1. Spirit Fanfics >
  2. Eu preciso de você >
  3. Guerra de hormônios

História Eu preciso de você - Capítulo 22


Escrita por:


Notas do Autor


Hola amigos, como estão? Adorei o título desse capítulo, mas no fim das contas não posso dizer que realmente foi uma guerra ou foi como a letra de War of Hormones, porém é o que acabou ficando melhor aqui. Logo voltam as aulas e tudo, mas vamos de fanfic e músiquinhas:
- 3 nights | Dominic Fike;
- Wblby | Adam Turley;
- Flying | Cody Fry.

Capítulo 22 - Guerra de hormônios


    Enfim sexta, pleno dia de comprar as alianças de namoro, mas mesmo assim ainda era dia de trabalho pro meu mochi. Acabei despertando com ele acordando, chegou a ser engraçado já que eu dei um pulo da cama e consequentemente fiz Chimmy pular também. Tomamos um café da manhã básico e Jimin voltou para sua própria casa, tinha que tomar banho e se arrumar para trabalhar, nem quero pensar em ter que voltar a essa rotina de novo. Ele se despediu de mim me deixando um selar doce de nossos lábios, eu me sentia aquelas mulheres que beijam o marido quando ele está indo trabalhar e vê eles com o carro saindo de casa conforme acena, pra falar a verdade, eu praticamente fiz isso, porém depois dessa troca de afeto eu me joguei de volta na cama pra dormir mais um pouco apesar de já ter ficado um longo tempo de pé. 

    Agora eu teria que achar algo para passar o dia enquanto meu Jimin não volta, tudo bem, eu dou um jeito. Acabei por me lembrar que não cheguei a dar um passeio completo com meu Chim ontem, apenas deixei ele sem coleira dando um rolêzinho ao mesmo tempo em que suas coisas eram trazidas de volta pra casa. Sendo assim, como já tomamos café da manhã, em que Chimchim aproveitou o belo osso que comprei pra ele no PetShop, eu fui pegar sua coleira para passearmos um pouco. 

    E é só sair de casa que já dá merda como de costume. Avistei Seu Romero cuidando daqueles arbustos e roseiras que ficam no seu jardim, estaria tudo bem se ele não resolvesse vir me ameaçar só porque eu estava passeando. Não é porque o Chimmy fez xixi nos arbustos dele uma vez que todo santo dia vai querer ir lá, eu juro que se esse velho fizer alguma coisa com meu cachorro todo o respeito que eu tenho por pessoas mais velhas some pelos minutos em que vou brigar com ele. 

    Acabou que eu passei reto com Chimchim que tentava puxar a coleira para longe de Seu Romero, eu até rodaria a baiana agora, mas não vale a pena discutir com alguém tão ranzinza. Já fazia tempo que eu não via ele por aí, nem Hunter eu vi esses dias, claro que estando na casa da Alice eu não ia ver ele, mas acho que ele deve ter ido pra casa de algum dos amiguinhos dele mais uma vez. É sempre assim, quando Hunter não está dando uma festa em casa está participando da festa de outra pessoa. Eu sei disso porque já fiz companhia para ele anos atrás. 

    Estou muito estressada... Será por TPM? Enfim, pensamentos positivos, hoje vai ser um dia especial com meu namorado, nós vamos no shopping, vamos comprar nossas alianças e, se der tudo certo, quero dormir do lado do meu bolinho mais uma vez.

    [...]

    Depois de um longo tempo passeando com Chimmy eu voltei pra casa exausta, mesmo assim ainda não estava tarde o suficiente para almoçar embora eu já estivesse com fome. Pra passar o tempo eu me sentei no sofá e fiz o que sei fazer de melhor, sim, melhor do que cozinhar; eu fiquei mofando lá com Chim no meu colo enquanto trocava os canais da TV. Estava passando um seriado em um dos canais que costumo assistir, falava sobre uma guerra de anjos e demônios e no meio disso tudo um anjo se apaixonando por um demônio. Ri, chorei, gritei brava com a televisão e depois chorei de novo porque foi muito linda a cena do beijo deles, mas eu só pude ver isso porque simplesmente a hora que eu comecei a ver essa série a TV já estava mostrando o episódio trinta e dois. 

