1. Spirit Fanfics >
  2. Eternal Flame >
  3. After

História Eternal Flame - Capítulo 6


Escrita por:


Capítulo 6 - After


Elena P.O.V

Acordei em um lugar diferente, que não reconheci. Meus olhos arderam, a cabeça rodava, aos poucos fui lembrando da noite anterior. Um pequeno feixo de luz solar iluminava os travesseiros, ao lado da cama, havia um abaju, ascendi, possibilitando a análise do local. Depois de observar, deduzir que seria o quarto do Brad. A decoração era minimalista, mas bem organizado, as paredes em tons de off white, alguns prêmios importante na prateleira, e reconheci até o quadro como sendo da autoria do Mike. 

Depois da incontrolável crise de choro, nos deitamos no sofá, ele tentou me acalmar, ficamos juntos até eu adormecer, talvez seja o motivo de ter vindo para aqui. Olhei para o relógio, que estava sobre o criado mudo, apontava às 09:30 pm, domingo. Levantei da cama, bem confortável por sinal, me olhei no espelho, meu rosto tá todo inchado, possuía olheiras enorme, tô parecendo um zumbi. 

Resolvi tomar um banho, espero que o Brad, não se importe. Entrei na suíte do quarto, fiz a higiene matinal, retirei os resíduos de maquiagem, tomei um banho gelado, como de costume, para expanta a preguiça. Derrubei uma cesta com produtos de perfumaria, ainda bem que não quebrei nada. Sair da suíte, vestir a camisa do Led Zeppelin, e sequei os cabelos. 

Provavelmente, a bolsa com meus pertences ficou lá em baixo, inclusive o celular, e conhecendo meus pais, devem ter mandado mil mensagens. Ótimo, vou começar o dia levando bronca. E melhor eu ir pensando logo na Desculpa que vou dar. Escutei alguém bater a porta.

- Elena! -  Era o Brad, me chamando. Quando fui abri a porta do quarto, notei que ela estava destravada,  meio estranho.

- A porta tava aberta, por que você não entrou?

- Isso se chama invasão de privacidade. O quarto pode ser meu, mas você poderia estar em momento íntimo.

- Só você mesmo!

- Então, você dormiu bem? - Ele sentou sobre a cama? e eu seguir penteando meu cabelo. 

- Dormir bem, obrigado! E você? - Sorrir tímida, e não entrei em detalhes.

- Também conseguir ter uma boa noite de sono. Só que não foi isso que eu te perguntei, Elena, seu olhos estão inchados. Vem, olha para mim! 

- Muitas questões, medos e incertezas, ficaram guardado por um longo período. Tanto eu quanto você, sabemos que podemos contar um com o outro, sem sofrer prévios julgamentos. E respondendo sua pergunta, eu estou bem, porque você me faz sentir bem, Brad. - Me virei, e nós ficamos frente a frente.

Eu tentei resistir, disfarçar, manter o auto controle. Sei que temos muito em comum, até mais do que imaginava, precisávamos ir com calma. Mas era inevitável segurar o desejo por muito tempo. Ficamos em silêncio, sem saber quem daria o primeiro passo, se avançaria para o próximo estágio. Era perceptível o nosso nervosismo, respiração ofegante, coração desacelerado. Aquele momento, eu souber que por mais que eu fosse boa com as palavras, elas não descreveria o que estou sentindo, se tornaram inúteis, desnecessárias, o correto seria atitudes.

Respirei fundo, aproximei nossos corpos, seguir em direção a sua boca, e dei início a um beijo. O que começou leve, delicado, com se estivesse conhecendo cada detalhe, ele pediu passagem com a língua, e eu cedi. Mau pude acredita no que estou pensando.  Brad, intensificava o beijo, pôs as mãos em torno da minha cintura, me puxou fazendo com que eu sentasse no seu colo, deslizava os dedos pela minha coxa, pressionando meu corpo ao dele. Até nos separar para recuperar o fôlego.

- Elena, isso não está certo!

- É você só lembrou disso agora, Brad? 

- Eu...

- Shiii! É melhor não dizer mais nada!

