1. Spirit Fanfics >
  2. Eu odeio te amar >
  3. Cap 10

História Eu odeio te amar - Capítulo 10


Escrita por:


Capítulo 10 - Cap 10


Fanfic / Fanfiction Eu odeio te amar - Capítulo 10 - Cap 10

Hummels:
Eu sinceramente não estou entendendo nada. Como assim a cullmann sentiu uma descarga elétrica ao encostar em mim?

- o que houve aqui? Escuto Gomez perguntar sem entender nada também.

- eu não faço ideia. Respondo.

- Hummels, é melhor você ir atrás da Isa, e tentar esclarecer essa cena bizarra que eu também não entendi fui porra nenhuma. Alessa diz. - como assim a Isa sentiu choque ao encostar em você?.

- é isso mesmo que eu vou fazer, Alessa. Respondo. - vou tentar falar com a ruindade. Digo enquanto pego o meu celular que estava em cima da mesa.

Quando eu ia sair do meio das cadeiras que estava impedido a minha passagem, Hilary pega no meu braço.

- Hummels, você não vai coisa nenhuma atrás daquela garota. Ela diz como se tivesse algum poder sobre mim.

- é claro que eu vou, você não manda em mim. Rebato.

- ah, não vai não. Ela rebate novamente. - se for atrás daquela, vai se só por cima do meu cadáver.

Puxei meu braço com força da mão dela.

- primeiro Hilary, você não cuida da minha vida, e segundo, eu vou atrás de quem eu quiser e quando eu quiser, entendeu?. Pergunto já irritado.

Hilary ficou quietinha no canto dela, e  eu claro fui correndo atrás da ruindade, pra saber realmente o que tinha acontecido.

Isabella:

Eu não estou entendendo mais nada, como assim descarga elétrica ao encostar no Hummels?. Eu já encostei naquele babaca antes, e nunca aconteceu isso.

Será que foi isso mesmo? Pois nem Hummels sentiu o choque. Ah, meu Deus, será que eu estou maluca ?! Pois se ele não sentiu, e só eu senti essa merda, fui coisa da minha cabeça e estou realmente ficando maluca!!!. Mas calma Isabella, isso que você sentiu deve ser só por causa do excesso de estresse que com certeza está fritando com seus miolos por dentro.

Dar uma volta pelo centro de Lille pra dar um alívio é sempre bom. E espero sinceramente que nenhum deles venham atrás de mim, pois tô querendo muito ficar sozinha e apenas sentir o ar calmo de Lille.

Estava caminhando tranquilamente pelo centro de Lille, o centro até que estava bem movimentado, muitas mães com seus filhos no colo e outros no chão. Sem contar que quando passava por eles, todos olhavam pra mim, pois sabiam quem eu era.

-Tante Isabelle? ( Tia Isabella?) Escuto uma sotaque francês vindo atrás de mim.

Olhei pra tras e vi um projetinho de gente tão bonitinho dos olhos verdes.

- oui?( Sim?) . Respondo em Frances.

-prendre une photo avec moi? (tirar uma foto comigo?) Ele pergunta me fazendo agachar em sua frente.

- mais bien sûr je prends une photo avec toi. ( Mas é claro que eu ti tiro uma foto com você) ☺️. Digo fazendo aquele projetinho de gente sorrir tão lindo😍❤️. ( Aí, até o meu útero coçou agora).

Para ficar mais fácil, peguei o pequeno no colo, e a mãe dele bateu a foto.

- Merci! (Obrigado!). O pequeno me agradece me dando um beijo e um abraço apertado.

Aí como é bom sentir esse calor, esse amor infantil. Tenho que dizer que isso com certeza me aqueceu e também aqueceu um pouco o meu coração.

Retribuí o abraço e logo depois coloquei ele no chão.

Depois de o pequeno desapareceu no meio daquelas pessoas com a mãe dele, e eu continuei a caminhar até a fonte que tinha no meio do centro de Lille.

É muito linda, as estátuas decorando e dando um ar mais antigo, simplesmente amei.

Tinha alguns casais apaixonados ali e também alguns casais com seus filhos, que aliás estavam bem alegres. Tudo aquilo me fez ficar pensativa, como será que é ter uma família completa? Marido, filhos, como será que é gerar o seu próprio bebê ?, aquele ser humaninho inocente que aquece o coração de qualquer pessoa, principalmente da pessoa mais cabeça dura, que no caso sou eu.

