História Eu não suporto você! - Capítulo 29


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Alzack, Aries, Bacchus Groh, Bisca Connell, Brandish μ, Cana Alberona, Carla (Charle), Droy, Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Grandeeney, Gray Fullbuster, Happy, Igneel, Irene Belserion, Jackal, Jellal Fernandes, Jet, Juvia Lockser, Laxus Dreyar, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Mirajane Strauss, Natsu Dragneel, Sting Eucliffe, Virgo, Zeref
Tags Fairytail, Nalu, Romance
Visualizações 263
Palavras 3.973
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


SEXTOUUUUUUUUUU
Nossa faz décadas que eu não sexto aqui com vocês né? Que loucura. Então meus babyes, vim avisar que amanhã não vai ter cap, então sacrifiquei umas horinhas de descanso pra adiantar um cap.
To felizona pq amanhã tenho bailão irraaaaaa
(Alegria da moribunda que não festa deis do natal do ano passado)
Então eu espero que gostem, não ta aquelas coisas qur eu queria que estivesse mas ta ai, provavelmente se domingo eu não for pra parada lgbt que vai ter aqui eu tento lançar mais um pra vocês (to parecendo aquelas adolescentes cheia de festa pra ir, adoroooo)
KLKKKKKKKKKKK
Então é isso meus anjos, espero que gostem.
Perdoem meus erros, e boa leitura ❤

Capítulo 29 - Os olhos nos enganam.


- Pegou tudo?

- Sim.

- Flores?

- No carro.

- Alianças?

- No bolso.

- Chocolates?

- Era pra ter comprado chocolates? – o loiro perguntou já se desesperando e ao ver Lucy rindo de si percebeu que a mesma estava apenas tirando onda com sua cara.

- A Mira é alérgica a chocolate, bobão – deu um tapinha no ombro de Laxus e ele desmanchou a carranca enquanto tentava se acalmar – Não acredito que vai pedir ela em namoro depois de todo esse tempo.

- Antes tarde do que nunca, né? – Juvia entrou pela porta do apartamento do loiro e entregou uma caixa enfeitada para o Dreyar que olhou confuso – corrigindo, ela é alérgica a lactose e esse é sem, ela vai poder comer. Eu que fiz, obrigada e de nada.

- Ah meu Deus, o que seria de mim sem vocês – ambas sorriam convencidas e a loira arrumou a gravata dele, limpou a sujeira imaginaria da camisa social e entregou o blazer preto pra complementar o look.

- Ai, eu estou tão orgulhosa – Juvia grudou na Heartfilia e ambas fizeram cara de mães emocionadas – nosso menino está crescendo.

- Isso precisa de uma foto – a loira tirou o celular do bolso na mesma hora.

- De jeito nenhum, eu odeio fotos – ele tentou se esconder mas não a tempo – apaga isso ai loira!

- Hum, olha a hora, acho que ela deve estar saindo do trabalho agora – Lucy fingiu ver o horário e o loiro ficou alerta – vamos logo, quero ver a cara dela quando você aparecer lá igual a um príncipe.

Em menos de cinco minutos os três estavam estacionados em frente a escola onde Mirajane lecionava, as crianças já tinham ido embora e só restavam os professores no prédio. Lucy vendo que o amigo soava frio, afagou o ombro do mesmo para lhe passar força e com isso ele desceu do carro com as flores e a caixa de chocolates em mãos, as duas mulheres tentavam não rir da tremedeira nas pernas do outro que era visível e se emocionaram ao ver a albina sair e entrar num berreiro quando entendeu o que estava acontecendo, Laxus ajoelhou, estendeu as flores à ela como fora ensaiado mas acabou se atrapalhando todo sem saber se dava os chocolates ou as alianças de namoro antes porém no fim tudo deu certo. As rosas vermelhas combinaram com o tom prateado dos cabelos da Strauss e também com seus olhos que já estavam rubros de tanto chorar de emoção, depois dali o casal deixou as amigas na casa de Lucy e foram comemorar sozinhos aquele novo passo.

- Nunca pensei que aquele loiro metido a durão iria fazer uma coisa dessas, isso só poderia ser ideia sua mesmo – a azulada se jogou no sofá.

