuava o mesmo garoto explosivo e cheio de si. Encantada, Bela elevou a palma de suas mãos ao encontro do contorno facial do ruivo, colocando-as cada uma em um lado lateral. Ainda olhando-o no fundo dos olhos, sorriu meiga, respirando fundo aquele puro ar fresco.

— Eu te amo, sabia? -Ela confessou, mergulhando no mar acinzentado que as íris do garoto caracterizavam. Tão hipnotizantes que sabia que, se ficasse encarando-o profundamente, se prenderia ao mesmo, num caminho sem retorno, afogando-se no brilho que esbanjava.

— Também te amo. -Castiel soltou a frase, meio sem pensar. Pela primeira vez, ele havia confessado um fato que não conseguia dizer de forma concreta a um certo tempo. O ruivo suspirou, sentindo as mãos quentes e macias de Bela acariciarem seu rosto carinhosamente, como se estivesse com medo de machuca-lo, mesmo não sendo possível.

Inesperadamente, o garoto a envolveu em um abraço receptivo e cheio de carinho, encostando a face da garota em seu peito, o qual se movimentava não apenas com sua respiração elevada, mas também pelas batidas um pouco mais rápidas de seu coração. A menina se acomodou entre seus braços fortes, sentindo-se protegida, e caindo numa grande onda de calor corporal circulavam seus corpos quentes.

Após alguns minutos parados, ainda admirando a visão que o terraço fornecia, Rosalya apareceu e chamou-os de volta para a festa, pois iriam distribuir o bolo. Nenhum deles contrariou a platinada, aliás, de qualquer jeito, ela não iria permitir que eles continuassem ali em cima, e os obrigaria a descer a todo o custo. Aquela seria uma boa longa noite..

[. . .]

Os sapatos de Castiel foram jogados para longe no momento em que o primeiro passo foi dado em seu apartamento, juntamente com Bela. A festa já tinha acabado, e por sinal, bem mais tarde do que o previsto. O evento havia sido extremamente divertido!. Portanto, tinha que acabar. O ruivo estando sem sua moto, ela longe de casa, e o horário avançado, tiveram que tomar uma decisão: A morena teria que dormir na casa da pessoa mais próxima dali, nada mais nada menos que o próprio garoto.

— Lar doce lar! -O ruivo diz em meio de um bocejo. Realmente, a noite fora tão animada que o deixou cansado e cheio de sono, tanto que seus olhos insistiam em se fechar em todo momento.

Bela vindo logo atrás, se apoiou no ombro de Castiel, olhando por cima do mesmo, o que o ambiente lhe fornecia. Seus olhos brilharam ao ver o quão arrumado e bonito era a casa do garoto, lançando a perfeita combinação do cômodo com o dono dali. Era incrível como o apartamento permanecia jeitoso e bem arrumado, impossível de negar que ele era o proprietário daquele apartamento.

— Vem, entra. -O menino diz sorrindo, e a garota concordou instantaneamente, reproduzindo o que ele lhe pedira.- Seja bem-vinda ao meu humilde aconchego. -Falou fechando a porta, logo após de Bela se distanciar e parar em meio do tapete da sala.

— Obrigada. Sua casa é muito bonita. -A heterocromada confessou olhando em volta.- Confesso que esperava algo totalmente diferente.

— Tipo o que? -O ruivo perguntou curioso.

— Pensei que ela fosse mais bagunçada. -Ela ri, sem graça, admirando a decoração do cômodo.

— É que eu arrumei a casa esses dias atrás. -Ele afirma, pondo as mãos na cintura.- Fiquei com inveja de ver seu apartamento todo arrumado, e o meu de cabeça para baixo.

— Poxa haha. Meu apartamento não é lá essas coisas.. -Olhando novamente para sua volta, Bela rolou os olhos.

— He, mas então, fique a vontade, tá?. A noite foi cansativa. Suponho que você não esteja com fome, mas de qualquer forma, tem lanches na geladeira. E bem, explore a casa. Eu vou tomar um banho. -Retirando sua jaqueta, o ruivo disse olhando-a com atenção. Mesmo que a garota tenha se “acabado” de tanto dançar, suas vestes e cabelos estavam perfeitamente ajeitados. “Ela sempre foi tão vaidosa assim?”, perguntou-se mentalmente, soltando um riso pelo nariz. Jogou a peça de roupa que se encontrava já fora de seu corpo no sofá, e visualizou Bela confirmar com a cabeça, sentando na poltrona, pondo seus presentes no chão e começando a tirar o salto alto, que por certo, deveria estar machucando a sola de seus pequenos pés. Como que uma mulher poderia passar tanto tempo em cima de um salto alto!?.

