História Eu sinto muito...(SasuHina). - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha
Tags Adolescência, Bullyng, Depressão, Drama, Hinata Hyuga, Sasuhina, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Suícidio, Universo Paralelo
Visualizações 137
Palavras 1.988
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi! Então... essa é minha primeira história em um só capítulo, dito também one-shot.
Espero que gostem!
A ideia de escrever-lá me veio em uma madrugada(penso em coisas anormais...ahahaha).


Bom...desejo-lhes uma ótima leitura!
Nos vemos nas notas finais!!!

Capítulo 1 - Me perdoe...


Fanfic / Fanfiction Eu sinto muito...(SasuHina). - Capítulo 1 - Me perdoe...

Eu sinto muito.

Isso é tudo o que posso dizer.

Não posso ficar remoendo o passado, certo Hyūga? 

Foi difícil, não foi? 

Ter que fingir um sorriso em meio as pessoas enquanto seu mundo interior desaba.

Todos os dias eu te via passar por aquelas garotas, as “ populares” de Konoha High School.

Todos os dias elas perturbavam você, e aquele seu mínimo sorriso para esconder as mil lágrimas se abria.  Apesar disso tudo, você sempre foi gentil e tentou ajudar á todos.

“Cegueta”, “ A primogênita dos Hyūga”, “A estranha da escola”, “ A lixo móvel”, dentre muitos outros apelidos nojentos e impuros que se possa ter, você tinha.

E apesar disso, você foi forte por muito tempo.

Eu te via chorar no fim da tarde sentada naquele balanço da árvore. 

De onde havia começado este seu sofrimento? 

Essa era a pergunta que eu me fazia todas as vezes que te via.

Antigamente você era amiga delas. Elas eram o seu porto seguro, o último copo de água em meio ao deserto.

Nunca foste boa o suficiente aos olhos de seu pai e de sua família. Com o tempo conseguiste ter uma boa relação com seu primo.

Mas tudo veio a falhar, suas amizades, família e por fim os estudos.

As brincadeiras de mau gosto das garotas começaram com um simples enganar toda a turma dizendo que você tinha roubado o dinheiro delas, e após disso foste conhecida como “A ladra cegueta”.

Seu pai havia acabado de falecer, deixando assim você e seu primo como responsáveis de sua irmã caçula.

Começaste a parar de frequentar os clubes após a escola para poder trabalhar.

Você tentava ser uma garota forte, aquela que não chora e que nunca fica mal, que se levanta sozinha, não é mesmo?

Quem poderia imaginar que debaixo daquela máscara tenha uma garota frágil, insegura, tímida, cansada e desiludida. Uma garota destruída, que está caindo aos pedaços.

Quem poderia imaginar que atrás daquela máscara tenha você?

Você não conseguia mais ficar entre as pessoas porque simplesmente não se sentia no mesmo lugar que elas. Você não se sentia mais a mesma, ia se perdendo lentamente...

Você tinha aquela maldita vontade de fugir, mas não sabia aonde ir. Mas, a quem importaria se você desaparecesse?

Foi naquela época que comecei a prestar atenção em seus comportamentos estranhos. Por que será que você era tão mal falada pelas suas ex-amigas?

E aí se foi uma pessoa muito importante a ti, seu primo, Neji Hyūga. Assasinado brutalmente por Óbito, um psicopata procurado por muitos outros crimes.

Você simplesmente chegou a um ponto de tristeza profunda. Já não conseguia sorrir abertamente e nem se concentrar para fazer coisas simples. Você se fechou para seu mundo.

Sua máscara havia caído finalmente.

Foi aí que ficaste conhecida como a “Sociopata”, mas você não ligava mais, não é mesmo?

Começaste a ficar agressiva, você estava ficando cada vez mais magra e mau-cuidada. 

Cortaste teus cabelos que iam até a cintura, e eles ficaram em seus ombros. Os brilhos em seus olhos não eram mais os mesmos, sua pele começou a ficar mais pálida e ressecada. Seus pulsos vermelhos pelos cortes...

Começaste a fazer faltas na escola constantemente.

Te via poucas vezes vir para a escola.

Você começou a surtar. Você finalmente começou a reagir contra aquelas garotas.

Você fez tudo aquilo que deveria fazer em anos, só que de maneira errada.

No último ano do liceo, três meses após você mudar, Naruto decidiu fazer uma grande festa em sua casa para comemorar o fim deste ano.

Todos da escola foram convidados, menos você.

E eu te vi chegar.

Você disse claramente e alto para cada garota o que realmente queria dizer.

