1. Spirit Fanfics >
  2. Eu era... >
  3. Capítulo 32

História Eu era... - Capítulo 32


Escrita por: HelenaRose

Capítulo 32 - Capítulo 32


- E ela não surtou quando você contou? - Dustin perguntou fazendo uma cara de estranheza - Tem certeza que é a Max?

- É claro. Eu também fiquei assustado a princípio, pensei que ela surtaria, espero ela me xingar ou coisa do tipo e ela não fez nada - Lucas deu um gole em  sua cerveja.

- Eu não sei se isso é bom ou ruim, nós conhecemos o temperamento dela, e você Lucas, a culpa é sua se ela surtar - Mike jogou a real.

- Vocês falam como se a Max fosse louca - comentou Will.

-Eu não disse isso, jamais.- afirmou Lucas.

Estavam tendo uma social entre os amigos, como os velhos tempos. Contando de suas vidas, o trabalho e todo o resto da vida adulta.

O exame de D.N.A ficaria pronto em dois dias. E Léo já havia ido passar os 4 fins de semana do mês com eles. Max e Lucas já tinham comcordado que se desse positivo, o garoto viria viver com eles no mesmo instante, já tinham um certo afeto por Léo. E se por Ventura der negativo, eles entrariam com o processo de guarda, já que adoção é mais complicado quando se tem um famíliar como a avó. era um caso a se pensar com cautela.

Max estava com os dois filhos naquela noite em casa. Tinham combinado de cada um ter seu tempo para sair e se distrair um pouco.

- Mãe você sabia que o Léo é igual a você? - Billy comentou enquanto desenhava na mesinha da sala.

- Como assim filho? - a ruiva que estava ao seu lado, ajudando Malu a pintar.

- Ele não tem mãe e tem pai, e nem irmãos.

- Eu tenho - Max estava supresa com aquela observação-  Tenho mãe, pai e irmãs 

- Por que eu nunca vi eles? a gente não vai na casa deles que nem a casa do vovô e da vovó?

- É assunto de adulto meu anjo. A mamãe não fala mais com eles - A ruiva não sabia bem como falar- Eu tinha um irmão, mas ele foi pro céu, e então eu dei o nome dele a você como homenagem - Não sabia se uma criança de 6 anos entenderia, mas seu filho era esperto.-  e você já viu meus pais e minhas irmãos, só não lembra.

- Por que eu não tenho fotos com você de quando eu era bebê?- Novamente Max se assustou, tanto com a mudança de assunto, tanto pela pergunta-

- Quando você nasceu, eu estudava, não era permitido bebês na faculdade, então você ficou com o papai, até eu terminar.

- Você nem me visitava ? 

- Eu.. eu não podia, e quando você for mais velho, vai entender - a ruiva sorriu e beijou seus cabelos - termine seu desenho.

Não demorou nem 2 minutos para que Lucas adentrasse ao apartamento para os pincéis e papéis serem esquecidos.

- Que recepção calorosa, me sinto honrado por minha presença ser tão especial assim - Lucas sentou no sofá com cada filho em um braço- 

- Você tá tão engraçado hoje amor - Max revirou os olhos e lucas lhe roubou um selinho.

- Ta estressada porque sai? você que teve essa idéia. 

- Não é nada disso - a ruiva lhe deu um olhar e o moreno entendeu que depois ela explicaria. - Não me arrependo, porque também terei minha noite 

- Viu crianças? a mãe de vocês tá doida pra se livrar da gente... aii - Max lhe deu um tapa no braço 

- Palhaço! fica com seus filhos aí, vou tomar banho.

Lucas brincou o quanto pôde com os pequenos.

- Pai, o Léo não vai mais vir pra cá não é ? - Billy estava na cama para dormir. - eu ouvi a mamãe falar

- Você quer que ele venha ? - o garoto concordou e o pai riu- é legal ter alguém pra brincar não é?

- Muito. Malu é muito bagunceira, ela não me ouve, quebra meus carrinhos e baba meus bonecos - o pequeno falava indignado, e o pai achava mais graça ainda.

- Meu filho, sua irmã é só um bebê, tenha paciência

- Vou tentar - suspirou o garoto

Lucas o abservou, estava tão crescido. e pensar que só eram eles dois. Lucas se virava nos 30 desde que foi buscar Billy ainda recém nascido, foi muito difícil, mas era só olhar para seu filho que a calma vinha. Um ser tão indefeso, que se não fosse pela burrada dele mesmo, estaria presente na gravidez, talvez vivendo junto de Max desde o início, como era antes.

3 anos, somente os dois cúmplices, e então Max voltou, e Lucas não pensou duas vezes em deixar Billy com ela, para então criar vínculo materno. Se estava fazendo o certo? na época ele foi na sorte. Toda a raiva e mágoa sumiram quando a ruiva chegou, e como todo mundo dizia, um estava grudado no outro para sempre.

Logo Malu já estava a caminho, sem tempo para pensar, mas Lucas nem precisava, já estava decidido. e cá estão eles.

- Eu te amo meu filho, boa noite - Lucas beijou a cabeça do menino.

- Também te amo pai, Boa noite

- Quer dizer que você só ama o seu pai ?- Max adentrou o quarto com Malu em seu encalço - Boa npite meu anjinho, Te amo - encheu o rosto do filho de beijos o fazendo rir.

