História Eu me dedico a vocês - Capítulo 10


Escrita por:

Postado
Categorias Pokémon
Personagens Ash Ketchum, Cynthia, Dawn Hikari, Gardevoir, Iris, May, Misty, Pikachu, Sabrina (Natsume), Serena
Tags Advanceshipping, Amourshipping, Anthro, Ash, Ash X Sabrina, Aureliashipping, Garotas Pokemons, Harem, Hentai, Negaishipping, Pearlshipping, Pokémon, Pokeshipping (vaporeon), Rayshipping, Romance, Ships
Visualizações 517
Palavras 3.766
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Ecchi, Esporte, Ficção, Harem, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Orange, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yuri (Lésbica)
Avisos: Cross-dresser, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 10 - O treinador e a loli


“Mestre, foco” Kirlia comunica mentalmente para Ash que estava distraído pelos… detalhes da nidoqueen mulher. Olha para sua pokémon e ver que está com as bochechas inchadas e cara emburrada.

- Está certo - disse Ash se recompondo - Sabrina não vai ser uma batalha fácil, mas iremos ganhar.

- Kirlia - disse a pokémon focando na maior.

- Ash, cuidado - disse Leaf - os nidoqueen e os nidokings estão nos pokémons mais violentos. Toque cuidado.

É fato que na lista de pokémons existem pokémons com potencial destrutivo muito mais poderosos de todas as regiões, mas não são todos que são violentos. Alguns são mais agressivos em proteger a cria, outros por territórios, outros por parceiros, mas um treinador experiente consegue evitar essas ameaças. Nidoking é uma preocupação pela sua grande força e veneno pelos espinhos no corpo, o que faz eles serem mais perigosos é seus instintos agressivos e um potencial de ter ataques devastadores. Nidoqueen pode não ter o mesmo potencial venenoso que sua versão masculina, mas é igualmente forte e devastadora.

- Sabrina, bola das sombras.

- Kirlia - ela concentra a bola das sombras e solta a esfera.

Nidoqueen solta um hiper raio que destrói facilmente a esfera.

- Teletransporte agora - disse Ash.

Pelo último momento quase milímetros perto do impacto Kirlia some evitando o raio e reaparece uns três metros para direita.

- Raio psíquico - disse Ash e sua pokémon solta seu raio branco.

Nidoqueen pula uma grande distância evitando o ataque e parte para um contato físico.

- Multiplicar.

Diversas cópias aparece e assim quando a pokémon de terra venenosa acerta o alvo que ficou parado com um chute ele some. Nidoqueen faz uns chutes nos clones usando o ataque ‘chute duplo’, que estava fazendo dois chutes com mesmo levantar de perna. Em um dos ângulos isso deixa amostra sexo dela, que não passa despercebido pelo treinador, mas controla seus hormônios para focar no combate.

- Faça multiplicar e vai use o brilho esplendor.

Kirlia continua com multiplicação, enquanto tem 10 cópias a mais, tendo no total 14. Todas as Kirlia solta uma poderosa luz que acerta em cheio nidoqueen que nem está sabendo de onde vem, mas só sente o impacto na parte frontal. O ataque é queima roupa, porém a vítima pouco sofre o ataque a frustração de Ash descobre que a pokémon selvagem tem resistência a ataques do tipo fada, porém o ataque cega por momentâneo.

- Agora Kirlia, confusão.

Kirlia fecha os olhos para concentrar o ataque, mas nidoqueen concentra energia na mão mesmo cega e desfere um poderoso soco na terra causando um terremoto tão forte que até rochas saem dentro da terra. Esse é o ataque dos mais forte do tipo de terra chamado ‘poder da terra’ e acerta todos os clones e kilia original levantando no ar sentindo toda a dor do impacto.

- Sabrina! - disse Ash.

Nidoqueen abre os olhos e ver Kirlia no ar totalmente vulnerável. Ela levanta perna, concentra uma energia vermelha, pula e aplica um poderoso chute na barriga da pokémon que voa longe. O ataque usado foi a superpotência, um dos ataques poderosos de um pokémon lutador.