— Pode deixar, Cast. -Disse a morena balançando a cabeça em forma de sim.

— Tem outro banheiro aqui, eu vou usar o do corredor, você pode se banhar no do meu quarto. Há toalhas no criado mudo. -O garoto afirmou, entrando no corredor para poder chegar ao banheiro.

— Certo, obrigado. -Foi a última coisa que ela disse ao vê-lo desaparecer de sua visão.

Cansada, a mesma se jogou de costas para a cabeceira do sofá, soltando um profundo suspiro com um sorriso entre os lábios. Esticou suas pernas o máximo o que podia, se espreguiçando. Como resultado por passar praticamente a festa toda em pé, dançando de um lado para o outro, suas pernas estavam doloridas, mas não se arrependeu em momento algum, afinal, concluiu consigo mesma que essa foi uma das melhores noites que já teve desde que se tornou adolescente. Não havia nada mais satisfatório do que passar um tempo com as pessoas mais queridas, sem brigas, conflitos, bate boca ou qualquer coisa ruim, e isso foi totalmente aplicado em seu aniversário!, uma festa tranquila e bem executada. Também confessou que nunca esperaria por uma surpresa daquelas. “E que surpresa”, pensou Bela, abrindo os olhos. “Nunca irei esquecer desse aniversário..”. Um bocejo foi manifestado por sua boca, indicando que o sono estava batendo na porta de suas pálpebras para serem fechadas por um determinado tempo, suficiente para cair num sono profundo e relaxante. Portanto, se quisesse dormir mesmo, teria que tomar um banho para se livrar do suor e do cheiro que causavam incomodo para a garota. E outra, não podia deixar de pensar nisso, mesmo querendo ignorar, mas afinal das contas, ela estava nada mais nada menos na casa do próprio namorado!. Não queria estar em mal estado perto dele. Pensando nisso, a barriga de Bela gelou de nervosismo, e na hora, levantou após alguns minutos em branco. Um pouco zonza por causa da bebida ingerida mais cedo, começou a caminhar pelos cômodos a procura do banheiro mencionado por Castiel. Logo, ele com certeza sairia do banho e iria se deparar com ela ainda ali, parada, e pensando nisso, Bela achou nada legal. Confusa, desacelerou seus passos, olhando para duas portas, uma no lado da outra em pleno corredor. Sem pensar, girou a maçaneta de qualquer uma, abrindo-a de uma vez por todas.

O ranger da porta sendo aberta foi o suficiente para chamar a atenção do rapaz que se encontrava próximo a torneira, com suas partes baixas ainda cobertas por uma toalha branca. Na hora em que o olhar dos dois se encontraram, Bela corou fortemente, se escondendo imediatamente atrás da porta, mantendo apenas metade de sua face para fora.

— O-oh.. Desculpa.. Eu e-esqueci que você estava aqui.. -Ela disse, constrangida. Por conta do evento que acabara de acontecer, ela não pode raciocinar o que estava fazendo. No fundo, a mesma sabia que a possibilidade de acha-lo em um cômodo seria bem possível, só não achava que seria assim, de cara.

– Sério? Que pena.. -Castiel disse, desamarrado sua tolha em volta do corpo, não se importando em ficar nu livremente. Bela na hora, fechou seus olhos levemente, mordendo o interior de suas bochechas.- Pensei que você estivesse invadindo aqui apenas para me ver… que chato. -Ele ironizou, dando de costas e se voltando a banheira.

Ele se sentou na água lentamente, jogando sua cabeça para trás a cada centímetro que seu corpo relaxava e adentrava para dentro. Os braços do ruivo se estenderam pelas curvas laterais do móvel, soltando um longo suspiro entre seus lábios. Bela tentou disfarçar um pouco o primeiro olhar malicioso que ela teve, coçando seu cotovelo, envergonhada. Não sentia-se totalmente confortável ao ver o ruivo naquele estado físico, porém, batalhava contra a sua própria mente para que ele não percebesse que ela estava realmente interessada em seu corpo masculino. O admirou pelo canto dos olhos atrás da porta, e sorriu brevemente, soltando um riso pelo nariz.

