História Eu quero ser seu anjo ❤ - Capítulo 83


Escrita por: ~

Postado
Categorias Henrique & Juliano, Luan Santana
Personagens Henrique, Juliano, Personagens Originais
Visualizações 473
Palavras 1.815
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Mistério, Musical (Songfic), Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu não ia postar mais hoje, mas como vocês me encheram de comentários no capítulo anterior e eu fique mega feliz, resolvi e postar ♥♥♥
Todo sofrimento é necessário 🙊🙈

Capítulo 83 - Acordo de paz?


Fanfic / Fanfiction Eu quero ser seu anjo ❤ - Capítulo 83 - Acordo de paz?

Meu soluço foi alto e agora eu chorava feito uma criança. Chorava de dor, era o que eu sentia, infelizmente não era tomando um remédio que iria parar.

EU PERDI A MULHER DA MINHA VIDA!- meu subconsciente gritava.

—Mohana, pelo amor de Deus... Onde está Analu?

—Ela não sabe!- Juliano disse com uma cara triste, sei que ele está se sentindo culpado como eu...

—Eu preciso encontrá-la!- falei saindo, entrei no carro e dei partida.


POV ANALU

Uma semana depois...

Mais um dia, eu estava acabada! Febre, falta de ar, sono excessivo, tonturas... Era algo na qual eu já estava me acostumando. Não tive muito contato com a Mohana, tive medo de ligar e estragar tudo, afinal Henrique poderia ouvi-la, até mesmo o Juliano e isso complicaria o meu lado. Ela me ligou uma única vez dizendo que Henrique estava procurando por mim, mas não explicou bem o motivo pois teve que desligar a ligação. Luan também manteve contato comigo, mas tem dois dias que ele não me liga e eu entendo que ele tem uma carreira para zelar, não pode ficar ar 24h comigo. Ele até chegou a me convidar para viajar com ele, mas não aceitei, primeiro por respeito a namorada dele e segundo porque todos saberiam onde eu estava.

Me levantei da cama e fui até o banheiro, eu passava o bom tempo que eu tinha dormindo, me sentia muito fraca mas, acreditei ser por ficar trancada numa casa sem poder sair, era tedioso... Tomei um banho e fui até a sala, minha mãe não estava, ela havia ido comprar as passagens. Em menos de uma semana, eu iria embora de vez e isso me doía tanto, não é fácil largar sua única amiga e o homem que você ama para trás e seguir seu caminho, ainda bem que minha mãe enfrentaria tudo comigo.

Mohana havia deixado um caderno aqui, já que eu não tinha nada para fazer, poderia desenhar... Peguei o papel em branco mas, ao invés de desenhar, minhas mãos automaticamente escreveram o nome dele, alguns corações e...

—Droga!!- exclamei sentindo novamente a tontura. Coloquei o caderno ao meu lado sem terminar a frase  e me deitei para ver se passava, me lembrei de Mohana dizendo que eu deveria ir ao hospital, eu deveria ter escutado ela mas, talvez agora seja tarde demais! Senti minha garganta se fechando aos poucos, mais uma crise e dessa vez estava sozinha em casa...


POV Henrique

Desesperado, assim que eu me sentia a cada segundo que passava. Se antes eu já não conseguia dormir, depois daquele dia eu não conseguia pregar os olhos e eu estava disposto a encontrar Analu, nem que para isso eu tivesse que pedir ajuda á única pessoa na qual eu pensei nunca imaginei precisar. Mas por ela é necessário, lembro que ela sempre recorria á ele quando a gente brigava e isso me deixava totalmente com raiva. Ele era a minha única esperança, tinha que saber onde ela estava...


Ligação On

—Alô?- sua voz ecoou do outro lado da linha e por um segundo pensei em desligar. Teria que me esforçar e deixar meu orgulho de lado, iria expor a minha fraqueza mas, eu precisava fazer isso. Pela Analu!

—Luan Santana?- perguntei já sabendo a resposta.

—A que devo á honra da sua digníssima ligação?- debochou.

—Você sabe que eu não ligaria se não fosse urgência...- suspirei.

—Já imagino o que seja!- ele disse num tom sério.

