1. Spirit Fanfics >
  2. Eu Decidi Amar Você... >
  3. O Reencontro...

História Eu Decidi Amar Você... - Capítulo 4


Escrita por: MiukyYouko

Notas do Autor


Oi galerinha... Vamos de capítulo novo. Espero que gostem. Pessoal, me desculpem pela qualidade da foto, ok?

Capítulo 4 - O Reencontro...


Fanfic / Fanfiction Eu Decidi Amar Você... - Capítulo 4 - O Reencontro...

Depois de sair da sala de Yomi. Decidi que precisava de um tempo sozinha. Fui então ao meu quarto. E após vestir um traje de batalha. Parti  em direção a floresta sangrenta. Uma floresta extremamente perigosa para quem não conhece o local. Pois é habitada por criaturas cruéis, assassinas,  e famintas. Ela se localiza no vale do desespero, ao leste do Makay. 

E mesmo sabendo disso, eu não me importava. Pois além de conhecer o lugar muito bem. Eu também precisava descarregar toda a minha raiva e, frustração em  alguém. E ninguém melhor do que aqueles seres cruéis,  e assassinos... Fui então para a floresta. E após dezesseis anos sem me transformar. Resolvi retomar novamente, minha forma de raposa. Em minha forma de raposa, meus cabelos negros, tornam-se platinados. Além de uma longa calda fofa.  e,  orelhas no topo de minha cabeça. Meus olhos mudam do verde água,  para um amarelo afiado. E um ódio imenso toma conta de minhas ações, e de meus instintos. 

Assim que entrei na floresta, fui em busca de diversas criaturas. E assim,  iniciei então a minha diversão. E por três dias permanesci naquele lugar. Até não haver mais nenhum ser respirando, além de mim. Aproveitei então o silêncio que reinava, para dormir. Me acomodei então em cima de uma árvore, e por dois dias permanesci ali. Até sentir que alguém se aproximava. Depois de ouvir passos, e confirmar que havia alguém ali. Me levantei, e após averiguar.  quem eram e, o que buscavam. Continuei observando. E descobri que se tratava de soldados enviados por Yomi. E que estavam a minha procura. Decidi então que, era hora de voltar a Gândara...

    

        Enquanto isso...

         Em Gândara. 

Sashi: ora, ora, ora... Vejam só quem está aqui... o mestiço,  filho de uma imprestável... Me diz uma coisa garoto? Por acaso está esperando pela sua mamãezinha? Sinto dizer que, talvez  ela não volte... rsrsrsrsrsrs... Seu garoto idiota... Com certeza sua doce mamãezinha decidiu que já era hora de te abandonar. Afinal, mais cedo ou mais tarde, ela iria se cansar de você. Um mero garoto, sem qualquer perspectiva de futuro. Você não passa de um fardo. Um fardo pesado que ela suportou por muito tempo. E em fim, ela decidiu te deixar para trás. E seguir em frente... Livre, e sozinha...

Eliel: desgraçado... Por que não cala essa maldita boca, seu grande imbecil? Pelo visto você deve ter nascido de uma chocadeira né? Não sabe o que é ter amor de mãe. Mas não se preocupe, você vai pagar pelo que disse sobre a minha mãe. Covarde miserável... 

Sashi: quem você pensa que é, seu moleque maldito? Vou faze-lo em pedaços,   por se atrever a me desrespeitar,  Ouviu?  Vai se arrepender por me ofender, pirralho de língua solta.  Prepare-se...

Yomi: eu não faria isso. Se fosse você. Por isso, não se atreva a tocar em um só fio de cabelo dele. Ouviu bem, Sashi? 

Sashi: se,senhor? Sim senhor...

Sashi então se retirou com um imenso ódio,  queimando em suas veias. Agora mais do que nunca. Ele desejava se livrar de Eliel, e principalmente, de minha pessoa...

Yomi: Eliel, você está bem? Por que enfrentou Sashi daquela maneira? Não sabe que ele poderia ter te matado? E se isso tivesse acontecido, o que eu diria a sua mãe?

Eliel: eu não pensei em nada. Só em ataca-lo. Pois ele ofendeu minha mãe. E não aceito que ninguém, fale da minha mãe...

Yomi: tudo bem. Eu entendo. Mas, mudando de assunto... Eu estou começando a me preocupar com, esse súbito desaparecimento de sua mãe. Já fazem cinco dias, e nenhum sinal dela. Nenhum dos soldados que enviei, a encontraram... 

Eliel: não se preocupe senhor. Ela sempre age dessa forma. Principalmente quando se sente magoada, frustrada, ou pressionada. Mas ela volta. Ela sempre volta... E o senhor,  já deveria saber que, quando minha mãe quer. Ninguém é capaz de encontrá-la. O senhor a conhece a muito tempo, não é?

