História Eu Cuido De Você (Em revisão) - Capítulo 34


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, SHINee
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Jeon Jungkook (Jungkook), Jinki Lee (Onew), Jung Hoseok (J-Hope), Kai, Kim Taehyung (V), Lu Han, Minho Choi, Park Jimin (Jimin), Personagens Originais, Sehun, Taemin Lee, Xiumin
Tags 2min, Chanbaek, Hunhan, Idesign, Jikook, Kaisoo, Xiuchen
Visualizações 707
Palavras 3.026
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Fluffy, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, pessoal! Como vão?
Espero que gostem do capítulo, fiquei um pouco sem criatividade, mas consegui! ^-^

Desculpem os erros.
Boa Leitura ❤

Capítulo 34 - Capítulo 34


Pov Baekhyun 


– Foi ela, Sehun! Foi ela! Ela quem me encurralou no banheiro. Ela quem mandou os garotos me baterem.

As palavras de Kyungsoo ecoaram em minha mente e o meu coração se apertou ao ouvi-las. Sobre o que ele falava? Por qual razão eu não sabia dessa injustiça? Mas não iria deixar barato, mesmo.

– Como é que é? – olhei para trás e vi Jongin. O mesmo tinha uma expressão surpresa, parecendo não acreditar no que ouviu. Eu o entendia bem.

Ele virou as costas e saiu apressado com o Kyungsoo atrás dele. A raiva me consumiu e eu os segui, começando a correr e passando por eles rapidamente.

– EI, VOCÊ! – gritei e ela me olhou, mas continuou andando. Aquilo me irritou de uma maneira absurda. Não pensei duas vezes antes de agarrar o cabelo dela, escutando-a lamuriar, mas ainda assim não a soltando. – Olhe para mim!

– Ai! Me solta, seu louco! – sua voz saiu sôfrega e eu fiz com que ela me olhasse, assim que puxei seu cabelo.

– Baekhyun, solte ela. Agora! – Kyungsoo apareceu atrás de mim, desesperado pelo meu ato.

– Vamos, Baek, pare com isso! – Taehyung segurou o meu braço, mas ao tentar me esquivar acabei acertando uma cotovelada em Kyungsoo, que foi ao chão me deixando extremamente preocupado. – Olha o que você fez!

– BAEKHYUN! – ouvi o meu nome ser chamado e pude avistar Chanyeol se aproximando junto de Hana, ambos com expressões assustadas.

Mas a minha atenção foi desviada, assim que escutei uma lamúria de dor e vi que Kyungsoo escondia o nariz que sangrava. Meus olhos se arregalaram e eu a soltei rapidamente, correndo até ele e colocando ambas as mãos em suas bochechas.

– Soo, me desculpa, meu amor! Me desculpa! – o abracei e estava quase chorando.

– Leve ele para a enfermaria, Baekhyun. – a voz de Jongin soou ao meu lado e nem vendo o estado do namorado, ele desfez a expressão irada que direcionava à garota.

– N-Não precisa, J-Jongin. Eu estou bem.

– Pare de mentir, Kyungsoo. Daqui eu posso ver a sua dor. – Jongin nem o olhou nos olhos e eu quis dar uns tapas nele, ao sentir seu tom grosseiro.

– J-Jongin? – Kyungsoo o chamou e acho que ele também sentiu a rudeza do outro, mas antes que pudesse se chatear mais, segurei seus braços e o ergui, olhando para o Jimin e o Luhan, que se aproximaram de nós.

– Vamos logo, Soo. Esse clima irá te fazer mal. – o obriguei a caminhar, mas o mesmo manteve sua atenção no namorado, que ainda não o olhava.

– Vem, Soo, não olha não. – Jimin se posicionou ao lado dele e colocou a mão em seu ombro, como se quisesse confortá-lo.

Passei por Chanyeol e Hana, e os mesmos nos olharam, mas não devolvemos o olhar. Eu estava muito preocupado com o Kyungsoo, para conseguir oferecer um sorriso decente ao meu namorado. Nós quatro apenas continuamos com o nosso caminho, deixando-os para trás.