Seus olhos perolados se enchiam cada vez mais de lágrimas, a cada palavra que você soltava na frente delas. Era como um livramento para você, era como se um peso fosse tirado de suas costas. 

Você se sentia como se todos realmente te abandonaram, te deixaram sozinha, se distanciaram de ti.

Para todos aqueles que não se lembravam de seus gestos gentis, seus sorrisos e suas ajudas, você virou uma estranha, como se nunca houvesse existido.

Quando foste expulsa daquela casa, você correu o máximo que suas pernas conseguiam aguentar. Você não estava mais se importando com o que iria acontecer.

E eu te segui.

Você adentrava cada vez mais naquele bosque sombrio perto de sua casa.

Aquele bosque, que você ia todas as semanas para poder esvaziar sua mente.

Você corria enquanto chorava e não ligava se era perigoso.

Ao te ver parar no início daquele precipício e começar a tirar sua jaqueta de frio, eu comecei a me sentir culpado.

Seu choro foi a última coisa que ouvi antes de você se calar, fechar os olhos e sorrir.

Aquele sorriso malinconico...

Apesar de ter aquele sorriso, pude ver que não era a máscara.

Era você.

O vento fazia seus cabelos escuros curtos balançarem, sua respiração antes agitada ficando sempre mais calma podia-se ver em forma de ‘fumaça’ por causa daquela neve e do frio.

Você  deu um passo para a frente e te jogaste daquele lugar.  

Você se sentiu como um pássaro que finalmente conseguiu se libertar de uma gaiola e pôde voar livre, leve e solta.

Sabe...eu nunca poderei me perdoar por não ter te ajudado.

De todas as pessoas sou eu o mais culpado, porque eu te via sempre e nunca me aproximei, nunca tentei conversar com você.

E eu continuo a lembrar de você, porque, penso eu, que as pessoas não se esquecem tão facilmente. 

As pessoas não se esquecem facilmente porque simplesmente mudamos a forma no qual as olhamos,  a forma no qual elas ocupam nossos corações...

O problema era que se você ficasse em silêncio ninguém te escutaria, mas se você gritasse seria igual.

Ninguém te ajudou.

E essa lembrança ficará sempre me tormentando, porque poderia ser eu no seu lugar, poderia ser qualquer um.

As pessoas silenciosas normalmente são aquelas com a mente mais barulhenta...

 

Agora, todas as semanas que vou para aquele bosque, tenho a impressão que você está lá, tenho a pequena impressão de te ver naquele lugar, no início do precipício.

E todas as vezes que vejo aquele balanço, penso o quão difícil foi a ti suportar este mundo sombrio.

E todas as vezes que vejo sua irmã, agora que cresceu, vejo que ela está marcada. 

E eu mudei, as garotas mudaram.

Sakura foi a primeira a se arrepender, disse que era culpa dela se você havia se afastado delas, logo as outras garotas também se arrependeram de ter feito certas coisas a você.

Sua irmã, Hanabi, se tornou uma bela mulher. Ela conseguiu finalmente realizar seu sonho de ser uma juíza, ela se casou e teve uma filha. Ela sempre visita seu túmulo.

Você não estava sozinha, você tinha a ela.

Sempre terá a ela.

E eu me arrependo por ter percebido sua dor e não ter feito nada.

Itachi, meu irmão mais velho disse que não era minha culpa, mas isso não me importa.

Se alguém está mal, é óbvio que tem que ajudar.

Ninguém sabe o quanto você chorou. 

Ninguém sabe quantas vezes você perdeu sua esperança.

Ninguém sabe quantas vezes você se sentou na varanda em meio ao vento frio.

Ninguém sabe quantas vezes você teve que segurar suas lágrimas e transformar-las em um sorriso. 

Ninguém sabe sobre as coisas terríveis que você chegou a pensar.

Espero que você esteja bem onde está.

Espero que neste lugar você tenha paz, seja feliz e sua vida seja melhor.

Agora eu sou pai de uma garota, o nome dela é Sarada. Você deveria ver-la, ela é uma garota inteligente e gentil, parecida com você. Ela é incrível.

Trabalho com psicologia, tento tirar as pessoas da tão temida escuridão, a escuridão chamada depressão.

Hoje em dia eu faço tudo aquilo que não fiz na época, pois quero que as pessoas tenham um futuro e acreditem na felicidade.

Eu faço isso pois me arrependo, Hyūga.

Todas as vezes que vejo minha mulher e minha filha me lembro de ti.

Você com certeza teria uma linda família, realizaria seus sonhos e seria feliz neste mundo. 

E enfim, quando passeio pelo bosque junto à minha filha e minha mulher ouvindo a natureza entre meus mais profundos pensamentos, consigo te ver.