    – Quem é a bolota fofa da mamãe? – fiz uma vozinha mais fina conforme via Chimchim abanar o rabinho pra mim durante o comercial – é você sim! Minha bolota fofa! – de repente comecei a ouvir umas risadas e barulhos do lado de fora da minha casa, mais especificamente na rua de paralelepípedos da vila. 

    Deixei o Chim no sofá e fui até a janela ver o que estava acontecendo, nisso me deparei com os filhos da Marina brincando na rua, Samuel e os gêmeos tinham cada um uma bicicleta e Beatriz vinha logo atrás num patinete rosa todo enfeitado, me perguntei aonde estava Levi, mas ele veio acompanhado da mãe enquanto andava em um triciclo. Às vezes eu paro pra pensar “porque André nunca está junto?”, é aí que eu me lembro que ele tem o trabalho dele e as coisas próprias para fazer também, mas até em feriados e fins de semana ele fica fora de casa na maioria das vezes e deixa minha vizinha sozinha com as crianças. Acabou que eu fiz a coisa mais sensata possível:

    – Quer passear, Chim? – peguei sua coleira pela segunda vez no dia e ele começou a pular desesperado pra sair, lá vou eu ter meu corpo puxado pra sair do portão, porém quero ficar só aqui na rua de paralelepípedos mesmo. Depois disso sai com Chimchim já cumprimentando meus vizinhos, Beatriz inclusive largou seu patinete e veio correndo me abraçar quando me viu.

    Gabriela’s pov off

    Jimin’s pov on: 

    Hoje finalmente seria o dia, tenho que juntar coragem para o que vou fazer depois que sairmos do shopping. Não posso mais ficar escondendo a vontade que eu tenho e sei que Gabriela também tem, se nós dois queremos isso porque não podemos só fazer de uma vez? Nesse momento eu já tinha voltado do meu horário de almoço, a única coisa que eu acho “engraçado” é que Alexandre sempre parece adivinhar o que eu estou pensando. 

    – Ei, Jimin – me chamou e logo eu fui pra perto dele, como de costume o mercado ainda estava vazio – quer conversar? Tem ninguém aqui. 

    – Ah claro, como você está?

    – Eu tô bem... Mas tô achando estranha essa sua cara.

    – Por quê? 

    –Você está com a cabeça erguida, parece determinado, vai fazer algo importante hoje?

    – Hm... – conto ou não conto? Ah, tenho falado mais com ele do que com o Taehyung mesmo... – vou sair com a Gabriela hoje, vai ser meio que nosso segundo encontro.

    – Opa, já marcaram pra onde vão?

    – Vou levar ela no shopping, nós vamos comprar alianças de namoro e... Bom, tô planejando uma coisa pra hoje de noite – vi ele fazer uma cara maliciosa na mesma hora. 

    – Vocês nunca transaram um com o outro, né? Pelo menos a partir do que você me conta eu sei disso. 

    – É, você sabe, era pra ter rolado antes, mas não deu muito certo, então vou ver se hoje depois do shopping dá. 

    – Boa sorte, amigo, estou contigo – pôs a mão em meu ombro. 

    Jimin’s pov off

    Gabriela’s pov on:

    – Quando você e o Jimin vão ter neném? – Beatriz perguntou pra mim conforme andávamos lado a lado pela rua, enquanto isso os meninos apostavam corrida, até Levi estava tentando ir mais rápido pra ganhar, Marina aproveitou que eu saí pra ficar com as crianças e foi ficar com o Chimmy, algo me diz que ela queria ter um cachorro em casa, mas obviamente ia ser muito difícil pra ela e pro André. 

    – Quê? – acabei levando um pequeno susto com sua pergunta – ainda vai demorar um pouco, eu e Jimin estamos juntos faz pouco tempo, Bia. 

    – Ah... Mas vocês se amam muito, né?

    – Muito! – falei animada, no mesmo tom das perguntas que ela me fazia – dá pra perceber? – fingi uma expressão diferente como se fosse para ninguém saber.

    – Bobinha! Todo mundo viu vocês dando beijinho! 

