1. Spirit Fanfics >
  2. Eu não vou desistir de você - Carmuel >
  3. Capítulo oito

História Eu não vou desistir de você - Carmuel - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Cá estou eu com outro capítulo. Vai, eu nem demorei dessa vez. Eu tô completamente destruído dessa terceira temporada de Elite. E mano... nossa, eu chorei a temporada inteira praticamente. Todo mundo se fodeu nesses episódios, incrível! Mas amei a temporada. É minha favorita atrás apenas da segunda.
Bom, é isso, vou falar mais da terceira temporada lá nas notas finais.
⚠️Cap +18
Boa leitura! 🙃

Capítulo 8 - Capítulo oito


Fanfic / Fanfiction Eu não vou desistir de você - Carmuel - Capítulo 8 - Capítulo oito

Pov. Carla


                      Quatro meses depois 



Várias coisas haviam acontecido durante esses quatro meses. As mães de Pólo conseguiram coloca-lo em uma clínica de reabilitação pra menores, no México. Eu e Samuel estávamos avançando cada vez mais no nosso relacionamento. Eu havia conhecido sua mãe em um jantar. Meu pai teve um encontro não muito agradável comigo e Samuel, quando entrou no meu quarto de madrugada. Eu estava esperando uma carta de confirmação da Universidade Columbia, em Nova York. Até agora ela não tinha chegado e isso estava dando nos nervos dos meus pais. Eu não estava tão preocupada. Poderia ficar em alguma universidade aqui em Madrid mesmo. E assim poderia continuar namorando com Samuel. Lu iria estudar pra Califórnia, Nádia e Cayetana haviam conseguido uma bolsa de estudos em uma universidade de Londres e Valério iria estudar pro México. Guzman, Rebeka, Ander e Omar iriam continuar em Madrid, assim como Samuel. 

Hoje seria o baile de formatura, e eu já tinha acabado de me arrumar. Meu cabelo estava preso em um coque, e eu usava um vestido prateado com um par de saltos cinza. Terminei de me maquiar, peguei minha bolsa, saí do meu quarto e desci até o escritório do meu pai. Bati na porta duas vezes e então entrei. 

-Nós já vamos? - pergunto

-Você tá linda querida! Olha, chegou isso pra você. - diz ele se levantando e procurando algo em sua gaveta.

-O quê? - pergunto me aproximando.

-Isso. - ele tira uma carta da gaveta e eu prendo minha respiração. -Olhe. - ele me entrega o envelope.

Abro ele e começo a ler, meu coração estava acelerado.

-Você foi aceita na Columbia, querida. Parabéns! - Meu pai me abraça.

-Eu... hum... - Estava tão chocada que nem conseguia formar uma frase coerente. 

-Não tá feliz? - meu pai me pergunta já se afastando de mim

-Tô. - minto dando um sorriso falso. -Eu só... não tô acreditando.

-Pois é. Não entendo como essa carta demorou tanto. Já estava achando que não iria chegar. E então? Eu vou chamar sua mãe pra irmos pro seu colégio. Pode ir nos esperando no carro.

-Tá bem, pai. - falo e vou pra fora de casa. 

Olho pro céu. Já estava anoitecendo. Daqui a meia hora a cerimônia iria começar. Sinto meu celular vibrar dentro da bolsa e quando o pego vejo uma notificação. Samuel havia me mandado uma mensagem.


                                Samuel💘


Oi
Você já tá vindo?

                                          Chego em quinze minutos
                              Pode guardar um lugar pra mim?

Claro.





Guardo meu celular dentro da bolsa novamente. Não entendi porque eu estava triste. A Columbia sempre foi tudo o que eu sempre quis. Ir pra Nova York estudar e morar sozinha. Mas... Nova York... eu iria ficar tão longe de Samuel. Só iria poder vê-lo nas férias. E se a gente não desse certo a distância? E se ele conhecesse outra garota? Respiro fundo e tento me acalmar. Isso era problema pra amanhã, ou até mesmo pra outro dia, porque hoje eu iria me despedir de Las Encinas e me divertir pra valer com meus amigos e meu namorado. Meus pais finalmente chegam. Entramos no carro e partimos pro meu colégio.

