História Eterno Conflito de Amor - Capítulo 21


Escrita por:

Postado
Categorias A Madrasta
Tags Césarévora, Lasamazonas, Parejatekila, Victoriaruffo
Visualizações 8
Palavras 1.388
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Mistério, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 21 - Capítulo 21 - Meu filho apenas...


EMILIANO– Eu sou o que, chefa?– os olhos dele já continham lágrimas e ele já estava fora de si, sem dizer palavra alguma, apenas aquela expressão de horror e medo da verdade.

INÊS – Emiliano...– foi o que ela gemeu nervosa olhando os filhos, um com o horror nos olhos e outro perdendo o chão...

Inês não conseguiu controlar a dor de ter que dizer ao filho aquela coisa terrível. Era algo que uma mãe não quer de modo algum dizer a um filho, não mesmo. Sentiu o coração vir a boca e o alma flutuou vendo a expressão do filho. Ele estava sem chão, como a mãe poderia estar dizendo algo como aquilo.

EMILIANO– Mãe, eu sou um filho do abuso? Meu pai abusou de você?– ele disse sentindo os olhos da mãe carregados de lágrimas, ela estava aos pedaços e ele também.– Me diz, chefa!

Inês queria mentir, queria dizer que ele era seu amor, seu filho amado que ela tinha muito carinho e que nunca, nunca o culparia por nada de ruim. Mas olhando o filho ali sem chão, ela se curvou diante do que tinha que fazer.

INÊS – Alejandro, me deixe com seu irmão...–  ela pediu com a expressão do filho mudando completamente.–  Eu preciso conversar com seu irmão...

Emiliano olhou Alejandro e disse com cuidado, estava com medo das coisas que ia ouvir.

EMILIANO–  Eu não tenho  segredos para meu irmão...– disse com os olhos tensos.– Ele pode ficar, mãe e você diz tudo que tem para dizer... 

Emiliano sentia que o que ele ia ouvir era tão pesado e cheio de dor que ele queria a companhia do irmão para ajudá-lo a suportar e ele estava certo. Era mesmo só dor o que sua mãe tinha para dar a ele.

INÊS– Meu filho, você tem certeza?  Eu prefiro conversar apenas com você...

EMILIANO– Mãe, por favor, diz de uma vez.

Inês, vencida pelo cansaço disse a eles que fossem ao escritório e juntos, foram sem pensar em mais nada... Se sentaram e ela os olhou. Era tão difícil, como mãe ter aquela conversa. Ela ficou de pé, juntava as mãos nervosa.  

INÊS– Eu conheci seu pai, Emiliano quando ainda era uma adolescente, ele sempre foi apaixonado por mim. Ele sempre quis minha companhia, sempre quis estar comigo e eu não queria. Estava apaixonado por Victoriano e sempre quis estar com ele, me casar com ele. Quando estávamos namorando, escondido de nossos pais, Loreto armou uma cilada para que Victoriano nos visse juntos. Victoriano viu e depois de brigar comigo, me deixou sozinha na cabana em que me encontrou com Loreto porque pensou que éramos amantes.– ela deixou as lágrimas rolarem.– E ele me violou. Depois disso...

E Inês contou com riqueza de detalhes, tudo sobre como foi obrigada a se casar com Loreto, como a vida com ele era infeliz e miserável. Como ele tinha sido um perfeito animal com ela e as muitas outras vezes que teve de estar com ele sem querer... Emiliano chorava e Alejandro também quando ela terminou de falar. Eles amavam aquela mãe e assim como tinham medo de que algo acontecesse com ela, sentiram dor por nunca terem percebido o que acontecia...

Ela foi abraçada por eles dois com todo amor que podia e sem mais questões, apenas ampararam sua mãe e ela chorou. Emiliano não precisou de nenhuma explicação, as lágrimas de sua mãe, eram a maior explicação de todos os questionamentos que ele pudesse ter. Era o fruto de um abuso e mesmo assim tinha sido tratado com amor e respeito toda uma vida.

EMILIANO– Você sofreu, chefa, sofreu sozinha todos aqueles anos...– ele apertava a mãe.– Sofreu para ser nossa mãe, sofreu para ser a pessoa que nos cuidava e me amou apesar de eu ser uma desgraça...– antes que ele terminasse de falar, Inês tocou os lábios do filho com amor.

INÊS– Nunca mais repita isso, meu amor, nenhuma mãe pensa isso de um filho, nenhuma mãe que ama seu filho vai pensar uma coisa como essa. Você não teve culpa de nada, não teve culpa de coisa alguma!

