História Estação Acaso - Capítulo 1


Escrita por: e Koock

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Metrô, Romance
Visualizações 23
Palavras 3.377
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Surpresos? Espero que não.

Olá leitores do meu coração! Eu voltei mas não com SWM kk Estou muito atrasada para ela? Sim. Mas eu tenho a minha desculpa que é essa humilde One Shot que eu e a Koock fizemos um muito carinho para vocês.
Eu foquei meu tempo só nela então Sorry, SWM vai voltar ainda relaxem eu nunca vou abandona-la.
Eu tive a idéia dessa OS muito de repente. E eu logo quis colocá-la em prática. Eu estava saindo do metrô com a Koock e eu perguntei a ela se ela queria fazer e ela topou.
Fizemos de uma maneira que eu nunca tentei, cada uma fazer um personagem sem saber o que a outra está escrevendo na visão dele. Estranho? Sim. Mas deu super certo. Ela fez o Mark e eu a April.
E agora amamos nossos novos filhos. Então dêem carinho para eles.
Acho que vocês estavam esperando uma colab nossa não? Kkkkk então está ai
Beijinhos de luz. Amo vocês ❤ -Aly


EI BUNNIES DO MEU CORAÇÃO QUENTINHO.

Quem ta aqui e lê a minha fic não me mate por favor, deixe-me explicar antes de vocês lançarem as faças e apontarem os arcos e armas. Eu não abandonei Innocence, e nunca faria isso, a minha demora aconteceu graças a diversas coisas e uma delas é essa maravilhosa one shot.

A Alycia me fez o maravilhoso convite para que eu ajudasse ela com essa OS, e bem, eu aceitei. Ficamos um tempo no projeto pensando no que faríamos e equilibrando o nosso tempo para escrevermos, afinal escrever duas fics ao mesmo tempo não é fácil, ainda mais quando estudamos a tarde toda kakakakaka. Fizemos com todo amor pra vocês e espero que gostem dela tanto quanto gostamos de faze-la.

Amanhã retornarei com Inno se Deus quiser. Amo vocês ❤ -Koock

Capítulo 1 - O Atraso


Fanfic / Fanfiction Estação Acaso - Capítulo 1 - O Atraso

Mark Solace


Já conseguia ouvir o barulho do trem chegando, os trilhos zumbindo, as pessoas se acumulando, e a moça narrando à chegada do metrô a estação. Eu estava a cerca de 60 metros da plataforma, correndo entre as pessoas e me esforçando ao máximo para não esbarrar em ninguém ou tropeçar nos meus próprios pés. Enquanto eu corria só conseguia pensar no tempo que eu perderia se caso perdesse esse trem, e isso de certa força fez o meu coração de apertar. Em plena terça-feira o que eu mais queria era descanso.


-Merda!- praguejei quando vi o metro parando e sabendo que eu estava muito distante.


Tratei de apertar o passo sem me preocupar se esbarraria em alguém, ou se iria cair mais a frente, minha prioridade era chegar lá. E foi nesse pique flash que eu acabei chegando ao meu destino, depois de pisar em mil pés, ouvir milhões de xingamentos, e algumas pragas. Eu estava ofegante, cansado ate o talo com toda a correria de dez minutos, apoiado em meu joelho pensando seriamente em começar a fazer exercícios físicos. Adrenalina de mais para um pobre menino do ensino médio.


As portas se abriram e uma chuva de pessoas começou a passar por mim, uma por uma indo e voltando sem pressa alguma. Porém eu estava paralisado, não conseguia mover um musculo sequer e quando meu corpo resolveu reagir já era tarde de mais. Usei o pouco tempo que tinha e pulei para dentro do vagão, porém na mesma hora uma mulher também saia de lá de dentro, o que resultou em um belo esbarrão. Meu corpo foi para trás com o choque e o meu tempo de reação estava lento de mais para que eu me recuperasse, apenas tive tempo de levantar a cabeça e olhar a bela mulher que estava a minha frente.