    – Que nem seus papais fazem, é porque se amam muito – eu não vou falar de gente que beija, faz o que quer fazer e depois já larga a pessoa, uma menininha de cinco anos não precisa saber de falso amor. 

    – Eles também me dão beijinho, é porque me amam também, não é?

    – Claro que amam, eles amam muito você e seus maninhos.  

    Nós duas aos poucos trocamos de assunto, entretanto, eu ainda fiquei pensando nisso de “neném”, mas é lógico que não vou ter nenhum filho agora, meu Deus, eu mal comecei a namorar com o Jimin... Como será que ele seria sendo pai? 

    [...] 

    – Puta que pariu que não tem nenhuma roupa que preste nessa merda de armário! – tive que gritar senão eu ia explodir por dentro, mas olhei pra trás e vi Chimmy encolhido – te assustei? Desculpa, Chim... É só que não tem porra nenhuma pra eu vestir aqui! – falei alto de novo por impulso – Desculpa... Eu vou... Eu vou tentar fazer um chá – sai do quarto com a toalha ainda enrolada em volta do corpo e fui até a cozinha, não estava com cabeça para escolher minha roupa agora, além de que estou inchada como um baiacu.

    Estava esquentando a água quando fui olhar no relógio e me toquei que já tinha passado das seis e eu ainda não tinha nem me vestido, acabei largando tudo como estava e subi só pra pegar uma roupa, eu desceria pra desligar o fogão antes de me maquiar e arrumar o cabelo. Bom, nós só vamos no shopping, não tenho que me arrumar tanto como da última vez. Acabei por colocar uma calça jeans preta com uma blusa cinza de pelinhos sintéticos com manga comprida, estava frio hoje e eu acho essa blusa linda. Eu tenho um problema chamado “ter roupas preferidas”, isso faz com que no frio eu quase sempre use essa blusa, já no calor quase sempre estou com minha blusa azul estampada, ela tem uma estrelinha, há quem diga que é feio ou estranho, mas eu acho ela linda. 

    Depois de me vestir coloquei uma daquelas botinhas pequenas; coturno, vi em liquidação essa preta que eu tenho, achei bonita e falei “quero”. Em seguida desci as escadas sendo seguida por Chimchim, desliguei o fogão e já coloquei a água quente numa xícara para tomar meu chá, mas enquanto ele esfriava lá fui eu correr de novo pra poder fazer minha maquiagem. 

    No fim de tudo eu estava super plena sentada no meu sofá tomando chá com as pernas cruzadas como se nada tivesse acontecido. Como já era esperado, ouvi a campainha tocar, será que Jimin também passou por esse desespero todo pra se arrumar? Nem vou comentar do desastre que foi aqui em casa e do monte de base que eu derramei no chão sem querer... É uma história longa resumida em eu apertando o tubinho de base e ela voando até em cima do coitado do Chim. Cumprimentei meu mochi e perguntei se ele não queria tomar chá comigo, ele recusou, mas disse que me fazia companhia até eu terminar, fofo. 

    – Você está muito linda com essa blusa – elogiou um pouco corado, desde que conheço melhor Jimin eu percebo que há momentos em que ele fica super envergonhado, será que se termos nosso namoro de um jeito mais sério ele ainda vai ficar com vergonha do meu lado? Não que eu me importe com isso, na verdade acho fofo, mas queria que ele se sentisse à vontade comigo. 

    – E você está lindo com essa roupa por inteira – sorri pra ele o vendo ruborizar mais enquanto segurava Chimmy nos braços.

    – Aish, que isso, eu nem me comparo a você... Todos os dias você está linda, porque você é linda... Eu devia te lembrar mais vezes disso, vou deixar anotado mentalmente – falou me fazendo rir já no fim de meu chá. 

    Fui levar a xícara vazia para a pia e depois de lavar ela fiz o que faço sempre: verifiquei se a televisão estava ligada e se tinha comida pro Chim; assim então pudemos sair para o shopping afinal.