Yomi: é, você tem razão... Miuky sempre foi boa em se esconder... Mas quanto a, ela   sempre  voltar.  Você, tem certeza disso? Tem certeza de que ela, voltará dessa vez? 

Eliel: sim, eu tenho certeza. Afinal, ela não iria me abandonar, não é? E também, se não acredita em mim.  O senhor pode perguntar ao Hiuky. Pois ele esteve ao nosso lado, esse tempo todo. E, ele a conhece melhor do que qualquer um nessa vida...

Yomi: tudo bem. Realmente, você está certo. Ela é teimosa. Mas, mudando de assunto novamente... Me diz uma coisa,     Eliel.     O que nós dois combinamos?   Por acaso, esqueceu-se de que,  pedi a você que me chamasse de tio? Ou até mesmo de Yomi? Apenas Yomi. Eu me sinto melhor. Pois quando me chama de senhor. Eu me sinto ainda mais velho, do que sou realmente. 

Eliel: tudo bem. Como desejar. Mas, me diz uma coisa? E quando seu filho Shura nascer? Ele não irá lhe chamar de senhor? 

Yomi: sim. Mas é que, ainda  estou me preparando para  isso.

Eliel: e não deveria me permitir chamá-lo dessa forma? Como parte do treinamento? 

Yomi: não. Definitivamente, não...


Enquanto conversavam, Yomi e Eliel entraram. E Sashi retornou a entrada do palácio. Ele estava espumando de ódio. Mas nada fez a Eliel. Pois meu menino contava com a proteção de Yomi...


          Mais tarde...

       Retornando ao reino. 


Algum tempo depois, cheguei a entrada do palácio. E os soldados me olharam assustados. Pois eu ainda me encontrava em minha forma de raposa, e toda suja de sangue. Mas vendo-os agitados. Rapidamente, retornei a minha aparência normal, e já tão conhecida por todos. Em seguida,  entrei. E fui direto aos  meus aposentos. Tomei um banho, e simplesmente adormeci. Devido ao cansaço...

 No dia seguinte, fui ao quarto do meu filho. E dei-lhe um beijo. 

Eliel: oi  mamãe. A senhora voltou rápido dessa vez. Por Inari...  Eu fiquei preocupado. E Yomi também se mostrou bem aflito... Mas ainda bem que, a senhora voltou... Eu te amo mamãe... 

Miuky: me perdoe meu amor. É que eu realmente precisava desse tempinho sozinha. Eu também amo você... E não se preocupe. Depois eu me entendo com o Yomi, ok? Agora, vem cá e, me dá um abraço.  E nunca mais, se atreva a enfrentar aquele maldito do Sashi outra vez, entendeu? Você me  ouviu bem? 

Eliel: sim mamãe. Me perdoe. Mas é que, ele te ofendeu. E insinuou coisas ruins sobre a senhora... E eu simplesmente, não permito que ninguém fale de você mamãe... Ninguém... 

Após paparicar meu filhote por mais um tempo. Fui trabalhar... Assim que entrei no escritório de Yomi. O mesmo me recebeu com ironia. 

Yomi: ora, ora, ora... Então, resolveu voltar? E vejam que surpresa, decidiu trabalhar também. Devo conciderar isso como um milagre no dia de hoje? Ou será que,  simplesmente decidiu acordar e, assumir suas responsabilidades junto ao reino?

Miuky: bom dia para você também, Yomi. Eu precisava desse tempo sozinha. Não espero que você entenda. E por favor, sem sarcasmos, ok? Pois meu humor ainda se encontra péssimo. Eu não estou com minha paciência, totalmente recuperada.

Yomi: vejo que apesar de parecer mais tranquila. Você ainda está meio, chateada. Por acaso sua mudança, tem a ver com a volta de um certo alguém?... 

Miuky: por favor Yomi. Eu realmente não estou com paciência. Por tanto, nem ouse terminar a frase, sim? Acho melhor trabalharmos. Não quero ouvir mais nada. Por favor... 

Continuei meus afazeres em silêncio. E no fim do dia, fui direto  para o meu quarto. Pois desejava evitar mais discussões com Yomi... Os dias se seguiram, e Yomi se manteve distante. Notei que ele estava magoado comigo. Porém, nada fiz a respeito disso.  Eu  simplesmente, não fui capaz de fazer nada, para que as coisas viessem a melhorar entre nós...


       Dois meses despois...

        A chegada de Kurama.

