História Esperança - Capítulo 4


Escrita por: e OmmaJuh

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Ommajuh, Uttminnie, Vmin
Visualizações 82
Palavras 2.106
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi anjinhos, estão bem? Espero que sim 😉🙏🏻😊

LEIAM A NOTAS FINAIS ⬅️💕💜

Capítulo 4 - Quatro


Já tinha passado dois meses, desde que Seokjin tinha mandado a mensagem para Jimin. Depois que o Park recebeu aquela mensagem com uma foto de um menininho, tentou de várias maneiras falar com o mais velho, o que não conseguiu, parecia que Jin não queria falar com o Park.

O aniversário do pequeno Chin foi uma festa linda, tinha tudo o que uma criança de 5 aninhos poderia querer. Na manhã do dia da festa o pequeno tinha perguntado novamente para Taehyung sobre seu outro appa. Taehyung lhe respondeu com a maior calma que podia, não gostava quando seu pequeno pergunta sobre o outro appa porque sempre se lembrava daquela noite. Depois da festa, Chin não tocou mais no assunto, o que era um alívio para o Kim.

Depois de dois dias do aniversário do filho, Taehyung foi pego com um pedido de namoro de Jeon, esse que sempre mostrou seus sentimentos pelo o Kim.

Na época, depois do acontecimento, Taehyung não tinha se relacionado com ninguém, até mesmo deitar com alguém em uma cama, ele não conseguia. Jeon sempre teve ao seu lado depois do ocorrido, sempre mostrou carinho para o mais velho, mesmo que ele não gostasse desse carinho, e,  ainda que soubesse que o Jeon seria carinhoso consigo por se importar, Kim achava que esse carinho era por pena.

Taehyung havia aceitado o pedido, mas conversou sério com o Jeon, deixando bem claro que não sentia o mesmo pelo o mais novo, deixou bem claro por que tinha aceito o pedido.

Seokjin não aguentava mais ficar pensando no que havia feito; não só por ter mandado a mensagem para o Park, e sim por também esconder a verdade de seu amigo. Com esses dois meses que passou, ele tinha decidido contar a verdade para Taehyung, mesmo sentido medo da reação do melhor amigo, porém, a verdade tinha que ser dita apesar de tudo.

Seokjin já estava a caminho da casa do Kim mais novo, o medo dominava seu corpo a cada centímetro mais perto, ao adentrar no prédio, seguiu direto para o andar desejado, segurou firme os papéis na mão e bateu na porta, esperou por alguns minutos e logo viu Taehyung sorrindo.

— Jinnie o que faz aqui ? — Perguntou sorrindo e dando passagem para o amigo entrar.

— Taehyung, eu preciso falar com você, mas antes você tem que me prometer que não vai me odiar por isso, mesmo que seja difícil. — Jin falou de forma nervosa, fazendo o sorriso no rosto do amigo sumir. — Por favor, me prometa isso.

— Jin, o que está acontecendo? Como posso prometer algo que nem sei da gravidade do assunto? — Taehyung olhou os papéis na mão de Seokjin e viu que algo estava muito errado ali. — Vamos nos sentar e você me conta o que houve.

Após se sentarem, Jin respirou fundo e pensou na melhor maneira de dizer aquilo.

— Taehyung, esses papéis em minhas mãos são do primeiro exame que você fez quando descobriu a gravidez. Eu falei com o médico primeiro do que você e pedi para ele falsificar um e te dar. — Taehyung escutava tudo tentando entender onde o amigo queria chegar. — Na verdade, o seu filho não veio do dia em que você foi violentado. O Chin é filho do Jimin, está aqui a prova disso para você não pensar que é uma brincadeira sem graça. — Entregou os papéis para Taehyung, que tinha os olhos brilhando por conta da vontade de chorar. — Eu sei que...

— Você não tinha o direito de me esconder isso. — Falou baixo mais o outro conseguiu escutar. — VOCÊ NÃO TINHA ESSE DIREITO! — Gritou sentindo as lágrimas caírem de seus olhos e percorrerem seu rosto. — Por quê? Por que fez isso? Eu confiei em você!

— Taehyung eu só queria te proteger, eu não tinha a... — Tentou se explicar.

— Me proteger? O que vou dizer para o meu filho agora? Jimin nunca vai saber que tem um filho. — Falou ríspido. — Eu esperava isso de qualquer um, Kim Seokjin, menos de você; se quer mesmo me proteger, não conte nada para Jimin. — Jin mordeu o lábio de forma nervosa e se levantou. — Você não contou pra ele, né? Me diz que não fez isso!

— Ele precisava saber disso, ele também é o pai, Taehyung, e seu filho quer conhecer o… — Foi interrompido.