    Gabriela’s pov off

    Jimin’s pov on:

    Nós dois entramos em meu carro que estava já fora da garagem de minha casa. Pode não ser um carro tão bom como, hm, um tesla 2018, não é, Taehyung? Mas ele funciona muito bem. Eu iria levar ela num shopping que tem por aqui na região, nós podemos comer e passear por lá além de só comprar as alianças, não sei se ela está tão ansiosa como eu, mas espero que dê tudo certo hoje. 

    Quando estávamos andando pela rua, acabamos pegando um pouco de trânsito em plena sexta-feira, acho que como é fim de julho muitas pessoas que estavam de férias agora estão voltando das viagens para casa. 

    – Gente, esse povo não sabe andar não? – Gabriela falou emburrada quando o farol ficou verde e os carros em nossa frente nem se mexeram. 

    – Fica tranquila, não podem ficar aqui parados para sempre. 

    – Tem razão, desculpa – respirou fundo, será que está estressada? Queria que ficasse feliz hoje, talvez eu consiga distrair ela.

    – Então... O que fez hoje?

    – Hm... – pensou por um tempo e logo respondeu – hoje os filhos da Marina saíram pra brincar na vila e eu acabei indo passar um tempo com eles, a Beatriz perguntou quando que nós vamos ter um filho – comentou risonha fazendo eu olhar pra ela, Beatriz disse isso mesmo? Bom, eu quero poder fazer sexo com você e iria adorar construir uma família no futuro, mas acho que um filho agora não daria muito certo, eu não sei cuidar nem de mim quem dirá de um bebê.

    – Ela mal soube que nós namoramos, será que quer um amiguinho?

    – Conhecendo a Beatriz como eu conheço imagino que ela trate nosso filho como uma boneca dela – riu novamente – mas... Você pensa em ter filhos?

    – Claro, eu iria adorar ser pai um dia, principalmente se você fosse a mãe dos meus filhos. 

    – E como imagina seus filhos? Eu queria ter um menino, mas se fosse uma menina eu também iria adorar.   

    – Também queria um menino, na verdade eu queria três meninos.

    – Falam que três é demais, mas eu acho um número perfeito de filhos, acho que se fossem todos meninos tudo bem também – parecia até que sem querer estávamos planejando tudo para o futuro já.

    – Quem escolhe o sexo dos filhos é o pai, nunca se sabe – falei risonho tendo que parar em outro farol vermelho, olhei para Gabriela e vi que não estava mais emburrada, consegui o que queria. 

    [...]

    Nós estávamos na praça de alimentação do shopping cada um comendo um hambúrguer diferente, mas mesmo assim hora ou outra nós pedíamos mais uma mordida do lanche um do outro. O meu era bom, mas o que minha anjinha escolheu também era, não pude evitar, porém me senti menos mal por ela fazer a mesma coisa. 

    – Que aliança acha que vamos levar? – perguntou dando mais uma mordida em seu lanche.

    – Iria gostar se tivesse alguma pedrinha por cima? Acho que ficaria muito lindo na sua mão.

    – Dependendo de qual for também acho, mas você vai ter uma sem nada?

    – Não sei, gosto das mais grossinhas, se quiser eu pego uma com mais detalhes também, nunca me imaginei escolhendo alianças de namoro, estou ansioso pra ver de que tipo que vou gostar. 

    Nós conversamos por mais um tempo e então fomos mudando de assunto, eu me perguntava se deveria comentar sobre nossas alianças terem nossos nomes, na de Gabriela teria meu nome e vice-versa, porém achei minha ideia muito possessiva, mas a culpa não é minha se ouço tantas vezes ela falar sobre o Taehyung.

    – Estou tão preocupada com o tadinho, ele nem me respondia quando eu mandava mensagem.

    – Vocês trocavam mensagens durante a semana inteira? – perguntei sem meu sorriso de antes no rosto.

    – Normalmente sim, desde que o Tae pegou meu número toda noite ele resolvia me mandar mensagem. 

    – Você tem o número dele, mas não tem o meu, eu não uso muito o celular, mas... Vai que precisa de mim, né?

    – Sim, tem razão, eu devia ter pedido pra você antes, mas sempre acabava esquecendo... Ficar com você é bom demais pra lembrar das obrigações – acabei sorrindo com sua fala por impulso enquanto pegávamos nossos celulares para trocarmos nossos números. Depois de quase um mês com minha anjinha eu finalmente tenho o contato dela no celular. 

