1. Spirit Fanfics >
  2. Este hotel carrega malas e corações >
  3. Sobre passaportes, viagens à Itália e beijos roubados.

História Este hotel carrega malas e corações - Capítulo 1


Escrita por: e yvespicy


Capítulo 1 - Sobre passaportes, viagens à Itália e beijos roubados.


Acordando em um hotel qualquer em Paris, Tzuyu já pedia o serviço de quarto com a voz sonolenta através do telefone na cômoda ao lado. Era sempre um sonho viajar pelo mundo, seja acompanhada ou sozinha; iria continuar explorando cada cantinho do planeta Terra com muito carinho. Amante nata pelas paisagens que a natureza proporciona, escolhendo os melhores quartos pelos hotéis que passara, tendo o privilégio de acordar e observar a vista perfeita de cada sacada de hotel que ficava. Sua promessa de viajar pelo mundo começou assim que menor, era para ser apenas uma brincadeira entre ela e sua ex-namorada, que faleceu em um acidente de carro, deixando uma carta à Tzuyu, pedindo para que ela cumprisse seu sonho de viajar pelo mundo. Tudo foi como um baque repentino, ela chorou dias e dias por conta daquela carta, usando-a ao seu favor após meses de luto por conta da Myoui. 

Apesar de tudo, ela ainda sentia falta da morena, jamais seria capaz de esquecer todos os momentos que passaram juntas, até de quando brigavam e Mina implicava consigo sobre sua braveza ser algo fofo e um de seus charmes. Eram tão perfeitas juntas que, quando a notícia foi recebida por todos que conheciam-nas, tudo ao redor desabou, principalmente para a Chou. Seu mundo necessitava de uma nova cor, mas não esperava que a tonalidade laranja ou dourado passaria a colorir seus dias assim que chegasse no aeroporto da Grécia.

O barulho de algumas batidas leves na porta fez-se presente, retirando a mulher de seus devaneios para abrir a entrada do cômodo e pegar seu café da manhã preparado pelo hotel. O relógio marcava 9h35 da manhã, estava cedo e daria para resolver bastante coisa antes de pegar o vôo até Atenas, onde descansaria por em torno de uma semana até decidir seu próximo destino pela Europa. A bandeja com algumas torradas, um copo de suco de laranja e bacon com ovos estava tão chamativa para si que ela agradeceu o mordomo com uma gorjeta e logo começou a comer na cama, se deliciando com o sabor enquanto pensava sobre tudo o que já viveu.

Sua vida mudou para melhor assim que começou a realizar o desejo de Mina e só tinha que agradecê-la por tudo, ela quem retirou Chou Tzuyu do mais profundo poço de tristeza e luto, como provou-a que ela era forte e passaria por cima de todos que tentassem lhe abalar. Ela estava feliz, sempre fazia cartas relatando como havia sido sua experiência em cada continente que havia visitado, e começaria a fazer seu relato sobre a capital e pequenas cidades no interior da França assim que terminasse seu café e conhecesse mais daquele território. Tzuyu terminou seu café e deixou tudo arrumado, escolhendo uma roupa bem simples e confortável para aquele dia ensolarado, tendo como um horário previsto para voltar ao hotel às 13h da tarde, dando um tempinho para descansar antes de arrumar suas coisas, fazer o check-out e partir em direção ao aeroporto.

Após um banho rápido para despertar-se completamente, ela colocou as vestes escolhidas anteriormente e pegou seus óculos, junto do telefone e uma bolsa com alguns pertences, trancando a porta do quarto ao sair, caminhando de forma calma até o elevador, já não tão aglomerado quanto a recepção e entrada do hotel. Seus óculos escuros impediam dos raios solares causarem um impacto na visão, como também escondiam as orbes profundas com algumas imperfeições ao redor. Nem todo mundo era perfeito, sem espinhas ou cravos, muito menos sem olheiras. Infelizmente, o Photoshop só ajustava a pele e outros através de fotos, seria perfeito para todos caso fosse além das fotos.

Já andando pela cidade, tirando algumas fotos com a câmera de seu celular, ela encontra uma cafeteria próxima dali, na qual era uma ótima recomendação. Ao entrar, pediu um café expresso e alguns bolinhos, passando a conversar com alguns amigos através do celular. Seu papel de parede era uma foto sua com a Myoui sorridentes e agarradas. A felicidade daquele momento ainda habitava no interior da Chou, lhe fazendo escorrer uma lágrima pela emoção de lembrar sobre o momento. Sempre que encarava a foto, suas energias voltavam e um sorriso bonito em seus lábios também. Não conseguiria viver nunca na tristeza, sabendo que Mina desejava sua felicidade acima de tudo, ainda mais sabendo que ela a observava lá de cima. 

Paris era, definitivamente, uma das melhores capitais que havia conhecido. Estava apaixonada pelo ótimo gosto crítico que todos ali possuíam, ainda mais pela sua ótima educação; até moraria ali em um futuro próximo, era um lugar perfeito para construir uma nova vida. Tzuyu estava apaixonada por todos os detalhes que faziam de Paris seu lugar preferido, o que a fez aproveitar o máximo daquele lugar antes de partir à Roma.


[...]


Já exausta, a Chou pegou todos os seus pertences e fez o check-out no hotel, chamando um táxi para levá-la até o aeroporto. Sua passagem já estava comprada, então, só precisaria confirmar o vôo e aguardá-lo. Havia comprado algumas lembranças da França antes de chegar no aeroporto, uma vez que aquele lugar ficaria guardado em sua memória. A semana que passou ali fora marcante, mas não tão significante quanto a semana que aguardava-a na Itália. 