Fiquei analisando suas reações. Era interessante o que o desejo pode fazer com duas pessoas. Durante uma fração de segundos, sentíamos tontos, confusos perdendo completamente a noção de onde estamos. A respiração falhou, meu corpo estremecer, eu precisava sentí-lo, apenas um olhar foi necessário para ele entender o que eu quero. O Brad me empurrou contra a cama, ficando por cima, voltou a me beijar, e foi descendo pelo pescoço. A sua barba provocava atrito na minha pele, que se arrepiava em resposta aos estímulos. Retribuir retirando sua camisa, e ele acompanhou meu gesto, me deixando apenas trajes íntimo, passei minhas unhas por sua pele, cravando elas em suas costas. Que soltou um gemido rouco,enquanto eu sussurrava seu nome, elevando ainda mais o grau de excitação.

Foi o suficiente para ele ter uma súbita e contraditória retomada de consciência.

- Elena, me desculpa! Não posso prosseguir com isso, quer dizer, eu quero... Por favor, me desculpa! Acho que passei dos limites.

Ele ficou tão desnorteado que não consegue formular uma frase com coesão, se quer conseguia me encarar. Se não fosse a gravidade, ele nem teria sido capaz de destingui o lado de cima do de baixo,  a esquerda da direita.

- Brad, por que está se desculpando?  Você não me forçou a nada. Ou eu fiz alguma coisa errada? 

- Não é por causa disso. E que eu não quero que ocorra algo nessas circunstâncias. Veja, ontem, você teve uma forte carga emocional, possa ser que nós estamos confundindo as coisas... - Interrompi!

- Para! Eu não estou confusa! Me responde por favor, você gostou, e agora quer reverter a situação?

- Não é bem assim... É que... - Ele fez vara de expanto com a minha pergunta.

- Brad, se prefere assim, eu vou respeitar, mas não seja hipócrita. Há uns segundos, seu corpo discordava totalmente da suas palavras agora. - Ele apenas consentiu com a cabeça.

Levantei da cama, com as pernas bamba, um pouco nervosa. Confesso que não esperava por esse comportamento, da minha parte, porém comecei a achar que ele havia me regeitado. O nosso desconforto era nítido,  ao ponto de não ter coragem para encará lo. Preciso ir pra casa.

- Esqueci minha bolsa no seu studio, pode pegar por favor? - Ainda tem mais essa.

- Sim, eu pego.

Seguimos pelo corredor que dar acesso à sala. Desci as escadas e não entendi o por quê eu fiquei constrangida ao ver o Rob, brincar com o gato. Ele não faz o tipo delator, mas mesmo assim, foi uma situação constrangedora, e vcs sabem o motivo. O Brad, retornou com a cara de culpado, piorando a situação. Trouxe com ele a bolsa e o casaco. Continuava a me evitar, não sei ao certo se é timidez ou hipocresía. Nos despedimos sem formalidade. Seguir caminhando, e olhei para trás, ele permaneceu parado  frente a porta de entrada. Dessa vez, sentir que devo dar mais uma chance para esclarecer quaisquer outras dúvidas. Voltei até lá.

Para minha surpresa, ele me deu um beijo de despedida, porém não foi qualquer um, envolveu emoção, intensidade, provocações. Terminei mordiscando lentamente seu lábios inferior. Sair dali sem dar explicações, entrei no meu carro e partir.

Abri a bolsa, e o celular está descarregado, agora agora bronca vem em dobro. Dei partida no meu carro, que é adaptado as minhas limitações. O trânsito está livre, por conta do domingo, posso até me destrair com meus devaneios, não estou conseguindo absolver tudo que ocorreu nas últimas horas. Nem nos meus sonhos mais aleatórios, poderia fantasiar que o Brad, tem tanta pegada. "Só posso ter surtado de vez".

Cheguei em casa, estacionei o carro, respirei, agora é a hora de enfrentar as feras. A essa altura do campeonato, já deve ter posto a S.W.A.T atrás de mim. Abrir a porta, e me deparei com o Mike e a Anna, sentados no sofá. 

- Aonde você estava, Elena? Isso são horas de chegar em casa?  Custava mandar uma mensagem para nós. - Minha mãe tentou amenizar a situação. 

- Calma, eu posso explicar! Meu celular descarregou.

- Calma é o Caralho! Vc é uma irresponsável, a gente tenta te dar um voto de confiança, enquanto você continua a agir como uma menina mimada e inconsequente. Nos ficamos preocupados, não conseguimos dormir, para a srta chegar aqui com essa cara de...

- Cara de quê? termina a frase se você tem coragem Michael Shinoda, afinal tenho certeza que é isso que todo mundo acha que eu sou, uma vadia.

