1. Spirit Fanfics >
  2. Eu quero ser tão forte quanto você (Corona x Dengue) >
  3. Briga de álcool; (Extra 4)

História Eu quero ser tão forte quanto você (Corona x Dengue) - Capítulo 5


Escrita por:


Notas do Autor


Eai eai eai gente, eu disse que ia sair capítulo ainda hoje Kakaka
Gente eu quero lembrar vocês que isso aqui é apenas uma fanfic com o intuito de trazer diversão a vocês. Tem povo que anda me xingando por aí dizendo que eu estou fazendo algo ruim ao "fanficar" uma doença que já matou várias pessoas. Peço desculpas caso a fanfic tenha ofendido alguém e quero deixar claro que O CORONA VÍRUS É UMA DOENÇA SÉRIA! Então por favor não me denunciem ;-;)

Bjs do travequin aqui e boa leitura!

Capítulo 5 - Briga de álcool; (Extra 4)


- Ora, ora, ora, veja só se não é o meu pior inimigo - Ebola aproximou-se sorridente. - Quanto tempo sem nos ver, não é mesmo?

- Na verdade a gente se viu faz uma semana lá na minha casa - Dengue cortou o assunto dando se ombros. - Mas e aí, o que é que tu quer?

- Você sabe o que eu quero - respondeu apontando para Covid-kun. - Eu quero ele!

- Não vou te dar - Dengue agarrou Covid e mostrou a língua para Ebola.

- Mas eu quero! - fez birra.

- Mas eu não vou te dar - Ebola olhou fixamente para Dengue. - Que foi? Tá com raivinha? - Brincou. - Vai chamar a mamãe é bebezão?

- Ah mano vai te tomar no cu - Ebola estava fervendo, ele queria acertar um soco na cara daquela doença de quinta categoria.

- Se não aguenta a pressão, então não peita rapaz - Dengue deu de ombros.

- Por que você não briga comigo como homem? - Ebola perguntou.

- Porque não sou um homem, sou um vírus - Covid estava morrendo internamente por todo aquele discurso sem sentido.

- Gente por favor, vamos ficar na paz - Se pronunciou.

- Fica calado aí na sua ou xingling.

- Olha como tu fala com o meu bebê - Dengue deu um passo a frente.

- bebê? Tá colocando ele pra mamar agora é? - Perguntou sarcástico.

- Bem que eu queria - Covid resmungou alto.

- Que? Mamar? - Dengue perguntou sem entender.

- Vai mesmo ficar com esse cara que nem sequer consegue entender termos sexuais? - Ebola apontou para Dengue.

- SIM! - Covid gritou. - Pelo menos ele não me maltrata e joga álcool em gel na minha cabeça!

- Eu só fazia aquilo porque achava que você curtia BDSM - Ebola se defendeu.

- Aaaa então você acha que eu curtia a merda de queimaduras por todo o meu corpo? Faça-me um favor, coloca o dedo no seu cu e roda - Bateu o pé.

- Seu otário se merda - Dengue se aproximou de Ebola e lhe acertou um soco no queixo. - Vem tranquilo irmão, se afoba não!

- Brigue como uma bagteria e puxe sua arma - Falou Ebola puxando de seu bolso uma pistola de água que agora continha álcool.

- Cai dentro cu de ostra - Dengue puxou sua pistola e se preparou para atirar.

- ESPEREM! - Gritou Covid-kun. - Parem de brigar, eu não quero que vocês se machuquem!!

- Cala a boca novato, apenas senta e assista eu derrotar o seu amante de merda - Ebola rosnou.

- Só por cima da Peste Negra.

E então a briga de álcool começou, as gotas iam longe e tanto Dengue como Ebola se esquivavam deslumbrantemente dos jatos.

Aquilo para eles não eram tão eficaz e não adiantava muito, álcool não era eficaz contra eles. Mas contra Covid sim.

O esverdeado tentou se afastar ao máximo para não pegar nenhum jato nele, caso pegasse, uma grande queimadura se abriria.

- É só isso que você consegue fazer?? - Perguntou Dengue.

Um jato de álcool passou pela lateral do seu rosto, de raspão. Dengue apenas riu, aquilo não era o suficiente para lhe parar.

Pelo menos era o que ele achava.

Porém um grito alto pode ser escutado e assim que ambos olharam para ver de onde vinha, conseguiram ver Covid no chão agonizando de dor.

- Covid - Dengue começou a se aproximar. - COVID!

- Merda - Ebola saiu correndo deixando ambos ali no chão.

- Ambulância, eu preciso de uma ambulância - Dengue murmurava para si mesmo.

A longe as pessoas que passavam começaram a se aglomerar e logo a ambulância foi chamada para levar Covid a emergência.

 Dentro da ambulância, Dengue segurava a mão de seu amado e murmurava para si mesmo: "tudo vai ficar bem".


Notas Finais


(Não peita no Acre significa: Não entra pra briga se não for aguentar).

Coitado do Covid-kun 😔🤧😭❤💔👍🏻✋🏻👌🏻🇧🇷

Espero que tenham gostado, e novamente peço desculpas caso a fic venha ofendendo alguém.

Bye


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...