História Estrelas do Céu de Abraão - Capítulo 61


Escrita por:

Visualizações 21
Palavras 1.830
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Saga, Universo Alternativo
Avisos: Insinuação de sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Notas do Autor


Depois de muito tempo, eu voltei! Boa leitura!

Capítulo 61 - Capítulo LXI.


Hadassa, chegou a Hebrom na companhia de Obede.

— Tinha me esquecido do quando sua casa é bonita. — comentou ele. — E que terra fértil!

— Mas isso foi graças a Acsa, primeira esposa de meu pai, ela fez questão de pedir ao pai Caleb, um terra fértil.

— E foi atendida mesmo.

Hadassa sorriu ao ver as crianças se aproximando.

— Meus sobrinhos Micaela e Jonas, filhos de Yarin. E Martha e Eliseu, filhos de Elias.— contou.

— Além de Yarin e Elias você tem outroirmão, minha mãe sempre fala, e eu me lembro. Hatate, não é?

— Sim. É capaz de você vê-los, estão sempre por aqui. Moram perto.

— Shalom tia Hadassa!  — as crianças disseram.

—Shalom meus amores, esse é Obede, filho de Boaz.

— Shalom Boaz. —disseram.

—Vamos entrar agora? — a tia disse a eles e também a Obede, que assentiu.

— Shalom. Trouxe um amigo.

— Obede, filho de Boaz e Rute, seja bem vindo. — Esther disse sorridente. —Shalom.

— Shalom à todos! 

— E como estão sua família? — perguntou.

— Estão bem graças ao Senhor.

— Emuna. 

— Sente-se vou preparar uns biscoitos para você.

— Os biscoitos da minha mãe são deliciosos. — Hadassa contou, sentando ao lado dele.  Obede sorriu, a recepção fez com se sentisse realmente em casa.

                         ***

A festa das tendas começou. Todas as famílias montaram suas tendas. Todos dançavam, Hadassa e Obede começaram a dançar juntos.  Ele estava encantado,  com a beleza e delicadeza da jovem. 

Eliseba dançava com o namorado Joabe, que percebeu e comentou. — Eu acho que Obede está apaixonado. — comentou Lis.

Joabe sorriu, estava planejando pedir Eliseba em casamento,  e pelo visto, eu não seria o único a se casar,  pensou.

                        ***

Passado a festa, Obede decidiu retornar a Belém. Ele se despedia de Hadassa. — Eu gostei tanto daqui. Pretendo voltar.

— E eu irei em Belém, minha mãe gosta muito de sua família.

— Saiba que é recíproco, minha mãe e meu pai,  tem muito carinho por toda sua família.

— Está me devendo uma visita estão, Hadassa.

Ela sorriu. — Eu irei. Prometo.

 

                      ***

Na manhã seguinte, Joabe se despediu de Eliseba e Hadassa, e saiu para pescar, sua segunda paixão depois do artesanato.

Eliseba ficou observando Joabe ir embora, com um brilho no olhar.

— Você o ama, não é? — Hadassa perguntou a ela.

— Amo, amo muito.

Hadassa suspirou pensativa. — Ainda bem que meus pais compreendem isso, quero um amor como o deles.

— Acredito que eu e Joabe, seremos como meus pais, também, e como os seus. Mas e você e Obede?

— Somos amigos,  Lis.

— Sei... Eu acho que vocês estão se apaixonando...

Hadassa não negou,  Obede fazia ela se sentir diferente, algo desconhecido.

Um rapaz de se aproximou delas. — Shalom moças.

— Shalom.

— Se lembram de mim? — ele perguntou.

— Você não esteve à alguns meses atrás aqui, com Boaz, não é? — Eliseba perguntou, ao se recordar.

— Sim, eu me chamo Ethan. Eu sou...  Um camponês lá no campo de Boaz.

— De Belém? Então, bem vindo à Hebrom.

— Espera você é gibionita, não é?

— Sim, filho de Zareg.

— Meu pai fala muito do falecido ex-rei Zareg de Gibeão, era um bom homem, aceitou nossos costumes.

— Uma honra saber disso, que a sua memória permanece.

— Gostaria de falar a sós com a filha do líder de Israel, posso?

— Pode ir, Lis.