- Meu bem, se depender de mim o pedido de casamento também vai sair deslumbrante – Lucy se jogou em cima de Juvia que reclamou por conta do peso – se falar que eu to gorda te mato aqui e agora, te escondo tão bem que nem o FBI te acha.

- Credo Lucy, que macabra – ambas se ajeitaram de modo que a loira ficou aninhada nos braços da amiga – Será que o Natsu é de fazer essas coisas? Eu posso falar com o Gray e-

- Ju, não. Não sei se quero isso. Se algum dia formos avançar mais nossa relação desejo que seja algo vindo dele, entende?

- Mas vocês já estão se pegando faz tipo, uns dois meses? – a Heartfilia revirou os olhos.

- Não importa. É até bom, sem cobranças e sem deveres. Somos livres e apenas nos beijamos quando da vontade.

- Menina, e que vontade, em? De cinco em cinco minutos, não sei como ele não ta aqui agora – riu baixinho pois o rosado e ela realmente estavam grudados ultimamente.

- O rosinha ta numa conferência, volta só semana que vem.

- E lá se vai mais uma semana sem sexo para Lucy Heartfilia.

A loira inclinou a cabeça para lançar um olhar incrédulo à azulada e logo as duas estavam gargalhando juntas.

- Não entendo o porquê de vocês quererem tanto que eu tranze logo.

- Meu bem, acho que você ta tão virgem que já até esqueceu como é bom. O Gray faz loucuras na cama, sabia? Tem uma coisa que ele faz com a língua e-

- Sem detalhes, por favor – fez uma careta.

- Como se você fosse santa né meu amor? Quando estava com o loiro de farmácia dava essa xaninha ai todo dia, igual uma pecadora promíscua.

- JUVIA!

- Que foi? Acha que quando soltar pro rosado não vai querer fazer todo dia? Ah, Lu, sua safada! Então é disso que você tem medo. Eu sabia que a danada que habita em ti ainda estava viva!

- Meu Deus, eu tenho as piores amigas do mundo!

- Então eu não sou a primeira a tocar no assunto? Não acha que isso é um sinal? Libera logo essa periquita amiga, vai ser feliz.

- Vocês precisam parar de andar com a Cana. Eu não sei, Ju – suspirou cansada e fez um biquinho manhoso – sinto que se passarmos dos beijos vai mudar tudo. Vou querer mais dele, vou querer que ele seja só meu, entende? – a azulada assentiu – eu não sei se Natsu fica ou ficaria só comigo e sinceramente evito pensar nisso, não quero estragar as coisas. Eu já me vejo tão apegada nele que se de um dia pro outro ele falar que não quer mais nada não saberia o que fazer.

- Credo Lucy, vira essa boca pra lá, não sabe o tanto que você é gostosa? Um estalar de dedos e os homens fariam fila.

- Mas meu anjo, se a questão fosse quantidade eu estaria tranquila. O fato é que eu quero ele. E mais ninguém.

- Então da um chá de buceta nele e prende o boy amiga! – Lucy riu do vocabulário da azulada e se lembrou que quando Juvia e Gray começaram a namorar ela quem incentivou a amiga a dar os primeiros passos – vai dizer que nunca sonhou com ele fazendo tudo o que tu tem direito? Tipo quando ele beija aqui – a loira estremeceu quando recebeu uma lambida no pescoço – ou aqui – Juvia sussurrou em sua orelha e depois deu um selar naquele local arrepiando todos os pelos da loira – Você está tão sensível que aqui já deve estar encharcado – a loira se levantou em um sobressalto quando a amiga passou a mão em sua intimidade para lhe provocar – Não sei como aguenta. Fica ai fazendo cosplay de freira de taubaté.

- Você é uma vaca contaminadora! – fingiu estar brava, sabia que seu corpo estava bem mais sensível que o normal e estava morrendo de saudade do rosado. O desejava mais que tudo e não iria resistir a ele por muito mais tempo.

- Meu bem, eu sou um anjo – a Lockser se levantou pegando sua bolsa – só um conselho: para de se satisfazer com os dedinhos e ataca logo aquele homem que ele é todo seu! – beijou a testa da loira e saiu andando a deixando sem palavras e completamente envergonhada – se masturbar é bom mas pele com pele é bem melhor.

- EI EU NÃO FAÇO ISSO! – gritou na porta enquanto os saltos da azulada batiam no chão do corredor.