Pov Narrador


Chanyeol olhava para a cena, não acreditando que viu o namorado quase agredir a garota. A mesma tinha as mãos no cabelo, massageando a raiz e dando uma de vítima ao começar a chorar.

Sehun tinha um olhar preocupado em direção ao amigo, temendo pelo que poderia acontecer. Jongin se afetava com qualquer mínima coisa e ele sabia que foi errado não tê-lo contado sobre isso antes. Com certeza o amigo iria ignorá-lo por um bom tempo.

– Mas o que aconteceu aqui? Por que o nariz do Kyungsoo estava sangrando e por que o Baek estava com as mãos no cabelo dela? – Hana, confusa com o que via, os bombardeou de perguntas e Jongin ao ouvi-las, torceu o nariz e sorriu amargo.

– Eu também gostaria de saber… Você de novo causando problemas, não é, garota? – Chanyeol se manifestou, cruzando os braços na altura do peito e olhando de forma questionadora para ela, vendo-a engolir em seco ao ver que estava encurralada.

– Ela juntou um grupinho para bater no Kyungsoo. – para a surpresa de todos, fora Minho quem se prenunciou, se aproximando mais e monstrando a sua presença. – Pensei que eu fosse o cara mais babaca desse colégio, mas acho que encontrei alguém pior. 

A encarou com desdém, tendo o olhar de Jongin em si, que não conseguia nem ao menos demonstrar alguma reação ou gesto. Estava muito chateado, não pelo fato de sua descoberta, mas sim por Kyungsoo e Sehun ter escondido algo tão sério como aquilo.

– Eu não consigo ficar aqui. – foi tudo o que o moreno dissera, antes de dá-los as costas e sair correndo.

– JONGIN! – Sehun exclamou exasperado, começando a correr atrás dele e se vendo em um verdadeiro drama cotidiano.


Pov Chanyeol


Eu podia sentir todos os meus hormônios explodindo em ódio. Kyungsoo se tornou um de meus melhores amigos e saber daquele acontecimento me deixou muito irritado. Realmente, os seres humanos me cansam e são poucos aqueles quem um dia eu estenderia a minha mão. E, no momento, eu gostaria muito de jogar uma lata de lixo naquela garota cínica.

– Como você teve coragem? – a voz da minha irmã se foi ouvida e eu não fiz nem menção de impedi-la ao vê-la se aproximar dela. Se quisesse partir para cima, eu iria deixar e ainda riria muito.

– Está falando comigo? – ela se fez de desentendida, o que me fez sentir nojo.

– Ah, vai dar uma de sonsa agora? Você está de brincadeira. Olha o que você fez, o que pretendia com isso? Não me diga que pensou que o Jongin iria te dar atenção, só porquê o Kyungsoo estaria fora da jogada!? Você é só uma garotinha qualquer, que se acha a espertinha por ter um sobrenome legal e atitudes ridículas. – Hana parecia possessa e eu me perguntava quanto tempo mais demoraria para que ela metesse a mão na cara dela. – Cara, eu tenho nojo de pessoas com o carácter tão lixo quanto o seu. Eu poderia te bater, arrancar essa peruca que você chama de cabelo, mas eu não vou perder o meu tempo com isso. Pelo contrário, vou apenas te lembrar que mesmo depois de todas as coisas ruins que você fez, você foi rejeitada, desprezada e ficará sozinha para aprender. Mas, ainda assim, eu te desejo toda felicidade do mundo e quem sabe quando crescer, arrume alguém que possa suportar a sua presença indesejável.

Eu tinha um sorriso nos lábios, orgulhoso da minha pirralha, mesmo um pouco frustrado por não ter conseguido o meu show de pancadaria.

Olhei para a Hana e a vi olhar para a garota, que chorava baixinho. O meu sorriso se alargou ainda mais, pois eu sabia que a minha irmã queria abraçá-la, apesar das maldades dela. Essa era a Hana: te dá conselhos, te oferece sorrisos e se mete em tudo quanto é problema, somente para se sentir mal e culpada depois.

– Se já acabamos, podemos ir? Tem jogo hoje e eu não quero perder a chance de conhecer os garotos do time adversário. – ouvi a voz de Jungkook e só então vi que ele estava presente.

– Vou contar para o Jimin-ssi, em.