O dia amanheceu cinzento, e particularmente frio. Porém para mim. Era um dia agradável. Pois a  muito tempo que,  aprendi a me identificar com climas nublados em minha vida...

Dessa forma, me levantei e  após me vestir.  Decidi ir até o jardim de inverno. Ao chegar lá, me sentei. E por um longo tempo. Mergulhei minha atenção em um livro. E assim permanesci, totalmente absorta em minha leitura. Pois o livro era simplesmente maravilhoso. Até que de repente, fui interrompida por Yomi. Que ao se aproximar, sentou-se ao meu lado. E por um breve momento. Foi-me possível sentir, como se, como se ele me olhasse diretamente nos olhos. Pois mesmo Yomi sendo cego. A capacidade que ele tem em,  analisar tudo e todos ao seu redor. É simplesmente fascinante. Ele é capaz de captar os diversos tipos de sentimentos. Bem como,  o comportamento  de cada pessoa. Entre outras coisas mas... Enquanto eu pensava sobre isso. Ele me disse.. 

Yomi: bom dia princesa... Preciso falar com você  por um momento. Pode ser? 

Miuky: bom dia Yomi. Pois não? Pode falar. Do que se trata? 

Yomi: bem. É que, na verdade eu só quero avisar que, hoje estarei fora por algumas horas. Eu estou indo até a floresta próxima daqui. No entanto, não se preocupe. Pois será por um breve momento apenas.  Então, se precisar de algo. Simplesmente faça. Não espere pelo meu retorno. Afinal, você tem minha permissão,  para tomar algumas decisões sozinha. Está bem? 

Miuky: tudo bem. Mas,  o que vai fazer lá Yomi? Está procurando algum novo local de treino, por acaso? Ou é apenas um passeio,  para arejar a cabeça?  

Ele então me olhou. E de forma irônica, me respondeu.

Yomi: por acaso você perdeu a memória, enquanto esteve fora? Vai dizer que, esqueceu?  É hoje o dia em que ele chega.  Kurama vai estar aqui em poucas horas. Então, por favor... Nao se faça de boba.  Você sabia muito bem, que ele viria. Então,  por que todo  esse teatro? 

Miuky: ho,hoje? Mas já? Você tem certeza Yomi? Eu, bem... Eu, eu...

Yomi: não precisa dizer nada. Não quero ouvir desculpas. Não estou com paciência para fingir que está tudo bem. Quando na verdade, não está. Por isso, estou indo. E depois que terminar suas tarefas. Pode ir descansar. Não precisa comparecer a reunião de hoje. Pois os assuntos que serão tratados, você já conhece bem. 

Miuky: realmente está preocupado com minha saúde? Ou apenas está tetando adiar meu encontro com Kurama?

Yomi: humpf... Pense o que quiser... Afinal, não lhe devo explicações... E muito menos, tenho o direito de mandar em sua vida... Faça o que quiser... Com licença. 

Ele então se foi. E eu fiquei sozinha... Com o coração acelerado,  e as mãos suando frio. E me amaldiçoando internamente por ainda amar aquela raposa maldita. Mas também, Kurama foi o meu primeiro amor. Meu primeiro amante. E apesar de nosso passado. Ele foi muito bom para mim. Mesmo ele  sendo um ser cruel, frio, e sanguinário. Ele me amou. A maneira dele, mas me amou. E jamais me tratou mal...

Depois da recepção nada amigável de Yomi,  para com Kurama. Yoda então apareceu. E avisando Yomi sobre  a reunião. Observou Kurama como se,  ele fosse um mero inseto. Em seguida porém, ao ouvir de Yomi.  Que Kurama também iria   participar da reunião. Yoda então, conduziu o ruivo ao palácio. E após mostrá-lo o quarto que lhe fora destinado. Entregou-lhe o uniforme do exército de Gândara. Esperou até que ele se trocasse. E  em seguida, Eles  se dirigiram  para a sala principal... Onde ocorreria a reunião para a discussão dos planos de unificação do Makay.  Os principais concelheiros de Yomi. Os aguardavam. Após a reunião, onde algumas questões levaram a discussões, devido a opinião do ruivo. Yomi o convidou para ver algo, segundo ele,  muito importante. 

Dessa forma, eles então foram até a ala do palácio.  onde ficavam localizados, o laboratório, e a prisão. Lá,  Yomi mostrou ao  ruivo. Preso, o  youkai que no passado,  fora responsável por cega-lo.  E após algumas palavras. O infeliz finalmente confessando, contou quem o contratara para matar o homem a sua frente. Yomi ao ouvir que fora Kurama o responsável. Ficou com  muito ódio.  E matou o monstro que estava preso. Com um único pisão em sua cabeça. Em seguida porém. Yomi deu uma gargalhada. E depois disse ao ruivo. 

