História Eu posso, titio? ( Long imagine Youngjae - GOT7 ) - Capítulo 6


Escrita por: e JungNara

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, Jinyoung, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags Colegial, Drama, Got7, Hee Young, Incesto, Mutilação, Romance, Sobrinha, Tio, Youngjae
Visualizações 1.039
Palavras 5.334
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, meus amores, boa tarde/noite/bom dia, dependendo da hora que vocês vão ler.
Demoramos, não foi? Nos perdoem, estávamos muito ocupadas, principalmente agora fim de semana, mas agora trouxemos um capítulo delicioso pra vocês, haha. Esperamos que gostem <3

Capítulo 6 - Não me faça provocá-lo, titio.


Fanfic / Fanfiction Eu posso, titio? ( Long imagine Youngjae - GOT7 ) - Capítulo 6 - Não me faça provocá-lo, titio.

"Jogue fora seus pensamentos complicados. Não tenha medo, liberte seus instintos embaralhados.

B.A.P —  Honeymoon."

Capítulo 5.

 

Busan, Coreia do Sul. - 2018

06 de Março, 2:30 a.m.

 

Me mexi na cama sentindo um calor incomum, tentei tirar a coberta de cima de mim ainda com os olhos fechados mas só escutei um resmungo. Abri meus olhos assustada e olhei para baixo vendo uma perna em cima das minhas pernas e um braço em volta da minha cintura.

 

MEU DEUS, O QUE EU FIZ?

 

Acabei por sentir uma pontada na minha cabeça e lembrei que bebi demais ontem, fechei meus olhos e me virei devagar, espero que ao menos não seja nenhum estranho. Ao abrir meus olhos soltei um suspiro por ver Youngjae ali. Espera...

 

YOUNGJAE?

 

Observei melhor e o vi apenas de cueca. Mas que merda aconteceu ontem? Só lembro de ver Youngjae com os meninos e me ignorar a noite toda, eu bebia que nem percebi o quanto de álcool que consumi, lembro de chorar no estacionamento e de gritar com ele, meu Deus, eu só podia ter ficado louca. Fiquei o observando dormir, adoro ver seu rosto sereno sem preocupações.. Como vou o encarar depois de falar aquilo tudo? Tracei meu dedo delicadamente do seu nariz até a boca, fico o admirando por um tempo até que vejo um sorriso se formar no seu rosto, iria me afastar mas ele acabou sendo mais rápido eme  puxou pra perto.

 

 — Está gostando do que tá vendo? — Sua voz soou rouca por ter acordado agora. Acabei escondendo meu rosto entre seu pescoço, estava me sentindo envergonhada por ser pega o olhando. Senti um beijo em meus cabelos e acabei por sorrir um pouco. — Pensei que acordaria mais tarde, está sentindo alguma dor? — Balancei a cabeça afirmando. — Ei, está com vergonha de que? — Ele tentou me afastar pra que eu o olhasse, mas acabei o apertando e pressionando meu rosto em seu peito. 

 

— Me desculpa. — Falei com a voz abafada. Youngjae se afastou e tocou meu rosto com uma das mãos o segurando enquanto me olha. 

 

— Eu quem devo pedir desculpas. — O olhei sem entender e quando ia fala ele me interrompeu. — Eu fui um idiota todo esse tempo com você, eu te afastei quando não sabia lidar com o que estava sentindo, fui um completo covarde e ainda te tratei mal esse tempo todo só por que eu não queria admitir. 

 

— Admitir o que? Do que você está falando, tio?

 

— Não me chame assim. — Pediu com um olhar triste. — Não queria admitir isso...

Ele segurou meu rosto e me beijou. 

 

Senti meu coração acelerar, não estava acreditado no que estava acontecendo. Ele estava me beijando mesmo? Estava em choque mas acabei cedendo e fechando os olhos, Youngjae pediu passagem e eu logo a cedi, claro, ele me beija devagar sem presa, era delicado e me fazia arrepiar. Levei minhas mãos até o seu cabelo e passei meus dedos entre eles em um carinho, ele afastou um pouco seu lábios quando o ar fez falta e desceu beijando o meu pescoço, acabei me arrepiando mais e puxei seu cabelo em resposta. 