E que bela mulher...


Ela era simplesmente linda da cabeça aos pés. Feições delicadas de mais para qualquer ser humano, parecia uma boneca de porcelana feita nos mínimos detalhes, e nem mesmo a expressão de desastre que tinha em seu rosto mudaria isso. Os belos cabelos negros estavam caídos pelo seu rosto denunciando a sua pressa em sair dali, porém assim como eu ela não reagia. Não conseguia desviar o olhar, meu coração batia forte e eu comecei a me sentir um estupido por isso. Ela estava caída em minha frente e eu nem conseguia me propor para ajuda-la.


E então a porta se fechou quebrando o nosso contato. A moça pareceu acordar de um transe e tentou levantar para sair do metrô, mas já era tarde de mais. As portas estavam fechadas e o trem começava a se mover pouco a pouco. A última coisa que nos restou foi uma troca de olhares, ela com uma expressão horrível e eu extremamente preocupado.


Gritei pedindo para alguém tentar parar o trem, mas ninguém poderia fazer isso. A moça bonita não poderia sair e eu tenho o pressentimento de que isso é muito grave. Olhei mais uma vez para o vidro e murmurei um “me desculpa”, enquanto via a moça se afastando cada vez mais.


April Lawis


Olhava no relógio em meu pulso os minutos passando desesperada. Eu estava atrasada por já ter demorado um pouco mais no meu almoço, mas o metrô atrasou muito, e agora, a linda está atrasada para a prova na faculdade. Batia meu pé no chão várias vezes nervosa com o possível atraso.

O que eu fiz para merecer isso?

Além de estar atrasada, tenho o chato do meu ex me ligando sem parar. Será que ele não se cansa?

Coloquei meu fones de ouvido para tentar me aliviar da ansiedade. Observava alguns homens com seu olhar em mim, não exatamente em mim, mas em meu corpo. Eu havia acabado de sair do trabalho então ainda vestia minha camisa social e minha saia lápis preta. Era incrível como nem disfarçar eles conseguem, parecem lobos famintos. Isso nunca me incomodou muito, já que eu não ligo para nenhum deles. Homens que fazem isso descaradamente não merecem nem que sejam tratados como gente. Então eu apenas ignoro focando na minha música.


O metrô ficava mais cheio a cada estação que parava, essa era a consequência de estar atrasada; Tudo te atrasa mais, apesar de já estar atrasada.

Meu pé começava a doer por causa do salto e por já estar a alguns minutos em pé.


Quando finalmente chegou a minha estação, foi um desesperado. Parece que todas as pessoas desse lugar queriam descer ali e todas as outras do lado de fora queriam entrar. Apesar de estar atrasada não sou louca de me enfiar no bolo de gente para sair do vagão. Quando as portas se abriram, foi aquela multidão para ir por uma pequena porta. Parecia que as pessoas ali não tinham educação. Eu calmamente esperei para aquilo se acalmar e eu poder sair, mas o tempo estava acabando e não parava de sair e entrar pessoas ao mesmo tempo, então eu estava começando a me preocupar.


Quando eu finalmente fui sair daquele lugar no último segundo, trombei com alguém na porta e cai dentro do meu vagão. Eu não cairia se não estivesse de salto, mas foi inevitável. Todas as pessoas que estavam lá me olharam e não fizeram absolutamente nada para me ajudar. Puff. Inúteis.

Calmamente me levantei mas já era tarde demais, as poslrtas haviam se fechado na minha frente. Olhei para fora e percebi um garoto com um olhar preocupado e desesperado para mim. Provavelmente foi ele que trombou em mim e agora estava se sentindo culpado. Eu estava um pouco irritada pelas pessoas serem tão sem educação, não por ter sido "empurrada". Em poucos segundos olhei em seus olhos preocupados e fiquei em seu rosto. Ele era bonito. Seu cabelo castanho perfeitamente penteado combinava com o uniforme escolar que vestia, dava um charme a mais para ele. Coitado ele estava bem preocupado comigo. Uma das únicas pessoas que pude perceber se preocupar.