– Eu também! – Taehyung e Taemin se manifestaram e já nem parecia mais o clima tenso de antes.

Suspirei, pois era sempre assim entre nós. O mundo podia estar caindo em nossas cabeças, mas é só o problema ser resolvido, que fingimos que nada aconteceu. Clássico.

– Parem de chorar, vamos logo ver o jogo, pois eu sei que nós vamos ganhar. – segui o exemplo deles e segui em frente, me esquecendo da presença da garota e focando a minha atenção em Minho. – Enquanto a você, cara, nós não deveríamos estar querendo te matar? O que eu perdi?

– Longa história, Chanyeol. Logo menos você saberá. – Taemin se aproximou e passou a mão em meu peito, sem malícia, lógico, mas o sorriso dos meus amigos e o olhar ameaçador que recebi de Minho, me fez ter certeza de que estava no meio de um monte de mentes impuras.


Pov Kyungsoo 


Jongin estava chateado comigo e eu o entendia perfeitamente. Estávamos indo para a quadra. Eu já havia passado na enfermaria e a moça me deu um analgésico para aliviar a dor.

Tenho que admitir, Baekhyun tem um cotovelo muito bom e potente, quase que eu fico sem o meu nariz. O mesmo estava ao meu lado, de cabeça baixa e sem graça. Sabia que ele estava se culpando, mesmo depois de eu já tê-lo desculpado milhares de vezes.

– Ei, seu linguarudo, pare. Está tudo bem. – tentei o oferecer um sorriso e recebi sua atenção. Me aproximei e o abracei de lado, soltando-o rapidamente, assim que Luhan esbarrou em mim e quase me fez ir ao chão. É, hoje é o meu dia de sorte.

– Desculpa, Kyung, foi aquele mal educado quem me empurrou. – Luhan estava bravo e tinha um olhar mortífero em direção a um dos garotos do colégio adversário, que com certeza havia feito aquilo de propósito.

– Não dê atenção, Lu, ele é só um feioso sem NAMORADA! – Jimin exclamou audível, tendo intenção de que o outro escutasse e eu quase morri assim que o mesmo o olhou.

– Jesus amado, Jimin! Você vai nos colocar em apuros, homem. – Baekhyun soou brincalhão e lá estava o meu primo escandaloso novamente. – Escondam o rosto, rapazes. – e assim, fizemos. Levamos a mão até o rosto e apressamos o passo, quase correndo em direção à quadra.

Logo chegamos e eu passei a procurar o Jongin entre a multidão, não o encontrando em lugar nenhum. Suspirei frustrado. Eu queria me explicar à ele, queria pedir desculpas por não tê-lo dito nada, mas sabia que ele estava fugindo de mim e seria difícil.

– Ali estão os rapazes, Soo! Vamos lá. O jogo vai começar e você verá o Jongin. – senti a pequena mão de Luhan segurar a minha gentilmente, me puxando calmamente até as arquibancadas e nos sentando.

Os garotos sentaram-se ao lado de seus namorados e eu estranhei por não ver Hana entre eles. Suspirei, mais uma vez, me vendo ser deixado de lado enquanto sentia mais do que uma necessidade de ver o Jongin.


Pov Jongin 


Não conseguia me concentrar, a minha cabeço doía e os meus ombros pareciam pesar. Eu sempre me odiei por me importar tanto e o fato de ter descoberto sobre a agressão que o meu pequeno sofreu, me machucou muito. Ainda mais depois de saber que foi por minha causa.

– Aaaah, mas que droga! – dei um soco em um dos armários, agradecendo por estar só no vestiário, ou eu poderia acabar descontando a minha raiva em alguém.

– Kim, Kim, Kim, sempre cabeçudo e pensador. – fechei os olhos fortemente e respirei fundo, assim que escutei aquele tom inundado de deboche. – Você parece cansado. Precisa de alguém para ser o novo capitão do time?

– Se veio para encher a porra do meu saco, pode dar meia volta. Não estou com paciência para você hoje, Choi. – fui grosseiro e passei pelo mesmo, esbarrando em seu ombro e deixando claro que não queria conversar.

– Uou, mas a florzinha está muito brava hoje.