- Não retire palavras da minha boca! - Ele gritou.

- Não tem necessidade de vocês ficarem gritando como loucos. Elena, essa Desculpa de celular descarregado não funciona mais. Onde você esteve alguém poderia ter emprestado um aparelho. Só para dizer "Oi mãe, estou bem". Sabe que eu e seu pai não vemos problemas em dormir fora de casa, por tanto que você avise com antecedência. 

- Esqueci, me desculpem! Ninguém morreu por causa disso. Estou viva, e não falta partes do meu corpo. Da próxima vez, eu aviso.

- Toda vez, a mesma história. Eu saio em turnê, e você me apronta uma. Não tenho um minuto de paz!

- Ok! Eu só acho engraçado é que,  você só se importa com esta porra dessa banda, quantas vezes eu precisei de vc ao meu lado, e vc não estava presente, só se preocupava em ser o gênio que faz tudo perfeito. E agora quer dar lição de moral.

- Elena, sobe para seu quarto agora, antes que eu perca a paciência! É essa banda que você odeia que te proporciona a vida fútil que você leva.

- Não consegui li dar com a verdade, né... Pois fique sabendo que eu preferia mil vezes, levar a vida como a maioria das pessoas levam, pelo menos elas tem uma coisa na qual fui privada de ter, um pai presente.

- Para com isso Elena, é melhor obedecer a ele! - Anna intervir, e segurou meu braço.

-Só vou porque a senhora mandou!

Obedeci a ela, subir para meu quarto. Eles não se importam em saber como eu me sinto, só sabem aponta meus erros, estou cansada de tudo. Deite na cama, liguei os fones de ouvido no volume máximo, deixei as lágrimas rolaram. O Paul e o Roger, vieram fazer companhia, impressionante como os gatos sabem quando estamos triste. Eles se deitaram ao lado. Eu ainda tenho muito sono, experimentei um carrossel de emoção, dormir pelo resto da tarde.

Acordei com fome, nem tive tempo para fazer as refeições. Também quero evitar novas discussões, continuei deitada. Será que eu peguei pesado com o Mike? Poderia ter descontado a raiva que sentia, nele. Até porque, hoje pela manhã, com tão poucos toque, o Brad foi capaz de transformar minha mente em um verdadeiro caos. Dúvida, incertezas, o que aconteceria daqui em diante? Agir por impulso, coloquei as emoções acima da razão.

Recordei que ele contou que desde de a morte da Elisa, não conseguio se apaixona por ninguém. Porém não especificou se ia além das fronteiras dos sentimentos, poderia muito bem fazer sexo casual, sem compromisso. Mais este fato, não diminui o que eu fiz, não tive um pingo de empatia, deixei me levar pelo calor do momento. Como sempre, tenho o talento para estragar tudo, erro até quando tento acertar. Levando em consideração que estou prestes a colocar minha relação familiar em risco. O melhor a fazer é dar um tempo em tudo, aproveitar que ele vai entrar em turnê, e eu vou para Holanda.

- Filha, você não comeu nada, vai acabar passando mal, de fome. -Mike entrou no quarto, meio receoso. 

- Fiz bolo de prestígio, seu favorito. Há! Não conta para sua mãe! - Eu sorrir.

- Eu te conheço, pode falar o que veio fazer aqui. - Sempre que exagera nas palavras, ele faz bolo para mim. É uma forma de pedir desculpas, e admitir que perdeu a razão.

- Desculpa por ter gritando com você, fiquei nervoso, preocupado sem saber notícias suas. Detesto ter que brigar com qualquer pessoa. Vim aqui ouvir sua versão da história, prometo não voltar a gritar. 

- Pode ficar tranquilo, não aconteceu nada de grave. Tive um contratempo, e precisei passar a noite na casa de um amigo. - Não mentir, só omiti os fatos.

- Só amigos? Você não voltou com aquele idiota australiano do Daniel? 

- Não, nunca mais tive notícias dele. Sabe também não sei o porquê de vcs implicarem tanto com ele. - Aproveitei para ligar a TV,  hoje é dia da final da copa da Inglaterra, Arsenal vs Tottenham.

- Ele é retardado! - Traduzindo, não atende aos pré requisitos para integrar a família Shinoda.

- O Bolo tá uma delícia!

- É, eu sei! Tudo que eu faço fica incrível.

- Inclusive eu aqui!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...