— Psiu -Castiel chamou-a indiretamente, e isso fez que a atenção da heterocromada fosse voltada ao mesmo, empurrando a porta em alguns centímetros de distância para que ficasse um pouco mais aberta.- Não fica apenas olhando. -Ele riu- Vem logo.

Na hora, a garota separou os lábios, sorrindo com o canto da boca. Ele estava chamando-a para tomar banho juntos, e essa idéia ainda estava presa entre as ingrenagens do consciente da menina. A mesma confessou que também estava esperando por aquilo desde cedo, então, não ficou se perguntando e pensando por muito tempo. Eles estavam ali, não tinha um porquê para recusar o convite.

Aquilo foi a largada para que um sentimento reproduzido por pouco tempo atrás, fosse despertado, e sem perder muito tempo, Bela entrou receosa no cômodo, enlaçando seus dedos nas costas e encontrado o zíper que liberava a saída da roupa. Foi meio complicado de começar a se despir, mas não impossível. Já com o zíper aberto, passou desce-lo até sua as coxas, e a partir daí, a peça de roupa escorregou sozinha direto para o chão, deixando-a apenas com sua roupa íntima. Enquanto Bela elevava a mão ao encontro dos ganchos do sutiã, Castiel a admirava mordendo os lábios. Ela era tão bonita, tão delicada, tão sensual e seduzente que nem percebia o quanto deixava-o excitado. Uma brecha de sorriso foi aberta entre os lábios do ruivo, no momento em que visualizou a morena descer lentamente as alças do sutiã, finalmente deixando seus seios avantajados expostos para fora. O mesmo se sentia feliz ao perceber que Bela estava se soltando e se acostumando com essa relação entre ambos, e isso abria portas para novas experiências como essa que está por vir. Castiel se ajeitou dentro da água. Sem mais delongas, a garota atenciosa no ato de se despir, enroscou as mãos nas laterais da coxas, puxando a fina e última peça de roupa de seu corpo, ficando nua por completo. Meio receosa, elevou os olhos bicolores ao encontro de Castiel, se sentindo um pouco envergonhada na situação. Era impressão dela, ou o cômodo estava ficando mais quente?. Sem jeito, coçou o cotovelo, se aproximando de onde o garoto estava. Mal aproximou os pés banheira a dentro, que foi puxada instantaneamente para entrar de uma vez. Castiel havia deixado-a assustada momentaneamente graças ao ato de agarra-la pela cintura, e força-la a sentar de costas em cima de seu colo. A mesma soltou um curto e baixo grito de desespero a cair exatamente sobre o ruivo, que ao escutar aquilo, riu. Bela virou a cabeça para trás, vendo-o por cima do ombro e sorriu descontraída. De fato, aquele espaço em que estavam não era tão apertado assim. A água estava perfeitamente quente, e o contato dela com o corpo da garota, era um fato relaxante de sentir, e de se contrair dentro.

— O que.. O que você está fazendo? -A garota perguntou quando sentiu um deslize de sabonete sobre o outro ombro que obtinha.

— Te dando banho, o que mais eu estaria fazendo dentro de uma banheira? -Ele perguntou com um ar irônico, enquanto passava o sabão pelas regiões das costas da morena, vendo pequenas bolhas de ar se formarem com a espuma que criava ao passar dos movimentos.- Posso continuar? -Indagou pressionando os lábios contra a orelha da menina, a qual sentiu um arrepio percorrer por toda extremidade de sua pele molhada pela água.

— Pode.. -Ela respondeu fechando os olhos, engolindo seco.

— Ótimo -Castiel afirma sorrindo.

Sem hesitar, selou seus lábios no vão do pescoço dela, e espalhou beijos fortes e apertados, caracterizados como chupões, continuando a vagar o sabonete pelo corpo de sua parceira. A heterocromada se soltou ali, contorcendo seu pescoço em curtas risadas pelas sensações fornecidas pelo ato de Castiel beija-la, aquilo causava cócegas, e pouco a pouco, as mãos que guiavam o sabão, e se controlavam a todo custo para não tocar tão rápido em certas regiões da garotas, se aproximavam vagarosamente da dianteira do corpo da menina, até chegarem no ponto em que o ruivo tanto esperava. Sem esperar muito, se aprofundou entre os seios da garota, ensaboando-os com vontade. Nessa altura do campeonato, o mesmo já até havia deixado o sabonete afundar dentro d'água, por estar distraído com suas ações. Bela passou a língua lentamente em volta de seus lábios, contendo-se com a excitação que cultivava ao senti-lo apertar seus seios com tanta disposição e desejo; a sensação era tão boa. Castiel, ouvindo-a soltar os primeiros e mais baixos gemidos entre os lábios, sorriu, sedento por mais.