    Nós terminamos de comer e voltamos a andar pelo shopping, acabei levando minha mão para junto da dela durante isso. Senti ela apertar minha mão enquanto andávamos, nós trocamos olhares e eu comecei a fazer carinho em sua pele com meu polegar. Estávamos olhando as vitrines de algumas lojas aleatórias até que Gabriela falou que precisava ir ao banheiro, mas logo depois disso já veríamos nossas alianças. 

    Quando ela tinha entrado no banheiro fiquei à sua espera do lado de fora, passou-se alguns minutos e um grupo de meninas entrou no banheiro também, mas uma delas acabou voltando praticamente na mesma hora e se escorou na parede ao meu lado me fitando sem o mínimo de vergonha na cara. 

    – Licença – chamou minha atenção – não pude deixar de notar que está usando o casaco da minha marca favorita, ficou muito bom em você.

    – Obrigado – falei curto não querendo dar atenção a ela visto que a mesma estava se aproximando mais de mim. 

    – Na verdade você é muito bonito... Por que está sozinho aqui?

    – Estou esperando minha namorada – saiu de novo, ainda vou demorar pra me acostumar com essas palavras, “minha namorada”, isso é bom de se dizer, quero repetir mais vezes pro mundo todo saber.

    – Sua namorada? – fez uma cara desapontada e depois olhou para minha mão – mas você está sem anel.

    – Eu vim pro shopping justamente comprar nossas alianças. 

    – Jimin – ouvi a voz de Gabriela ao meu lado, finalmente ela voltou – o que está fazendo?

    – Nada – falei o que era verdade, eu nem sabia quem era essa menina na minha frente, ela devia ser adolescente, eu com meus vinte e três anos estou mais do que bem tentando ignorar ela. 

    – Você é a namorada dele?

    – Sim, eu sou, e você, posso saber quem é pra estar falando com meu namorado?

    – Só queria conversar com ele, desculpa se não foi certo – saiu de minha frente indo pro banheiro – que mulher chata, nem é bonita pro nível dele... 

    – Escuta aqui, sua piranha-

    – Gabriela, calma, ela já foi – puxei ela pra perto de mim antes que entrasse no banheiro atrás da menina.

    – Você está defendendo ela? Você nem conhece ela!... Conhece?

    – O quê? Não, essa louca que apareceu aqui do nada, mas não dá satisfação pra ela, vamos embora, nunca mais vamos ver ela mesmo – ouvi ela bufar e andar comigo para longe daquele lugar. Então Gabriela também tem ciúmes de mim? Só não achei que ela fosse ficar tão brava...

    – Jimin... – me chamou e eu pude ver ela com um semblante triste me olhando – acha que eu não sou bonita o suficiente pra você? 

    – Você é linda, meu amor, a garota mais linda que eu já vi em toda a minha vida. E não tem isso de ser bonita o suficiente, eu amo você do jeito que você é e se hoje nós vamos comprar nossas alianças de namoro é porque a beleza não é o principal aqui, nós nos amamos muito e pra mim você é perfeita – vi ela sorrir e de imediato me abraçar, não teria nenhum motivo no mundo que me impedisse de retribuir esse abraço seu.

    – Eu te amo muito – falou ainda agarrada a mim. 

    – Eu também te amo, minha anjinha, muito mesmo – acabei nos separando minimamente de nosso abraço para selar seus lábios em um beijo calmo e apaixonado, estava com saudades de sentir isso e esse era o momento perfeito para ter mais um beijo dela. 

    Quando voltamos a andar já fomos direto para uma loja de alianças que havia no shopping. Ficamos um bom tempo escolhendo, tinham tantas lindas, dava vontade de comprar mais de uma para ficar alternando no dia a dia, mas os preços passavam de trezentos reais, tinha uma dourada nem tão bonita que custava setecentos e sessenta, credo. Me sinto mal de permanecer um tempo pagando o aluguel e as contas de casa com o dinheiro que Taehyung me deu, quero não gastar muito já que meu emprego atual não vai compensar a saída de dinheiro depois.  