Ele voltou a me beijar agora com mais urgência, sentia sua respiração acelerada entre o beijo e imagino que eu não estava muito diferente, fui virada na cama ficando por baixo enquanto ele ficava por cima. Abri as pernas deixando que seu corpo se encaixasse entre elas. 
Eu não queria parar esse beijo, eu sempre quis sentir isso, ele me beijando sem medo, se entregando, não queria que nada parasse esse momento. Soltei um gemido baixo quando ele morde o meu lábio e pressionou seu corpo contra o meu, acabei por sentir sua ereção quando ele mexeu seu quadril me fazendo solta um gemido manhoso entre o beijo. Ele sorriu e se afastou ficando de joelhos na cama, passou a língua nos lábios inchados e vermelhos e isso me deu mais vontade de o beijar de novo. 

Me sentei na cama de frente para ele e fiquei o olhando, ele aproximou novamente seus lábios dos meus e os selou antes de se levantar da cama passando a mão no cabelo. 

 

— Respondi sua pergunta? Agora vai fazer nosso almoço que eu vou tomar um banho gelado. — Falou e logo saiu do meu quarto sem me deixar responder, toquei meus lábios ainda sentindo um formigamento bom e acabei deixando um sorriso bobo escapar.

 

O que acabou de acontecer aqui?

 

(...)

 

Desci para a cozinha depois de tomar um banho e um remédio para minha cabeça que continua doendo, parece que vai explodir a qualquer momento. Usava uma camisa dele que havia pego anos atrás, a camisa batia na metade da minha coxa e por baixo apenas usava uma calcinha, notei que Youngjae ainda não havia saído do banho e eu me segurei para não ir lá e saber o porque dele está demorando tanto, abri o armário e vi que não tinha muita opção do que comer, peguei dois Ramen mesmo e uma panela pra colocar a água no fogo, estava parada em frente a pia abrindo os sacos de Ramen quando sinto dois braços passarem em volta da minha cintura e uma respiração em meu pescoço me fazendo arrepiar e abrir um sorriso. Acho que eu morri e estou no céu porque eu nunca imagine que acordaria hoje e todos meus sonhos estariam se realizando. 

Ele me deu um beijo na nuca antes de falar rente ao meu ouvido: 

 

— O que a minha cozinheira está fazendo hoje? — Inclinei a minha cabeça um pouco para trás ficando com meu rosto perto seu, perto demais dos seus lábios. Não consigo evitar que as batidas do meu coração acelerem ao ouvir a palavra “Minha”.

 

— Estou fazendo Ramen. – Falo olhando para os seus lábios, eu quero beija-lo de novo, quero beija-lo o dia todo se possível. O vi dar um sorriso que me fez ficar ainda mais hipnotizada.

 

— Só porque estou com preguiça vou aceitar isso. – Ele me dá um selinho antes de me soltar e ir se sentar na bancada atrás de mim. Eu não estava esperando isso, solto um suspiro e me viro para ele que está com as mãos apoiadas na bancada enquanto me olha com um sorriso no rosto. Aposto que está rindo do quanto eu estou vermelha. O encarei de volta e bufei.

 

— Isso? Eu estou me empenhando muito aqui – Revirei os olhos e ele soltou uma risada.

 

— Ramen qualquer um pode fazer, Hee.

 

— Ah, é? Então por que você não vem fazer, senhor Master Chef? — Estava ficando irritada e ele notou, porém, riu ainda mais. O vi morder o lábio inferior e quase arfei, mas manti minha pose de quem estava brava.

 

— Não faz essa cara... – Ele desceu da bancada e se aproximou.

 

— É a única que eu tenho, seu paspalho. — Ele soltou uma risada extremamente sexy — ao meu ver, claro. — e se aproximou ainda mais colocando as mãos na pia e me prendendo entre seu corpo e a mesma. O Ar pareceu faltar nesse momento e eu esqueci como respirar, acabei colocando uma mão no seu peito para me segurar porque eu estou sentindo que minhas pernas pararam de funcionar e vou cair a qualquer momento. 

 

— Essa cara... — Ele aproximou seus lábios dos meus e fica me olhando, acabei por soltar um suspiro. — Eu fico querendo fazer tanta coisa quando você faz isso. — Ele passa seus lábios nos meus e pude sentir sua respiração quente. — Eu me segurei por tanto tempo...