Yomi: Kurama,  pode parecer estranho. Mas eu não estou indignado com você. Eu reconheço que, realmente fui um estúpido. E acabei sacrificando muitos dos nossos companheiros. Se eu fosse o chefe como você. Teria feito a mesma coisa que você fez. Teria me matado sem vacilar.

Kurama: o que você pretende fazer comigo? 

Yomi: eu só quero que você se junte a mim.  E seja meu ajudante. Eu preciso da sua força. Da outra vez, apesar de minha estupidez. De alguma forma, eu ajudei você. Agora eu preciso de sua ajuda para  unificar o mundo das trevas. Eu quero realizar a minha ambição... 

Kurama: e se eu disser não? O que vai fazer comigo? 

Yomi: os seres humanos, costumam viajar muito. Não é? 

Kurama: como é que é? 

Yomi: é, a pessoa que  você adora. Está viajando de avião. E tomara que o avião não caia. A tragédia de um casal recém casado, não seria uma fonte de notícia tão importante. 

Kurama: seu maldito... 

Após algum tempo,  trocando farpas. Yomi e Kurama se separaram. Com o ruivo dizendo que o ajudaria. E Yomi dizendo que ele ainda era o mesmo ser frio, e cruel. Pois primeiro vinham os planos. Depois o amor e o ódio se mesclavam em seu interior. 

Depois de algum tempo, Kurama decidiu ir para o seu quarto.  E enquanto caminhava pelos corredores escuros,   e silenciosos do palácio.

 Em um dado momento.  Ele se encontrou com  um belo jovem,  que vinha na direção oposta a sua. Ele então ao ouvir os passos, rapidamente levantou os olhos.  E ao avistar o rapaz a sua frente.  Ficou imediatamente surpreso. 

Kurama on: mas quem será esse rapaz? A aparência dele. Lembra muito a minha própria, como Kurama Youko. Com algumas diferenças,  é  claro.  O semblante é meigo. E não demonstra ódio. Os olhos são verde água,  como... como... não, eu estou imaginando coisas... Simplesmente não tem como...

Kurama off...

Eliel: me perdoe, mas por acaso você é,  a pessoa de   quem meu tio Yomi,  falou nos   últimos meses? Kurama, não é? 

Kurama: sim. Sou Kurama.  Mas, e você? Quem  é você ?

Eliel: eu? Bem, eu sou Eliel.  E é um prazer conhece-lo. Ouvi muito a seu respeito.  Mas agora,  se me der licença.  Eu preciso descansar. Amanhã tenho treino logo cedo. Boa noite Kurama. Nos vemos por aí... seja bem vindo...

Eliel então seguiu para seu quarto.  E o ruivo ficou ali parado,  no meio da noite.  Um pouco curioso a respeito de quem seria aquele belo rapaz. Pois em seu coração,  algo lhe dizia  que aquele menino. Era alguém importante.  

No dia seguinte,  Yomi me contou sobre sua conversa com o ruivo. E da reação do mesmo diante dele.  Por minha vez, eu apenas o  ouvi em silêncio.  Até que ele disse. 

Yomi: você não vai falar nada? Não vai me perguntar sobre o monstro que matei?  O qual foi responsável por roubar a luz dos meus olhos? 

Miuky: não. Eu não tenho nada a dizer. E acho que esse assunto já está encerrado.  Não é? 

Yomi: espera um momento... então,  você sabia que  Kurama fora o mandante?

Miuky: sim. Eu sabia. Afinal,  vivi com o Kurama pelo menos duzentos anos,    após seu desaparecimento Yomi. Ou melhor,  após ele ter mandado te matar. 

Yomi: tudo bem... eu entendo.  Você não tinha motivos para me contar nada. Vamos trabalhar né? 

Após aquela breve conversa.  Fomos trabalhar juntos. E durante todo o dia. Ele me tratou com carinho e atenção.  O que eu achei estranho.  Devido aos  últimos meses.  E principalmente depois dele  ter descoberto que, eu sabia sobre o atentado que  ele  sofrera. Porém,  decidi apenas aguardar para ver o que iria acontecer.  E por isso,  nada disse.

Ao anoitecer,  próximo ao horário do jantar.  Yomi me disse que não precisaria mais de  mim. E que eu fosse me arrumar para o jantar que aconteceria em poucas horas.  Ele também me pediu  que antes de ir até a sala de jantar.  Que eu me vestisse com um presente que, ele mandara deixar em meu quarto.  E mesmo sabendo de suas intenções.  Resolvi fazer o que ele queria. Depois de me arrumar.  Fui em direção a sala de jantar.  Mas antes,  passei pela cozinha,  afim de conferir se tudo estava caminhando bem por lá. 

