1. Spirit Fanfics >
  2. Eu pedi a Deus por você-Romance Cristão >
  3. Sorveteria-part 2

História Eu pedi a Deus por você-Romance Cristão - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Fique agora com o capítulo 7 de "Eu pedi a Deus por você"❤️❤️

Capítulo 7 - Sorveteria-part 2


Fanfic / Fanfiction Eu pedi a Deus por você-Romance Cristão - Capítulo 7 - Sorveteria-part 2

PV.Pedro

Eu mesmo não estava acreditando no que acabara de dizer... Meu Deus, e agora?

Está tudo bem Pedro- para meu alívio, ela deu um sorriso, mesmo que tenha sido um sorriso envergonhado... Aquilo me acalmou.

Que bom- eu disse de uma forma tão aliviadora que acho que até ela percebeu, pois acabou soltando uma risadinha- É... Então... Que sorvete você vai querer?- falei para finalmente mudarmos de assunto.

Huum... Estava pensando em algo diferente- falou apontando para o açaí que estava no cardápio.

Você gosta??- questionei.

Claroo, afinal, quem não gosta?- ela falou sorridente.

Isso é verdade- falei sorrindo também- vou chamar a garçonete.

Chamei a garçonete e logo ela veio, anotou o nosso pedido e logo voltou os trazendo.

Então... Fê... Me fala mais sobre você- falei e logo em seguida peguei mais uma colher de meu açaí.

Ah... Tá bom... O que gostaria de saber?- falou curiosa.

Bom... Coisas simples, que tal, qual é o nome dos seus pais? E... você tem irmãos?- disse rindo, pois minhas perguntas soavam como repentinas, assim, do nada.

Bom... Minha mãe se chama Sheila Rodrigues, e meu pai Dilson Medsen, e sim, tenho um irmão, um que me irrita de mais por sinal- ela disse rindo e eu a acompanhei.

Qual sua cor favorita, sua música, seu cantor, ou cantora, banda, e sorvete? Bom... Fora o açaí- falei rindo e observando ela devorar seu açaí como em um piscar de olhos.

Minha cor favorita é roxo, mas também gosto de branco e preto- ela disse esboçando um sorriso lindo e encantador- minha música preferida até o momento, é "História de milagre" ou então "tá chorando porque?", mas a primeira canção marcou minha vida de uma forma extraordinária... Enquanto a bandas, ainda não tenho uma que eu possa dizer que é minha favorita, e o sorvete é flocos- ela falou dando um sorriso

Posso saber porquê a primeira canção te marcou?- questionei já muito curioso.

Na verdade, eu tinha um sonho, desde dos meus 12 anos, na verdade desde dos 8 anos, e esse louvor acabou me fazendo acreditar que meu sonho poderia ser realizado, que Deus poderia fazer o que para muitos... E as vezes até para mim... Poderia ser impossível- ela suspirou.

Qual era o sonho?- falei e ela fitou o chão- desculpa, não precisa contar se não se sentir a vontade.

Não, não tem problema, até porque na verdade... Era apenas um sonho de criança, as vezes pensamos além de mais- ela riu mais uma lágrima escorreu por seu rosto, só que rapidamente ela a limpou- Você acredita, que eu sonhava em me tornar uma cantora gospel?- ela falou rindo como se achasse que aquilo fosse impossível.

Acredito! Até porque sua voz é lida!- falei e lhe lancei um sorriso.

Não linda o bastante para me tornar uma cantora gospel, e também... Não é preciso ter só uma voz bonita- falou agora fitando as crianças que brincavam pela rua em frente a sorveteria alegrimentes.

É claro que é, sua voz é mais que linda, é espetacular! E você tem tudo para se tornar uma cantora gospel, você é cheia de Deus, de unção, ama ajudar as pessoas, pois você insistiu em mim mesmo quando eu te tratava mal... E além disso... Você é linda por dentro e por fora- falei e percebi que as bochechas dela ficaram vermelhas, e ela ficava linda daquele jeito, e acho que até às minhas estavam, pois aquela altura já estava sentindo as mesmas queimarem.