Chegamos lá uns dez minutos depois. Fomos diretos para o auditório. Percorri meus olhos por todo aquele lugar a procura de Samuel. Até que sinto alguém me abraçar por trás e beijar meu ombro.

-Você tá muito linda. - sussurra ele em meu ouvido me provocando arrepios. Ele me roda pela cintura e eu lhe dou um beijo rápido.

-Você também tá muito gato com esse smoking. - falo o olhando de cima a baixo. A única vez que o vi tão formal foi há um ano atrás, na festa da Marina. Ele sorri e segura minha mão.

-Vem. Guardei um lugar pra você.

Andamos até uma das primeiras fileiras. Me sentei entre Samuel e Lu. Ficamos todos sentados, esperando a cerimônia começar.



                              [...]



A cerimônia durou cerca de uma hora. Depois do discurso incrível de Nádia e Lu (eleitas as melhores da turma) recebemos nossos diplomas no palco. Agora a festa tinha se iniciado. Estávamos no salão dançando, bebendo e se divertindo. Eu iria sentir saudade dessa escola, saudade de usar aquele uniforme, de ter aula com aqueles professores, saudade dos meus amigos, das nossas festas e de todas as merdas que apontamos juntos. E principalmente sentiria muita saudade do Samuel. 

Samuel deve ter me notado pensativa e bebendo encostada em uma coluna, porque parou de dançar com os outros e veio andando até mim. Ele agarrou minha cintura, me puxou para perto dele e beijou meu pescoço. De repente começou a tocar música lenta. 

-Me daria a honra dessa dança, minha marquesa? - ele pergunta se ajoelhando na minha frente e beijando minha mão. Não pude segurar meu riso. Ele ri também, se levanta e vem me puxando para o meio do salão.

Ele põe suas mãos em volta da minha cintura, eu coloco a minha ao redor do seu pescoço. E então começamos a dançar. Deito minha cabeça em seu ombro. Haviam outros casais ao nosso redor também. Nádia e Guzman, Pólo e Ander, Valério e Lu. Rebeka e Cayetana estavam sentadas na arquibancada dividindo uma bebida. Levanto minha cabeça e o encaro, começo a acariciar seu rosto. Me aproximo dele e selo nossos lábios, iniciando um beijo lento e apaixonado. Suas mãos começam a ficar mais firmes em minha cintura, eu já estava ficando sem fôlego mas sua língua continuava atacando a minha. Em um momento, não aguentei e tive que separar nossas bocas, ficando ambos com a respiração pesada.

-Você está bem animadinho. - comento dando um sorriso

-Quer ir pra outro lugar? - pergunta ele em um sussurro

-É claro. Esperei o dia todo por isso. - falo esfregando minha coxa contra sua intimidade, o provocando.

-Caralho, Carla!- ele sussurra fechando os olhos.

-Vamos logo, antes que você perca o controle e arranque nossas roupas aqui mesmo. - falo segurando sua mão e o puxando comigo para a saída.





Pov. Samuel




Quando estávamos no uber, Carla ficava me provocando o tempo todo, colocava suas coxas em cima das minhas, sussurrava coisas safadas em meu ouvido, me beijava e levava minha mão até sua bunda. Chegamos em meu apartamento meia hora depois. Por sorte minha mãe não iria dormir em casa hoje. Carla tinha acabado de colocar sua bolsa em cima da mesa, quando eu a puxei pela cintura e uni nossos lábios. Minha boca foi agressiva contra a sua mas eu sabia que ela gostava disso. A puxei mais pela cintura colando nossos corpos e ela mordeu meu lábio inferior.

-Eu quero que você me foda logo. - ela sussurra em meu ouvido enquanto beijo seu pescoço. Dou uns chupões lá e ela solta um gemido baixo.

Levo uma de minhas mãos ao ziper de seu vestido e lentamente o abro. Ela me solta por um momento e tira o vestido o jogando em algum canto da sala. Então ela pula em meus braços entrelaçando suas pernas em minha cintura, e eu acaricio suas coxas nuas. Ela se livra do meu blazer e começa a desabotoar minha camisa, depois a tira completamente de mim e a joga no chão. Ando até o sofá e a deito lá. Me ajoelho em sua frente, ainda com as mãos em suas pernas. Tiro sua calcinha, e então abro suas pernas. 