O metrô começou a andar e nossos olhos perderam o contato. Ótimo, irei chegar atrasada.


Mark Solace


Dei os dois últimos passos antes de parar de correr. Ajeitei a minha mochila nas costas deixando de uma forma um pouco mais confortável. Mais uma vez eu estva aqui nessa estação, dessa vez com outra finalidade diferente das outras.


Depois de ter visto a mulher indo embora eu não consegui parar de pensar nela, e a esperança de ve-la novamente e pedir desculpas era predominante. O rosto preocupado dela ficou marcado na minha mente a noite toda. Me sentia culpado e admirado.


Olhei em volta colocando meu plano em prática, ninguém diferente do habitual, tudo sob controle. Me sentei escorado em uma pilastra e coloquei os meus fones afim de me distrair um pouco. Fechei os olhos por um breve momentos me lembrando do rosto da mulher... Ela era tão linda, tão diferente do que eu costumo ver. Sinto vontade de tocar em seu cabelo ou ouvir o tom da sua voz. Será que ela trabalha? Estuda? Ou então está apenas curtindo a vida?


O primeiro trem passou poucos minutos depois da minha chegada. Me alarmei contando pessoa por pessoa vendo se algum rosto era similar ao dela, mas nenhum era. Ela não estava lá e em nenhum dos três que vieram.


Os guardas começavam a me encarar de forma suspeita, provavelmente pensando que eu estava fazendo algo de errado. A tarde também ja estava em seu meio, ponto mais alto e quente. Resolvi que esperaria mais um e então iria embora...


Dito e feio, mais um metro e nada da moça bonita. Acabei entrando nesse mesmo e deixando um suspiro alto sair por meus lábios. Acho que nunca mais verei a moça em toda a minha vida.


April Lawis



Peguei meu café que deixei no balcão. Aproveitei meu dia de folga na empresa e resolvi não ir na faculdade também. Tirei um dia inteiro para mim. Peguei meu livro, e me sentei no aconchegante sofá da minha sala. Morar sozinha tem seu benefício, um total e calmo silêncio. Eu amo isso.


Um dia sem estresse, sem pessoas mal educadas no metrô, sem confusão. Só eu, meu livro e meu café. Eu não poderia querer mais.


Por um momento comecei a pensar no garoto de ontem. O olhar preocupado dele me deixou intrigada. Foi profundo. Não sei. Ele despertou a minha curiosidade.

Apesar de ter feito com que eu me atrasasse para minha prova.


É bem provável que eu nunca mais o veja na minha vida. Mas nunca se sabe. Séria triste não ver mais um rosto bonito daqueles na minha frente, apesar de que o olhei por poucos segundos.


-Garoto misterioso...quem é você?- pensei alto. Sorri em como eu estava pensando nele. Que besteira. Foi só um esbarrão que quase custou a minha prova.


Voltei a me concentrar no maravilhoso livro que estava em minhas mãos, arrumei meus óculos em meu rosto e tomei um gole do café quentinho.

Nada melhor em um tempo frio.


...


Quando eu pensei que ficaria o dia todo em silêncio meu celular começa a tocar.


-Eu não acredito que tem alguém me ligando agora. Espero que seja importante.- me levantei do aconchegante sofá e olhei a tela do meu celular. "Lixo" é o que estava escrito.


-Aish. Não sei porquê ainda tenho o número dele salvo.- apertei o botão de desligar encerrando a chamada. Aproveitei e desliguei o celular. Não queria ser atrapalhada em um dos meus únicos momentos calma e sozinha.


Bom, de volta a leitura.


-Preciso de mais café.- peguei minha xícara para enche-la novamente e voltar para o meu passatempo.


Mark Solace


-Me espera Mark!- Ian gritou puxando a minha mochila para trás- Esta com tanta pressa por que? É sexta feira.