An? Mas por que eu tô pensando nessas coisas? Eu não nasci pra casar e muito menos ter filhos. E aliás quem vai querer uma mulher esquentadinha assim como eu , que tem vontade toda hora de matar qualquer um que aparecer na frente pra encher o saco.

Ah!!! Para com esse pensativos idiotas, Isabella. Falo mentalmente pra mim mesma. É melhor ficar sozinha do que se machucar igual aconteceu da última vez.

Mas enfim, depois desses meus pensamentos malucos, eu decidi me sentar na beira da fonte para aproveitar esse meu momento de paz.

- Isa? Escuto a voz daquela pessoa irritante enquanto apreciava o céu.

Baixei a minha cabeça e virei na direção da onde estava vindo aquela voz.

Hummels está parado a pouco metros longe de mim com as mãos nos bolsos da calça.

- eu quero ficar sozinha, Hummels. Digo.

Mesmo falando que queria ficar sozinha, Hummels se aproxima e senta do meu lado.

- se veio aqui para tentar entender o por que eu disse que senti um choque ao encostar em você, perdeu seu tempo, pois nem eu mesma entendi o que aconteceu lá. Fui logo sendo direta.

- por que você saiu daquele jeito lá de perto do pessoal? Ele pergunta bem calmo.

- quer saber mesmo o por que?. Pergunto.

- se eu tô perguntando, é claro que eu quero saber, né Isabella. Ele responde num tom de grosso.

- eu saí daquele jeito de lá, pois estou cansada, Hummels. Confesso.

- cansada de que? Ele pergunta se fazendo de desentendido.

Aí meu Deus!, Como esse homem pode ser tão idiota.

- cansada de tudo. Respondo. - cansada de ser quem não sou de verdade, cansada de me estressar com pessoas que não valem apena, mas minha mente não entende isso. Digo enquanto ele só me observava. - estou cansada de sofrer por pessoas e por coisas que nem si quer vão acontecer na minha vida. - resumindo Hummels, eu estou cansada de tudo. Digo deixando um lágrima solitária descer sobre o meu rosto.

Sem eu saber, sinto Hummels passar o polegar da sua mão esquerda no meu rosto para secar as minhas lágrimas. Fiquei sem entender o por que daquela atitude dele.

- a Isabella que eu conheço, que eu encho tanto o saco, não é assim coisa nenhuma. Ele diz e logo termina de secar as minhas lágrimas.

- se você realmente me conhecesse, Hummels. Respondo ele sendo realista. - o que você conhece de mim, ainda nem é a metade. Digo novamente.

- se é assim, por que você não me conta?. Hummels pergunta.

Solto um sorriso sarcástico...

- você acha que é fácil, né?. Pergunto molhando os meus lábios que estavam extremamente secos. - Hummels, por mais que eu ti odeie, você é o único que sabe que eu sou uma garota totalmente fechada para contar pros outros sobre os meus sentimentos mais profundos.

- olha só, Isabella cullmann tem sentimentos. Hummels diz todo engradinho.

- hahaha engradinho. Respondo engraçado fazendo careta, enquanto ele só dava risada da minha cara.

Confesso que é a primeira vez na vida, que eu fico do lado de Mats Julian Hummels e não começando a discutir igual loca com ele.

- tá vendo só. Escuto ele dizer. - mesmo eu enchendo teu saco e você o meu, eu ainda consigo plantar um sorriso nos seus lábios.

- eu não tô sorriso. Respondo e em seguida rapidamente tiro o leve sorriso dos meus lábios.

- ah é?. E diz levantando as sobrancelhas. - e esse sorriso de canto de boca é o que então?. Ele pergunta apontando por lado direito da minha boca.

- idiota. Digo fazendo ele sorrir.

- bom, já que é pra tirar esse momento triste daqui, eu quero fazer um game simples com você?.

- aí meu Deus, lá vem. Digo fechando os olhos em seguida abro.

- tô falando sério. Ele diz todo divertido. - já que esse momento de paz entre a gente só faz durar por alguns minutos, eu quero aproveita a Isabella versão Lhasa Apso, antes que vire um Pitbull raivoso daqui a alguns minutos hahaha. Ele diz me fazendo bater com força em seu braço.