    No fim das contas nós dois nos encantamos com um par de alianças diferenciado, eram prateadas com uma linha dourada em cada uma, mas a de minha anjinha possuía uma pedrinha azul por cima e a minha era mais grossa como eu queria. Não foi muito cara, mas de um jeito ou de outro o importante é ver o sorriso largo sobre o rosto da minha namorada. Respira; um, dois, três… É, ainda não me acostumei, me sinto até idiota por isso… 

    Jimin’s pov off

    Gabriela’s pov on:

    Eu estava tão contente com minha aliança, essa pedrinha azul deixou ela muito linda, bem que Jimin falou. Agora nós voltávamos pra casa enquanto eu admirava o anel em minha mão.

    – Está feliz? – perguntou sorridente olhando pra mim já que estávamos em outra porra de farol vermelho.

    – Muito! É tão linda… A sua também! São perfeitas… – subitamente me recordei de momentos da minha vida em que tive as mesmas sensações de agora, com isso senti que meus olhos marejaram. Ah não, odeio quando a minha TPM faz isso, eu simplesmente não controlo quando chorar ou não, se tem uma coisa que eu odeio em ser mulher é isso, Alice tem sorte de não ficar sentimental que nem eu e a Jéssica. 

    – Ei, não chora… – passou sua mão delicadamente sobre minha bochecha por onde já havia uma lágrima – eu também adorei nossas alianças, agora nós somos namorados aos olhos de qualquer um – eu sorria em meio ao meu choro, isso chega a ser cômico mesmo em um momento tão bonito – e sabe… Eu pensei em uma coisa ao longo do fim da noite…

    – No quê? – vi ele voltar a dirigir seguindo os carros em sua frente conforme eu passava os punhos sobre meus olhos.

    – Você… Você nunca me falou sobre seus pais…

    – Hm, verdade… Mas não temos nenhum tipo de conflito ou tragédia não… É só que não nos vemos faz um longo tempo.

    – Eles são ausentes?

    – Na realidade eles eram bem presentes, mas aí eu me mudei para outro estado, no caso o que nós moramos hoje em dia, e eu passei a não vê-los muito, só em datas e feriados especiais. 

    – Entendo… Um dia gostaria de conhecê-los, preciso agradecer a eles por terem criado a garota mais perfeita que eu já vi – falou me fazendo sentir meu rosto se esquentar, provavelmente eu tinha ficado vermelha.

    – Você ainda vai conhecer eles – sorri mesmo que Jimin não pudesse ver agora – mas e os seus pais? Estão lá na Coréia, certo?

    – Sim, ficam em Busan na casa em que eu morava antes. Preciso te levar pra viajar algum dia, eu mesmo já não vejo meus pais há tantos anos… 

    – Sente saudades?

    – Muita… Porém viajar pra lá seria complicado, mal comecei a trabalhar e eu não imagino que esse salário pagaria direto… Só que eu não quero ter que depender dos outros pra isso, sabe? Taehyung já perguntou se eu queria ir com ele fazer uma visita, mas eu falei que não porque seria só o dinheiro dele sendo gasto e não seria justo, eu já usufrui demais da herança dele desde que tivemos a ideia maluca de começar o intercâmbio.  

    – Entendo, mas um dia nós vamos viajar juntos para Busan e você vai encontrar seus pais, amigos e todos seus conhecidos – pude ver um sorriso sobre seu rosto e então percebi naquele momento que ele também chorava silencioso como eu, então tentei mudar de assunto – então… Você disse que o Tae vive da herança dele, né?

    – Sim, os pais dele sofreram um acidente… O dinheiro acabou indo pra ele e pro meio-irmão dele, o Seokjin. Na verdade o dinheiro devia ter ido todo pro Jin, mas ele sempre foi um irmão bonzinho e deu boa parte pro Taehyung. 

    – Por que não iam dar o dinheiro pro próprio filho?

    – É uma longa história. Quando vivos os pais dele sempre enalteceram o trabalho duro até o limite, por culpa do jeito como Tae agia o consideravam muito vagabundo e folgado… O pai dele sempre ficava repetindo que o Jin já até tinha um emprego enquanto Taehyung ficava às custas dos pais, então resolveu por ele numa escola pública pra não ter que gastar dinheiro com ele… Foi lá que eu conheci o Tae.