-Justamente por isso. Eu quero chegar em casa e jogar ate meus ossos se fundirem com o lençol da cama- disse desacelerando.


-Você é tão broxante. Deveria sair pra beber comigo e os caras, pegar umas gatas, e quem sabe conseguir algo mais?- riu de forma maliciosa.


-Prefiro meu jogo- sorri sem graça.


-Você é sem salvação- deu ombros.- Está indo pra estação?


-Como sempre.- suspirei ao lembrar do tumulto de todos os dias.- Podia existir um teletransporte. Eu simplesmente pularia de um lugar para o outro em um piscar de olhos.


-Você tem umas idéias muito loucas. Teletransporte não nos deixa ver as garotas na rua.- mostrou a lingua.


-Você só pensa em garotas?


-Não, também penso em cromossomos XX.


-Você não presta- parei de andar quando vi que ja estávamos em frente a estação- Ate mais Ian!


-Falou!- acenou.


Entrei na estação com o mesmo animo de sempre. Desde que eu encontrei aquela moça as viagens tem sido uma aventura e tanto. Todos os dias a esperança de reencontra-la tem se intensificado mais e mais.


O metro chegou mais rápido do que eu pensei, praticamente na mesma hora em que eu cheguei a plataforma. Dessa vez não houve tumulto na hora de entrar, poucas pessoas saíram e poucas entraram, afinal, muitas pessoas aproveitavam a sexta para fazer como Ian.


O vagão estava vazio, e por isso sentei e me espreguicei. Acabei me escorregando do banco e fui obrigado a levantar e me sentar novamente, rindo da minha própria desgraça quando cai. Foi então que eu a vi... A moça bonita de terça -feira.


-Eu...- a palavras não terminou de sair por meus lábios.


Dessa vez ela estava com óculos, e lia um livro totalmente concentrada, devo dizer também que ela fica linda de azul. E realmente, ela é muito linda, tão bonita que me fez corar quase que instantaneamente.  Será que ela vai se importar se eu for falar com ela? Um idiota do ensino médio. Sem contar que ela está irritada comigo...


Que saber, eu vou.


Ou não...


Antes que eu me levantasse um homem mais velho se sentou ao lado dela. Não pude deixar de me sentir frustrado, os olhares que ele a lançava eram muito intensos, ate de mais para pessoas que nunca se viram na vida. Suspirei desiludido e voltei a prestar atenção nas estações que passavam.

 

Ta, a quem eu quero enganar? Fiquei encarando os dois de soslaio o tempo todo, e me assustei quando eles começaram a discutir. A mão dele foi parar na coxa dela, e eu fui obrigado a contar ate dez para não voar no pescoço dele. Ela gritava com raiva e ele rebatia com um tom que estava começando a me dar náuseas. Tentei me levantar duas vezes para ajuda-la, mas não o fiz... Isso não era problema meu.


A moça se levantou irritada juntando todas as suas coisas, porém o homem fez o mesmo que ela e segurou em seu pulso quando viu que ela não iria recuar. A raiva subiu pelo meu corpo. Há três coisas que eu odeio no mundo: matemática, política, e quem não respeita mulheres.


Me levantei do meu lugar com o sangue fervendo, e sem tomar consequência das minhas ações acabei dando um soco bem no rosto do verme que a assediava. O homem caiu no chão antes que eu pudesse recobrar minha consciência, e quando eu o fiz ja era tarde de mais. Porém mais do que nunca eu não posso vacilar.


-VOCÊ ENLOUQUECEU GAROTO?!- o homem gritou com a mão no rosto. Senti meu corpo tremer, mas respirei fundo e disse:


-Parece que foi você que enlouqueceu ao começar a assediar uma mulher.- disse alto para todos ouvirem e ficassem alarmados perante a situação.


O metrô parou em outra estação e eu não pensei duas vezes antes de puxar a moça pra fora do vagão o mais rápido que pude. O homem ficou para trás caido no chão para a minha felicidade.