Desconfiada e um pouco preocupada, a sobrinha de Hadassa se retirou.

— Hadassa, eu quero me casar com você.— o rapaz foi direto.

— Infelizmente, eu não posso... — respondeu Hadassa até assustada.

— Você está prometida à alguém?

— Não, mas eu... Olha, eu sinto muito, mas eu não quero assim.

— Mas eu vou falar com seu pai, quero tudo corretamente, pedirei  a ele para te cortejar.

—Você não entendeu, Ethan... Nem nos nós conhecemos direito.

— Mas é justamente por isso que um rapaz corteja uma moça, para que os dois possam se conhecer antes de se casarem.

— Não vai adiantar. Meu pai jamais permitiria algo assim, contra minha vontade.

— Veremos, estarei em sua casa, essa noite.

— Ethan, espera...

No entanto, o gibionita não esperou, e se retirou a deixando sozinha.

***

À noite, Hadassa caminhava de um lado para o outro, na varanda de casa.

— Você está nervosa, Hadassa. — observou Joabe.

O primo a conhecia muito bem, ela se sentou ao lado dele. Ela parou, e olhou para o primo. — Joabe, porque algumas pessoas tem que ser tão teimosas? — perguntou à ele, nervosa.

— Não tenho essa resposta, mas sabia que aí tinha coisa... O que aconteceu, prima?

— É um rapaz aí que colocou na cabeça que vai se casar comigo, e nem adiantou eu dizer que meu pai não concordaria se eu não quisesse.

— E quem é esse rapaz? Daqui da Hebrom?

— Não... É de Belém,  lembra quando Boaz teve aqui na região, não faz muito tempo, ele estava com um rapaz, chamado Ethan?

— Ah sim. — Joabe recordou. — Eu conversei com ele, ele é filho do último rei de Gibeão, filho de Zareg. É ele?

— Ele mesmo.

— Pareceu um bom rapaz, não pareceu tipo que se casaria com uma moça, sem conquistá-la, primeiro.

— Pode até ser... Mas eu não quero me casar com ele, entende?

— Sim, mas nós sabemos que o tio Otniel não vai aceitar, fica tranquila, prima.

— Eu definitivamente não queria que isso acontecesse, mas eu o avisei, ele vai perder o tempo dele vindo aqui.

— Está pronto, crianças. — avisou Esther sobre o jantar.

ja estamos indo,  mãe.  Hadassa

— Ele ficou de vir aqui?

— Sim, mesmo dizendo que ele não deveria....

— Bom, você o avisou. Agora, vamos jantar, sua mãe já nos chamou.

Entraram e sentaram na mesa, junto com Esther e Otniel.

— Eu fiz aquela compota de tâmaras para depois do jantar. — avisou Esther.

— Eu amo esse doce, mãe.

— Amamos, nem em Aser fazem doces tão bom assim. — elogiou Joabe.

— Receita de minha avó Martha, aquela cozinhava bem... — Esther falou nostálgica. — Dona Martha, vocês não a conheceram, Yarin sim, e Elias conviveu com ela.

— Infelizmente não a conhecemos, nem o vô Quenaz. — Hadassa lamentou.

— Meu pai era um homem honrado, me ensinou muito, eu devo à ele tudo o que sou. Ele me ensinou, por exemplo, que devemos sempre agradecer ao Senhor a comida que temos na mesa. Eu agradeço Senhor, por mais essa refeição. Peço que nunca falte, que nos de saúde para que possamos seguir trabalhando e tendo o alimento.

— Amém. — todos disseram

— Então Joabe, como está sendo lá na oficina? — perguntou Otniel ao sobrinho.

— Indo muito bem, tio, assim como meu pai, eu pensei em ser pescador, mas percebi que levo mais para diversão, profissão mesmo, é artífice, e quero expandir a produção, sabe?

— Penso em um lugar também para até ensinar outras pessoas o artesanato. E quero me casar também, já está na hora.

— Muito bem, Joabe.

— Concordo, será mais uma bela festa de casamento, de um casal que se ama.

— Vai ser lindo mesmo.

— É... Daqui a pouco é a vez da Hadassa. Cada dia que passa essa casa fica mais vazia... — Esther lamentou-se.