ALEJANDRO– Irmão, eu te amo, não diz isso, você é o melhor irmão que eu poderia ter.– ele agarrou ele com força o tirando dos braços da mãe e os dois ficaram abraçados por alguns segundos.

Inês os olhou e teve a alegria de sentir que tinha educado seus filhos, que tinha criado seus filhos para o amor. Sim, o amor, que ela sempre tinha semeado estava ali, junto a ela. Ela sorriu em meio as lágrimas, tinha acertado duas vezes.

Emiliano soltou o irmão e depois beijou a mãe saindo, não havia nada a dizer e ele saiu. Inês limpou as lágrimas e sentiu o coração saltar de dor.

INÊS– Vai conversar com ele, filho, vai e ajuda seu irmão...

E Alejandro foi, estava tão preocupado quanto a mãe... Inês ficou ali e esperou as lágrimas passarem... E assim os dias se foram...

ALGUM TEMPO DEPOIS...

Emiliano estava cada dia mais silencioso, seguia seu namoro com Conny e nenhum dos dois tinha tido coragem de dizer a verdade aos pais que nunca tinham estado juntos. Alejandro e Diana seguiam o amor deles, desimpedido e feliz. Loreto não deu mais nenhuma notícia desde o episódio na cachoeira, tinha sumido, sem explicação, o que fazia Inês pensar todas as noites que ele estava armando algo forte para fazer...

Victoriano estava atolado em trabalho, estava chateado e cheio de afazeres, mas seu coração não tinha outra direção que não fosse a companhia de Inês. Ele sorriu e apenas pensou no que tinha preparado. Aqueles dias todos, aquela correria tinham deixado eles dois tão distantes. Queria estar com Inês para toda vida, para todo sempre, queria ela e ser dela...

Naquela noite, quando ele mandou os mariaquis pararem diante da janela dela depois de ter dito que dormiria em sua fazenda e ver Inês fazer cara triste porque desejava a companhia dele, Victoriano sorriu. Era um homem completamente apaixonado...

Ele não podia viver sem ela, não podia viver sem aquele amor tão explosivo e intenso que tinha em seu peito. Parou e sorriu para a janela que tinha contemplado tantas vezes... E gritou...

VICTORIANO– Meu amor, meu amor, morenita! Meu amor, meu amor, morenita!– ele disse alto, mas doce...sorria como se o mundo fosse acabar... – Meu amor, estamos aqui para você e por você...

E Inês surgiu linda, vestia um um robe transparente, preto, cobria a camisola curta que ela usava, mas dava a ele a visão perfeita de seu amor. Era tão linda, tão especial. Ela sorriu e colocou as mãos na boca em surpresa... ele era mesmo um homem perfeito... Estava ali, com flores nas mãos, uma garrafa de alguma bebida que ela não identificava o que era...

VICTORIANO– Meu amor, eu te amo mais que tudo, te amo mais que o céu, mais que a terra inteira, mais que o infinito. Eu sou um homem bronco, eu não sei as palavras lindas que você merece ouvir, mas eu posso dizer, você é minha égua favorita, minha única amazona, minha perfeita amora linda... É meu botão de rosa, minha fonte cristalina, minha mulher e minha menina, você, Inês Huerta Santos, é o meu amor...

Inês encheu os olhos de lágrimas e se recostou para ver seu amor começar a cantar enquanto ela gritava para ele.

INÊS– Te amo! TE AMO! Te amo, meu potrão! Te amo, meu búfalo bravo!

Ela sorriu batendo palmas para ele e sorrindo jogando beijo! Era um homem tão lindo! Ele cantou mais de cinco canções para ela com todo seu amor e sua dedicação. Depois, mesmo com ela rindo, ele escalou a janela como costumava fazer...

Quando chegou lá em cima com Inês rindo e segurando a mão dele para saltar o beiral da janela, ele apenas olhou seu amor e sorriu para ela com todo amor que ele podia ofertar...

Ajoelhou em frente a ela e tirando uma aliança do bolso ele pediu....

VICTORIANO– Meu amor, casa comigo, seja meu amor e minha esposa para sempre...– ele abriu a caixinha e viu os olhos dela brilharem de uma felicidade sem tamanho...

INÊS– Sim, meu amor, eu aceito!Eu aceito!– ela disse puxando seu amor para um beijo louco, onde os dois colaram seus lábios com todo amor que podiam.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...