Respirei fundo quando vi que ja estávamos livres, a última coisa que eu precisava era de virar o saco de pancadas de alguém.


-Você está bem? - perguntei ao olhar para a moça.


-O que? Ah sim, eu estou bem obrigada.- ela parecia um pouco desnorteada.


-Aquele homem era...- não sabia se era uma boa ideia perguntar, mas a minha curiosidade estava me matando.


-Meu ex namorado inútil.- não pude evitar de sorrir, acho que eu estou um pouco mais feliz.


-Me desculpa.- a moça me olhou confusa como se eu tivesse acabado de contar uma piada.


-Oi?


-Me desculpa por aquele dia que eu trombei em você. Eu nem pude te ajudar. Espero que não tenha ficado com raiva.- desviei o olhar... Que vergonha!


-Não se preocupe. Eu não fiquei com raiva e eu entendo a situação completamente. O metrô estava cheio aquela hora e é normal acontecer essas coisas.- sorriu


-Mas você está bem mesmo?


-Eu estou. Graças a você.- sorriu - Tenho certeza que ele não irá me incomodar por um bom tempo.- ri


-Acho que fui meio precipitado.- cocei a nuca nervoso.


-Você fez o certo! Obrigada!


E então a ficha caiu. Eu estava conversando com a moça que eu fiquei pensando a semana toda, a moça que eu queria me desculpar... É engraçado como a vida é, em meio a tudo isso eu simplesmente encontrei uma pessoa que aparenta ser incrível.


-Aliás. Prazer April Lawis.- a moça estendeu a mão em minha direção. April...


-Mark Solace.


Sim Ian, eu prefiro ir para casa, pelo menos assim eu tive a oportunidade de reve-la. E quer saber? Acho que eu não quero mais jogar...


April Lawis



Cansada. Essa era a palavra que me resume no momento. Felizmente o vagão de hoje estava vazio e eu poderia me sentar. Uma das melhores coisas para quem usa salto é se sentar, ainda mais para mim que fiqueiem pé quase o dia todo organizando alguns papéis da empresa.

Assim que me sentei no banco, cruzei minhas pernas, tirei da minha bolsa meu livro e meu fone de ouvido. Coloquei meu óculos e comecei a ler aquela perfeição em forma de livro. Hoje eu não iria para a faculdade, então, lembrar que posso ler esse livro o dia todo na minha cama me faz feliz.

Como a minha estação é uma das últimas, eu ainda tenho muito tempo para ler algumas páginas.


Eu estava totalmente imersa no livro, minha atenção era tanta que nem percebi quando alguém havia sentado ao meu lado. O que achei estranho foi ter vários lugares vazios e a pessoa sentar justamente do meu lado.


Ignorei o fato e prossegui lendo o meu livro. Mas havia alguma coisa me incomodando ali, sentia o olhar da pessoa em mim. Normalmente não me incomodaria, mas naquele momento estava me incomodando. Coloquei o marcador no livro e o fechei. Olhei para a pessoa ao meu lado e ela realmente estava me encarando. E não era uma pessoa qualquer, era o meu ex namorado, Justin.


-Dá para parar de me olhar? Está me incomodando.- falei séria para ele fechando a cara.


-Você está tão linda hoje April. Emagreceu? Fez alguma coisa no cabelo?- tentou puxar assunto. Há, inútil.


-Não fiz nada, estou a mesma coisa de antes.- olhei em seus olhos firmemente.


-Vamos lá April, eu te conheço. Você não é assim.- tentou encostar na minha mão mas eu rapidamente tirei.


-Você está muito enganado então. Eu não sou a idiota que você traiu e achou que conhecia.-dei um sorriso falso. Ele passou a mão no meu cabelo e eu me esquivei.


-April, eu estou com saudade. E sei que você está também. Não precisa fingir.- colocou a mão na minha perna. Eu senti um nojo daquilo. Não é porque ele já foi meu namorado que tinha o direito de encostar em mim.


