História Estagios de gravidez - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Guardiões da Galáxia
Personagens Drax, o Destruidor (Arthur Douglas), Gamora, Groot, Personagens Originais, Peter Quill (Senhor das Estrelas), Rocket Raccoon
Tags Amor, Bebê, Beijos Brigas/conforto, Casados, Chris Pratt, Escolhendo Nomes, Estresse, Mantis, Muita Fofura, Muito Carinho, Muitos Beijos, Nébula, Primeiro Filho, Romance, Starmora, Zoe Saldana
Visualizações 81
Palavras 2.758
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Luta, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eu tinha pensando nisso por um tempo, e me parecia algo muito fofo na minha mente, então espero que gostem dessa fic tanto quanto eu!

Detalhes da fic:
- Se passa em torno de um ano depois de Guerra infinita.
- Não coloquei alguma teoria de como Gamora está viva.
- Será cada capítulo com cada mês, apenas o primeiro e o segundo trataram do segundo mês de gravidez, assim espero.
- As coisas serão rotineiras, mas espero colocar alguma ação.

Capítulo 1 - Introdução- Começo dos estágios de 2 meses


(AVISO: Detalhes da fic estão nas notas iniciais, qualquer duvida podem comentar, terei o prazer em responder. BOA LEITURA.)

 

 

Fazia em torno de uma semana que o casal descobriu a gravidez, que já estava no estagio de dois meses, não passando nem cinco meses de casados, mas não importava, pois eles queriam isso. Foi uma surpresa muito grande para o pai de primeira viagem, mas Peter já amava mais que tudo sua esposa e o bebê que a mesma carregava em seu ventre. Tudo o que ele mais quis era uma família junto dela.

Quando foram a um dos hospitais em Xandar, o médico tinha sido claro sobre os efeitos da gravidez na raça Zehoberie, que já estavam começando. Ele falou perfeitamente o quanto Gamora se tornaria dominante, sentimental e extremamente sensível, dizendo também que seria provável acontecer vontades sexuais, em outros casos ela poderia ter ataque de estresse. E de fato, Peter notou essa ultima coisa. Também dizendo que cada estagio tendia a acontecer em cada mês da gestação, muita das vezes atacando dois sintomas ao mesmo tempo.  E com isso, Gamora até o bebê nascer teria que ficar em descanso, pelos temperamentos e como também por estar instável a eles.

Já estava para amanhecer no hotel que reservaram para algumas semanas, já que a Milano teria que ser aprimorada para o futuro tripulante que estava para chegar. Rocket, Drax e Mantis concordaram em fazer todo o trabalho, mas não é como se tivessem muita escolha, pelo fato de que Peter teria que ficar ao lado de Gamora, pois ela não o deixava sair de perto. Groot também ficou para ajudar, por mais que só jogasse a fazer qualquer tarefa ali, porém não estava atrapalhando, então ninguém se absteve a discutir com ele.

A luz do sol brilhava pela janela, fazendo Peter acordar de seu sono se surpreendendo ao ver a esverdeada ainda caída em um sono profundo, mas logo seus movimentos lhe denunciaram e ela começou a abrir os olhos. Gamora estava praticamente deitada em cima de seu marido, agarrada completamente ao mesmo, não o deixando se mover muito, mas Quill não reclamaria. Ele levemente lhe deu um beijo na testa, enquanto ainda se espreguiçava em cima de si para logo lhe lançar um sorriso.

- Bom dia.- Diz ele.

- Bom dia.- Gamora lhe beija os lábios por um segundo, se sentando em seu quadril.

- Dormiu bem?- Peter lhe apalpa a cintura, enquanto ela mais uma vez se espreguiçava.

- Sim, e você?- A esverdeada engatinha até o rosto de seu marido.

- Também, apenas meio impedido de fazer qualquer movimento por um certo alguém.- Ela não lhe responde de cara, porém ri.

- Talvez eu lhe devesse uma desculpa, mas não fiz nada de errado a não ser dormir em cima de meu marido.- Ainda era diferente ouvir alguém lhe chamar de marido, mas sempre aquecia seu coração.

- Como posso contradizer com você depois dessa frase?- Peter fala a pegando pela cintura a deslocando para o lado junto de si, embolando as pernas dela nas suas.- Temos planos para hoje?

- Ficar deitados o dia todo.- Gamora lhe responde, escondendo o rosto em seu pescoço e beijando-o.

- Você falando isso até assusta.- Ele ri suavemente.

- Você não gostou da ideia?- Ela lhe morde o pescoço, passando as mãos para sua cintura e apertando-a, enquanto junta mais os corpos.