 

— Não se segure mais. — Eu não sei como eu consegui falar algo, as palavras saíram automaticamente. Ele abriu um sorriso malicioso e me beijou. Me perco todas as vezes que sinto sua língua na minha boca, de imediato correspondi seu beijo e envolvi meus braços em seu pescoço quando ele enlaçou minha cintura, ele me levantou me fazendo sentar em cima da mesa, Youngjae finalizou o beijo com selinhos estalados quando o ar fez falta, mas ele desceu os beijos para o meu pescoço me fazendo arfar. Abri minhas pernas fazendo ele se encaixar no meio delas e acabei soltando um gemido baixo quando senti ele dar leves mordidas em meu pescoço para em seguida voltar a me beijar com mais voracidade. Sei como ele está por que me sinto do mesmo jeito, senti sua mãos em minha coxa que logo foi subindo até tocar minha virilha, arfei com o ato e afastei mais as pernas. Eu não sabia até onde ele iria, mas estava aceitando tudo que ele queria me dar.

Jae segurou meus pés delicadamente e os levantou até que ficassem apoiados na beirada da mesa, eu estava praticamente exposta para ele e minha intimidade pulsava a cada movimento, provavelmente meu rosto estava corado o que fez o loiro soltar uma risada. Seus dedos tocaram sutilmente a parte interna da minha coxa e foram descendo até que estivesse perto de minha intimidade, ansiava qualquer toque ali. Ele afastou a calcinha rendada que eu usava e soltou fazendo a mesma bater em minha intimidade me causando uma sensação deliciosa, gemi manhosa e ele riu afastando a calcinha novamente, mas dessa vez ele deslizou a ponta do indicador pela minha intimidade me fazendo arfar em surpresa.

 

— Jae... — Gemi manhosa.

 

— Já está molhada, Princesa? Ah, Hee... Você é uma boa garota... — Dito isso ele passou a estimular meu clitóris, joguei a cabeça para trás e gemi alto com o contato gostoso. — Isso, geme pra mim.

 

— JAE! — Gemi alto quando seu dedo me penetrou, era uma sensação deliciosa, não se comparava quando eu fazia esse ato. Rebolei contra seu dedo e em troca recebi uma "estocada" funda me fazendo perder o ar, eu nunca havia deixado ninguém me tocar desse jeito e a sensação de ter Youngjae o fazendo era incrível. Ele estava quase penetrando um segundo dedo quando retirou e se afastou um pouco, resmunguei insatisfeita e abri os olhos, Jae me olhava um pouco assustado. — Por que parou?

 

— Hee... Você é virgem.

Bingo!

 

— E daí?

 

— Eu quase esqueci... Hee, eu iria tirar sua virgindade com o dedo. — Me repreendeu.

 

— E daí? Não é como se eu nunca tivesse sentido dedos antes dentro de mim. — Youngjae quase rosnou, desceu minhas pernas e segurou meu braço para logo me puxar pela cozinha, ele estava irritado e eu não sabia o que fazer, o volume em sua calça era muito visível e eu só queria senti-lo, mas sei que ele não faria nada desse porte, principalmente agora que eu o irritei. Ele me levou — Lê-se arrastou — até a sala e sentou-se no sofá para em seguida me puxar para deitar de bruços em seu colo. Arregalei os olhos e arfei surpresa com o ato, sabia o que ele iria fazer e isso me deixava ansiosa.

 

— Você foi uma garota má, Hee Young. — Sua voz saiu um tanto rouca e aquilo me fez pulsar. 

 

— Mianhae — Pedi baixinho.

 

— Não peça desculpas... Você sabe o que garotas más merecem? — Oh! Ele queria agir como Daddy Kink? Não acredito... Ahh, mas eu iria entrar na dele, e como ia.

 

— Não, Daddy. — Senti um aperto forte em minha coxa esquerda e suspirei.

 

— Garotas más merecem ser punidas. — E com isso veio o primeiro tapa.

 

— AH! — Gemi alto pela surpresa e pela sensação gostosa.

 

— Quero que conte. —  Logo veio mais uma me fazendo empinar a bunda para si.