-Tire suas mãos de mim!- falei o mais calma possível com ele. Meus punhos já estavam fechados de tanta raiva. Quem ele acha que é?


-Por que eu deveria?


-Tire suas mãos de mim agora!- falei um pouco mais alto chamando a atenção das pessoas. Eu estava com raiva dele e de como era sem noção.


-Para de graça April.-falou sério.- Está reclamando de que?


-Eu não quero você perto de mim. E nem que toque em mim.- tirei a mão dele de minha perna.- Licença.- peguei minhas coisas e me levantei na intenção de trocar de lugar. Péssima escolha não ir na faculdade, eu evitaria ver esse traste. Antes que pudesse sair ele segurou meu braço.


-Você não vai sair assim. Eu tenho muito o que falar com você. Não atente minhas ligações, tenho que fazer alguma coisa.- falou sério.


-Se eu não atendo suas ligações é porquê eu NÃO quero falar com você. Não entende?- falei séria com ele.- Agora me larga.- tentei me soltar mas ele segurou mais forte.


Em questão de segundos Justin estava no chão com o lábio sangrando. Me assusteina hora com o que aconteceu. Alguém bateu nele e eu não poderia estar mais agradecida naquele momento. Eu estava prestes a perder a classe e xingar ele quando alguém o socou.


-VOCÊ ENLOUQUECEU GAROTO?!- Justin gritou com a mão no rosto. Eu estava assustada mas muito aliviada por isso ter acontecido.


-Parece que foi você que enlouqueceu ao começar a assediar uma mulher.- ouvi o garoto falar alto para todos ouvirem. Antes que eu pudesse ver de quem se tratava o metrô parou em outra estação e eu me assustei quando fui puxada rapidamente para fora daquele vagão.


Assim que estava fora olhei para a pessoa. E coincidentemente era o garoto daquele dia. Fiquei o olhando tentando entender o queo destino queria dizer com isso. Eu nunca imaginei encontrar o garoto de novo e agora ele estava aqui, na minha frente.

Devo dizer que ele realmente é muito bonito, eu não estava enganada.


-Você está bem? - me perguntou me tirando do transe.


-O que? Ah sim, eu estou bem obrigada.- o agradeci.


-Aquele homem era...


-Meu ex namorado inútil.- falei vendo um sorriso nascer no canto de sua boca. Ele é adorável.


-Me desculpa.- falou me assustando.


-Oi?


-Me desculpa por aquele dia que eu trombei em você. Eu nem pude te ajudar. Espero que não tenha ficado com raiva.- falou.


Foi aí que eu me encantei. Ele estava preocupado comigo, uma mulher que ele nunca viu na vida. Ele tem um coração bom. E um jeito único. Ele realmente me deixa curiosa.


-Não se preocupe. Eu não fiquei com raiva e eu entendo a situação completamente. O metrô estava cheio aquela hora e é normal acontecer essas coisas.- sorri.


-Mas você está bem mesmo?


-Eu estou. Graças a você.- sorri.- Tenho certeza que ele não irá me incomodar por um bom tempo.- ele riu.


-Acho que fui meio precipitado.- coçou a nuca nervoso.


-Você fez o certo! Obrigada!


No meio de vários inúteis de sempre naquele lugar eu encontrei uma pessoa diferente. Ele é intrigante e eu gostei disso.


-Aliás. Prazer April Lawis.- estendi minha mão.


-Mark Solace.- pegou em minha mão, vi um sorriso nascer no canto de sua boca o que me fez sorrir.


Acho que eu fiz certo em não ir para  faculdade hoje.



Notas Finais


Enfim, foi isso.
Espero que tenham gostado anjos. Se quiserem mais é só pedir kkkkk
Eu realmente amei esses dois e fiquei curiosa em saber o que iria acontecer com eles...
Mas o que é bom sempre acaba.
Beijinhos e até outro dia!❤ - Aly


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...