1. Spirit Fanfics >
  2. Estou com você >
  3. Esquecer

História Estou com você - Capítulo 72


Escrita por:


Notas do Autor


VOLTEIIIII! Gente aconteceu tanta coisa, estava sem celular, não tinha como escrever e postar mas tenho uma novidade que só vão saber lá no final! Essa foto do capítulo já assustou né? Nada a declarar, somente, BOA LEITURA!! <br /><br /><a href="https://www.spiritfanfiction.com/link?l=https://youtu.be/wakhgAie9Zk" class="link" rel="nofollow" target="_blank">https://youtu.be/wakhgAie9Zk</a> Escutem ❤️

Capítulo 72 - Esquecer


Fanfic / Fanfiction Estou com você - Capítulo 72 - Esquecer


Ele me olhou sem entender nada e apenas se levantou devagar.


-Gloria que... quem te falou isso?

-Porra! Sério? Isso é o que realmente importa agora Thiago? Olha nos meus olhos e seja homem suficiente pelo menos uma vez na vida pra responder a pergunta que te fiz!! Você já teve algo com minha filha?

-Tive! -ele soltou nervoso. Foi como uma faca no meu coração.- Mas eu posso explicar.

-Explicar? Que explicação que você vai me dar? Por ter mentido pra mim? Durante toda nossa relação?!

-Gloria, não é isso que você tá pensando! -enquanto ele falava fui saindo do quarto. -Gloria!!! -ele segurou meu braço.

-Me solta!! -Não sei o que me deu mas apenas depositei minha mão em seu rosto, meus dedos arderam enquanto ele se virou.


Não conseguia respirar, apenas o encarava, um tanto preocupada com o tapa que havia lhe dado, mas minha raiva era maior que qualquer nível de preocupação.


-Okay! Eu... mereci isso. -não acreditei no que ouvi. -Carnaval de 2014. 

-Do que você tá falando? -minha voz era fraca.

-Cleo e eu tínhamos trabalhado juntos. Tínhamos acabado de terminar um projeto e chamei ela pra passar o carnaval comigo e claro, meus amigos. Ficamos muito próximos nessa época. Bruno, Gioh, feh, toda a galera que tava lá  no churrasco hoje. Eu e Paloma tínhamos dado um tempo, não estávamos juntos, pelo menos por enquanto, voltamos um pouco depois. Fizemos uma festa na casa do Bruno logo depois do camarote, estávamos bebados, acabamos ficando aquela noite. Transamos.

-Eu quero que me conte toda a verdade.

-Não foi só uma noite Gloria. Cleo e eu ficamos durante o carnaval e meio que uma semana depois. Não era nada, só meus amigos sabiam, nada vazou, não foi publicado nada na mídia, vc foi só um momento de curtição, não significou nada.  Depois disso, as coisas ficaram um pouco estranhas e voltou aquela mesma amizade. Por que como falei, não significou nada Gloria. Nada.


Não conseguia falar nada. Queria falar tantas coisas, por que não conseguia?


-Por favor, fala alguma coisa! Eu sei que deveria ter te falado, mas tinha medo de que exatamente isso acontecesse. Eu não queria te perder.


Aquilo só me deu mais nojo e mais raiva. Puxei o ar mesmo com as lágrimas caindo.


-Você... me pediu... em casamento! -andei de um lado ao outro.- Eu aceitei me casar com você. Eu aceitei querer passar o resto da minha vida com você. E em nenhum momento, nenhum você foi homem o suficiente, para cogitar me falar. Pelo contrário, você foi apenas um filho da puta que escondeu todo esse tempo só pra que se um dia chegasse a falar pra mim eu já estaria totalmente ligada e presa a você. Estaríamos casados. Talvez eu não fosse embora. Ficaria. E poderíamos superar isso como superamos tudo o que já passamos. Meu Deus. -baixei a cabeça. -Eu não consigo olhar pra você. To com vontade de vomitar só de olhar pra você. E o mais engraçado é que pouco tempo depois você “se apaixonou por mim”.

-O que eu sinto por você é real. Não tem nada haver com o que aconteceu entre eu e ela. Acha que eu não queria ter te contado?

