1. Spirit Fanfics >
  2. Essa história não tem título. >
  3. Único.

História Essa história não tem título. - Capítulo 1


Escrita por:


Capítulo 1 - Único.


Fanfic / Fanfiction Essa história não tem título. - Capítulo 1 - Único.

Fazem exatos 307 dias desde que postei a última vez, eu escrevo desde o dia 21/06/2015, porém foi a partir do dia 29/08/2015 que eu passei a expressar meus sentimentos através de histórias que poucos leram, mas para mim, tudo isso sempre foi uma maneira de desabafar.

Agora estou no último semestre da faculdade, consegui uma bolsa de estudos no segundo semestre de 2019 que me garante estabilidade até tudo se concluir, além disso, estou na terapia também, meu relacionamento com a minha mãe melhorou, passei a ser mais amigável com meu irmão e ele comigo. Eu pensei que seria feliz quando isso acontecesse, mas porque ainda me sinto vazio? Porque os mesmos pensamentos de 2015 ainda me atormentam? Porque ainda penso no suicídio como a única saída?

Esses últimos meses tem sido difíceis, as crises de ansiedade por conta da universidade são constantes, principalmente por ter que atender, fazer relatórios e ainda o TCC sozinha, a depressão me consome cada dia mais, a vontade de cometer suicídio só aumenta, as coisas boas não me trazem prazer e escrever não diminui mais meu sofrimento. Já estou morto.

Minha mãe sabe sobre minhas crises, contei a ela sobre minha vontade de morrer, ela sabe de tudo e me apoia, o que é engraçado, eu passei minha vida toda reprimindo esses sentimentos, guardando tudo para mim, e agora a pessoa que eu jurava que me odiava é a que mais se preocupa e me ajuda, ela me ama mesmo, diferente do que eu passei minha vida pensando.

Estou assustado comigo mesmo, mesmo escrevendo sobre o meu suicídio, criando cartas de despedidas e tudo mais, nunca tive coragem de concretizar nada, porém na última sexta feira eu estava de verdade pronto para isso, eu iria me matar na calada da noite, mas não o fiz pois minha mãe percebeu meu choro e veio me acolher mais uma vez, eu sei que ela sofre, não é fácil cuidar de alguém doente, eu sei que sou um estorvo e todo o tempo investido em mim é perdido, mas mesmo assim ela continua se dedicando, mandando mensagens, ligando, rezando e fazendo tudo que está ao alcance dela, mas mesmo assim eu piorei, agora nada mais faz sentido, tudo pra mim é um inferno, é insuportável.

Além de ser esse ser miserável que vos escreve, criei o hábito de comprar compulsoriamente, passo madrugadas na internet gastando o que eu não tenho em roupas, coisas que eu nem vou ter tempo de usar, pois pelo jeito que estou, talvez eu nem esteja vivo depois de postar isso.

Eu nunca contei a ninguém sobre esse hábito de escrever, só para a terapeuta, tanto que depois que comecei a me expressar, mudei meu nome e até mesmo o gênero, passei a me expressar no masculino por ser mais fácil de separar as coisas. Minha cabeça está um bagunça, meu coração aperta a cada pensamento ruim, nada mudou, eu continuo sendo a mesma de 2015, insegura, cansada, assustada e farta da vida.

Sinto que nada mais faz sentido, nada mudou e tudo está parado, por mais que minha mãe e meu irmão estejam cuidando de mim, ainda me sinto solitária, perdida no escuro.

Eu não sei por mais quanto tempo vou escrever, não por mais quanto tempo vou aguentar tudo isso.

Ah, eu estou tão cansada que até mesmo um suspiro et dificultoso. Ninguém tem culpa disso, só eu tenho, só eu posso resolver, mas estou tão cansada que não consigo mais lutar.

A meses atrás eu passei a me isolar mais ainda das pessoas, não respondia mensagens e cortei praticamente todas as interações com a minha família, deixei de comer, beber, tudo para ficar no conforto da minha cama esperando que algo me fizesse levantar, uma força interior, talvez a vontade de viver... Talvez eu só estivesse esperando a morte, mas minha mãe gritava comigo, falava que iria me bater se eu não levantasse, o que é cômico, já que tenho 22 anos, eu não deveria ceder a isso, mas eu me levantava e comia com raiva, odiava que ela estivesse cuidando de mim mesmo eu querendo morrer.

 Mãe, você é uma boa mãe, não tem culpa da filha defeituosa que cresceu sob o seu teto, se algo ruim acontecer, não foi culpa sua, eu sempre fui fraca e nunca gostei de mim mesmo, eu te amo e me desculpa se eu falhar com você.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...