Obrigada por tudo Pedro, de verdade, mas é que eu acho que... Eu mesma que já desisti desse sonho- ela falou num tom indeciso.

Você desistiu ou tem medo de acreditar e não dar certo?- falei acariciando sua mão, ação que a fez fitar nossas mãos e logo em seguida me olhar nos olhos.

PV.Fernanda

Eu nunca tinha contado aquele sonho para ninguém, desde o dia que contei para minha prima e minha mãe, e por quê? Bom... Minha prima riu, como se fosse uma piada, já minha mãe, bem... Não falou muito sobre o assunto quando contei, então isso comprovava que ela também não acreditava. E depois disso eu nunca contei a ninguém como me sentia sobre meu sonho, bom isso até agora.

Quando fixei meu olhar em seus olhos me perdi em seu olhar, não sei o porque mas aquele olhar brilhante castanho claro me trouxe um sensação de paz, de conforto, senti que eu poderia contar e confiar tudo a ele, naquele momento eu já tinha me perdido completamente naqueles lindos olhos castanhos.

Eu acho que... É um pouco disso também... É que quando eu era menor, pedi tanto a Deus para que realizasse esse sonho e... Nunca aconteceu nada, acho que com o passar do tempo, até eu comecei a acreditar que isso seria mesmo uma coisa impossível- falei tudo o que estava entalado em minha garganta e me contive para não chorar, pois já estava me dando um nó na garganta, mas já não adiantava mais, a essa altura já aviam lágrimas escorrendo por meu rosto.

Vem cá, ele me puxou pela mão me fazendo levantar, colocou R$ 10,00 no balcão e caminhou me abraçando, eu parecia uma boba, mas a verdade é que eu sempre desejei e sonhei com isso de todo o meu coração, minha vida foi totalmente focada ao meu ministério como cantora gospel. E o Pedro estava certo,na verdade... Acho que eu só estava com medo de seguir em frente com isso e acabar não dando certo...

Caminhamos por um tempo e a aquela altura eu já tinha parado de chorar, mas meu rosto ainda estava molhado. Não acredito que vim esse tempo todo abraçada com ele! Eu sei que o Pedro é uma boa pessoa, não tem segundas intenções, fez isso apenas para me ajudar, e realmente me ajudou, e muito! Mas e se alguém da escola nos visse assim? Ou pior alguém da igreja?! Deus me livre, meus pais iriam surtar ao saber que saí pelas ruas abraçada com um garoto que eles nem se quer conhecem, Deus abençoe que ninguém tenha visto.

Saio de meus desvaneios quando Pedro me desenvolve de seu abraço aconchegante e aponta para um banco, em sinal de que eu sentasse ali.

Sempre venho aqui quando preciso pensar.... Faço isso desde criança, a diferença é que quanto criança eu vinha aqui quando estava com raiva- ele falou coçando a nuca e eu soltei um risada baixinha pois ainda estava com a voz embargada.

Sabe... Eu era um caso perdido, mas quando você acreditou em mim e tentou me ajudar eu me tornei a pessoa que eu era antes, na verdade até melhor- ele disse sorrindo- eu pensei que nunca iria superar a morte do meu pai, mas agora superei, pensei que minha mãe e eu nunca iríamos nos dar completamente bem, mas quando tentei, eu consegui o que queria, estos nos dando super bem... Talvez eu nunca tenha imaginado que eu teria uma pessoa como você ao meu lado pra me fazer repensar sobre minhas escolhas, mas Deus colocou você em minha vida- ele diz e uma lágrima cai de meus olhos mas eu rapidamente a limpo- Viu? Tudo é uma questão de "tentar", e eu simplesmente acho que se você ainda lembra desse sonho e se confronta tanto com ele, é porque isso é um sonho de Deus pra você, e eu também não admito que minha super-heroína não acredite em seus sonhos... Pois heroínas acreditam em seus sonhos- ele falou brincando e eu o envolvi em um abraço, um abraço calmo e que me trazia milhões de sensações e uma paz que eu não sabia explicar de onde surgia.