— Opa.. Acho que perdi o sabão. -Ele cochichou, soltando um dos seios que possuía em mãos e entrando dentro da água.

Era lógico que o ruivo não estava nenhum pouco interessado ou preocupado com o tão integrante do banho, só usou essa justificativa como desculpa para mergulhar sua mão na banheira e encontrar um ponto certeiro. A garota já iria abrir seus olhos, porém quando sentiu sua intimidade ser invadida por dois dedos, sem aviso prévio, gemeu alto, dando um pequeno pulo no colo do garoto, que mordeu os lábios ao escuta-la. Ali mesmo, Castiel se perdeu entre o meio das pernas de Bela, aumentando a intensidade a cada segundo, e isso fazia que a respiração da garota aumentasse ainda mais, descompassada. Ela chamou-o pelo nome, se inclinando um pouco para frente, porém, Castiel agarrou sua cintura com a mão vaga, e fez que a mesma jogasse o pescoço sobre seu ombro. Ainda assim, rapidamente, soltou-a, levando seus dedos até o interior das coxas da mesma, que num ato rápido, pressionou-a até que as duas pernas da heterocromada fossem abertas de maneira escandalosa, entretanto, que permitiu do ruivo se ousar mais, e penetra-la mais fundo ainda com os dedos, tocando em pontos diferentes. Bela arfou em busca de ar, manifestando caras e bocas diante de sua face. Era diferente fazer aquilo dentro da água, pois o estado líquido da água emanava um imenso calor, que deixava-os seus corpos ainda mais quentes, e isso não era ruim como aparentava, pelo contrário, era uma experiência e tanto. Castiel virou o rosto em direção a garota, não contendo-se em admirar as belas feições faciais que a mesma criava na região do rosto, e isso para ele, era extremamente excitante. Sem esperar muito tempo, curvou a língua para fora e se inclinou o suficiente para entrar dentro da boca aberta de Bela, a qual mantinha-a assim para melhorar sua respiração abafada. Ele a invadiu num beijo totalmente molhado e quente, cruzando ambas as línguas uma na outra, numa imensa batalha sem nenhum vencedor. Estava sendo tudo muito rápido, a mão boba, o beijo, tão enlouquecedor para Bela, que já estava prestes a ter um orgasmo. Ela já estava num ponto inevitável, prestes cometer o primeiro clímax, quando sentiu a ereção do ruivo toca-la, foi aí então que a garota lembrou que aquilo nem não tinha começado. De repente, os dedos que tocavam-na em sua área íntima, saíram de imediato, rapidamente levados até a cintura da mesma junto com a outra mão, fazendo assim, o corpo de Bela se virar forçado, para ficar frente a frente do ruivo. Eles cessaram o beijo por falta de ar, tendo que separar seus rostos. Entre ambas as línguas, uma fina linha de saliva interligava-as. O garoto encarou-a, abrindo um sorriso totalmente perverso, e com os olhos, fez um sinal que Bela não entendeu inicialmente.

— Tem algo que eu quero muito que você faça desde aquela noite no parque. -Castiel disse, afastando um pouco o corpo colado de Bela de si mesmo, deixando assim, um vão entre os dois. Ela inclinou a cabeça para o lado, não estava conseguindo entender direito o que ele estava se referindo.- Você faria isso por mim? -O menino perguntou, acariciando o rosto da sua parceira.

— Cast, eu faço o que você quiser. -A de olhos bicolores fala num tom abafado e manhosa, mordendo sutilmente seu lábio inferior.

— É assim que eu gosto, boa garota. -Afirmou apertando a polpa da bunda da garota, que gemeu baixinho.

Inesperadamente, o ruivo começou a se mexer para sair da água. Bela arqueou a sobrancelha, porque ele estava saindo dali, afinal?. Quando foi perceber, ele já estava em pé, e a garota ao vê-lo nessa situação, não conseguiu desviar os olhos, por mais que quisesse. Seu as bochechas pegaram fogo instantaneamente, e subiu o olhar até a face do ruivo, que jogou os cabelos para trás e retornou à encara-la com um sorriso largo que vinha de orelha a orelha.