— Chin nunca vai saber dele, você não é ninguém pra tomar esse tipo de decisão. Você não passa de um ômega traído que nunca mais vai ser amado por alguém, vive se achando, mas não passa de um falso traiçoeiro. — Gritou e os olhos de Jin lacrimejaram ao lembrar do que aconteceu tempos atrás. — Eu odeio você, Jin, e agora vendo o que você realmente é, eu entendo o porquê de Jaemin ter traído você, mereceu isso, e merece coisa pior. — Dizia com tanta raiva que nem estava percebendo a gravidade de suas palavras.

— Na-não fala assim, você sabe como aquilo me machucou. — Disse chorando ao ter suas feridas abertas novamente.

— Você merece sofrer mais, merece tudo de ruim, acha que não me machucou escondendo isso de mim? — Sorriu com escárnio. — Kim Seokjin, o ômega que se acha perfeito e maravilhoso, mas não passa de uma decepção para todos, nem seus pais te quiseram, seu primeiro amor lhe deu um belo par de chifres e bem merecido. Quero te ver na lama por me esconder uma coisa dessas. — Jin levantou o olhar para o, agora, ex-amigo.

— Espero que perceba que fiz isso pelo seu próprio bem e pelo bem de seu filho. — Falou caminhando até a porta. — Chin merece saber que o pai dele é Park Jimin. — Se virou e olhou novamente para Taehyung. — Obrigado por me fazer lembrar de tudo que me feriu durante anos, você estava comigo quando tudo aconteceu e viu como aquilo me machucou, espero que veja a gravidade de suas palavras, você sabe muito bem como é ser violentado, assim como eu, mas eu fui traído também. — Saiu chorando, deixando um Taehyung arrependido pelo que disse, mas já estava feito e falado, não podia ir simplesmente pedir desculpa, Taehyung sabia bem que o amigo nunca superou ser traído e violentado no mesmo dia e cometeu um erro grande em dizer aquelas palavras duras. Mas agora o que o Kim não esperava, era ver seu filho parado no corredor, olhando-o com lágrimas nos olhos.

— Meu papai se chama Park Jimin, appa? — Chin perguntou, fazendo Taehyung arregalar os olhos.

••

Olhar para frente já era difícil para Taehyung. Seu rosto inundado pelas lágrimas, inchado, apenas o fazia sentir ainda mais frio do que já estava, aquilo estava sendo realmente difícil, uma forte chuva caía, alguns trovões apareciam, fazendo a dor aumentar cada vez mais. Seu coração doía, e Kim tentava de uma forma inútil se esquentar.

Estava tão frio...

A verdade revelada, aquela chuva forte, o clima, a pergunta do seu filhinho, a falta de alguém ao seu lado; tudo aquilo era tão frio, assim como aquela chuva.

As pessoas não tinham dó de esconder a verdade. Ser honesto é uma coisa, esconder a verdade é algo totalmente diferente. E foi isso que fizeram com Taehyung: esconderam a verdade.

O seu estado, todo molhado, não deixava a situação melhor, na verdade, piorava mais ainda. Aquelas gotas de chuva deixavam suas roupas cada vez mais molhadas. Aquele clima deixava nítido em sua mente a forma que toda a sua vida desabou sem que tivesse ao menos tempo de processar aquela enorme quantidade de informações. Não teve tempo para pensar ou agir, então apenas pediu para sua vizinha fica com o pequeno Chin e saiu de sua casa.

O caminho até a casa do seu namorado nunca pareceu tão longo, nem tão triste, ou solitário. Mas a verdade era que Jeon nunca o deixaria sozinho naquela situação. Taehyung era apenas uma página ruim de uma estória boa, e havia sido virado e provavelmente esquecido.

As pessoas escondem a verdade e pensam que ninguém se abalaria ou sofreria com isso.

Ao vislumbrar a casa do seu namorado, correu com as suas forças que ainda restavam, bateu na porta com tanta rapidez e força que sua mão começou a doer. Só que não doía tanto quanto seu coração.

Cada palavra que Seokjin falou mais cedo ainda doía uma dor que nunca poderia ser sobressaída. Era tão forte, impactante demais, dolorosa demais.

Taehyung só queria um abraço, um afago, talvez até palavras de consolo que nem mesmo acreditaria. Só precisava de alguém que desse o suporte que alguns os negaram, que lhe abraçasse e dissesse que estava ali por ele e que estaria ao seu lado.

Jungkook abriu a porta e encarou o mais novo, como se perguntasse o que estava fazendo ali, todo molhado, e Taehyung apenas se jogou nos braços do mais novo.