Porra, aquela mulher era o verdadeiro paraíso! Minha mão vai deslizando em sua coxa suavemente até chegar em seu sexo. Penetro um dedo em sua intimidade e me surpreendo com o quão molhada ela já estava. Carla solta um gemido não muito alto. Então penetro um dedo a mais e fico fazendo movimentos de vai e vêm enquanto ela gemia sem parar. 

-Cacete, você tá muito molhada! - falo tirando meu dedo de dentro dela e o levando até minha boca. 

Aproximo meu rosto de sua vagina e dou uma lambida em seu clitóris. Sinto as mãos de Carla segurarem meu cabelo com força e me forçando ir mais fundo. Aumento o ritmo, e sinto sua boceta pulsar mais e mais a cada lambida que eu dava. 

-Samuel... - Carla gemeu ofegante 

Sua boceta ficava cada vez mais molhada, me afastei pra recuperar o fôlego e vi que seu clitóris já estava inchado. Volto a atacar sua intimidade com minha língua, fazendo Carla gemer mais alto. Ela estava pegando fogo, dou uma última sugada forte e sinto ela gozar. Limpo minha boca com as costas da mão. Conseguia ouvir sua respiração ofegante, levanto minha cabeça até sua barriga e lhe dou um beijo lá, subo mais ainda. 

Tiro o feixe de seu sutiã, revelando seu lindo e enorme par de seios. Aqueles que me davam água na boca e me deixavam excitado só de olhar. Acaricio e aperto um enquanto beijava o outro. Dava fortes chupões em seus mamilos, levei minha atenção para a outro, o qual eu fiz a mesma coisa e ainda mordisquei seu mamilo ouvindo Carla gemer. Sinto as mãos de Carla irem até minha virilha.

-Você ainda não se livrou dessa calça? - pergunta ela.

Carla se levanta e me senta na cama. Ela se ajoelha em minha frente e começa a desabotoar minha calça, abaixa ela e depois faz a mesma coisa com minha cueca. Quando ela terminou de se livrar das minhas últimas peças de roupas, segurou meu membro já ereto. Ela começa a masturbar ele fazendo movimentos lentos de sobe e desce. Caralho, eu não aguentava mais. 

Levanto ela e a carrego pela cintura, a levando até meu quarto. Tranco a porta, porque por mais que minha mãe não estivesse em casa, não queria ser pego de surpresa como foi com o pai da Carla. Deito ela em minha cama, e abro uma gaveta do meu criado mudo. Começo a vasculhar ela. Merda!

-Porra! Tô sem camisinha. - falo. Me viro pra ela. -Você tem?

-Não.

-Cacete...

-Samuel. Tudo bem. - diz ela

-Tem certeza?

-Tenho. - responde ela me puxando pelo braço.

Me sento ao seu lado na cama, e ela me puxa pela nuca e inicia outro beijo. Ela envolve suas pernas ao redor de minha cintura. Segurei em meu membro que já estava tão duro que latejava levemente, levei ele até o meio de suas pernas e então penetrei meu membro em sua intimidade que já estava molhada novamente. Carla dá um gemido baixo em meu ouvido. Começo a estocar pra frente com força enquanto sentia suas mãos arranharem minhas costas. Sentia suas paredes se apertarem ao redor do meu pau. 

-Oh.. Samuel... - Carla começou a gemer mais alto -Mais rápido.

Aumento a velocidade das minhas estocadas.

-Porra, Carla! 

Ela me beijou novamente. Inverti as posições, a deixando por cima. Seus seios estavam balançando na altura do meu rosto, então voltei a chupa-los. Carla começou a sentar em mim, com força repetidas vezes, gemendo cada vez mais alto. Sua boceta estava ficando mais molhada e apertando mais e mais meu pênis. 

-Samuel! - Carla disse ofegante.

-Vai, Carla. Goza. - falo dando um tapa forte em sua bunda.