 

— D-Duas... — Youngjae acariciou o local estapeado e logo em seguida veio a terceira.

 

Quarta.

Quinta.

Sexta...

 

 

Vigésima quinta.

 

Foram vinte e cinco tapas, ele havia me mandado contar cada uma, minha calcinha estava muito molhada e o líquido já pingava aos poucos. Eu sou muito sensível na bunda e qualquer coisinha já fico excitada, os tapas só o fizeram descobrir um dos meus pontos fracos. Ele me deitou no sofá e retirou minha calcinha, seus olhos brilharam ao ver minha intimidade daquele jeito, Jae passou a língua entre os lábios como um lobo faminto e isso me fez arfar.

 

— Ah, Hee... Eu queria tanto foder você agora só de raiva. — Gemi manhosa. — Isso, você iria gemer desse jeito e muito mais, faria você gritar até ficar sem voz.

 

— Jae... Faça... — Pedi implorando, precisava ter meu orgasmo e sabia que só seria gostoso se fosse com ele.

 

— Não posso, meu amor. Não agora... — Ele se aproximou e selou meus lábios delicadamente. — Quero que seja especial quando eu fizer de você minha. Mas por enquanto... — Ele abaixou a calça moletom que usava e vi seu membro saltar me fazendo arregalar os olhos. Minha nossa! Youngjae era dono de um grande pacote e isso me fez pensar se aquela coisa caberia dentro de mim. Ele se posicionou entre minhas pernas e deslizou seu membro melado com o pré-gozo entre meus lábios vaginais, mordi o lábio e segurei em seus braços. Ele passou a simular estocadas e aquilo era bom, seu falo deslizava entre os lábios de minha intimidade e roçava em meu clitóris, passei a gemer manhosa pela sensação deliciosa e rebolei em baixo do mais velho ouvindo um gemido rouco de si.

O empurrei no sofá e fui pra cima dele, segurei seu membro e apertei o fazendo gemer, deixei que a glande do seu membro encostasse em minha entrada e rapidamente Jae segurou minha cintura para que eu parasse, mordi seu lábio inferior um tanto forte e passei a esfregar minha intimidade no falo totalmente duro, queria senti-lo, mas sabia que Youngjae não permitiria. Ajeitei seu membro para que a glande encostasse perto de seu umbigo e sentei na base onde passei a ondular o corpo nos permitindo sentir espasmos, eu sabia que estava perto de gozar e com isso passei a "cavalgar" fazendo Jae urrar pela força com que eu sentava na base de seu membro deitado, ele agarrou minha bunda e a estapeou novamente.

 

— JAE! — Gritei em deleite. Apoiei minhas mãos em seu peitoral e passei a me esfregar mais, sentia a pulsação do membro do mais velho e isso estava me deixando louca, continuei com o vai e volta enquanto recebia os tapas deliciosos do loiro, senti espasmos mais intensos em meu corpo e com um grito acabei por me desmanchar, estava fraca mas não podia parar ainda, não até ele gozar. Mesmo cansada continuei me esfregando nele, agora um pouco mais melada que antes e ergui o quadril, seu membro levantou-se e novamente provoquei sua glande forçando-a um pouco na minha entrada, segurei seu membro e rebolei ali, deslizando a glande pelo meu clitóris sensível mais uma vez e quando brinquei novamente com a minha entrada vi Jae arquear as costas e senti um jato quente em contato com a entrada da minha intimidade, fechei os olhos ao sentir o quão quente ele estava e aproveitei deixei-o me melar. 

Queria muito mais e aquilo e iria ter! 

 

— Hee... — Ambos tentavam controlar a respiração, deitei sobre ele e chupei seu lábio inferior. — Você é uma delicia, Hee Young...

 

— Eu sou, titio? — Sorri sapeca. — Awn titio, você vai adorar me comer.

 

— Não me provoque, Hee Young, ou eu vou acabar fodendo você agora mesmo.

 

— Não me faça provocá-lo, titio. — Soltei um riso e beijei-lhe os lábios com vontade, não estava ligando para mais nada, muito menos se o sofá estava sujo de sêmen. Estávamos tão imersos com o beijo que acabei dando um pulo no membro desacordado de Jae o fazendo gemer baixo quando escutei o interfone tocar sem parar. Youngjae levantou e se arrumou rapidamente, eu apenas escondi a calcinha e limpei o sofá.