— Que isso, tia, nas festas, e até mesmo no shabat, essa casa fica cheia. — o sobrinho comentou, alegre.

— Tem razão, Joabe, nas datas comemorativas, todos nos unimos. Isso é o importante, a união da família.

— Hadassa, minha filha, está quietinha, que foi? — Esther perguntou, preocupada.

Hadassa olhou para a mãe: — Ér, é que...

Antes que completasse, Ethan chegou.— Shalom à todos.

— Serei breve, senhor. Eu estou a pouco tempo na região, mas fiquei encantado com tudo por aqui, principalmente com sua filha.

Otniel surpreso olhou para a filha, que olhava para baixo, evitando olhar para Ethan.

— Você conversou com Hadassa? — o juiz perguntou desconfiado.

— Sim, mas bom, ela me disse que não queria, por isso resolvi vir falar diretamente com o juiz.

— Está dizendo que opinião da moça que quer cortejar, não importa? Esther perguntou.

— Estou dizendo que sei muito bem que quem escolhe o noivo para uma filha, são nos pais.

— Hadassa, minha filha  você está de acordo? Gosta desse rapaz?

— Não, não estou.

— Se é assim, eu não posso conceder a mão de Hadassa, Ethan.

— Então o juiz de Israel, ou será que é porque eu não sou rico, nem pertenço a Judá?

— Se minha filha te amasse, se ela quisesse, eu não viria problema algum.

***

Belém

Ethan retornou para sua terra, chegando dias depois. Salomé que sabia das suas intenções, foi conversar com o rapaz.

— E aí, como foi lá?

— Ela não quis, disse que não sente o mesmo por mim, e o pior... O pai fez o vontade dela.

— Como assim!? Você pediu ao juiz Otniel, mesmo depois de Hadassa ter dito que não queria!?

— Claro, o certo é o pai tomar a decisão pelos filhos. Ainda mais do caso dele, um juiz, líder de nosso povo, mas ele não fez isso.

— Eu acho que ele está certo, está pensando na felicidade, no conforto da filha.

— Pois eu a faria feliz.

— Mesmo!? Confesso que eu não entendi muito bem essa história, você nem mesmo saí daqui de Belém. Como pode ter se interresado por Hadassa, a ponto de querer se casar?

— Essas coisas acontecem rápido, Hadassa é raridade.

Isso sem dúvidas, mas você já voltou e agora fica com essa cara de desapontado,  você achou mesmo que Otniel, o juiz ia casar a filhinha dele com você?

Ele não o respondeu, ela continuou o provocando:

— Você é um idiota, Ethan. Patético.  Sinceramente, adora falar que é filho de rei...

Ele a interrompeu irritado, Salomé parecia sentir prazer em humilha-lo.

— Eu sou, meu pai Zareg, era rei, rei de Gibeão.

— Mas do que isso adianta? Sabe o que vale em Israel? Em primeiro lugar, não ser estrangeiro, e também, ter riquezas, e não apenas títulos de nobreza que ficaram no passado, como de um reino que nem existe mais.

— Foi por isso que você não quis se casar comigo, não é? Por isso, preferiu o Jônatas, porque ele é filho e herdeiro de Boaz, o dono desse campo.

Ela não o respondeu, não era preciso. Em seu olhar era possível perceber que o desprezava por sua condição.

— Você é tão pobre quanto eu, mas gosta do dinheiro, Salomé.

— Eu sou linda, acha que eu ia me conformar com uma vidinha simples ao seu lado? Eu mereço muito mais!

— Você não o ama, não ama Jônatas. Sempre preferiu o Obede, mas ele não te quis.

Salomé fingiu que aquilo não a atingiu, mas era a mais pura verdade. Ele conseguiu a atingir.

— Isso não é de sua conta. — Salomé o respondeu com raiva.

Essa não era a verdade, exatamente. Apesar de achar Hadassa bela, a verdade é que amava Salomé. Mas, ela o rejeitou, e se casou com Jônatas E ele, pensava que poderia agir como Salomé, e a filha do juiz era sem dúvida a melhor noiva que poderia ter em Judá.

O dote que ganharia seria o suficiente para mudar de vida.

— Agora,  eu vou entrar,  estou cansado da viagem. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...