— O que você está planejando? -Ela perguntou confusa, ficando de joelhos para visualizar o ruivo de mais perto.

— Quer descobrir? -Enlaçando a mão sobre os cabelos da garota, Castiel aproximou-a lentamente de seu corpo, e na hora, Bela arregalou os olhos.

Não, era aquilo mesmo que ela estava pensando?, ele iria fazer aquilo mesmo?. A heterocromada olhou-o constrangida, e se afastou um pouco, sentindo sua cabeça ser carinhosamente acariciada. Seus lábios foram entreabertos, e fixou o olhar sobre Castiel, apreensiva. Ele sorriu de canto, e puxou-a novamente pelos cabelos de um jeito brusco, e a única coisa que Bela pode pensar, foi na frase que a mesma disse segundos atrás. “Cast, eu faço o que você quiser”, repetia mentalmente, e fechou os olhos. “Eu não acredito que vou fazer isso.”, pensou antes de sentir o membro de Castiel tocar seus lábios, indicando para que fossem abertos, e assim, um arrepio gelado percorreu sua espinha.

— Não coloque os dentes, garota. -Foi a última coisa que ele disse, e após isso, fez Bela receber seu membro de boca aberta.

A cada centímetro que o mesmo forçava-a suga-lo, Castiel dilatava um sorriso em seus lábios, soltando um gemido arrastado com o nome da garoto em meio. Ele não esperava que ela fosse mesmo fazer isso, afinal, Bela parece ser inocente e desprotegida, nunca passou por sua cabeça que ela fosse fazer algo deste tipo sem ao menos reclamar.

Ao perceber que a menina havia chegado ao seu limite do espaço que podia armazena-lo dentro de sua boca, o ruivo puxou-a lentamente para frente pelos cabelos, fazendo assim um movimento de vai e vem. Bela não sabia muito bem o que estava fazendo, era tudo muito complicado, mas escutar seu companheiro gemer, a satisfazia, então apenas continuou reproduzindo o que ele pediu. A mesma, apoiou seus braços nas coxas volumosas e bem feitas do garoto, tentando manter equilíbrio o suficiente para continuar ajoelhada. Assim que ela se acostumou a fazer isso, passou a brincar com o membro do mesmo, enroscando sua língua em toda área que podia dentro de sua boca, abocanhando-o e chupando-o de maneira quase desesperada por não saber o que fazer. Castiel jogou a cabeça para trás, mordendo os lábios. Aquilo estava sendo tão prazeroso para ele que nem mesmo conseguia ficar em pé, suas pernas tremiam, e seu membro pulsava dentro dos quatro cantos da boca da morena, de tanta excitação. Foi tanta a pressão para ele, que foi impossível se conter. Sem nenhuma gentileza ou carinho, puxou os cabelos da garota, forçando-a a aumentar a velocidade. O ruivo gemeu baixo, ouvindo o som que os lábios da garota faziam a medida chupava seu membro. Bela, na visão do garoto, cometia suas ações de maneira tão sensual e sexy, e isso fazia-o querer ainda mais do que ela tinha a oferecer. De repente, Castiel arfou, respirando através dos dentes. O mesmo não tinha sido capaz de aguentar, ou ele fazia isso ou suas pernas iriam desabar, portanto acabou gozando sem avisar, e instantaneamente, Bela retirou o membro do ruivo de dentro de sua boca, com a mandíbula um pouco dolorida, em êxtase. Sua boca estava inundada com o líquido que o garoto havia soltado segundos atrás, e sem pensar, acabou engolindo. Parece que as bebidas alcoólicas que Bela havia ingerido na festa, cometeu um resultado, facilitando suas reações ousadas e a falta de um rápido raciocínio. Castiel ficou surpreso ao vê-la lamber os lábios com a boca salivando. Parecia que mais alguém sem ser ele, tinha gostado disso. Sem forças, o ruivo voltou a se sentar na água, respirando fundo. Isso tinha sido uma experiência e tanto para ele, que estava esperando a tempos por aquilo, e agora, não ficou nenhum pouco decepcionado com sua espera apenas para sentir os lábios doces e carnudos de Bela tocarem seu membro de maneira sedenta e cheia de delicadeza. Por mais que ele estivesse um pouco cansado, não significava que seu momento junto a ela no banheiro havia chegado ao fim. A heterocromada voltou a se sentar em cima do ruivo, roçando seus seios sobre o peito nu do ruivo, que reagindo a essa ação, segurou fortemente o quadril da garota, agora com um pouco mais de disposição. Ambos se encararam, sorrindo sem mostrar os dentes. Bela se arrumou sobre o colo do garoto, fazendo suas intimidades se chocarem, e isso gerou que os dois arfassem.