A diferença é que eu não sou uma super-heroína- falei quase num susurro, ainda o abraçando.

Pra mim você é- ele falou no mesmo tom.

O abraço dele me fazia sentir tantas coisas, tais essa que eu nem sabia que seria capaz de sentir, sentia meu coração bater descontrolavelmente parecendo que a qualquer momento iria sair pela boca, e era como se tivessem borboletas flutuando sobre minha barriga.

Obrigada...- falei me soltando do abraço.

Era mínimo que eu poderia fazer por você, mas agora acredite em seus sonhos, super-heroína- falou sorrindo e que sorriso...

Sim senhor!- falei brincando colocando minha mão em minha testa como se ele fosse o general e eu o soldado e logo ele começou a rir.

Agora acho melhor eu te levar para casa, seus pais já devem está preocupados- ele disse se levantando do banco.

Iiiih não quero nem pensar- falei rindo mas no fundo eu estava preocupada, eu nem tinha avisado aos meus pais com quem iria sair, ou para onde iria, só disse que era com um amigo da igreja- Mas antes de irmos... Vamos registrar o momento!- falei pegando meu celular de minha bolsa e colocando na câmera de selfie.

Pedro deu tiramos um selfie, que ficou muito linda por sinal, e depois ele me acompanhou até minha casa, fomos o caminho todo conversando coisas aleatórias e divertidas e dando muitas gargalhadas, era incrível como o tempo passava rápido quando eu estava com ele.

Então... Está entregue- ele disse sorrindo ao pararmos de frente com o portão de minha casa.

Obrigada por me acompanhar- eu disse sorrindo.

Não precisa me agradecer por isso....- ele olhou fixamente em meus olhos- então... Tchau, se cuida- ele deu um beijo em minha testa e eu fechei meus olhos com esse carinho.

Você também, tchau- disse entrando pelo portão e o fechando, e logo após ele foi em bora.

Entrei em minha casa e ainda não tinha visto meus pais e nem meu irmão, até aí tudo bem, se eu estava com medo? Sim! E muito! Naquele momento estava com medo até que meu irmão aparecesse ali, pois ele contaria tudo para meus pais, o horário que cheguei, até isso ele iria marcar. Para minha sorte, não tinha ninguém na casa, o que era estranho, para onde será que foram? Para poder pensar nisso, tomei um banho relaxante de água fria pois estava muito calor, vestido meu folgado, prédio meu cabelo  em um coque e desci para comer alguma coisa, vi uma lasanha na mesa, mas estava escrito "Não mecha", que estranho, eu hein, então fui ver outra coisa para comer, depois que jantei, lavei os pratos e lavei o furgão, quando eu ia me sentar no sofá para assistir as maravilhosas séries da feliz 7play dou de cara com meus pais e meu irmão entrando pela porta.

Onde estavam?- Perguntei confusa

Onde a senhorita estava...- falam meus pais em uma só voz numa espécie de corrigir-me e eu me dou por vencida.

Eu fui tomar sorvete com um amigo meu, começamos a conversar e perdemos a noção do tempo- falei dando um sorriso meio nervoso e torcendo mentalmente para que eles não brigassem comigo.

Qual é o nome desse garoto?- disse meu pai.

É Pedro!- falei animada.

Filha, você não está apaixonada por esse garoto não né?- falou minha mãe

Claro que não mamãe, vira essa boca pra lá- falo rindo e dando gargalhadas.

É sério minha querida, ainda é cedo demais para se apaixonar, ainda mais por um garoto que você não tem nem um mês que o conhece. Pois não temos um mês ainda que moramos aqui- fala minha mãe.