– Cara, o que você quer? Me deixa em paz, eu não estou me sentindo bem. – gostaria de ter sido mais rude, mas eu estava realmente cansado e não queria brigar. Evitei até mesmo conversar com o Sehun, depois de ter fugido dele.

Minho ficou em silêncio e eu me aproveitei disso para poder me sentar, praticamente me jogando no chão e apoiando as costas em um dos armários.

Torci o nariz ao que vi Minho se sentar ao meu lado, não entendendo o que ele pretendia. O mesmo se manteve em silêncio, me deixando ainda mais confuso com o seu ato.

– Jongin? – me chamou e mesmo não querendo, o respondi. Apenas um simples “Hum”. – Hoje eu fui pedir desculpas para os seus amigos, mas acabei me chateando. – não deveria estar tão interessado no que ele dizia, mas ainda assim eu prestava atenção.

– Se chateou por quê?

– Por causa do que aconteceu com o seu namorado. – o olhei rapidamente, totalmente surpreso com o que ouvi. – É, eu sei, já fiz pior. – soltei uma risada pelo nariz e, bom, tive que concordar. – Mas eu me arrependo de tudo o que fiz e gostaria de me desculpar com você também. Você tinha razão, não somos amigos e sua vida pessoal não me diz respeito, mas eu acho que passei todos esses anos te invejando e querendo ter a sua vida, para depois descobrir que eu já tinha tudo o que você tinha e ainda um pouco mais. – eu o olhava, procurando saber se suas palavras eram sinceras ou não. – Eu me assumi homossexual e o meu pai se demonstrou a melhor pessoa do mundo, destruindo todas as imagens ruins que eu havia criado sobre ele.

– Que bom, não é? – fiquei inexplicavelmente feliz ao ouvi-lo, não conseguindo esconder um mínimo sorriso ao vê-lo concordar.

– Sim! É muito bom. – ele balançou a cabeça freneticamente e eu quis morrer por tê-lo achado fofo. – Mas ficará melhor depois que você me perdoar também. – Minho me pareceu uma outra pessoa, mas eu não tinha certeza se queria perdoá-lo.

– Meus amigos perdoaram você?

– Sim, quer dizer, o Sehun disse que só me perdoaria depois que eu falasse com você.

– É a cara dele. – soltei uma risada fraca e apoiei a cabeça no armário, fechando os olhos e respirando calmamente. – E o Kyungsoo?

– Ele foi o primeiro. – sorri largamente, totalmente bobo com o coração mole do meu baixinho, que me deixava cada vez mais apaixonado. – E, ainda por cima, ganhei um sorriso lindo de coração.

Abri os meus olhos no mesmo instante, desfazendo o meu sorriso e fechando a minha expressão, o encarando de forma enciumada e o fazendo gargalhar. Era o meu sorriso de coração. Apesar de Kyungsoo oferecê-lo para todos, era meu e só meu.

– Não se iluda, o meu namorado é adorável e simpático. Ele só foi gentil. – cruzei os braços e o vi aumentar a intensidade de sua risada.

– Claro, claro, eu não disse o contrário. Sei que ele é o seu bebê e você tem que cuidar dele. Nós temos. – arregalei os olhos e lembrei de certa vez que disse tais palavras à Sehun.

– Não me diga que…

– Sim. Eu estava na quadra naquela noite e escutei a sua conversa com o Sehun. Cara, você é muito gay.

– Cala a boca, seu idiota! Eu apenas gosto de demonstrar quando amo alguém. – apesar das palavras, estávamos em um clima divertido, qual aos poucos estava me animando de novo.

– Certo, certo. Mas, sério, acho que você tem um jogo agora e nós podemos terminar essa conversa depois. – ele disse e se levantou, só então me toquei de que alguns jogadores adentravam o vestiário, junto do treinador.

– Ok, Choi Minho, nós com certeza iremos terminar essa conversa depois. – me levantei e acenei com a cabeça para ele, vendo-o retribuir o meu gesto. – Agora, se me der licença, tenho um jogo para ganhar.

– Duvido muito, florzinha. Estarei torcendo para você não chegar perto da bola. 

– Ah, sai logo daqui, seu maricá. – o empurrei e comecei a rir ao vê-lo quase cair.