- Aham, sei – levantou a mão dando um tchauzinho sem se virar – Bye, bye loira.

Sozinha em seu apartamento que de pequeno ficou enorme em instantes, a Heartfilia olhou o celular pra ver se tinha alguma mensagem do Dragneel e bufou ao ver que ele não estava on-line deis de que tinham se despedido. Ficar sete dias sem aquela boca seria uma tortura pra si. Andou de um lado para o outro pensando no que a amiga tinha dito, é claro que queria fazer muito mais do que só beijar o rosado e se imaginava em situações perversas com ele mas o medo de avançar lhe prendia como uma âncora prende um navio. Se já tinha se tocado enquanto pensava nele? Inúmeras vezes. Tanto que já havia até perdido a vergonha ao se lembrar daquilo, afinal, não era apenas os homens que precisavam se aliviar. Mulheres também são cheias de vontades e desejos e a loira entendia complemente isso apenas de ver aquela tentação em forma de homem. Já tinha chegado a cogitar que Natsu Dragneel era um demônio da sedução pois, ultimamente, tudo o que fazia parecia que era com o intuito de lhe provocar, até mesmo a respiração do mesmo ficava mais sexy durante seus beijos mais do que quentes.

Ao ouvir o soar da campainha foi tirada de seus pensamentos e então percebeu que já estava prestes a se acariciar outra vez, sentada no sofá com a mão sobre o grelo e a calcinha encharcada, chacoalhou a cabeça tentando se recompor e se levantou indo lavar as mãos.

Que merda você ta fazendo Lucy? Assim até parece uma puta pervertida, toma jeito mulher, você não ta necessitada!

Voltou a sala e respirou fundo em frente a porta a abrindo e se deparando com a azulada, ficou surpresa ao vê-la e se perguntou se ela tinha esquecido alguma coisa. A mesma possuía um sorriso vitorioso nos lábios e ar de quem tinha ganhado uma aposta das grandes.

- Ah, Luzinha. Só voltei pra dizer que eu tinha razão, tchauzinho – Juvia correu antes que a loira a batesse enquanto ria descontroladamente finalmente indo embora e só quando Lucy se olhou no espelho percebeu que tinha atendido a amiga enquanto estava completamente descabelada, ofegante e suada. Com cara de quem não poderia negar que estava fazendo coisa errada.

Filha da puta!” Amaldiçoou a amiga e resolveu ir tomar um banho frio, precisava recobrar sua sanidade. Como tinha trabalhado apenas meio período naquela sexta pra poder ajudar Laxus, estava com o resto da tarde de folga e não tinha o que fazer. Se arrumou e resolveu ir para a Fairy Tail, precisava de um pouco de agitação pra se distrair de seus diversos pensamentos sujos.

Já na guilda, encontrou com Levy e Gajeel que conversavam animados sobre um gatinho preto que o moreno tinha achado, o Redfox nunca tinha sido apegado a animais mas havia mudado de ideia quando encontrou Lily, o bichano que havia roubado seu coração.

- Leva ele lá na clínica amanhã cedo, vou te passar tudo o que deve fazer. Pode não parecer mas os primeiros cuidados com um gato são importantes pro futuro dele.

- Ta bom doutora. Vou pegar alguma coisa pra gente beber – Gajeel se levantou deixando as duas sozinhas na mesa.

- To feliz que vocês estejam juntos. Levou tempo mas tudo ficou bem, né?

- Ah, Lu, eu to no céu. Tinha esquecido como aquele brutamontes era um amor.

- Amiga apaixonada é uma droga – brincou bagunçando os cabelos da menor que apenas riu se divertindo.

- E você e o Natsu, quando vão se assumir?

- Ah não, de novo não – forçou uma voz em tom de lamúria e tombou a cabeça na mesa.

- O quê? Eu disse alguma coisa errada? – a azulada se desesperou sem entender a reação da Heartfilia que parecia definhar em sua cadeira.

- O que houve? – o moreno colocou dois drinks de cereja pras mulheres em cima da mesa e se sentou já bebendo de sua garrafinha de cerveja.

- Acho que matei a Lucy, ela não da sinais de vida.