- SABRINA - Ash pula e segura o corpo de sua pokémon, mas o impacto é grande que empurra para trás fazendo o casal cair na correnteza.

- ASH - disse o casal de amigos seguindo pelos pokémons livres de Ash que falam seus respectivos nomes.

Richie e Leaf correm para socorrer o amigo.

Nidoqueen fica surpresa pela atitude do humano. Já está acostumada enfrentar treinadores e caçadores, mas um treinador que se arrisca para seu pokémon é a primeira vez. Contudo ela acha que não é problema dela.

- Sabrina. Sabrina. Você está bem? - disse Ash, enquanto abraça o pokémon e tenta boia, enquanto é arrastado pela correnteza.

- Kirlia - diz meio zonza e dolorida pelos dois ataques, mas por sorte o segundo ataque não foi causou muitos danos, porque ela naturalmente tem resistência a ataques do tipo lutador.

- Que bom menina, acho que é melhor a gente sair daqui. Use o teletransporte.

As dores dos ataques e a forte correnteza não está dando concentração suficiente para realizar um movimento psíquico. Pior que tudo isso está trazendo traumas dela a tona.

Não esquece do seu antigo treinador, um jovem psíquico pouco mais velho que Ash, a qual deu o nome Sabrina para sua pokémon. Como ela o amava, como uma pokémon ama seu mestre, mas sim do tipo de acasalar mesmo, mas infelizmente seu mestre tinha já um amor de uma humana e também não tinha a capacidade de vê-la em sua forma real.

Tudo estava indo bem até que um dia de inverno quando seu mestre estava patinando no gelo quando por acidente passou em um gelo fino e caiu na água gelada. Pior que se agravou que ele não sabia nadar. Kirlia tentou de tudo para levitar seu mestre, mas não estava conseguindo, já que as emoções de medo junto com os poderes psíquicos impedia de efetuar a concentração certa.

O peso da culpa de sua falha causou o trauma da pokémon que sente ter matado seu mestre. O peso de perder aquela pessoa que amava mais que tudo.

“Por sua culpa. Ele está morto. Está feliz com isso” lembra das palavras da humana que amava seu mestre e do tapa que recebeu no rosto.

Kirlia fugiu do seu lar e vagou sozinha na floresta até por coincidência do destino foi encontrada pelo professor Carvalho que acolheu em seu reservatório. Um perfeito lugar para esconder dos seus pecados.

- KIRLIA. KIRLIA. KIRLIA - disse a pokémon chorando totalmente desesperada pela situação está se repetindo.

De repente Ash segura em uma raiz com o braço esquerdo, enquanto o direito ainda abraça a pokémon.

- Está bem. Está bem. Vamos sair nesta - disse Ash.

- Kir? - a pokémon sai do transe.

- Vamos menina, se anime. Estamos perto de sair dessa barra - ele joga a pokémon em terra firme e agora tenta subir para terra firme pela raíz, mas forçando puxa ela se arrebenta.

- KIRLIA - ela brilha os olhos sente não sendo mais arrastado pela correnteza. Com dificuldades ela tenta erguer seu mestre, mas não está conseguindo pelos danos recebidos.

Ash pega uma pokébola e joga na água. Logo a vaporeon sai do fundo e com um salto tira o treinador da água.

- Misty. Eu devo minha vida - disse Ash deitado de barriga para cima, enquanto a pokémon fica feliz por ter salvo seu mestre em um perigo e lambe seu rosto - agora volte menina - chama de volta a pokémon e logo fala:

- Tenho que também agradecer você também, Sabrina. Você me deu tempo para chamar Misty.

- Kirlia. Kirlia - a pokémon se ajoelha e abraça seu treinador chorando.

- Está bem. Está bem. Tudo deu certo no final. Não foi a primeira vez que fiquei em situação de perigo - Ash alisa a cabeça de sua pokémon.

- Lia - disse continuando chorar.

- Então você foi acusada de ter matado seu antigo mestre? - disse Ash fazendo a pokémon se afastar e olhar com os olhos arregalados.

- Kirlia?

- Você jogou as imagens aleatórios de suas memórias na minha mente. Eu não entendi tidp direito, exceto aquela mulher falando que era sua culpa.