— Eu quero você.. -O ruivo afirmou, beijando-a com sua língua de um jeito apressado. Conforme o movimento o beijo entre os dois, os peitos de Bela roçavam contra Castiel, deixando-o cada vez mais motivado para continuar. De repente, ele cessou o beijo.- Posso? -Castiel pediu, e após alguns segundos em silêncio, a garota concordou corada.- Ótimo. -Sorriu.

Enlaçando suas mãos nas laterais do corpo da morena, ergueu-a o suficiente para que quando colocasse-a novamente em cima de si, a penetrasse de forma certeira. E foi isso que aconteceu. Devastando toda a extremidade da área íntima da garota, Castiel soltou um suspiro de desejo, junto de Bela, que sentindo-o dentro de si, buscou ar através de seus dentes. Assim que o membro do garoto já havia entrado totalmente dentro dela, a garota começou a rebolar lentamente, passando a língua por volta da boca. Senti-lo dentro de si era tão bom, tão excitante, que nem mesmo ela estava aguentando permanecer numa velocidade vagarosa. Ela abriu os olhos, dando de cara com a face rosada de Castiel, e a mesma riu com o nariz, identificando o pulsar do garoto dentro de si.

— Isso é tortura, Bela. -O ruivo fala, franzindo a testa.

— Eu sei. -A menina fala com uma certa dificuldade.

Impaciente, Castiel segurou firmemente o quadril da heterocromada, forçando-a rebolar mais rápido. Ele soltou um “Agora sim”, bem baixo entre os lábios, fechando os olhos, relaxado. A garota continuou a rebolar na mesma velocidade que ele a deixou, e assim as mãos do ruivo finalmente se soltaram e puderam passear livremente por toda a extensão do corpo de Bela, chegando na parte traseira dela. Sem hesitar, apertou cheio de vontade a bunda da garota, fezendo-a gemer um pouco mais alto, influenciando-a se movimentar ainda mais rápido e com força. Chegou um certo ponto em que a mesma parou, e ao invés de cavalgar sobre ele, começou a subir e descer seu corpo, sentando diversas vezes no membro ereto de Castiel, e isso foi a melhor escolha que ela pode fazer. Senti-lo entrar e sair de sua intimidade fornecia uma sensação ainda mais do que quente, porém o cansaço vinha mais rápido. Ele se agradou com essa mudança de movimentos, também se movendo em direção da garota, apertando ainda mais a bunda volumosa e redonda de Bela. Tendo uma vontade imensa de beija-la, o ruivo se jogou para a frente, mordendo logo de cara um dos lábios da morena. Graças a isso, o corpo de Bela parou de se mover e as mãos de Castiel saíram da água, abraçando cada interior da coxa da mesma, fazendo-a abrir ainda mais as pernas. O ato de se jogar para frente dela, fez que as costas da heterocromada chegassem do outro lado da banheira, ficando praticamente deitada. Ela agarrou fortemente a nuca do menino, intensificando o beijo que davam, cheio de saliva e de interações com a língua. Dessa vez, quem puxava os cabelos era Bela, tentando aproxima-lo ainda mais de seu corpo, e Castiel que se movimentava, dando estocadas certeiras dentro da menina, que gemeu alto, atrapalhando o beijo. Pela primeira vez na prática dessa ação, ambos estavam à vontade, influenciados pela bebida?, sim, mas mesmo assim, era a primeira vez em que eles partiram um para cima do outro, chegando a serem até um pouco selvagens nisso. De repente, as pernas da garota passaram a amolecer, e sua intimidade já dava índices do que iria provocar, e pela primeira vez ali dentro, gozou, fazendo que seu corpo amolecesse feito uma boneca de pano. Se não fosse por Castiel segurar suas pernas e mante-las abertas, ela não conseguiria mais se mexer. Entretanto, Castiel continuou firme, penetrando-a cada vez mais forte e veloz, e ela não aguentava mais. A morena não se conteve, a ação era tão prazerosa e enlouquecedora, que a única maneira de descontar seus sentimentos, fora inclinar ainda mais seu quadril para frente, foi descontar tudo isso em arranhões ardentes sob as costas do garoto. Havia muita coisas para darem atenção, e isso impossibilitava de ambos pensarem durante seus movimentos, que superava os anteriores. A cada segundo que mexiam suas bocas, Bela praticamente gritava a todo momento, puxando as mechas avermelhadas do cabelo vibrante de seu parceiro, delirando ao extremo. A água do recipiente de onde estavam, caiam para fora, molhando o chão do banheiro, porém, intensificavam cada movimento com seu calor e seu estado líquido, que mantinham os corpos de ambos relaxados e moles. Nem mesmo se davam conta que em breve, o chão ficaria complemente molhado. Quando fôlego dos dois veio a acabar, ambos se separaram, em busca de ar. Logo, Castiel desesperado, abaixou sua cabeça em direção ao busto da garota, não perdendo tempo, abocanhou um dos seios, chupando-o com todo o prazer, sem parar de se mover compulsivamente dentro da morena. Com a língua, brincou com o topo do peito esquerdo, não podendo apalpar o outro por conta de estar segurando as pernas de Bela.