- Oe, bunny, aquele ali é o Natsu? – na mesma hora a loira levantou a cabeça correndo os olhos pelo salão a procura do Dragneel – Não se preocupe meu anjo, ela ta bem viva.

O casal gargalhou enquanto ela estreitava os olhos para os dois ao perceber que tinham brincado com sua cara daquela maneira.

- Vocês são dois putos.

- Amiga apaixonada é uma droga – Levy imitou a amiga e Lucy revirou os olhos.

Na mesma hora Erza entrou no bar sendo seguida por Jellal, de mãos dadas, o que deixou os três ali boquiabertos.

- Se falarem um A eu espanco vocês até a morte – engoliram as palavras de imediato – Jel, pega alguma coisa pra mim beber, meu bem? – o azulado assentiu e foi em direção ao balcão.

- Tem louco pra tudo nesse mundo – Laxus comentou assustando todos com a albina ao seu lado e a ruiva o fuzilou com olhar enquanto Lucy soltou uma risada baixa – Não sabia que a galera toda ia estar aqui hoje.

- Galera toda não, ainda tem a gente – Gray chegou com Juvia, Bisca e Alzack fechando a roda em volta da mesa – já que tá todo mundo junto que tal pedirmos pizzas?

Todos concordaram e a Heartfilia olhou em volta constatando um coisa.

- Qual é gente, isso aqui virou encontro de casal agora? To me sentindo excluída, podem parar.

- Quem disse que vocês podem fazer algo sem mim seus fodidos? – Cana apareceu puxando um homem que era desconhecidos pra todos ali e tratou de apresenta-lo – esse aqui é o Bacchus, gente, tratem de se dar bem com ele porque a partir de hoje ele é o meu princeso.

- Ah não, até a Cana – Lucy tombou a cabeça na mesa outra vez desejando sumir dali, não sabia o porque de estar se sentindo tão solitária.

- Ué amiga, cadê seu boy? – aquilo foi a gota d'água. Se levantou as pressas e saiu dando a desculpa de que iria acordar cedo no outro dia. Desejou um bom rolê aos amigos e passou o resto da noite emburrada em seu sofá. Não ter Natsu por perto era horrível pra si e a saudade estava lhe corroendo. Dormir estava sendo algo impossível e quando deu três horas seu celular tocou lhe assustando.

Ignorou uma, duas, três vezes. Até que a música do aparelho começou a lhe irritar então pegou com raiva sem ver quem era no identificador de chamadas e atendeu.

- Que é, merda?

- Luce? Ah desculpa, eu devo ter lhe acordado né? É que aqui em Alvarez ainda são dez da manhã e eu esqueci de calcular o fuso horário – ouviu a risada abafada do outro lado da linha e escutar a voz do rosado lhe fez desabar. Não sabia o tanto que tinha sentido falta dele até perceber que lágrimas quentes desciam por seu rosto, não sabia se era alívio ou felicidade.

- Não, tudo bem, eu não estava conseguindo dormir mesmo – tentou disfarçar a voz chorosa – como foi a viagem? Chegou bem?

- Você ta chorando? Aconteceu alguma coisa?

- Não, eu só bati o dedinho numa quina – mentiu se encolhendo em sua cama.

- Ah, entendo – ele gargalhou a fazendo sorrir – tem que ser mais cuidadosa, meu anjo – seu coração falhou uma batida, amava cada demonstração de carinho espontânea do rosado consigo – Tenho uma boa notícia pra você.

- Tem é?

- Aham. Zeref veio junto então vamos poder adiantar algumas reuniões e poderemos voltar mais cedo – seu sorriso alargou com aquilo e a Heartfilia queria pular de alegria – Fala oi pra Luce Zeref!

- Oi namorada do Natsu! AI CACete, seus socos doem, pirralho – quis gargalhar daquilo mas se conteve, até mesmo o irmão do rosado queria que ambos ficassem juntos logo.

- Não liga pra ele Luce, nossos pais acharam ele no lixão – amava o jeito que os irmãos se davam bem e se lembrou de como Loke as vezes podia ser tão bom consigo.

- Diz que eu mandei oi pra ele também.

- Agora vou desligar, ta bom? Você precisa dormir, mocinha. Ta na hora de neném estar na cama!

- Não enche, Dragneel.

- Tá, tá, beijos loira! Espere por mim viu?