 

— Aish! — Ele se afastou e foi olhar quem era. Permaneci em pé e ajeitei meus cabelos e a camisa que vestia enquanto respirei fundo. Ouvir Youngjae falar algo mas minha cabeça ainda estava meio tonta por causa do recém-orgasmo.

 

— Oi meus bebês. — Olho para a porta de entrada e vejo Bambam e Yugyeom entrando.

 

— Eita o que aconteceu com vocês? – Bambam fala passando a mão no pescoço. Eu rapidamente coloquei a mão no local tentando tampar seja lá o que tem nele. 

 

— O que? — Perguntei nervosa e ele passou a rir junto com o Yugyeom.

 

— Tem uma marca vermelha em seu pescoço. — Arregalei os olhos e isso só fez os meninos rirem mais.

 

— Desculpa, Hee. — Dessa vez fora Yugyeom que se pronunciou. — Se o Hyung atendesse o telefone não teríamos atrapalhado o sexo de vocês. 

 

— Não estávamos fazendo isso. — Youngjae e eu falamos em uníssono.

 

— Hee... — Yugyeom olhou para minhas coxas e eu estranhei, segui seu olhar e arregalei os olhos, Youngjae olhou para o mesmo local e empalideceu, saí correndo para meu quarto e assim que entrei fui direto para o banheiro, não havia notado mas estava melada ainda com o sêmen de Youngjae que escorreu. Me limpei adequadamente e vesti uma calcinha junto com um short para finalmente poder descer com o rosto mais vermelho que um tomate.

 

 

— Só tenho pena da penela.

 

— Panela? — Me virei e vi que a água estava secando. — MEU DEUS, A PANELA. — Corri até a cozinha e apaguei o fogo logo colocando a panela na pia.

 

— Wow! O Negócio estava Hot aqui. – Yug falou balançando a camisa como se estivesse suando fazendo Bambam rir e concordar.

 

— Very Hot. 

— Vocês são idiotas! — Passei por eles ainda escondendo meu pescoço e totalmente vermelha. Meu Deus, ah, mas eu mato o Youngjae.

 

Subi as escadas novamente e Jae segurou meu braço levemente me fazendo parar. — Mais tarde ficaremos sozinhos. Eu prometo. — Ele me deu um selinho e me soltou voltando para a cozinha.  Fiquei ali parada o olhando igual uma idiota.

O que está acontecendo? Um dia ele me evita gritando para o mundo que ele é meu tio e nada além disso, agora parece que somos um casal muito feliz de namorados? Eu vou ficar maluca...

Corri para o meu quarto e fui até o espelho ao lado do guarda-roupa, olhei meu pescoço com pequenas manchas vermelhas quase sumindo e acabei por soltar um suspiro. 

 

— O que ele está fazendo? — Me jogo na cama e fico um tempo olhando o teto branco do cômodo, não sei como vai ser daqui 'pra frente, não quero me acostumar com essa atitudes dele e tudo desabar novamente. Conheço Youngjae e por mais que ele ame ou goste de algo ou alguém, o medo o domina e ele desiste, já o vi desistir de tantas coisas por medo... Tudo bem que algumas coisas ele enfrentou e correu atrás, mas essa situação é totalmente diferente. Somos insanos demais, isso é algo que nunca vai dar certo.

 

É errado. 

 

— Pare de pensar, Hee Young. Aproveite... — Peguei meu celular para ver as horas e vi que havia recebido diversas mensagens da Sunhi e Hyunki, não li nenhuma, sabia que eles iriam me xingar de qualquer forma, apenas liguei para Sunhi primeiro.

 

— Você quer me matar do coração? — Ela falou — berrou — assim que atendeu. — Onde você está?

 

— Calma, Omma. Eu estou bem, estou em casa. — Falei me deitando na cama novamente. 

 

— Ainda faz piada. O que deu em você ontem? Saiu correndo e o Youngjae ficou atrás de você igual um louco. — Soltei um suspiro e fitei um ponto qualquer do quarto.