— Eu gostaria de fazer isso pelo.. resto da noite -Ele disse ofegante entre os seios da menina de olhos bicolores, partindo novamente ao outro peito.

O mesmo sugou a ponta do outro seio de Bela para dentro de sua boca, abocanhando com luxúria e vontade.

— H-hm.. Castiel -Ela chamou-o Pelo nome no momento em que sentiu suas partes baixas se aquecerem ainda mais, assim como suas peles foram molhadas externamente pela água e pelo suor, o interior da garota também foi, identificando que o garoto havia gozado mais uma vez.

Foi aí que ambos começaram a perder a força e disposição para prosseguir em frente. Suas respirações quentes e ofegantes se misturavam com o vapor que surgiu durante aquele tempo que estavam no banheiro, e isso dificultava um pouco a habilidade de inalar o ar, porém nada de mais. A vontade dos dois, assim dito pelo ruivo, era continuar em frente, entretanto, o cansaço chegou mais rápido dessa vez. Obrigados a parar, Castiel retirou-se de dentro da garota, soltando-a de forma delicada e sentando normalmente logo em seguida dentro da água. Bela se ajeitou, dolorida, jogando os cabelos úmidos, não de água mas de suor, para trás. Demorou um pouco para os dois raciocinarem o que acabara de acontecer, e ao cruzarem seus olhares, sorriram, a heterocromada meio sem jeito.

— Isso.. Foi incrível.. -Ela disse em meio de sua respiração ofegante, sem obter vergonha.

— Você é incrível. -Piscando apenas um só olho, Castiel falou sorrindo enquanto mordia brevemente seu lábio inferior.

Esgotados, era o estado dos dois, por mais que tenham feito “pouca coisa”. Quando foram perceber, notaram que uma grande nuvem de vapor rodeava todo o comodo, e mal dava para enxergar direito os itens que decoravam e preenchia o ambiente. Realmente, ali dentro estava quente.

No final das contas, Castiel puxou-a novamente para ficar rente ao seu corpo, finalmente podendo tomar literalmente um banho tranquilo, juntos. Aquele momento que tiveram juntos, foi o suficiente lá a deixar a garota fora de si, tão afastada do mundo real, que havia esquecido de todos os seus problemas, os quais voltariam sem que ela mesmo perceba.


Notas Finais


Eu não sei se esse Hentai foi bom.. O que vocês acharam?
HMMM
ESTOU MUITO ANSIOSA PARA OS PRÓXIMOS CAPÍTULOS! SINTO QUE VOCÊS VÃO GOSTAR :D
Não irei prometer que postarei o próximo capítulo cedo, ent sorry ;-;
Beeem, esse capítulo não terá gif por razões óbvias, ent desculpem-me!.
Desculpem-me também pelos erros ortográficos desse capítulo. Realmente, acho que perdi a habilidade de escrever em 3° pessoa ;-;
Mas bem, obrigado por tudo! Esse Hentai serve como um especial de 200 favoritos!!. Sério, muito obrigado! Fico tão feliz com isso 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...