Consigo sentir que agora você está feliz.

Consigo ver você correr livre, leve e solta como um pássaro que voa no céu aberto.

Você está feliz.

E enfim, quando você se virou para mim e sorriu abertamente, meu coração bateu fortemente e descontrolado. 

Seus olhos perolados emitem paz, seu vestido branco emite pureza e simplicidade, seu sorriso a mais pura felicidade, seus cabelos longos e escuros brilham e algumas mechas flutuam pelo ar. Seu rosto continua sendo o mais bonito que eu tenha visto em toda minha vida. Você brilha. Cada movimento seu é como uma arte divina desenhado pelos deuses. Cada forma de seu corpo, cada fio de seus cabelos, cada sorriso puro seu...é tudo tão perfeito, tudo como a primeira vez que te vi.

Quando você se aproximou de mim pude sentir-me arrepiar, uma energia desconhecida passou pelo meu corpo.

Quando você me abraçou pude finalmente fechar os olhos feliz, com todas aquelas lembranças que não me pesavam mais neste momento. Você me livrou do arrependimento. Eu nunca esquecerei este momento, no qual sua presença me fez feliz. Sinto-me como se nunca tivesse pecado, como se nunca tivesse te ignorado ou preferido não fazer nada.

Nós nunca trocamos uma palavra, mesmo assim nos conhecíamos tão bem. Nossas trocas de olhares naqueles lugares isolados.

Eu comecei a te seguir por simples curiosidade, que foi se tornando rotina na minha vida.

Quando você se foi, senti um vazio imenso em meu peito, como se algo muito importante tivesse sido levado de mim, tivesse simplesmente sumido. Me senti  perdido, sempre em meu mundo.

Ao abrir os olhos, eu não te vi mais. 

Esse foi o sinal que seu espírito finalmente se liberou. 

Talvez eu que estava te prendendo a este mundo, pois você sempre foi uma garota misteriosa para mim e eu me senti desafiado a saber cada coisa de você. Sim, talvez eu não estava deixando você ir em paz, ficava remoendo o passado e me perguntando do por que não fiz certas coisas.

Apesar disso eu senti tua presença perto de mim, como se você me observasse aonde eu fosse, como se estivesse sempre comigo nos momentos mais legais de minha vida e os mais tristes.

 Você veria em mim um futuro que sempre quis, e eu sempre veria em você um passado que me fez ser o que sou hoje. 

E por isso eu te agradeço, Hyūga, por ser quem é mesmo não estando aqui.

E eu te agradeço por me mudar, me transformar em um alguém melhor.

Se eu não te observasse e seguisse, você seria uma completa estranha para mim.

 

— Papai! — Uma pequena criança aproximou-se correndo enquanto o chamava alegremente.— Papai!! — O mais velho virou-se em direção da voz doce de sua filha. Se abaixou, recebendo-a com um abraço.

— Cuidado filha, não corra por aí! — Disse alto Sakura repreendendo sua filha. Apoiou sua mão na árvore perto de si, parando de correr atrás da pequena, estava ofegante.— Oh, Sasuke-kun! Onde você estava? — Abriu um doce sorriso ao ver seu amado com a pequena.

 Sasuke pegou Sarada no colo e voltou a observar o local.

Ele chegou à conclusão que não veria mais Hinata ali, e nem ele iria voltar mais naquele lugar.

Sua mulher segurou a mão dele, os dois ficaram em silêncio por alguns segundos.

— Você tem bochechas macias, papai! — A garota cutucou sua bochecha. Não pode não sorrir, Sarada era realmente fofa.

— Vamos? Um grande piquenique nos espera! — Disse Sasuke botando a pequena no chão e segurando a mãozinha dela em seguida, Sakura segurou a outra mão e os três foram andando para longe daquele lugar.

 


Notas Finais


Oi! Eai? Gostaram??
Se sim, obrigada!!!

Fanfictions:

Mundo do Naruto— https://www.spiritfanfiction.com/historia/mundo-do-naruto-12074686

Dois corações, um único destino!-SasuHina— https://www.spiritfanfiction.com/historia/dois-coracoesum-unico-destino-sasuhina-11215364

Obrigada, mãe! — https://www.spiritfanfiction.com/historia/obrigada-mae-12521044

Fodeu!!Entrei no anime Naruto!!— https://www.spiritfanfiction.com/historia/fodeu-entrei-no-anime-naruto-13397615

Agradeço a atenção de vocês, agradeço por terem lido até aqui e caso tenham gostado agradeço também!

Aceito criticas construtivas, elogios, dicas e tudo mais!
Beijos anjinhos do meu coração!❤️❤️😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...