Eu sei mamãe, e não se preocupem,foi apenas um convite para tomar sorvete, agora eu vou subir para meu quarto! Dito isso dou um beijo na bochecha da minha mãe e do meu pai e em Victor dou um tapinha de leve em sua cabeça, aproveito que estava com o celular em mãos e já posto a foto que tirei com o Pedro em meus storys do Instagram.

Já no quarto me jogo em minha cama e começo a pensar seriamente no que minha mãe havia me falado, será que eu estava mesmo apaixonada? Será que é normal eu ter sentido meu coração bater incontrolavelmente, borboletas flutuando dentro de minha barriga enquanto ele me abraçava? Será que é normal o fato de eu ter o olhado e me prendido em seu olhar, será que é normal eu ficar vermelha quando ele me faz algum elogio ou acaricia minha mão? Ai não e agora? Mas não, não, não, apaixonada eu não estou, não tem como uma pessoa se apaixonar em tão pouco tempo, não é?


Ou tem?? Será??


No meio de tantos pensamentos e perguntas rondando minha cabeça acabo adormecendo.

PV.Pedro

Cheguei em casa e lá estava minha mãe, sentada no sofá provavelmente fazendo seu devocional, pois estava com sua Bíblia em mãos.

Onde você estava meu filho? Te liguei diversas vezes- falou ela vindo passas a mão por meu rosto como se tivesse fazendo um checape.

Calma mãe, não fui atropelado, não precisa analisar meu rosto- eu disse rindo.

Ainda não respondeu a minha pergunta- ela disse cruzando os braços.

Eu só fui tomar sorvete com uma amiga minha, aquela que venho falando pra senhora a mais ou menos duas semanas, a Fê- falei abrindo a geladeira e pegando uma garrafinha de suco.

Essa menina deve ser muito especial para você né meu filho?- diz minha mãe sorridente e seus olhos brilhavam- acho que já está até apaixonado, só espero conhecê-la logo.

A-a-apaixonado, não viaja mãe, isso também já é demais, ela é especial para mim, mas é só minha "AMIGA"- falo dando ênfase no "amiga" e logo em seguida bebo um gole de meu suco.

Amiga, sei...- ela fala sorrindo convencida- Não tem uma foto dela para me mostrar?

Mecho em meu celular e vejo que a Fê tinha me marcado nos storys do Instagram, e quando olho, era a foto que tínhamos tirado hoje, mas ela colocou orelhas e furinhos de cachorrinho, a legenda dizia "meu amigo". Fiquei admirando aquela foto, mesmo com aqueles bichinhos no rosto ela ainda conseguia ser absurdamente linda.

Essa tiramos hoje mesmo- eu disse mostrando a selfie a minha mãe e saindo de meus desvaneios.

Ela é linda filho!- ela disse toda empolgada- mesmo com essas orelhinhas e esse fusinho de cachorrinho dar para perceber que é uma menina linda!

Ela é linda mesmo- falei me inclinando para ver a selfie no celular que até então estava na mão da minha mãe.

Huuuuuuuum- falou minha mãe já querendo gargalhar.

Vou subir para meu quarto mãe!- dito isso subo rapidamente antes que ela venha com mais alguma bobagem....

Mas será que aquilo que minha mãe tinha dito era realmente uma bobagem? E se eu estivesse mesmo gostando da Fernanda, e se eu estiver mesmo apaixonado por ela? Mas não tem nem um mês que nos conhecemos, isso não pode ser... Não, não, isso não pode ser. Mas o que explica eu ficar nervoso quando estou perto dela? Será que é normal eu ter um desejo incontrolável de querer fazer ela se se sentir bem de todas as formas quando ela está triste? Será que é normal as vezes eu sentir minhas bochechas queimarem e minhas mãos suarem quando estou falando com ela? Será que isso é uma simples sensação de amizade? Ou será que é amor? Mas não não pode ser, a Fernanda só me ver como um amigo, e além disso, como pode uma pessoa se apaixonar em tão pouco tempo? Isso não pode de fato acontecer né?

 

Ou pode??



..........





Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo gente, fiz com muito amor e carinho.❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...