    – Que coisa… O pai dele foi muito cruel… Mas pelo menos assim vocês se tornaram grandes amigos, não foi?

    – Sim… Grandes amigos… – Jimin parecia chateado ainda…

    – Me desculpe ter entrado nesse assunto, eu-

    – Não se preocupe, anjinha… Já pensou em como o mundo seria tedioso se vivêssemos apenas de momentos alegres? A tristeza antecede a felicidade

    – Hm… Acho que a vida não faria muito sentido mesmo… Nós vivemos para superar nossos obstáculos e erros.

    – Exatamente… Bom, nós já chegamos.  

    Gabriela’s pov off

    Jimin’s pov on:

    É agora, tudo ou nada, chance perfeita… Acho que não vou me perdoar se eu estragar tudo, até me lembro de umas dicas que Alex me deu para poder entrar no clima… Espero que minha anjinha esteja disposta a se converter a mim hoje. 

    Nós estávamos em minha casa, viemos pra cá para que eu guardasse meu carro na garagem logo que chegássemos na vila. Sobre o jardim de minha casa, já em frente à porta, destaquei que minha noite só foi boa pela companhia de Gabriela e também a elogiei novamente, e realmente, eu tinha achado que aquela combinação por inteira tinha ficado linda nela. 

    Beijei seus lábios gentilmente, dando início a mais um selinho em seguida e então começando um beijo profundo e mais intenso. Sua língua tocava a minha de um jeito maravilhoso, eu queria poder explorar toda sua boca por mais um tempo, mas nos separamos minimamentes para que eu abrisse a porta para nós dois. 

    Agora dentro de minha casa pude fechar a porta e prender Gabriela contra ela, imaginei que ela fosse dizer algo, mas estava apenas seguindo o que eu comecei. Voltei a beijar seus lábios e aos poucos fui descendo minha boca sobre sua pele inalando seu perfume delicioso em seu pescoço, cujo recebeu selares demorados. Quis começar a chupar ele, mas minhas inseguranças passaram a aparecer e eu já senti meu rosto corar imediatamente, talvez essa não fosse a hora certa mesmo, eu nunca tive a coragem que dizia.

    – J-jiminnie… 

    Eu ia me afastar, porém ouvir a voz de Gabriela chamando meu nome por um apelido cujo ela nunca tinha dito antes me chamou atenção, além de que de certa forma o jeito manhoso como ela falou me deu impulso para continuar. Minhas mãos desceram para a bunda dela conforme as suas passavam pelas minhas costas, apertei ela por cima da calça enquanto agora finalmente tinha coragem para chupar seu pescoço, cheguei a ouvir ela arfar perto de minha orelha.

    Aos poucos pude ter meu pênis levemente ereto, tentei juntar nossos quadris querendo sentir mais do corpo dela junto ao meu, eu finalmente tive coragem de investir, não queria parar agora. Ela mexeu seu corpo no mesmo ritmo do meu, eu sabia que ela também queria esse prazer que eu buscava, consegui lhe arrancar um gemido em meio a isso que arrepiou meu corpo só por ouvir.

    – Jimin, não… – ela tentou me afastar de si, eu tinha feito alguma coisa errada? – e-eu preciso ir… Amanhã nos falamos – disse depressa ajeitando sua roupa no corpo e sem que eu pudesse me despedir ela saiu com seu rosto totalmente vermelho da minha casa fechando a porta.

    Abri a porta de novo sem me importar se passaria alguém lá fora e veria meu estado, com certeza ignorariam minha ereção para focar a visão em meu rosto tão ruborizado a ponto de parecer que estou com falta de ar… Acho que eu tive um pouco, na verdade. Olhei para Gabriela vendo ela entrar rapidamente em sua casa, droga, eu estraguei tudo… Eu sempre estrago tudo, eu não sei como posso ser tão inútil assim. 