— Ei, calma. — Pediu Jeon, puxando Taehyung para dentro e fechado a porta em seguida. — O que aconteceu, Tae? Você está tudo encharcado, deve estar congelando.

Jungkook sempre foi como um porto seguro para Taehyung, quando não podia contar com Seokjin, corria para Jeon, esse que sempre estava lá para ajudar. Taehyung sempre o amparou nos momentos mais difíceis; na morte de seus pais, que foi uma dor tão forte, e em troca, Jeon fez o mesmo pelo mais novo.

— Kook, você pode me dar um abraço, por favor? — Pediu, com a voz fraca.

— Eu sempre vou te abraçar, mesmo se você não pedir. — Sussurrou, puxando-o para mais perto. — Mas realmente estou preocupado com você, Taetae.

Taetae; O Kim gosta quando Jeon o chama assim.

— Vem comigo, você precisa de um banho quente.

Confirmou um pouco tímido, mas ainda assim o seguiu em direção ao quarto dele, e também ao banheiro. Taehyung não se importou com o Jeon o ver sem roupas. Em alguns cios de Taehyung, foi o Jeon que cuidou do mesmo, sem passar dos limites. Jeon já tinha o visto sem roupas, e até tomar banho já tinham  tomado juntos.

Após o banho, Jeon foi até o seu guarda-roupa, em seguida entregou um moletom ao Kim, que ia até suas coxas e ficava bem largo. Mas era muito confortável e tinha o cheiro de menta, o cheiro que Taehyung amava.

— E-eu... — Miseravelmente tentou iniciar uma sentença, mas falhou e apenas se aconchegou nos braços do Jeon. — Eu não sei o que fazer, Kookie. Tudo desabou em cima de mim.

— Eu sei, Taetae. Estou aqui para cuidar de você.

Jeon acariciava os cabelos de Taehyung daquela forma que o fazia ronronar com a sensação, e com a outra mão livre usava para enxugar as lágrimas que ainda insistiam em cair. Estava sendo difícil para Kim, que tentava desabafar, porém não conseguia dizer nada.

— Está um pouco mais calmo? — Perguntou ainda acariciando, fazendo o mais velho negar. — Venha aqui.

Jeon o puxou para mais perto do seu peito, deixando-o deitado em cima do seu corpo. Seus braços envolveram Kim de uma forma protetora.

— Odeio te ver assim. — Falou, fazendo Kim voltar a chorar, estava totalmente sensível por qualquer motivo.

— Eu vou embora, Kookie. — A carícia que Jeon fazia em suas costas parou na mesma hora. — Kookie, eu...

— Você vai atrás dele? — Perguntou, ficando na sua frente. — É isso mesmo?

— Claro que não, eu nunca vou ir atrás do Jimin. O Chin nunca vai o conhecer, ele nunca vai conhecer o outro pai. — Jungkook o olhou como se tivesse horrorizado. — É por isso que vou embora,  tenho medo que ele venha atrás da gente e tire o Chin de mim.

Pelo o olhar de Jeon, Taehyung ficou ainda pior: Jeon estava chorando.

— Você não pode ir embora. — As lágrimas começaram a cair.

— É preciso, Kook. — Se aproximou do mais novo, abraçando-o. — Eu sinto muito, mas vai ser melhor assim.

Taehyung acariciou as costas de Jeon tentando o fazer se acalmar, mas estava sendo uma tarefa muito difícil.

— Kook, se acalma. — Taehyung pediu com toda calma.

Isso tudo estava deixando-o pior.

— Você não vai embora. — Se afastou de Taehyung e o olhou no olhos. — Você só precisa aceitar o pedido que te fiz dias atrás, assim ninguém vai tirar vocês de mim. Se casa comigo, Tae? 

— Eu não sei. — Prontamente Taehyung estava negando.

— Eu não vou permitir que ele chegue perto de você e do Chin se ele voltar. Você não pode ficar sozinho com uma criança de 5 anos por aí, Taehyung. E mesmo assim não vou deixar vocês irem embora. Nem que eu amarre você aqui, você vai ficar.

Está bem. Eu me caso com você. — Afirmou Taehyung.


Notas Finais


Anjinhos, estou sentindo falta de vocês nos comentários 😭😟 por favor me falem a opiniões de vocês 🙏😭 é importante para mim.

Será que o Jungkook vai casar mesmo? 🤔🤔

O quinto já está com a beta xuxus 💕😄😉

Então é isso amores 💕💜 até o próximo 😘

Meu perfil: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/il_sp

Perfil da Juh: https://www.spiritfanfiction.com/perfil/andrieny

Perfil da Beta:
https://www.spiritfanfiction.com/perfil/what3verfor3v3r


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...