- Kir. Kir - ver a pokémon com lagrimas do rosto.

- Não se preocupe com isso, Sabrina. Todos nós podemos morrer a qualquer hora, mesmo em grandes aventuras ou acidentes banais. Você fez o possível não é sua culpa. - o rapaz fica sentado.

- Kirlia - ela coloca as duas mãos na boca tenta segurar o próprio choro.

- Nossa aquela nidoqueen é osso duro. Espero que não esteja machucada muito, Sabrina - torce para cuspir água - eu sei que ainda sou iniciante como treinador, mas prometo que vou ficar mais forte, Sabrina. Daí um dia, quem sabe você me possa me aceitar como seu treinador.

Essa palavras pega a pokémon de surpresa. Ela podia esperar uma repreensão por não ter sido suficiente para salvar o treinador, mas mesmo assim ele encara com uma bondade que, segundo ela, não merece.

- Kirlia - ela abraça o treinador com todas as forças.

- Sabrina. Calma menina, está bem. Só estou com frio e muito molhado, mas vamos sobreviver.

A pokémon também sente frio, mas dentro dela sente um calor dentro de si. Quem ela está querendo enganar, toda aquelas provocações que fez, toda aqueles insinuações e todo aquele jogo de se aproximar e esnobar o treinador esconde uma verdade que ela nem sabia que estava dando conta de seus verdadeiros sentimentos. Ash tinha uma algo especial, principalmente essa habilidade de vê-la em sua verdadeira forma e uma aura especial que não sabia. Assim quando bateu os olhos uma coisa era certa: estava interessada pelo treinador.

Um mês de convivência ela não percebeu que o garoto estava ocupando uma parte do seu coração que pensava estava morto, mas foi avivado pouco a pouco. Sabrina, a pokémon kirlia fada psíquica está apaixonada pelo Ash Ketchum.

- Ei vocês estão bem? - disse uma voz feminina humana.

O casal repara uma jovem mulher de cabelos azuis. Ela tem dezessete anos, estatura média e curvas modestas. Está usando uma camisa rosa simples, macacão vermelho, tênis laranja, uma laço verde claro para amarrar o cabelo e uma tirará vermelha.

Ao mesmo tempo chega os amigos de Ash mais seus pokémons.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Uma cabana de madeira feito por tronco perto do rio. Para muitos seria uma casa no meio do nada quem quer sair perto da civilização humana, mas sua real intenção é ser uma vila secreta para pokémons feridos. Quem conta tudo isso é a guarda florestal Melanie que mora nesta casa. Reparam que tem diversas antiguidades e é explicado que o avô dela era arqueólogo.

- Vocês tiveram sorte, porque não caíram nenhuma armadilha - disse Melace servindo xícaras de chás dos visitantes e frutas para os pokémons fora da pokebola como pikachu, buneary e kirlia.

Ash está sem suas roupas só usando um roupão e enrolado com toalhas, kirlia também está sem as roupas e suas roupas estão secando, mas só Ash que a ver assim. Para os outros parece uma kirlia comum enrolada na toalha.

- Mas tivemos o azar de sermos atacados por uma nidoqueen - diz leaf.

- Cynthia tem enfrentado muitos caçadores no último tempo é natural dela está mais agressiva.

- Cynthia? - fala os três.

De repente escutam passos pesados fora da casa e pela janela ver a mesma nidoqueen que encontraram momentos atrás. Ela está trazendo o braço cheio de frutas e coloca perto para os mais diferentes pokémons.

- Ela se chama Cynthia ela era a pokémon do meu avô desde quando era uma nidorina. Ela atua como guardiã da vila oculta - disse a mulher.

- Vila oculta? - pergunta o coordenador.

- É aqui que chamamos esse lugar vila oculta - responde a mulher.

- Ash para onde está indo? - disse Leaf chamando atenção de todos que veem o treinador saindo para fora de casa e se aproximando da Cynthia.

A pokémon venenosa percebe o humano e se aproxima também com uma expressão séria e irritada.