    Jimin’s pov off

    Gabriela’s pov on:

    Tarde da noite, mesmo depois de eu já ter tomado banho horas atrás, agora eu me encontrava mais uma vez por debaixo do chuveiro. Sair correndo da casa de Jimin foi realmente algo que eu não queria, ainda mais não me despedindo direito e tendo meu rosto tão vermelho, sendo que grande parte do calor que eu sentia não era por vergonha. Ver ele tomar a iniciativa foi algo que eu gostei muito, pois tinha minhas preocupações sobre ele não querer transar comigo, eu acabei me entregando a ele, quis aproveitar alguns minutos da excitação que estava começando a sentir nesse momento pelo qual eu esperei, mas não posso transar com ele estando menstruada… Só não sei como contar pra ele que eu apenas fugi por isso, nem sei como olhar na cara dele amanhã.

    Mas tinha algo que rodava em minha mente nesse fim de noite: a imensa vontade que eu estava de fazer sexo com o Jimin. Me lembro de ouvir a Jéssica comentando que durante a menstruação o libido aumenta, mas não acho que seja só por isso. Os beijos dele em meu pescoço e seus apertos sobre minha bunda, poder arranhar as costas dele e ainda sentir sua ereção roçando sobre minha coxa bem pertinho da minha vagina tornaram minha calcinha úmida rapidamente.

    Eu tive que deixar Chimmy fora do banheiro, não quero meu filho tendo que presenciar isso por mais que ele deva estar pensando em raspar suas patinhas contra a porta para chamar minha atenção. Agora, querendo ou não, seria um momento meu, por mais que eu quisesse muito a presença de Jimin junto a mim.

    Sentada sobre o chão gélido do box levei minha mão até minha boca, dois dedos de uma vez passaram sobre meus lábios logo tocando minha língua. Chupei meus dígitos molhando-os com minha saliva, quem me dera ser o pau de Jimin sobre minha boca… Desci meus dedos para minha intimidade, podendo assim tocar meu clitóris e então comecei a rodeá-lo com facilidade por deixá-lo bem escorregadio.

    Suspirei escorada sobre a parede do banheiro, fechei meus olhos por uns instantes enquanto me masturbava e com o tempo parei meus movimentos circulares para tocar a entrada de minha vagina. Penetrei meus dois dedos de uma vez soltando um arfar um tanto quanto alto, sempre me perguntei em que momento da vida acabei me acostumando a ter dois dedos dentro de mim, só sei que aos poucos percebi que com um dedo só já não sentia mais prazer.

    Comecei a fazer movimentos de vaivém em meu interior deixando alguns gemidos escaparem de minha boca e aquela sensação gostosa se tornar mais forte em meu ventre. FIquei a repetir os mesmos movimentos mexendo meu quadril ao mesmo tempo para que fossem mais intensos e quando senti que meu orgasmo estava próximo parei tudo o que fazia, respirei fundo por breves segundos e então peguei o chuveirinho que havia no box, assim podendo direcioná-lo para a minha vulva e assim sentir a pressão dos jatos de água me transmitir novamente o prazer que eu cessei. Todos os meus estímulos se tornavam ainda mais excitantes conforme eu pensava em Jimin sem roupas para mim, me tocando e me desejando assim como eu pretendo fazer com ele, minha atração por ele só se tornava mais intensa a cada dia. 

    Usei minha mão livre para separar os lábios de minha vagina e assim ter a água jorrando por cima de meu clitóris, o que com pouco tempo fez eu ter um espasmo. As paredes de meu interior começaram a se contrair e um arrepio percorreu meu corpo, gemi alto e arrastado enquanto sentia minhas pernas fraquejarem e assim tive meu ápice. Meu peito subia e descia conforme minha boca se mantinha entreaberta, gozar era realmente uma sensação maravilhosa, já fazia semanas que eu não me masturbava. Parece que sempre que eu paro por muito tempo na hora em que eu volto eu sinto ainda mais prazer quando gozo.


Notas Finais


Am I wrong?
Fallin in love with you?
Tell me, am I wrong?
While your other man was out there
Cheatin' and lyin', steppin' all over you
[...]
Are you ready for this? (Am I wrong?)
Are you ready for this? (Am I wrong?)
Are you ready for this?
No, I'm not

- Am I wrong | BTS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...