- Eu sempre vou concordar com tudo que você tiver em mente.- Peter a deixa remexer em seu corpo, sabendo muito bem que essa é a forma dela de lhe marcar com seu cheiro, deixando-o fresco. Isso era uma coisa especifica dos Zehoberie, eles marcavam o que eram seus com feromônios que saiam de seus poros corporais, era uma forma de mostrar que somente lhe pertence.

- Mmm.- Ela ronrona, não totalmente como um animal, mas era um som que ela normalmente fazia a ele.

- Mas você não vai querer tomar café?- Peter fala calmamente, quando às mãos de Gamora passavam por seu abdômen e subindo ao peitoral, sem parar as caricias em seu pescoço.

- Contanto que não tenhamos que sair.- Ela finalmente leva o rosto ao dele, mostrando ter terminado seu trabalho por agora. A mesma nunca ficava satisfeita.

- Mas se tiver alguma missão importante, você sabe que eu terei que ir, querida.- Quill beija suavemente sua testa, mas a esverdeada já estava com um olhar nada contente e ele suspira.- Voltarei  o mais rápido que poder para seus braços.

- Espero que sim, se não eu mesma te busco.- Gamora falou em um tom sério.

- Sei que sim.- Peter sorri amenizando o clima.- Agora o que acha de começarmos o dia?- Ela esconde-se em seu pescoço mais uma vez, não parecendo razoavelmente com vontade de levantar agora.- Podemos ficar mais um pouco se quiser.

- Não, eu estou com fome.- A mesma diz afastando os cobertores para poder sair da cama, e Peter apenas a fitou tentando entender. De fato, Gamora estava tendo suas crises bipolares, que fora outra coisa que o médico tinha lhe avisado.

- Tudo bem, então vamos.- Suspirando ele se levanta, com a esverdeada a agarrar seu braço. Seria um dia longo.

Caminharam até o banheiro daquele jeito, mas se separando para poderem fazer as tarefas matinais rotineiras. A esverdeada penteava seus cabelos ao espelho enquanto Peter usava o banheiro, e logo que o mesmo se juntou a ela na pia para escovar os dentes, ela se esgueirou em sua frente. Quill a fitou passar as mãos por seu abdômen mais uma vez, subindo ao peitoral e parando nos ombros. Ela estava lhe marcando mais uma vez.

Peter pegou a escova de dente e colocou a pasta estranha de Xandar, que tem um gosto peculiar para si, mas nada que o mesmo achasse incomodo a seu gosto. Enquanto isso, Gamora passava as mãos pelas suas costas nuas lhe causando arrepios na espinha, plantando beijos de boca aberta em seus ombros. Ele poderia dizer que era estranho vê-la assim, tão próxima e carinhosa a ponto de não deixá-lo ficar sozinho por apenas alguns minutos, mas era maravilhoso tê-la assim também.

As mãos dela desceram até o cós de sua calça, e sem avisar ela adentra a mão por aquele lugar, vasculhando seu traseiro suavemente, enquanto mantinha seus beijos indo ao pescoço. Peter não estava conseguindo se concentrar em escovar seus dentes com ela fazendo tudo isso, e quando iria perguntar qual a intenção das mãos em seu traseiro, ela sai de seus braços indo direto a privada.

Com a escoava ainda em sua boca, ele corre a ela, segurando seus cabelos enquanto esperava ela liberar tudo e se sentar no chão com o corpo um pouco tremulo. Isso também era normal ultimamente, vê-la correr ao banheiro como um jato, então ficar com o corpo suado e tremendo. O médico avisou que os implantes em seu corpo causariam tremores em alguns momentos, porque a cibernética teria que atualizar a cada semana por haver um outro corpo se formando dentro de seu ventre.

Suspirando Peter lavou a boca rapidamente, e então se sentou a puxando para perto de seu peito, acariciando seus cabelos suavemente enquanto ela relaxava. Dessa vez parecia que as cibernéticas deram alguns solavancos fazendo o corpo ficar fraco, como deixando uma Gamora irritada e xingando cada parte de seu corpo que foi modificado. Sem esquecer-se de xingar Thanos. Mas pelo menos os implantes não lhe faziam sentir muitas dores, apenas cansaço e fraqueza assim que os solavancos começavam.

Peter a pegou em seu colo carinhosamente, levando até a pia e a sentando lá, vendo que os castanhos de seus olhos estavam fracos e cansados. Logo seu corpo voltaria a funcionar corretamente, mas ainda sim era instável, o que levou a o motivo dela permanecer em pleno estado de descanso até o bebê nascer também.