—Você é a única esperança que tenho!- confessei.

—E por quê eu deveria te ajudar?

—Olha Luan, eu sei que não somos amigos e nem tô pedindo por isso. Eu só preciso de um favor, cara, eu tô desesperado!

—Onde você está?

—Em Goiânia!

—Me mande um endereço em que a gente possa conversar!- suspirei um pouco aliviado.

—Ok! – mandei o endereço. —Estarei te aguardando.

—Quarenta minutos eu chego aí!

Ligação off


Subi para o quarto correndo e tomei banho, troquei de roupa e peguei novamente o celular, teria dez minutos até Luan chegar, então, desci até a sala e me sentei no sofá.

—Henrique, eu vou ter que dar uma saída... - Mohana fosse um pouco assustada. —O Juliano foi com o Pedro na oficina e vai demorar um pouco, pode avisar para ele que eu fui ao hospital?

—Você está passando mal?- perguntei preocupado. —Consegue dirigir? É alguma coisa com meu sobrinho?- falei atrapalhado. —Quer que eu te levo?

—Não Henrique!- ela sorriu fraco. —Estou ótima, consigo dirigir e seu sobrinho está ótimo... Não precisa se preocupar, é só uma consulta que trocaram a hora.

—Tudo bem!- sorri fraco. Ela saiu tão apressada que se eu não tivesse um assunto sério para resolver eu iria atrás dela.

Já havia liberado á entrada do Luan e então em exatos seis minutos, ele passou pela porta, o encarei dos pés á cabeça. Pois bem, ou sairíamos numa boa ou um não viveria para contar história!

—Henrique... Então quer dizer que você precisa de um favor meu...- ele ironizou. —Quem diria!

—Não complica as coisas!- falei semicerrando os olhos.

—Tudo bem!- ele levantou as duas mãos em forma de rendimento. Reparei na aliança em sua mão e por segundos pensei se ele e Analu já estivessem juntos.

—Você...

Não se precipite! – meu subconsciente gritou e dessa vez eu resolvi seguir seu conselho, não iria gritar, apenas perguntar.

—Eu?- ele arqueou as sobrancelhas e seguiu meu olhar. —Gostou?- sorriu cínico e eu fechei as mãos —Rapaiz, fica de boa aí...

—Vocês...- engoli seco. —Estão juntos?

—Eu e a Jéssy?- ele sorriu. —Sim, faz pouco tempo!

—Eu... Pensei que...

—Você é burro, ou o que?- ele se aproximou. —Vai demorar quantas décadas para perceber que Analu te ama?- abaixei a cabeça. —Ela teve muitas oportunidades para trair você e mesmo assim resistiu todas, até mesmo quando você a traiu...- ele parou por um tempo e desviou o olhar. —Ela estava tão mal aquele dia, eu a consolei, ela estava frágil feito uma boneca, e ainda assim não quis ficar comigo. – ele sorriu fraco. — Sabe Henrique, você é um cara de sorte... Queria eu ter conhecido ela antes de você. Se você não tivesse a pedido para ficar naquele dia do show, ela teria viajado comigo, talvez naquela época eu teria a sorte de reverter a história, ela poderia ter se apaixonado por mim... E quer saber? Eu não me importaria se ela tivesse interessada em meu dinheiro, sabe por que? Os poucos momentos que passei com ela me fez perceber a grande mulher que ela é. -Fiquei em silêncio, sentia as lágrimas caírem e nessa hora eu pouco me importava se Luan visse. — Ela é incrível, Henrique, e não é porque ela é minha fã, além do mais esse seria um ótimo motivo para ela ficar ao meu lado mas mesmo assim ela sempre preferiu você, porque ela te ama! E se você visse como ela está depois disso tudo...

—Você... Você sabe onde ela está? – minha voz saiu carregada de choro. —Ela está bem? Luan, onde ela está?