Carla começou a gemer mais alto e então a senti gozando. Caralho! Eu já estava quase também. Abraço sua cintura e a deito na cama, ficando por cima de novo. Continuei estocando pra frente até não aguentar mais. 

-Eu vou gozar. Puta que pariu! - gruni e segurei seu seio com bastante força e então enchi sua boceta com meu gozo. Quando terminei de jorrar, fiquei com a respiração ofegante em seu ouvido. -Caralho! - sussurro. 

Ainda conseguia ouvir a respiração ofegante de Carla. Me levantei um pouco e a encarei. Ela me olhou e sorriu. Suas bochechas estavam coradas. Tirei uma mecha de cabelo que estava grudada em sua testa por conta do suor e comecei a acariciar seu rosto. 

-Carla. - digo

-Oi

-Eu te amo. - falo e ela arregala os olhos. -Muito. E eu espero nunca te magoar. Não quero te perder nunca mais. 

-Você não vai. - ela deita mais perto de mim. Olha pra cada um de meus olhos sorrindo. Leva sua mão até meu rosto, me acariciando também. -Porque eu também te amo. Muito. E e eu quero que sejamos muito felizes juntos. - ela diz e então me beija novamente. 

Cedo passagem pra sua língua imediatamente. Abraço ela com força. Não queria solta-la. Parecia que o mundo ao nosso redor não importava mais. Eu amava a Carla e ela me amava. Só isso importava pra mim. Quando nos afastamos pra recuperar o fôlego, ela deu um riso nazal e me deu um selinho. 

-Ai Samuel, eu te amo, te amo, te amo, te amo, te amo. - ela diz dando vários selinhos em minha boca. De repente seu sorriso começa a desmanchar.

-Carla, você tá bem? - pergunto 

-Tô, é que... - ela começa -Na verdade, eu tenho que te contar uma coisa.

-Tá bem. Pode falar.

-É que... - ela começa mas escutamos um barulho vindo da sala. -Sua mãe não ia dormir fora?

-Ela ia. - falo me sentando na cama. -Ela deve ter vindo de última hora ou sei lá. 

-Mamãe! Samu! - escutamos um grito vindo da sala. -Estou de volta.





Notas Finais


E esse hot? Não sei se ficou bom. Comentem o que acharam do capítulo.
Mano, essa foi A TEMPORADA, tô chocado até agora.
⚠️SPOILERS A SEGUIR:
O único defeito dela foi ter deixado os casais de lado. Tipo, teve poucas cenas Guznadia, Carmuel e Valu. O único casal que teve bastante cenas e ainda foi endgame foi Omander, e tipo e eu amo esse casal, mas o Omar foi um fdp nessa temporada. E eu nn gostei de nenhum dos novos personagens. Só o Yeray q foi legalzinho no final. Aquela parte da fesa da Lu que a Carla tá dançando com o Yeray, e o Samuel com a Rebeka, e aí eles se olham, e a gente sabe que a única coisa que eles querem é ficar juntos, mas eles não podem. Essa cena partiu meu coração em mil pedaços💔. A Cena da Carla enfrentando o pai dela = TUDO. Fiquei todo esperançoso quando ela foi atrás do Samuel na festa. Mano, eu fiquei chocado que a Lu matou o Pólo. Sério.
Morte do Pólo >>>>> Morte da Marina
O Guzman perdoando o Pólo❤. Eu AMEI todo mundo encobrindo a Lu. Fiquei triste pela Cayetana, ela amava mesmo o Pólo. A despedia da Carla com o Samuel quase me mata, eles podiam ao menos ter dado um beijo. Mas tipo, Só de pensar que os dois estão solteiros, se amam e ele vai visitar ela, já me consola.
"-Vai aceitar visitas?
-Depende. Vai levar macarrão?"
Ai eu chorei tanto. Enfim, o final foi maravilhoso e eu não mudaria NADA (só colocaria um beijo Carmuel mesmo).
Ao mesmo tempo que eu quero que tenha mais uma temporada com o mesmo elenco, eu quero que essa tenha sido a última mesmo pq eu tenho medo de Elite ficar saturada igual Riverdale que tá uma merda. Enfim. Não sei se alguém vai ler isso tudo mas ok. Até a próxima, bjs❤.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...