Minho me ofereceu o dedo do meio, antes de sair do vestiário. Eu, por minha vez, suspirei e tentei me concentrar, vendo o treinador nos reunir e começar a falar.


(Quebra de tempo) 

Pov Kyungsoo 


Eu estava com os nervos à flor da pele vendo o meu namorado jogar e faltar apenas dois pontos para que eles ganhassem, mas faltando apenas três minutos para o jogo acabar.

Eu nunca havia visto um jogo ou me interessado pelo esporte e entendia perfeitamente o motivo disso. Era muito estressante e barulhento, as pessoas gritam demais e se desesperam com qualquer mínima coisinha. Não muito diferente de mim, é claro.

– Olha, Soo, o Jongin pegou a bola! – Baekhyun exclamou, mordendo as unhas e dando pequenos pulinhos, já que estava de pé junto dos outros.

Eu olhei para a frente e inconscientemente levei as mãos até as minhas orelhas, tentando conter o meu nervosismo ao ver Jongin passar por dois brutamontes e quase ser derrubado por um deles.

Meu namorado jogou a bola e fez uma cesta de três pontos, fazendo a torcida ir à loucura e correr para parabenizá-lo, já que havíamos ganhado faltando dois segundos para o final do jogo.

– GANHAMOS, SOO, GANHAMOS! – Luhan veio me abraçar e os outros fizeram a mesma coisa, formando um desengonçado abraço em grupo que se encaixou perfeitamente no pouco espaço em que estávamos.

– Vamos lá falar com o Jongin! – ouvi a voz de Chanyeol e o mesmo fora o primeiro a se desgrudar do abraço, descendo das arquibancadas e indo a passos rápidos até o Jongin, que correu e pulou em seu colo.

Fiquei com ciúmes ao vê-los, mas não haviam motivos para fazer algum alarde. A cena era fofa e alegre, nada que o meu ciúme bobo não pudesse suportar.

Os outros garotos também foram abraçá-lo e se formou uma grande multidão de pessoas, quais não me deixavam chegar perto dele. Suspirei, pois queria ser o primeiro a vê-lo, mas resolvi voltar para as arquibancadas e esperar pacientemente pela minha vez.

Me sentei e fiquei observando a quantidade de pessoas presentes, pela primeira vez, me sentindo bem em estar entre elas. Mas, aos poucos, comecei a me sentir impaciente, batendo os pés no chão e brincando com os dedos.

– SOO! – escutei Jongin me chamar ao longe e passei a procurá-lo entre a multidão, vendo-o tentar passar pelas pessoas, que pareciam cada vez mais aumentar. – KYUNGSOO! – me chamou mais uma vez e eu me levantei, indo até ele e conseguindo alcançá-lo, agarrando o seu pulso e o tirando da multidão. – Amor, olha só, eu… – tentou me mostrar o troféu em sua mão, mas eu o interrompi, colocando ambas as minhas mãos em suas bochechas e selando seus lábios.

– Desculpa. – disse após nos separar e fui pego de surpresa ao receber um apertado abraço, juntamente de um beijo em minha testa.

– Está tudo bem, amor. Vamos conversar sobre isso em casa, ok? – senti uma das mãos de Jongin apertar a minha bunda e arregalei os olhos, vendo-o sorrir de forma maliciosa. – Agora… FESTA NA MINHA CASA, PESSOAL!

Algumas pessoas gritaram animadas e eu me senti contagiado com tamanha euforia, sorrindo para o nada assim que Jongin me abraçou novamente. 

Nunca gostei de festas e barulho, mas hoje irei me permitir divertir um pouco. Acho que mereço. Acho que merecemos.


Notas Finais


Lá vem os alcoólatras! Vamos rir um pouco kkk.
Shippem Hana e a "ex-noiva" do Jongin, otpzão elas rs.

Gostaria de agradecer pelos favoritos, comentários, visualizações e carinho que vocês dão à mim e minhas fanfics. Muito obrigada, mesmo! O meu amor por vocês é gigantesco. ❤

A fanfic não vai demorar muito para acabar e os próximos capítulos serão muito lindinhos, vocês vão ver. ^-^

Até mais! ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...