- Você estava protegendo o pokémon ferido? - disse Ash - me desculpe por não perceber isso, estava tão focado em capturar mais pokémons que nem percebi isso.

- Queen - disse a pokémon encarando o garoto e suavizando sua expressão.

Ela se aproxima do treinador e aproxima seu ‘focinho’ para chegar o treinador. Para os amigos um pokémon ameaçador vendo o humano que pode ser vítima a qualquer momento, mas na perspectiva de Ash é uma atraente mulher com características de pokémon que está aproximando. Ela inclinando o rapaz não deixa de reparar os enormes seios da pokémon, deixando-o sem jeito.

- Nido? - disse a pokémon estranhando a reação do rapaz. É estranho que ele não a ver ameaçador, mas de forma… estranha. Onde ela já viu esse olhar antes?

- Tem uma coisa no seu cabelo - Ash passa a mão no cabelo loiro dela e tira uma folha - pronto, saiu.

- Nidoqueen - a pokémon se afasta dele e vai para perto dos pokémons menores.

- Nunca vi Cynthia deixa alguém tocar sua cabeça - disse a guarda florestal.

- Ash, eu não sei como você tá vivo até hoje - disse Leaf - para de se arriscar, homem.

- Desculpe.

Cynthia não entende porque o trama de Melanie sobre passar a mão na cabeça dela. Ele só passou a mão no cabelo dela e tirou uma fol…

Espere um pouco! Ele passou a mão no cabelo dela? Mas como isso foi possível? Como ele sabia que tinha uma folha no cabelo dela sendo que humanos não consegue ver? Pior que ele viu onde a folha estava, então quer dizer…

Nidoqueen arregala os olhos com a revelação da sua mente. Isso explica porque o garoto estava olhando de forma estranha. Porque conseguia ver sua forma original. Ele estava olhando seu corpo.

Só com o pensamento faz Cynthia corar. Desde quando evoluiu na última forma com uma pedra da lua que encontrou na floresta tinha dúvidas de seu corpo. Dos pokémons que ela cuida não encontrou nenhum de forma humana para dar uma opinião, diferente da sua forma anterior que tinha aguardado muitos nidorinos da forma humana. Fazia um tempo que a vaidade feminina não era tocado.

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

Os três foram convidados passarem a noite na casa. Melanie está dormindo no quarto e Leaf e Richie estão nos outros quartos junto com pikachu e buneary que estão dormindo um conjunto de travesseiros. Sobrou para Ash dormir no sofá da sala. Estava dormindo agora com sua bermuda e camiseta sem manga tranquilo.

Não estava em profundo sono, mas está com o corpo relaxado quase caindo por completo. Mesmo estando em um sofá consegue está confortável. Só sente que o cobertor está ficando menor, porque sente pouco a pouco ficar descoberto, ou será que não é apenas impressão. Alguém está puxando sua coberta.

Quando pensa em abrir seus olhos e se levantar sente um peso que obriga fica deitado. Algo tão quente ou até mais. Quando abre seus olhos encontra sua kirlia em cima dele nua.

“Ah é só a Sabrina nua” Ash começa fecha os olhos para voltar ao sono como se não tivesse nada acontecido, mas só quando sua consciência toma conta que logo abre os olhos de uma vez.

- Sa… - iria se levantar e quase gritar, mas sua pequena pokémon impede de tal ato.

Ela empurra seu treinador e tampa sua boca com a dela mesma. Só que desta vez não está sendo uma boca em cima da outra que pode dizer que é um beijo, mas sim um… ‘pacote completo’. A boca dela se movimenta induzindo a mesma também está em movimento. As salivas começa serem trocadas e língua de sua pokémon está querendo fazer sua própria ser um refém. Realmente um beijo cheio de vontade e desejo que deixa no misto de sentimentos.

- O que você está fazendo? Ela é sua pokémon e lolita - pode dizer uma voz da sua consciência.

- Isso continue - seria a voz dos seus instintos.

De qualquer jeito não resta muitos as opções para o treinador pokémon, afinal sua pokémon tem mais meios de mantê-lo sobre controle. Isso até que dá impressão que está sendo… abusado.