 

— Não foi nada, eu só estava bêbada... Sabe como eu fico quando bebo descontroladamente. — Eu não quero contar á ela o que houve porque eu conheço a Sunhi e sei que ela faria um escândalo desnecessário com o Jae por isso. Virei a cabeça quando ouvi a porta se abrir e ao olhar na direção vejo Youngjae entrando no quarto e deitar na cama do meu lado logo me puxando para perto dele. — Cadê os meninos? — Indaguei baixo para ele que deitou a cabeça no meu braço.

 

— Foram embora. — Ele beijou meu rosto e mordeu minha orelha levemente. — Estamos sozinhos... — Acabei por fechar meus olhos sentindo os arrepios que ele me provoca e esquecendo Sunhi do outro lado da linha até a ouvir gritar. 

 

— HEE YOUNG, QUEM É ESSE? VOCÊ ESTÁ COM ALGUM HOMEM NA SUA CASA? SE O YOUNGJAE VER ISSO, ELE VAI TE MAT-

 

— E o Youngjae, Sun... — Falei cortando a gritaria dela.

 

— O QUE EU PERDI? AMANHÃ EU ESTOU INDO AÍ. —  Ouvi Jaebum mandando ela parar de gritar e acabei soltando uma risada baixa. 

 

— Tá bom, afobada. 

 

— Eu não sou afoba... — Jaebum a cortou falando ao fundo um “você é sim”, me fazendo rir ainda mais. — Você cala a boca, garoto. Minha vida, amanhã cedo estou aí ok? Te amo.

 

— Te amo. — Desliguei o celular e logo senti Youngjae me puxar pra mais perto, me virei de frente para ele e ficamos nos olhando. Passo meus dedos pelo seu rosto enquanto o admiro, ele é tão lindo... Eu não acredito que tudo que eu sempre quis aconteceu assim, de repente, senti tanta falta dele comigo, eu sentir tanta vontade de ter ele assim comigo e agora eu tenho. — O que te fez mudar de ideia? — Perguntei ainda passando os dedos em seu rosto delicadamente vendo-o fechar os olhos e apreciar o carinho. Ele franziu a testa e pareceu pensar um pouco.

 

— Só desisti de lutar contra o que eu sempre quis na vida. — Senti seus lábios se chocarem com os meus e fechei os olhos apreciando, ele parecia não querer pensar muito nisso, e é algo que eu também não quero. Tenho medo que ele desista e se isso acontece eu vou ser destruída. Parei de pensar em tudo isso quando ele aprofundou o beijo e apertou meu corpo contra o seu., ainda nos beijando, ele me virou na cama ficando por cima do meu corpo, sua mão passava pela minha coxa esquerda me causando um certo calor. O beijo foi se tornando mais intenso, naquele momento eu só sentia seus lábios e suas mãos pelo meu corpo, não pensava no que iria acontecer daqui pra frente, não pensava que isso era errado. Só que nesse momento ele era meu.

 

Suas mãos foram até a minha cintura levantando minha blusa, eu estava sem sutiã então não demorou muito para logo eu sentir suas mãos em meus seios os apertando de leve, soltei um gemido abafado por conta do beijo e suspirei quando ele se afastou. Nossa respiração estava ofegante, ele foi descendo enquanto distribuía beijos por meu pescoço enquanto sua mão apertava meus seios me fazendo gemer manhosa, minha intimidade já pulsava loucamente, meu corpo já estava entrando em combustão.

 

— Youngjae... — Disse baixinho, ele levanta toda minha blusa e sem aviso prévio abocanha meu seio direito dando sucções fortes me fazendo agarrar seus cabelos loiros e soltar um gemido, ele abandonou meu seio só para passar a língua e fazer o mesmo com o esquerdo deixando várias marcas vermelhas, ele chupava com vontade e tenho certeza que essas marcas logo se encontrariam roxas. 

Puta merda isso é tão bom que se ele continuar sinto que vou chega logo no meu limite...

Abri minhas pernas e ele aproveitou para pressionar seu corpo contra o meu, me fazendo sentir sua ereção igualmente há minutos atrás, soltou meu seio e logo voltou a me beijar, dando mordidas meu lábio e alguns chupões. Ele passou a ondular o corpo e simular estocadas fazendo sua ereção bater contra minha intimidade com força e causando uma fricção deliciosa, eu já sentia minha intimidade molhada e descontava todo prazer com puxões em seus cabelos.