- Ah, mas nem a pau. Fica bem rosinha, beijo.

Desligou apertando o aparelho contra o peito. Apenas de ouvir aquela voz que lhe acalmava já a faria ter uma ótima noite de sono. A loira dormiria sorrindo.

(...)

Desceu as escadas correndo e a felicidade era tanta que nem se importou do elevador estar interditado, Aries tinha lhe dito que havia visto o rosado encostado em um de seus diversos carros do outro lado da rua quando fora comprar sorvete e ao ouvir aquilo Lucy tinha deixado tudo de lado para ir ao encontro do Dragneel, esse que tinha lhe avisado que chegaria hoje. Ao pisar na recepção tentou se recompor, controlar a respiração e disfarçar a ansiedade junto da afobação. A saudade era tanta que três dias longe de Natsu já estava a deixando louca, imaginou como seria sete e chegou a conclusão que não queria nem pensar naquilo. A cada passo que dava em direção a saída era menos um de distância dele, tentou conter o sorriso ao vê-lo encostado na Land Rover preta, com os braços cruzados e óculos escuros, a roupa social realmente combinava muito com ele e o fato de estar sem gravata lembrou a loira de que ele sempre lhe pedia ajuda com aquilo. Se preparou para correr até ele quando o mesmo guardou o celular no bolso mas sua face se encheu de confusão ao reparar que Natsu olhava para a direção oposta de onde ela estava, como se esperasse alguém e como se não bastasse viu uma albina de cabelos curtos ir em direção a ele com um enorme sorriso no rosto, não entendeu o que Lisanna fazia ali até a mesma entrar no carro junto dele e ambos sumirem em meio aos demais veículos na avenida movimentada. De início, tudo o que pode fazer foi ficar olhando, estática sem saber o que tivera acabado de acontecer ali. E quando sua mente passou a trabalhar milhares de coisas passaram por seus pensamentos, queria saber o motivo daquilo tudo e rezava para que ver a ex do rosado entrando no carro dele tinha sido uma pegadinha de muito mal gosto consigo.

Se virou tentando ignorar aquele sentimento ruim que estava se apossando de si aos poucos, a garganta seca, o suor nas mãos, o coração doendo, nada ajudava a tirar de si aquele gelado estranho em sua barriga, tudo o que queria era sumir dali naquele mesmo instante. Com muito esforço, subiu de volta para o consultório e ao trombar com Brandish foi obrigada a ir pra casa pois a amiga percebeu o quão pálida estava logo deduziu que Lucy não conseguiria nem mesmo segurar uma caneta sem tremer. Obedeceu contragosto e quando finalmente deitou em sua cama foi impossível ignorar todos os pensamentos negativos em relação ao que tinha visto. O fato do rosado não lhe ligar, enviar mensagens ou aparecer em seu apartamento não ajudava nem um pouco e apenas aumentava o sentimento de que tinha sido usada como tapa buraco pelo mesmo, imaginava que ele estava naquele momento ocupado de mais com a Strauss nos braços, certamente tinham reatado o namoro. Não sabia como reagir, se chorava, surtava, pois no fundo tinha consciência de que nunca teve nada sério com Natsu então ele era livre pra fazer o que bem quisesse, apenas se amaldiçoava por ter se apegado de tal maneira ao Dragneel, Lucy odiava aquele sentimento de ser a pessoa mais idiota do mundo. Riu desacreditada daquela situação enquanto apertava o travesseiro e decidida a deixar aquela história toda de lado sorriu pra si mesma, não seria otária de ninguém e muito menos correria atrás do rosado implorando por seu amor. Se estava sorrindo e tudo estava bem, só não entendia o porque das lagrimas quentes rasgarem suas bochechas, mais pesadas do que qualquer coisa que já tinha carregado no mundo.

(...)

Os três longos dias que se seguiram foram insuportáveis pra si pois Natsu não tinha dado sinal de vida. Por mais que tentasse se enganar dizendo pra si mesma que não queria vê-lo, queria que uma explicação óbvia lhe tirasse daquela situação desesperadora. Suas amigas já tinham percebido o quão mal estava e ninguém possuía uma informação útil pra lhe dar sobre os dois terem voltado, nem mesmo Mira ou Gray. Pra piorar, mais cedo quando estava indo trabalhar passou em frente a uma banca de jornais e viu uma revista com os dois na capa, lado a lado felizes de mais para a loira se quer parar para ler o que estava escrito.