-Não, não queria. Esperou que eu estivesse completamente presa a você, e mesmo assim tive que descobrir pela boca dos outros.

-Meu amor...

-Não me chama de meu amor!!! Não me chama de nada. Faça um favor... nem pronuncie meu nome mais. Eu quero esquecer que você existe!!! Esquecer! Tá?! Aliás, eu sei que isso não deve nem ser culpa só sua. Eu além de ser traída pelo meu noivo, fui traída por minha própria filha. Vocês realmente formam um casalzão! Mesma idade, mesma personalidade, mesmas mentiras. -falei fria.

-A gente só não queria ferir seus sentimentos Gloria. Não significou nada, tá no passado. Tá apagado. Nunca existiu! -sua voz era desesperada.

-Nunca existiu Thiago? Nunca existiu? Então por que voltou pra me assombrar? -Sussurei.

-Gloria, por favor... Me dá uma chance de...

-Chance? Eu dei todas!!!! Todas as chances pra você. Você só mentiu!! Mentiu!!! Mentiu!! Você não presta!! -gritei.

-Gloria!! Eu me arrependi de ter ficado com ela! Me arrependi de não ter te contado. Eu deveria...

-Ah agora você tá arrependido ? E como prova disso, você só mentiu? Você só mentiu pra mim!

-Gloria por favor! Procura me compreender...-ele se aproxima.

-Eu não tenho nada que compreender! Não tenho nada que compreender, tá?! Eu quero esquecer que você existe! Eu quero esquecer que um dia eu te conheci e vivi no mesmo teto que você. Eu quero esquecer... que o filho que eu perdi, teria você como pai. Eu quero esquecer!

-Gl...

-Eu...Eu vou mandar alguém na sua casa pegar o que é meu. To fora. Não quero saber de mais nada disso. -tirei meu salto.

-Você não pode fazer isso...

-Vai embora. -falei ainda sussurando.

-O que?

-Vai embora!!!!!! -Gritei. - Desaparece!!! Some!!!! -tirei a minha aliança e joguei em cima dele.

-Gloria por favor. Vamos conversar. A gente pode sobreviver a isso, assim como sobrevivemos a tanta coisa! Pelo amor de Deus, eu te imploro! Não faz isso. Não faz...

-Para, chega!! Você já tá fazendo papel de palhaço. “Eu imploro”. Você não tem direito a nada mais aqui. Eu cansei. Eu to exausta. Exausta de sobreviver a uma relação. Não viver. To fora. E eu quero você fora daqui! Fora! Sai da minha casa, e por favor, nunca!!! Nunca mais me procure.

-Então é isso? É isso Gloria? -sua expressão ficou séria. Seus punhos se fecharam de raiva. Pela primeira vez na minha vida, eu senti medo dele.


Dei meia volta, e abri a porta do meu quarto pra que ele saísse. Ele parou de frente à porta antes de sair virou o rosto pra mim. Estávamos tão perto que podia sentir sua respiração. -Por favor.... -virei meu rosto assim que ele o tocou com as duas mãos. Fechei a porta com força o empurrando pra fora. E a última coisa que lembro ter ouvido foram socos na porta, e meu nome saindo em um grito por sua voz me pedindo pra abrir. Minhas costas deslisaram pela porta até que eu finalmente encostasse o chão. Deitei ali mesmo em posição fetal tentando fazer com que a dor diminuísse. Tentando fazer parar a sensação de que eu estava me afogando em minhas próprias lágrimas. Tentando fazer parar a sensação de que eu estava morta por dentro. E ali eu fiquei, toda a noite. Mas ao mesmo tempo, eu me senti livre pela primeira vez em muito tempo.


Notas Finais


EITA MISERICÓRDIA! Só uma coisa, vcs vão adorar a Gloria nessa nova “temporada” kk! A boa notícia e é... EU CONSEGUI!! Todos os capítulos que faltam para terminar essa fic maravilhosa já estão escritos e prontos pra serem postados. ❤️❤️ Essa discursão foi feia ein? Qual parte vcs mais acharam pesada? Falem pra mim! E aguardem! Vem muita coisa boa!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...