—Sei... Mas antes você vai me ouvir. – assenti. —Como eu ia dizendo, se você visse como ela está você se culparia por tudo o que disse á ela. – suspirou. —Não está nada bem, não come direito, emagreceu bastante... Você sabe, não é? A saúde dela sempre fica afetada com isso... Ela tá sofrendo bastante, e eu quero te pedir do fundo do meu coração, de todo o amor e o carinho que eu tenho por ela... Se não for para amar ela e dar o apoio que ela precisa nesse momento difícil, peço que não vá atrás dela. Esse sofrimento é passageiro, ela vai se reerguer e vai conhecer outras pessoas que vai amar ela, vai cuidar dela do jeito que ela merece. Então por favor, se está disposto a pular fora na próxima briga e ofendê-la sem sabrr da história toda, não vai atrás dela. Ela merece ser feliz e, por mais que o que ela tenha feito foi errado, ela teve seus motivos.

—Sabe qual é o problema?- limpei as lágrimas. —É que eu sou assim, impulsivo... Eu não consigo usar a razão em certos momentos, sou uma bomba relógio, quando vi já estourei! – ri sem humor. —Luan, eu a amo de verdade, sabe? – coloquei a mão nos olhos e desabei. —Eu... Eu só preciso de mais uma chance! Eu passei essas últimas semanas sem ouvir sua voz, na verdade ela me mandou alguns áudios porém fui covarde e não retornei. É ISSO QUE EU SOU, COVARDE!- Gritei na tentativa de expulsar a dor que eu sentia. —Eu queria abrir os olhos e ver seu sorriso​ largo, queria passar o dia a admirando. Eu só queria estar com ela nesse exato momento. Eu não posso suportar a ideia de nunca mais tê-la em meus braços e muito menos de não ouvir sua voz dizendo que me ama. Eu não posso!- senti um abraço e percebi que Luan havia se aproximado, e eu fiquei surpreso.

—Eu vou te ajudar!- ele disse se soltando de mim. —Vem, vou te levar onde ela está!

—Obrigado... Muito obrigado! Será que...- hesitei em dizer. — Podemos fazer um acordo de paz?

—Por mim tudo bem!- ele estendeu a mão e eu fiz o mesmo apertando em seguida. —Agora anda logo, vamos atrás da sua mulher!

Fomos para seu carro onde havia um segurança e um homem de estatura baixa, me lembrei ser o mesmo que estava com ele no dia do show, provavelmente seu assessor. Cumprimentei á todos e me sentei no ao seu lado, o caminho foi em total silêncio até que eu comecei a prestar atenção pela rua onde estávamos passando.

—Lu... an!- falei sem acreditar ele me olhou arqueando as sobrancelhas. —Ela está na minha casa?- perguntei boquiaberto. —Não... Não... Me deixa ver esse endereço?- ele me passou o papel e eu li sem acreditar. —Analu esteve esse tempo todo no meu cantinho?

—Isso soou meio gay, rapaizzzz!- Luan disse divertido e acabei por rir assim como os outros.

—Não acredito, pare ali... Vou pegar minha chave...- peguei minha chave e entrei novamente no carro. —Ele não me disse nada sobre alguém estar ocupando a casa...- me referi ao caseiro. 

—Elas pediram para não avisar!- Luan disse e eu assenti contrariado. Em outros momentos eu até ficaria com raiva por ela ter dividido meu endereço mas, isso não importa, eu apenas queria vê-la e pedir ela mais uma chance...

—Eu comprei algo para ela!- sorri retirando a caixinha do meu bolso, ultimamente eu andava com ela por onde ia...—Vou pedi-la em casamento!

—Ela vai aceitar, acredite!- ele respondeu e eu sorri de canto. Chegamos na casa e eu corri para dentro.

—ANALUUUU, MEU AMOR!-Gritei e fui surpreendido com o eco. Eu e Luan procuramos por todos os cômodos e ali ela não estava mais, meu coração se apertou novamente e ali eu senti que tudo estava perdido...


Notas Finais


AHHHHHHHHHH
QUERIA MUITO QUE VOCÊS FOSSEM LER ESSA FIC QUE ACABOU DE SAIR DO FORNO, ESTOU DIVULGANDO PARA VOCÊS....
Vai valer á pena, vou contar um segredo... A história vai ser linda👇👇👇

https://spiritfanfics.com/historia/de-tras-pra-frente-9916750


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...