O beijo termina para os dois buscarem ar para si. Até um rasto de saliva se forma de acordo quando kirlia afasta, mas se desfaz quando ela afastar muito.

- Sabrina que está fazendo? - disse Ash ofegante.

“Mestre, a partir de hoje pode me usar me batalha que vou te obedecer tudinho”.

- É bom saber disso, mas o que isso tem haver você está nua em cima de mim e me beijar como uma humana?

“É que agora que te aceito pelo completo, quero seu… ‘carinho’” diz usando a mente com um olhar que parece que vai devorar o treinador.

- Parece que você tá mais querendo minha virgindade isso sim.

“Mestre você é virgem? Melhor ainda”

- Sabrina seja razoável a gente… - Ash geme quando sente as pequenas mãos dela pressionando seu pênis.

“Mestre, que bom está gostando”.

- A questão não é essa, mas a gente é de espécie diferente.

“Se tem humanos que nos acha atraente em nossas formas pokémons, imagina aqueles que veem a gente na forma real”.

Kirlia ergue as pernas de Ash e tira o short e cueca com seu poder da mente. Vira para olhar o pênis ereto dele e gosta… do que está vendo.

“Mestre. Tem certeza que você não é um pokémon? Parece que tem um onix entre as pernas”.

- Kirlia, pare com isso, senão vou gritar.

“Vai em frente. Eu isolei essa sala com um campo psíquico, ninguém vai escutar sua voz. Ao menos se tiver no lado de fora. Pode gritar o quanto quiser, alias eu quero que você grite”.

As pequenas mãos da pokémon pegam a carne do rapaz e começa masturba-lo. O futuro mestre pokémon tenta falar alguma coisa, mas tudo que consegue é gemer por isso. Ele mesmo nunca se masturbou e sua primeira experiência está sendo em mãos de terceiras. E ainda tem a visão do traseiro de Sabrina e pode ver a vagina branquinha levemente verde dela que está mostrando claro sinal que não só ele está excitado. É uma visão tão errado, mas ao mesmo tempo tão… suculenta que Ash sente que seu passaporte para inferno foi carimbado apenas para ida.

Lambendo os lábios, kirlia está gostando muito bem da carne pulsando do seu mestre e não demora muito para colocar a boca na ‘cabeça’, saboreando aquele ‘picolé salgado’. Gostaria de coloca-lo totalmente na boca, mas sua anatomia é incapaz de tal ato. Gostaria que existisse em sua evolução para poder fazer isso, mas ainda não tem nível suficiente para isso.

Toda seu sendo de certo e errado está cada vez mais sendo abandonado na mente de Ash, aquele ser que nem um metro possui está dando um prazer que nunca sentiu na vida e parece que aquela genitália clama por sua atenção. Vendo que é tarde demais para voltar atrás, Ash segura a pequena bunda e suga aquele sexo molhado experimentando o sabor daquela essência..

Kirlia ergue um pouco gemendo alto e revira os olhos pelo ‘ataque de oportunidade’ do seu mestre.Sente a língua molhada nela que traz até choques em seu corpo que arrepiam. Até começa rebolar para esfregar sua vagina na boca dele para aproveitar ao máximo a sensação que está sentindo. As mãos apertam os próprios peitos e sua aura psíquica começa masturbar seu parceiro.

Não demora muito para a pokémon gemer alto suficiente, enquanto inunda a boca do seu mestre com seu orgasmo, enquanto o esperma dele praticamente joga ao ponto de sujar seu tronco.

Kirlia gostou muito, mas não está satisfeita, agora quer o prato principal. Sabe que os humanos masculinos depois de terem um orgasmo seus respectivos pênis precisam ficar em estado de esforço, mas parece que Ash é uma regra fora da curva, porque o pênis dele não perdeu nenhum pouco da ereção. Parece que o descendente do guardião da aura tem uma ‘outra’ habilidade.