A fase da tristeza já havia passado e como padrão da loira ela estava raivosa, ninguém se atrevia a lhe dirigir a palavra ou até mesmo provoca-la. A caminho de casa acabou por trombar com uma parede de músculos e quando estava pronta pra xingar quem quer que fosse o indivíduo reconheceu o antigo amigo de faculdade, Dan Straigth, esse que era loucamente apaixonado por ela por alguns meses no primeiro semestre do curso de medicina veterinária mas que ao conhecer outra garota sua paixonite tinha passado, as coisas eram assim com ele e a Heartfilia até que achava aquilo engraçado.

- Você lembra de mim? Tipo, lembra mesmo? Ah, hoje é o meu dia de sorte, precisava mesmo encontrar um anjo como você, Lucy. Lembra aquilo que a gente fazia quando tava mal?

- Nós íamos na dona Obaba e comíamos sorvete até a barriga doer – respondeu querendo saber onde o moreno queria chegar com aquilo. Dan não tinha mudado nada, continuava alto e forte, os cabelos castanhos ainda no mesmo corte baixinho e o entusiasmo demasiado também era o mesmo de sempre.

- Quer dar uma passadinha lá? Fiquei sabendo que ainda ta aberto. Mas é claro, se não tiver nada pra fazer.

- Eu não sei, Dan, to cansada e – seus olhos correram acidentalmente pela multidão de pessoas e viu quem mais queria ver, Natsu vinha em sua direção com cara de quem não tinha feito nada de errado e aquilo fez seu sangue ferver, em um impulso entrelaçou seu braço ao do moreno que não entendeu nada e começou a caminhar virando as costas pro rosado – Só me segue que depois eu te explico. Se fingir ser meu namorado te pago um sundae de amendoim.

Dan aceitou na mesma hora passando o braço por cima do ombro da loira e a puxando mais pra junto de si, mesmo sem entender seguiu as instruções da amiga e ao chegar na sorveteria de dona Obaba a Heartfilia explicou toda a situação.

- Já parou pra pensar que pode ser um engano? – ele se deliciava com seu sundae – gente rica é cheia disso, fazem diversas parcerias, até se abração nas capas de revistas mas no fundo é cobra comendo cobra.

- Natsu não é disso. Não iria sorrir ao lado da Lisvaca por uma parceria boba.

- Eu quem precisava de um conselho e no fim quem estava mais fodida era você, que situação em loira?

- Mas fala ai Dan, o que tinha acontecido? – se tocou que tinha começado a falar sem parar ao chegar ali, bebeu de seu milkshake e fitou o amigo com atenção.

- Era uma garota que eu tava afim mas, acho que já to em outra – a loira acompanhou o olhar dele direcionado a garçonete e revirou os olhos, nada tinha mudado – mas sobre o tal de Natsu, conversa com ele. Não vai estar se humilhando apenas por mandar uma mensagem, isso se chama dialogar, e faz muito bem viu?

- Credo, Dan, quando foi que você cresceu tanto?

- Disso eu não sei, a única coisa que quero saber é o número daquela gracinha ali.

(...)

Mesmo tendo ouvido os conselhos do moreno, a loira se encontrava em um dilema, queria falar com o Dragneel mas seu orgulho falava mais alto que tudo. Além de tudo, tinha medo de ter a confirmação de que o mesmo realmente tinha voltado para a albina e se aquele fosse o caso, preferia deixar as coisas como estavam.  Se fosse preciso Lucy fingiria que nunca nem tinha conhecido a pessoa que ela achava que estava apenas brincando consigo.


Notas Finais


GALERA DA UM ZOI NO NOME DO CAP
eu seu que não sou boa pra escolher nomes mas sintam o spoiler pfv, ok! Sei que vão saber que o rosinha n fez nada de errado.
Eu vou ter que dar um jeito de aparecer domingo pra corrigir esse cagaço mds kkkkkkkkkkk
Não pirem, pfv, vai tudo ficar bem eu juroo
Ai, é uma delicia aparecer assim de surpesa sabia?
Então até mais meus amores, desejo um ótimo fim de semana pra vocês e até loguinho
Obg por lerem ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...