 Pegando um pano não muito longe, o loiro passa um pouco na água, logo levando ao rosto de Gamora e limpando o suor de lá. Por um momento ela coloca suas mãos na barriga, sorrindo bobamente com o que o bebê estava lhe fazendo, e o quanto que a mesma não se importava, contanto que ele viesse logo a suas vidas.

Quill deixou o pano de lado por um momento, levando suas mãos a bainha de sua blusa que estava no corpo da esverdeada, pra logo puxar um pouco e pressionar um beijo terno no inchaço que se formava. Gamora sorriu deixando-o beijar cada cantinho, para então pegar uma escova de dentes a ela, para poder tirar o gosto amargo que se ficou. O resto do trabalho matinal foi com caricias e beijos na testa, enquanto esperavam até as modificações se estabelecerem, para poderem descer a cozinha e comer algo.

- Agora, qual são seus planos para o café?- Gamora falou se sentando no banquinho da bancada, com Peter a sua frente parecendo pensativo.

- Nós ainda não comemos a seção 13 do cardápio do serviço de quarto, me parece uma boa escolha.- O loiro entrega o pequeno holo que tinha na mesa para que ela pudesse ver.- A sobremesa me lembra das tortas na terra.

- Me parece muito bom.- A esverdeada diz ao observar o cardápio.- E sim, parecem aquelas tortas de mirtilo que você me mostrou.- Ela não aprofunda o pensamentos daquele dia, para não começar a se questionar se realmente está viva, ou ainda presa naquela pedra.

- Sim.- Peter fala também não deixando a mente vagar muito fundo, não era momento de relembrar e sofrer as dores de novo.-Então esse será o nosso plano de café.-  Ele lhe beija a bochecha, ligando para o serviço de quarto e fazendo o pedido.

Voltando a atenção para sua esposa, ela o puxou para entre as pernas enquanto lhe beijava os lábios, nada complemente quente ou que tinha outras intenções, mas intenso e terno. As mãos grandes de Peter foram para trás de sua cabeça, e a outra em sua mandíbula, deixando Gamora explorar sua cintura. Quando o beijo se acabou, ela voltou a lhe marcar, mas agora em suas mãos, roçando os lábios sobre seus dedos, descendo a palma e indo mais a diante em seu pulso, pegando a outra mão e fazendo o mesmo processo. Para Quill aquilo era muito mais sexy do que ele gostaria, com a forma que ela roça os lábios o encarando nos olhos, era fácil se perder no raciocínio daquela forma, e ele podia jurar que era de propósito.

Dessa vez ele toma uma atitude, colocando uma de suas mãos em sua bochecha, passando o polegar por suas cicatrizes pratas, sem tirar os olhos das orbes castanhas. Gamora sorriu ao vê-lo focada em si, com o corpo tão colocado e quente sobre o seu, ela podia facilmente ouvir o batimento acelerado pelo o que seu gesto lhe causou. Os pelos do corpo dele estavam arrepiados, seus olhos tinham um brilho de ternura, mas não indicando também querer outra coisa, a não ser estar perto dela.

Para Gamora, também era estranho se sentir tão colada a alguém, não conseguindo controlar seu corpo quando o mesmo está tão longe de si. Porém, seus sentidos estavam fracos a essas sensações que aprendeu a deixar de lado tantos anos, mas ela gosta infelizmente, experimentar tais sentimentos tão fortes lhe dá algo novo. E Gamora estaria mentindo se disse-se que a forma como Peter está reagindo não mexe consigo. Pois mexe. Quill está completamente disposto a cuidar de si, mesmo não o deixando livre com suas crises de dominância e ciúmes, ele demonstra apenas amor e carinho em seu olhar, fazendo seu coração pular batidas.

- Eu te amo.- A esverdeada fala enrolando as mãos pelo pescoço dele.

- Eu também te amo.- Peter abaixa o rosto para lhe beijar e a vontade de marcá-lo reaparece em seus sentidos, como se fosse uma outra natureza que ela não poderia deixar de lado. As mãos lhe apertam a cintura musculosa e macia, subindo enquanto continua a apalpar seu caminho. A pele dele é quente sobre sua palma, fazendo latejar suavemente em desejo, mas ela mantém seu foco em seu trabalho. Os beijos descem ao pescoço, onde ela se atreve a passar a língua e chupar, vendo uma marca avermelhada se formando, deixando sua assinatura. Peter estremece, enquanto é tomado pelo desejo de puxar a blusa dela e vasculhar um corpo que ele conhece melhor do que o seu. Porém a campainha toca e eles se afastam.- A-Acho que o café chegou.