Nidoqueen está fazendo uma ronda noturna antes dela mesma dormir, quando aproxima da cabana do seu antigo mestre repara que as luzes da sala estão acesas. Resolve ‘investigar’. Assim quando alcança a janela ver uma cena… inusitada. Pokémons e mestre nus se acasalando. Seu coração quase sai da boca com peculiar imagem. Tem noção que aquele treinador consegue ver pokémons humanos, mas fuder não sabia. Ela ver justamente kirlia se levitando e descendo do pênis ereto do humano, que na opinião da venenosa, bem um um bom tamanho.

A penetração é lenta, mas pouco a pouco corpo que tem uma porcentagem considerado o tamanho da psíquica entra. Trás uma sensação de dor, arder e prazer chegando até kirlia derrama as lágrimas, mas não deixa de manter um sorriso no rosto, enquanto Ash sente seu pênis naquela entrega que era imaculada bem apertada. As duas virgindades perdidas em uma só penetração.

- Sabrina. Como você é apertada. Parece que está estrangulando meu pau - disse Ash gemendo.

- Kirlia - disse a pokémon gemendo.

Ash leva as mãos na cintura da pokémon e induz que a pokémon leve subir e descer, descobrindo que a pequena estatura da garota pokémon facilita muito, sem saber que tem uma voyeur observando o atrito das duas carnes. Quando nidoqueen se dá por si está mordendo seus lábios, apertando seu enorme seios com uma mão e outra diretamente no seu sexo

Aquele levantar pouco a pouco aumenta a velocidade fazendo a pokémon gemer alto que todo grito ecoa na sala. Está com os olhos fechados e com o dedo da mão na boca, enquanto Ash traz a pokémon para cima e para baixo, enquanto geme algo.

O barulho úmido é emitido pelo pênis penetrando aquela buceta loli ao mesmo tempo que as batidas de sua vigília encontra com o traseiro de Sabrina, enquanto Cynthia se segura para não destruir a porta de entrada e juntar ao casal transformando ao em a três.

Sua maturidade também pode ser refletida em sua experiência sexual e nessas horas estaria ensinando como os dois fazem sexo. Já cruzou com outros pokémons machos garotos em sua pré-evolução chegando até botar ovos, mas esses ovos foram entregados pelo seus mestre para outras pessoas fazendo que ela não tenha consciência de seus filhos.

Ash puxa kirlia separando a penetração e beija na boca a pequena, desta vez tendo totalmente a iniciativa de beijar ao mesmo tempo que os sabores dos seus respectivos sexos são compartilhados. Depois levanta, a coloca de quatro e penetra normalmente.

- Kirlia - diz a pokémon gemendo.

- Você não quis isso, agora vai ter que aguentar.

- Kirlia. Kirlia - um sorriso de satisfação pode ver na cara da psíquica.

Ash pega nas abas da bunda de sua lolita e começa pegar impulso para penetra-la, chegando mais fundo o possível. Pode ver o ânus dela, mas não sente tão atraído assim para explorar… ‘novas possibilidades’, afinal Ash ainda não conhece sexo anal.

Logo o casal chega no orgasmo fazendo assim que todo esperma entre na pokémon, sem saber que foi um orgasmo em trio. Nidoqueen se afasta da janela para ‘brincar’ mais à vontade, enquanto casal troca um beijo apaixonado.

CONTINUA


Notas Finais


Mais um capítulo terminado e aqui está o resultado dos seus votos. Particularmente estava planejando que Misty seria a primeira, mas o povo preferiu a Sabrina. Engraçado que fiz ela está na forma de kirlia tanto para fazer referência ao seu lado criança da boneca, nunca pensei que o pessoal gostaria desse lado lolita. Nada contra a lolicon já que vai ter pokémons do Ash que vai ser lolitas naturais, mas enfim tudo no seu devido tempo.
Para aqueles que não pegaram referência estou na referência do bulbasaur do Ash.

Enfim vamos a perguntas?
1) Que acharam da história da kirlia?
2) gostaram da nidoqueen mãezona?
3) querem uma pokémon ciumenta do harém?
4) que acharam do hentai? Estão felizes por kirlia ser a primeira?
5) Será que a nidoqueen já tá motivada para ser pokémon de Ash?
6) o que será que a equipe Rocket está fazendo nesse momento?
7) qual pokémon do Ash que querem ser a próxima?

Enfim até a próxima.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...