É isso mesmo? Estamos fazendo sexo com roupas? Porque eu sinto que posso gozar a qualquer momento, eu nunca tinha deixado ninguém chega a esse ponto, nem JooHyuk que namorei por dois anos... Agora com Youngjae eu faria qualquer coisa desde que seja com ele. Ele continuou com os movimentos agora me olhando nos olhos, sua mão desceu pela minha barriga até chega na barra do meu short, quando ele iria adentrar a mão ouço meu celular tocando do meu lado sem parar, ele olhou para a tela do meu celular e bufou irritado. Ele soltou um suspiro e sem me olhar se senta na cama ainda olhando para o meu celular tocando. – Meu Irmão... — Rapidamente me sentei na cama ajeitando minha blusa, peguei meu celular e atendi.

 

— Appa! – Olho para Youngjae que passa a mão no cabelo e se levanta indo até a janela, não havia notado mas já estava escurecendo e aquilo me fez pensar no quanto dormimos.

 

— Onde estava que não atendeu esse celular o dia inteiro? — Ele perguntou visivelmente preocupado e eu acabei sorrindo com isso.

 

— Me desculpe, eu estava dormindo. — Não era uma mentira por completo, eu realmente dormi bastante, não gosto de mentir para ele, mas não é como eu pudesse dizer que estava quase fazendo sexo com o irmão dele agora mesmo na minha cama.

 

 Não durma o dia inteiro, sua mãe e eu voltaremos na Sexta, já que Segunda você começa as aulas faculdade. — Se explicou. —  Cadê seu tio? Ele ta cuidando de você? – Ouvi minha mãe reclamar com ele no fundo mandando desligar e me deixar em paz, isso me fez soltar uma risada baixinha e responder um "Claro que está". – Certo, vou desligar, vamos sair para jantar agora, sua mãe disse que te ama, te amamos filha.

 

— Tudo bem, aproveitem... Também amo vocês. — Desliguei o telefone e continuei sentada olhando para a silhueta parada e séria de Youngjae.

Não adianta tentar ignorar, a realidade sempre aparece.

 

— Youngjae... Eu...

 

— Não fala nada. — Ele permaneceu de costas e meu coração se apertou, ele iria desistir. — Não fala nada, Hee Young, ou eu vou acabar me arrependendo.

 

— O q-que? — Gaguejei um pouco, não havia entendido. Jae virou para mim e veio até a cama, subiu na mesma e caminhou até mim com os joelhos e mãos apoiados no móvel fofo, ofeguei quando ele segurou minha cintura e não tive tempo de fazer mais nada, apenas desfrutar do beijo doce que ele me deu.

Seus lábios macios me deixavam inerte, Youngjae me beijava com delicadeza enquanto meu coração batia freneticamente, meu corpo todo pedia por ele e obedecia aos seus comandos, fui deitando na cama conforme ele se deitava por cima de mim e o deixei entre minhas pernas, deslizei minhas mãos até suas costas e acariciei cada pedacinho, sentindo a pele lisa se arrepiar com meus toques.

 

— Jae... — Gemi baixo quando ele largou meus lábios e deu um chupão suave em meu pescoço, senti minha cintura ser apertada com um pouco mais de força e forçada contra sua pélvis me fazendo arfar e me esfregar no quadril alheio em busca de contato.

 

— Você será minha, Hee Young.

 

— Eu sou sua! — Afirmei olhando em seus olhos e recebendo em troca um sorriso lindo que me fez perder o ar. Jae subiu as mãos pelo meu corpo e retirou minha blusa deixando meus seios expostos, ele os olhava um tanto hipnotizado...? Logo sua boca agarrou o esquerdo me fazendo fechar os olhos e agarrar em seus cabelos, meus seios já estavam um pouco roxos por causa dos chupões anteriores e com os de agora ficariam piores.