- Boa noite mamãe, também te amo - 

- Parada aí mocinha - Lucas pegou a filha no colo, antes que ela chegasse aos bonecos super bem arrumados - chega de babar os brinquedos do seu irmão. 

Malu começou a se debater e chorar com birra. Deixaram Billy descansar e levaram a irmã barulhenta.

- Filha... já chega de choro - Lucas acalentava em vão, a menina gritada suas palavras não tão bem pronunciadas. - Desde quando você faz birra assim hein

- Deve ser a fase dos dois anos. Vem com a mamãe amor - A ruiva deitou com a pequena, oferecendo o tal amado tutu, a fazendo parar de chorar - como foi hoje?

- Foi bem, os meninos acharam estranho o fato de você não ter surtado quando te falei do Léo- Lucas deitou ao seu lado

- Sério Lucas? falar de mim 

- Eles que começaram, eu tentava desviar, mas sabe como são

- Ainda acham que eu sou doida - falou Max pensativa, alisando o cabelo da filha - 

- Eu não acho você doida. na verdade te acho mais sã que eu - Lucas disse carinhosamente e Max o olhou com seus olhos brilhando.- Vai me contar algo?

- Sim. Billy disse umas coisas que me deixou pensativa. e eu acho que preciso fazer uma coisas 

- Tipo o que ?

- Visitar minha mãe. Deixar ela conhecer a neta. Talvez eu deva retornar as inúmeras mensagens e ligações que ela faz

- Bem, eu acho uma Boa idéia, vai ser importante pra você.

- É, mas você conhece minha mãe e ainda tem o Neil que é um babaca

- E você tem a mim. E o que você decidir eu apoio. - deu um selinho na esposa. - Então, sobre o Léo, você quer mesmo entrar com o processo de adoção? amanhã de manhã, eu vou no serviço social e pedir que eles façam uma visita pra acompanhar, já que a vó não me deixa mais vê-lo

- Eu quero, nós queremos. Ele é um ótimo menino e precisa de uma família, ser cuidado. Tem uma criança da idade do nosso filho vivendo em condições precárias, não podemos fingir não ver algo que esta na nossa cara.

- Três filhos- Lucas riu - e nem chegamos nos trinta ainda

- O que é  que tem? Começamos cedo ué- os dois gargalharam e Malu entrou no meio, mesmo sem entender- Tá vendo só bebê, dois irmãos pra você 

- É, dois irmãos pra ajudar o papai a cuidar das nossas mulheres

- Você e esses seus papos

- É a verdade, minha gata. Um homem precisa de toda ajuda possível para proteger suas riquezas

- Não sei não,você tá muito galante hj.... aprontou alguma coisa ? melhor falar logo

- Assim você me ofende - Max revirou os olhos para o drama do marido. - Sabe o que eu queria ?

- O que ?

- Namorar um pouquinho - Lucas deu aquele sorrisinho sacana- Mas essa moça tá demorando a dormir, o que acha te darmos algo pra ajudar ?

- Não vamos dar remédio pra nossa filha, Lucas- Max riu - ela já esta quase dormindo

- Precisamos de uma casa, esse apartamento já esta pequeno pra gente- Lucas afagava o rostinho da filha- um casa grande com um quintal grande, Jardim

- Também estive pensando nisso. Acha que podemos?

- Claro que sim, e venderemos esse apartamento para dar entrada na casa.

- Vai ser estranho sair daqui, foi nosso primeiro lar oficial - Max sorriu nostálgica- passamos tanta coisa aqui

- Teremos tudo na memória. E também teremos novas aventuras, vai ser bom

- É, vai sim


1 dia depois, Lucas soube pela assistente social que não tinha ninguém na casa onde leo morava. A casa estava vazia.

- Você tem certeza?

- Sim, não tinha nada, apenas velharias, nenhum indício de uma criança alí 

- Ok, mas você pode fazer uma varredura ? eu tenho fotos dele, aquela mulher é louca, e se fez algo com o Léo?

- Vamos fazer uma busca pela criança 

Lucas ficou nervoso, sem saber se Léo estava bem, mas não tinha nada que poderia ajudar, a não ser esperar  a ajuda polícial de investigação.

1 mês depois, nada foi encontrado, e como Lucas só sabia o básico da criança, a polícia parou com as buscas.

- Provavelmente ela era uma gospista, e como você não caiu no lance de paternidade, ela foi atrás de outro- explicou a assistente.

- É, pode ser. Mas eu e minha esposa, nós decidimos adota-lo sabe... dar uma vida digna pra ele. meu filho sempre pergunta por ele. Eu sou pai de duas crianças, não consigo ficar em paz, só de imaginar algo acontecendo com ele

- Eu sei e sinto muito. Mas todavia, ele é um meio de ganho para ela, não vai se livrar do menino tão cedo.



- Vamos orar para que ele fique bem, onde estiver- Max beijou o ombro de Lucas em conforto.

- Espero que fique tudo bem.... Bom, eu achei uma casa, estava esperando ter uma notícia do Léo para te contar.

- Ah, que bom. 

-  Já falei com o corretor, ele ficou de ver tudo e só nos avisar para a mudança 


Em 3 semanas eles já estavam na casa nova, era linda e enorme e ficava a 10 minutos da cass dos pais de Lucas.

As crianças corriam e os pais tentavam organizar as coisas.

.... c



Notas Finais


perdoem os erros


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...