História Espinhos de Rosa - Capítulo 1


Escrita por: , AnimeBoy07, Lapes e Yelou

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 9
Palavras 876
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção Adolescente, Fluffy, LGBT, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Pansexualidade, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Capítulo feito e revisado por Drau ;3

O tempo mínimo de leitura é 3 minutos e 13 segundos, então recomendo pegar sua bebida favorita, colocar um instrumental de uma música que você goste que seja bem calmo porém alegre, e ler. Mas não se esqueça, boa leitura!

Capítulo 1 - Prólogo; Entrada para o mar de rosas


Fanfic / Fanfiction Espinhos de Rosa - Capítulo 1 - Prólogo; Entrada para o mar de rosas

Há muito tempo atrás, foi criado uma espécie nova no Planeta Terra, os humanos. Eles evoluíram muito ao longo do tempo, e começaram a ser mais civilizados. Viviam em paz, já tinham várias carreiras; como por exemplo, os médicos e os cientistas, que eram bastante valorizados pelos humanos. Um dia, enquanto faziam uma pesquisa, os cientistas descobriram que 2,5% da população no Planeta Terra sofria de uma mutação, a Crasochnya, popularmente chamada por Doença Tic. A maioria das pessoas com essa doença moravam em um certo país na América do Sul, o Brasil. A Crasochnya dava características diferentes para eles, como por exemplo de um lagarto. Em 1934, já existiam várias pessoas com essa "doença". Os contaminados, eram todos movidos para uma ilha onde eram feitos experimentos; a ilha, chamada de Ilha Popoina havia várias construções, entre elas lugares do tipo prisão e hospital.
A rotina na ilha era assim: todo dia, quando as pessoas acordavam, eles faziam coisas básicas, como tomar banho, escovar os dentes e comer. Consequentemente, eram movidos para um lugar onde faziam os experimentos. Em meio de tudo isso, os cientistas descobriram que a mutação é de acordo com o seu tipo de sangue; por exemplo, as pessoas de sangue AB, poderia sofrer uma mutação mais poderosa, ou seja, esses cidadãos poderiam ter poderes. A mutação mais normal, que é alguém nascer com partes do corpo de animais — principalmente domésticos — ela teria que ter o sangue tipo A. Vários médicos já tentaram fazer tal pessoa do sangue AB doar o mesmo para alguém com outro tipo de sangue, mas a única coisa que conseguiram foram doenças entre eles. Essa doença não os deixava mais fortes, mas sim mais fracos, os que tinham essa doença eram chamados de mutantes chean. Quando os médicos e cientistas descobriram o necessário, mandaram todos de volta para suas devidas famílias. Depois desses processos, apenas 0,85% da população nasceu com essa mutação. 
Então 12/09/2012, descobriram um novo tipo mutação. Crianças a partir dos seus 10 anos já conseguiam voar, pular mais alto que o normal, esticar o seu corpo, entre outros; essas pessoas eram chamadas de "especiais". O cientistas descobriram que essa mutação era genética, e todas as crianças especiais nasciam com o sangue AB+, AB- ou O, um tipo que nenhum mutante nunca teve. Até que um dia descobriram uma movimentação estranha na Tailândia, diziam que várias deusas passaram por lá, desde então começaram a acreditar na Mitologia Akki, e até agora 62,10% da população Asiática é da religião Akki (Akkianos, para ser específico). Todos já estavam resolvidos, os mutantes viviam normalmente com os humanos, mesmo alguns tendo preconceito com a religião dos outros e sua mutação. Até que um dia, especificamente 18/06/2017 o governo da Índia declarou guerra com a Tailândia, sendo assim nomeada de Primeira Guerra Popoina; uma coisa, essa na verdade era a Segunda, pois mal sabiam que as Deusas já fizeram uma guerra com outra espécie desconhecida. A guerra durou até 12/07/2020. Atualmente no ano de 2022, a população está com menos paz do que antes, mas mesmo assim ainda tentam restaurar esse tempo.


  .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆
Brasil - Paraná - Londrina, R. Pompom - Nº 34 , Terça-feira - 12/07/2022 - 11:05 
  .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆ .࿆

~ Bianca P.O.V. ~


Acordo com a face de uma garota bloqueando a minha visão do quarto, era Momo:
— AAAAAH, QUE SUSTO GAROTA! COMO VOCÊ ENTROU AQUI? — Eu digo. Momo dá uma pequena risada e me responde logo depois.
Oxi, eu só pedi pra sua mãe abrir a porta.
— Ué, mas isso é hora pra me acordar num Domingo?
— Bianca, hoje é Terça e já tá 11:07. — Meus olhos se arregalaram quando ela disse isso, esqueci que hoje eu tinha que ir para a aula, já que ontem eu faltei. Mais um motivo para isso era que eu estava atrasada. Rapidamente me levanto da cama e quase atropelo a Momo, mas eu só dei um tapa de leve na cara dela sem querer. Ela me seguia enquanto eu descia as escadas quase caindo em direção ao banheiro.
— Então, você fez o trabalho de Ciências? — Perguntou a Momo.
— Que trabalho?
— Aquele que era pra estudar sobre insetos, vale 15 pontos. — Não me lembrava de trabalho nenhum, socorro. Porque ela não me disse isso pelo celular ontem. Eu dei uns 3 soquinhos em suas costas por não me lembrar dele, eu tô ferrada.
— MOMO SUA BATATINHA, PORQUE NÃO ME LEMBROU ANTES?
OXI CALMA BIANCA O TRABALHO É PRA PRÓXIMA SEGUNDA. — Eu não acredito nisso, ela me pergunta sobre o trabalho uma semana antes de entregar ele? Porque não me perguntou tipo, na Sexta? Quando termino de escovar os dentes vou para meu quarto trocar de roupa, nem tomo banho já que estou atrasada. Quando termino, vou junto da Momo para a escola. 


Continua...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...