   

         Enquanto isso...


Na sala de jantar,  já estavam todos a mesa.  Somente as figuras  mais importantes do reino estavam ali.  Ao lado esquerdo de Yomi, estava Eliel,  que conversava animado com Yoda. Por sua vez, Kurama se encontrava assentado de frente para uma cadeira vazia. Localizada a direita de Yomi. Esse era o lugar no qual, eu me sentaria. Alguns minutos após perceber que,  eu me aproximava da sala de jantar.  E que eu estava exitante  em entrar.  Yomi então tomou a palavra,  e disse.

Yomi: bem. Eu quero agradecer a todos os presentes.  E dizer que,  espero realmente que com a colaboração de todos vocês.  Possamos finalmente conquistar todo o Makay. E assim unifica-lo em um único império.  Devo dizer porém, que essa noite no entanto, eu desejo apenas festejar.  Mas para que minha alegria seja completa.  Ainda falta alguém aqui. Bem, a ilustre pessoa que ainda não se encontra presente.  É uma figura muito importante em meus planos.  Pois meu desejo é que, ela seja a futura rainha desse império.  O qual pretendo conquistar.  Por favor  Yoda, peça a ela que entre.  sim? 

O velho youkai então se levantou, e  todos os olhos o acompanharam. Ele por sua vez, foi ao meu encontro. Assim que o avistei. Soube que não havia mais como adiar. Eu teria que enfrentar o meu destino. E  encarar Kurama frente a frente, depois de dezesseis anos sem vê-lo.  

Caminhei então, em direção a  sala de jantar. E enquanto caminhava, tentava me acalmar interiormente. Já que, aparentemente eu estava despreocupada. Mas, interiormente eu estava ansiosa, desesperada, e com medo...

O vestido que Yomi me dera, era belo e elegante. Um vestido preto, longo e justo. Com um discreto decote em v, e uma abertura na lateral direita, que ia até a minha coxa. Revelando minhas pernas bem torneadas. Ele também acentuava as curvas de meu corpo, de maneira discreta. Meus cabelos estavam soltos. O que era raro. Pois no dia a dia, eu os usava preso em um rabo de cavalo. Meu look terminava com uma maquiagem leve e  discreta. Entrei. E  os olhares de todos,  vieram em minha direção.  Alguns eram de admiração, outros estavam carregados de desejo e  luxúria.  Me fazendo arrepiar de nojo. 

Todos me observavam. Todos, menos Kurama.  Que aparentemente não demonstrava ter interesse na tal  figura anunciada por Yomi. E achava mais interessante observar  meu filho  Eliel, com aparente curiosidade. Porém, de maneira discreta.  No entanto, isso durou somente até,  ele ouvir minha voz. 


Miuky: aqui estou Yomi. Por favor, perdoe-me pela demora. Peço desculpas a todos...  

Nesse momento, Kurama levantando a cabeça. Olhou-me diretamente nos olhos.  De uma forma doce. Demostrando alegria e admiração por me ver novamente. Porém, nada disse. Em seguida, no entanto. Ele mostrou-se totalmente surpreso, quando Eliel me olhando com admiração. Disse...

Eliel: você está simplesmente deslumbrante. Tão bela quanto uma verdadeira rainha... É você mesma, mamãe? Pois custo a crer em meus olhos... 

Miuky: obrigada meu amor. Bondade sua, não estou tão bonita assim... 

Yomi: eu concordo com Eliel. Realmente, você está magnífica... Você tem a beleza digna de uma rainha, minha princesa. Não seja modesta, você está lindíssima...  você não acha,  Kurama? 

Kurama: realmente... Está ainda mais linda do que eu, costumava  me lembrar... Muito mais... 


Me senti corar com o comentário do ruivo. No entanto,  permanesci em silêncio. O observando  por um momento porém.  Notei  que, embora Kurama nada deixasse  transparecer. Ele estava realmente surpreso por descobrir  que, Eliel era  meu filho. E ainda mais surpreso. Por me ver ali, ao lado de Yomi... Além de ter constatado imediatamente  a possibilidade de Eliel,  ser  também seu filho. Afinal, ele jamais imaginara  que me encontararia novamente. Ainda mais, ao lado de Yomi... 

          Continua...


Notas Finais


É galera, acho que o negócio vai complicar. E vocês? Bem, até a próxima... E me perdoem os erros ortográficos, ok?
Beijinhos com carinho.
Miuky Youko 🌹🌹🌹🌹


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...