Mexendo em seu celular e ajustando os fones sem fio, a taiwanesa selecionou sua playlist e colou os olhos no painel à sua frente, se levantando assim que o vôo fora anunciado. A garrafinha de água em suas mãos estava cheia novamente; ela sabia que ficaria com sede durante a viagem, mesmo tendo aeromoças passando de meia em meia hora pelos corredores com comida e água, Tzuyu continuaria com sua garrafinha. Não gostava de depender do que o capitalismo lhe proporcionava, apesar de achar maravilhoso se sustentar às custas do governo. 

Buscando seu assento, a morena sentou-se na poltrona da janela assim que colocou sua mala na plataforma de cima, voltando a relaxar com a playlist suave ecoando por seus ouvidos. Mas isso duraria apenas até alguém sentar-se na poltrona vazia ao seu lado, tendo em vista que, quando comprara a passagem, aquele assento estaria vazio. Até tentou questionar a intromissão, mas seu coração pulou uma batida e perdeu totalmente o argumento naquela pele branquinha semelhante à uma boneca de porcelana. Nossa, a mulher era exuberantemente linda. Estava demasiado encantada por cada detalhe da outra, tanto que engasgou quando ele sorriu para si.

Nunca havia se sentido assim perto de outra pessoa após a perda de sua amada, e estava completamente concentrada em apreciar a bela obra de arte que a ruiva era para questionar-se sobre tais sentimentos novos. Seu coração pulou muitas batidas durante a viagem, odiava o fato de ter encantado-se fortemente pela ruiva desconhecida só de tê-la encontrado no avião. Mal sabia seu nome e estava perdidamente fascinada por cada particularidade que a outra possuía. 

Aquele avião era abençoado pelos céus — literalmente — e pelo Olimpo, havia depositado Afrodite ao seu lado que não parava de sorrir e parecia capturar cada vez mais a atenção da morena. Sua doce voz ecoava de forma suave, junto da sua risadinha sem graça. Estava encantada demais para aceitar que a desconhecida havia ocupado um lugarzinho em seu coração. 

Mas ela estava feliz, sentia que precisava conhecer pessoas novas e Minatozaki Sana chegou mais do que na hora certa. 

Pousando em Atenas, sua primeira parada, as duas saíram do avião carregando suas malas em direção ao hotel, na qual não esperavam que compartilhariam o local de hospedagem semelhante, como também encontrariam-se várias vezes durante aquela semana. Tzuyu quase infartou quando viu a bela ruiva entrar no mesmo táxi consigo, alegando dividir a conta após chegarem no hotel. Foi um baita choque para si, contudo, estava mais do que feliz pela notícia. Não por dividir a conta do táxi, mas por dividir o mesmo hotel com Sana. 

No caminho, passaram a conhecerem-se um pouco melhor, acabando por descobrir que ficariam a um quarto de distância no alojamento, facilitando mais o encontro entre elas. Seria uma longa semana, e Tzuyu estava louca para descobrir a razão da Grécia ter conquistado seu coração, além da bela Afrodite japonesa, Sana. 

Os primeiros dias foram engraçados e bastante agitados. Sana e Tzuyu se esbarraram muitas vezes, mantendo o coração afobado da Chou em desespero por tamanha beleza observada naquele dia. Aproveitaram para tomarem um chocolate quente numa cafeteria perto dali, conhecendo, agora, seus sonhos e desejos para o futuro. A noite, jantaram no restaurante do hotel e Tzuyu jurou ter conhecido o céu ali mesmo, assim que viu Sana com um vestido preto não muito decotado, mas que valorizava cada curva bem desenhada de seu corpo. Entre risadas e taças de vinho, se despediram com beijos no rosto e corações balançados, preparando-se para o amanhã, que prometeria novas descobertas.

A relação das duas passou a evoluir mais quando tiveram um encontro casual em um restaurante super recomendado, mantendo uma tensão indescritível entre elas. Diferente do outro encontro, tiveram um almoço tranquilo para seguirem a tarde da mesma forma. Voltaram para o hotel bem mais cedo, tendo um outro encontro imprevisto na lavanderia, onde deram seu primeiro beijo. Chou Tzuyu foi levada aos céus assim que tocou aqueles lábios divinos, mantendo um beijo cheio de sentimentos entre as duas. Fora engraçado, algumas pessoas apareceram na lavanderia, fazendo-as se separarem e rirem pelo ocorrido após, voltando a trocar beijos carinhosos e ansiados por tanto tempo. Assim, já passando a ter confiança no que o destino proporcionaria-lhes.

Em frente ao Partenon, Sana confessou seus sentimentos para Tzuyu junto de um pedido feito pela mais nova. Não havia cena mais romântica que a que viviam. Agora, viajariam pelo mundo juntas enquanto a Chou anotava cada detalhe em seu caderninho para fazer cartas mais tarde, com a ajuda de Sana. 

No fundo, Chou Tzuyu sentia que, realizando o desejo de Mina, acabaria encontrando a tonalidade laranja que iria colorir sua vida dali em diante, mantendo sua vida ainda mais alegre e viva, sem cores desbotadas. Tanto que, as cores de Sana foram mais do que o necessário para terminar de colorir Chou Tzuyu.


Notas Finais


O que acharam? Espero que tenham gostado do resultado tanto quanto eu. Nossa, me sinto até honrada de ter a chance de escrever algumas coisinhas para encher nossa tão querida biblioteca e mantê-la cheia de conteúdo. Continuem apoiando o TwiceTales! Agradeço muito a beta @hoseok_goals e o capista @pinknique que ajudaram na preparação coesa do enredo para vocês.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...