Deixei que fizesse seu trabalho enquanto eu me deliciava com seus toques e sua língua que me deixavam arrepiada e molhada, ele desceu os beijos e acabei contraindo a barriga ao sentir leves cócegas com o contato, minha respiração se tornou mais ofegante quando ele desceu meu short junto com a peça íntima, eu estava ansiosa e meu coração batia rápido, abri as pernas e deixei que ele visse o que me causava com poucas coisas, o vi passar a língua entre os lábios e logo arqueei as costas deixando um gemido alto escapar quando senti sua boca ali, era uma sensação indescritível, sua língua mexia vagarosamente explorando cada pedacinho da minha intimidade, algumas vezes ele sugava forte os lábios maiores e soltava fazendo alguns barulhinhos ecoarem pelo quarto, me remexi em busca de mais contato e acabei levando um tapa na coxa direita, sorri com isso e me remexi ainda mais sendo punida novamente.

Ele desceu os beijos para minhas coxas onde fez questão de marcar cada parte me fazendo arrepiar cada vez mais. — Jae... Eu quero você.

 

— Calma, Princesa... — Ele soltou uma risada soprada ao se por rente a minha intimidade me fazendo estremecer. — Você tem um gosto tão bom, Hee.

 

— JAE! — Gritei quando ele enfiou a língua dentro da minha entrada me fazendo agarrar seus cabelos com força, eu pulsava cada vez mais e sabia que ele estava sentindo, revirei os olhos em deleite e me deixei cair na cama enquanto desfrutava da sensação maravilhosa que era ter a boca de Youngjae entre minhas pernas, ele sugou demoradamente e soltou me fazendo estremecer ainda mais, levantou-se e com isso soltei um resmungo, queria mais daquela boca. Eu precisava.

 

— Vem aqui, meu amor. — Ele retirou a calça moletom e eu mordi o lábio inferior com força, já sabia o que ele queria. Com muito esforço saí da cama, minhas pernas estavam bambas pela recém-chupada que infelizmente não havia me feito ter um orgasmo por interrupção do outro, ajoelhei em frente a Jae e segurei seu falo quente e pingando pré-gozo. — Seja boazinha e chupe.

 

— Sim, Daddy. — Ele mordeu o lábio com força e eu sorri internamente, iniciei uma masturbação lenta em seu falo sentindo-o pulsar, pus a língua para fora e a deslizei pela cabeça sentindo o gosto amargo e bom do líquido de Youngjae, ouvi ele suspirar e sorri.

Youngjae gemeu alto quando teve sua extensão completamente engolida, senti meus cabelos serem agarrados e engasguei quando ele estocou a primeira vez, relaxei mais a garganta enquanto algumas lágrimas caíam, deslizei a língua por toda a base e retirei da boca deixando apenas a cabeça, suguei aquela parte com força fazendo-o puxar meu cabelo. Novamente acolhi toda sua extensão dentro da boca e comecei a fazer um vai e vem, o loiro jogou a cabeça para trás e senti suas veias ficarem mais grossas, ele iria gozar.

Continuei chupando e Youngjae puxou meus cabelos para me afastar de si, deixei que fizesse mas continuei segurando seu falo, voltei a masturba-lo um pouco mais rápido e abri um grande sorriso.

 

— Hee, não... — Ele tentou me afastar mas apertei seu falo o fazendo fraquejar um pouco e continuei com o que fazia até que senti jatos fortes baterem em seu lábio inferior, queixo e seios. Youngjae gozou bastante, mas ainda assim continuou duro, lambi meu lábio inferior e me deliciei com seu gosto um pouco amargo. Ele me olhou e soltou um suspiro. — Você fica tão linda melada com a minha porra...

— Fico, Daddy? — Ele acenou positivamente e me levantou com cuidado. Youngjae me deitou na cama e subiu em cima de mim, abri as pernas deixando que ele se encaixasse entre elas, senti sua glande deslizar entre os meus lábios vaginais e suspirei, estava com medo e ele notou isso.

— Está tudo bem... Se não quiser é só p-

— Eu quero... — O interrompi. — É o que eu mais quero, Jae.

Ele sorriu e eu sorri junto, sua mão tocou meu rosto e ele acariciou ali, estava aproveitando sua carícia quando gritei ao sentir me invadir sem aviso.

 

 

— YOUNGJAE!


Notas Finais


~Desviando das pedras~

Esperamos que tenham gostado do capítulo e não nos matem, haha.
Não iria ter essa sena final, maaaas, a @JungNara quis colocar, batam nela G.G
Perdoem os erros e até a próxima, bye <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...