- ta me chamando de estressada, Hummels?. Pergunto ainda dando tapas nele.

- ué, eu tô mentindo? Kkkkkkk. Ele pergunta.

- pior que não. Respondo vendo ele criar um sorriso vitorioso nós lábios. - eu ti odeio, mats Hummels, eu ti odeio.

- é, eu sei disso. Ele diz todo convencido. - mas enfim, posso explicar o game?. Ele pergunta.

- pode. Respondo.

- bom, será assim, eu vou provar que ti conheço muito além do que você imagina. Ele diz me fazendo arregalar os olhos. - e você fará o mesmo só que comigo. Ele diz.

- okay então. Respondo. - você faz as honras primeiro. Digo.

- tudo bem então. Ele diz se ajeitando no lugar. - eu conheço uma garota que parece não se encomodar com nada, muito menos com a opinião das pessoas. Ela fala o que pensa, e não liga pros outros. Age como se não precisse de ninguém, mas eu sei que é tudo mentira. No fundo ela é uma garota totalmente sensível, que adora atenção e que gosta dos outros, não liga prós defeitos. Ela demostra ser alguém que ela não é, por que ela tem medo, medo de se ferir, medo de se frustrar. Mas no fundo ela é uma garota, como outro qualquer. Hummels termina de dizer.

Nossa, eu sabia que Hummels me conhecia. Mas não sabia que era tanto assim. Com essas palavras ficou difícil não deixar outra lágrimas descer sobre o meu rosto.

- nossa. É a única coisa que eu digo no momento. - eu acho que me enganei quando disse que você me conhecia, pois realmente você me conhece melhor que qualquer pessoa. Digo fazendo ele sorrir fraco sem mostrar os dentes.

- eu disse que ti conhecia melhor do que você imaginava. Ele responde totalmente verdadeiro. - mas agora é a  sua vez. Ele diz.

- okay então. Respondo se ajeitando também. - Hummels...

Quando eu ia começar a falar, me aparece o demônio para atrapalhar novamente a conversa. Como tava bom o meu papo calmo e raro com o  Hummels, mas tinha que apareceu justo o demônio pra estragar esse momento de paz.

Bem que o babaca falou que o momento de paz entre a gente iria durar apenas alguns minutos.

- mats!!. Ela aparece na praça do centro de Lille fazendo escândalo.

- como você aguenta isso?. Pergunto antes dela chegar até nós.

- pra falar a verdade, nem eu sei. Ele responde.

Nem preciso dizer que quanto Hilary estava furiosa ao me ver perto do namoradinho dela.

- cai fora daí, Isabella!!!. O demônio diz chegando perto de mim apressada.

- não. Respondo na maior cara de pau e com sorriso pra provocar a vaca.

Sem dizer nada, ela tenta novamente bater em mim, e claro mais uma tentativa sem sucesso. Peguei com tanta força no pulso direito dela e logo dei um torcida pra doer mesmo.

- o que foi que eu disse pra você sobre tentar meter a mão em mim, em Hilary?. Pergunto enquanto me levantava bem devagar da beira da fonte.

Ela não disse nada. Eu só escutava o seu gemido de dor, pois com certeza eu quebrei o pulso dela.

Bem feito!! Quem manda se meter comigo. Espero que doa muito!.

- já chega, Isabella. Hummels se enfia no meio pra que eu soltasse ela.

Soltei o pulso dela...

- você quebrou o meu pulso!. Ela exclama fazendo drama.

- e eu com isso?. Pergunto cruzando os braços. - ah Hilary! Eu já quebrei os meus pulsos várias e várias vezes, e não dói tanto assim. Digo novamente.

- ah é, e como você sabe que não dói tanto?. Ela pergunta.

Será que serei forçada a escrever na testa daquela vadia "BURRA" assim bem grande?.

- eu sei disso por que eu sou atleta, sua anta burra. Respondo e logo sai andando para longe do casal.

É pessoal, o momento de paz e tranquilidade estava bom, mas eu e aquele idiota voltamos a programação normal! Para alegria de vocês.
================================


Notas Finais


Voltamos a nossa programação normal, meninas kkkkkk


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...