Assim Peter foi abrir a porta, pegando a bandeja das mãos do homem que veio lhe trazer, voltando e colocando sobre a mesa. Gamora se sentou bem ao seu lado, enquanto organizava o prato de cada um em seus devidos lugares. Comeram rapidamente se deliciando com o saber diferenciado, que, de fato, não parecia com o da terra, mas era delicioso da mesma forma.

Quill tinha comido um pouco menos, deixando mais para a esverdeada que estava tendo um leve aumento em seu apetite durante esses dias, mas nada tão exagerado ou ela escondia isso. Peter tentaria descobrir. Colocaram as bandejas fora do quarto como sempre, para que um dos funcionários a pegasse, logo subindo de volta ao quarto e se aconchegando juntos. Estava ainda de manhã, então não teriam que se preocupar em fazer algo tão cedo.

- Está um dia bom para sair, podemos fazer o que você quiser.- Peter diz enquanto deixa Gamora lhe explorar mais uma vez.

- Terei que lhe marcar mais se for sair.- Diz ela séria.- Muitas mulheres não sabem o que significa “Peter Quill compromissado”.- Ele ri.

- Eu meio que não me importo, é bom te ter tão perto e assim, isso também me lembra que logo teremos um lindo bebê para rir e brincar.- Diz o mesmo com aquela voz comum de ternura, que era apenas dedicada a ela.- E eu não gostaria de ter mais ninguém.

- Eu também não, apenas o Senhor das Estrelas que já é todo meu.- Ambos sorriem trocando um beijo suave, e uma atmosfera calma se estabelece, mas a esverdeada corta o silêncio.- Você espera algum gênero?- Gamora fala, afogando seu rosto em seu pescoço e dando apenas alguns beijos nos locais sensíveis, vendo-o estremecer suavemente.

- Não tenho um em mente, eu amarei se for menina ou menino e sei que você também.- Peter lhe diz e a mesma ronrona em concordância.

- Se fosse menino, que nome você daria?- A esverdeada se equilibra com seu braço, para poder focar o olhar em Quill.

- Você acha que é menino?- Ele se vira também.

- É só uma intuição de mãe.- Diz ela sorrindo, ser mãe ainda poderia no fundo parecer loucura para Gamora, mas ela queria mesmo com esses pequenos medos.

- Bom, eu andei pensando sobre isso.- Por um momento lhe aparece um sorriso triste.- Eu queria algo para o homenagear Yondu, como também quando tivemos nossa primeira conversa calma, onde você enfiou uma faca no meu pescoço e alegou feitiçaria pélvica. E aqui estamos.- Peter ri ao lembrar.- Então, estava pensando em Kevin Yondu Udonta Quill.

- Eu gostei, querido.- Ela lhe beija.

- Mas agora você me diga, se fosse menina, que nome daria?- Peter cuidadosamente coloca uma mecha de cabelo atrás de sua orelha.

- Meredith.- Gamora falou suavemente, e o coração de Quill aumentou suas batidas.

- Querida, eu...- Algumas lágrimas lhe escorreram o rosto, e ela as limpou.- Eu não sei o que dizer.

- Sua mãe sempre fez parte de você, mesmo que tenha se ido há muito tempo, a mesma vive dentro de você, então isso é apenas uma pequena homenagem.- A esverdeada sorriu colando as testas juntas, fechando os olhos e aproveitando o momento.

- Você é perfeita.- Ele lhe beijou a testa.- Eu te amo.- Mas um beijo.

- Também te amo.- Ela lhe beija os lábios.

Aconchegaram-se mais um ao outro, pois tinham resolvido tirar um cochilo rápido, e logo após acordar talvez achar algo para fazer. Por enquanto ambos aproveitariam o momento de paz que estão tendo durante os meses de gravidez, observando cada estagio com cuida. Porém isso era mais a obrigação de Peter. Gamora teria vários estágios diferentes nesses meses, e ele apenas quer saber lidar com todos eles amorosamente, tendo sempre o cuidado com ela e suas devidas preocupações. A esverdeada não se manteria parada por muito tempo. Ele suspira, seria um caos a fazer ficar deitada em repouso, mas isso é algo que ele terá o maior prazer em passar. 


Notas Finais


Comentem o que acharam, é muito importante para ter a continuidade hehehe, e para me ajudar em apoio e ânimo! Espero não ter deixado nenhum erro, mas sabe como é kkk, arrumarei assim que der. Bjs e até a próximo que espero fazer rápido!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...