História Eu sou um Psicopata - Capítulo 12


Escrita por: e ErikaDXD

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Assassinato, Psicopata, Romance, Tragedia
Visualizações 43
Palavras 797
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Harem, Luta, Mistério, Policial, Romance e Novela, Saga, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Ola, esse capitulo é mais uma introdução de um personagem, então ele ficou curto para guardar mas segredos.

Capítulo 12 - Medo


No capítulo anterior

 

Jonathan consegue com sucesso roubar as provas que o incriminavam de estar na cena do do crime no momento do assassinato do jovem  que foi encontrado, mas acabou que quando conseguiu  ele acabou ficando preso na delegacia em chamas, mas ele consegue sair,  ele volta para casa e dorme, ao anoitecer ele sai de casa para dar uma volta e encontra Érica com uma faca na perna direita, encostada em um banco na praça.

 

Agora

- Como você foi para com uma faca na perna?. - Jonathan fala olhando fixamente para a faca fincada na perna de Érica.

- Antes liga para uma ambulância, por que não vou ficar com essa merda de faca na minha perna para sempre. - Érica fala dando um leve grito estérico.

- Tá bom, mas vai falando como essa coisas pontuda entrou na sua perna por favor?.  - Jonathan fala com um tom meio sarcástico.

- Liga logo para merda da ambulância. - Érica fala irritada com Jonathan.

Jonathan pega o telefone é liga para a hospital, passa todo endereço, após isso fica olhando Érica, esperando ela se acalmar, logo ela se acalma e começa a pensar é a relembrar todos os acontecimentos daquele instante.

- Pronto, fica quieto para eu não esquecer de nada. Eu estava andando, fazendo minha caminhada matinal a noite como eu sempre faço, aí eu parei para tomar fôlego, do nada uma pessoa, que aparentemente parecia um homem, mas não pude ver o rosto, por ele está usando uma máscara, aí ele me agarrou só que eu consegue escapar, aí ele apontou a faca para mim, aí tivemos uma luta, e ele perdeu, quando eu fui finalizar ele me apunhalou com a faca, foi assim que eu ganhei essa faca na perna, tá feliz agora?. -Érica fala calmamente, lembrando dos acontecimentos

- Brigado, nossa, como você conseguiu enfrentar ele?. - Jonathan fica mais curioso sobre Érica.

- Meu pai morreu, aí meu avó me criou, para esquecer um pouco da morte do meu pai, ele foi me ensinando arte marcial desde muito nova, por isso sou atrasada na escola, eu demorei para entrar na escola, a única coisa que eu sabia quando mas nova era quebra ossos e não ler. - Érica fala meio entristecida, com um pouco de vergonha.

- Que legal. - Jonathan fala dando um sorriso sincero

- Nossa, nunca te vi sorrir assim. - Érica sorrir encarando Jonathan.

- Nunca  tive motivos para sorrir assim. - Jonathan fala calmamente.

 - Eu fiquei preocupada com você hoje, Lucas me falou pelo telefone que você havia estado na delegacia que pegou fogo, eu fui correndo para a sua casa, mais sua irmã não me deixou ir até seu quarto. - Érica  fala olhando nos olhos penetrantes de Jonathan.

- Ela é assim mesmo. - Jonathan fala calmamente , meio sonolento.

- Você já deve estar como sono, lembra daquele dia ?, aquele que eu disse aquilo, era e é verdade eu …….. - Érica é interrompida pelo barulho da ambulância chegando.

Logo a ambulância chega é Jonathan vai embora sem ninguém perceber, quando Érica procura ele com os olhos percebe que ele já havia sumido, logo os médicos a levam para o hospital, Érica fica pensando, “ como Jonathan foi encontrar ela naquele local, tão tarde”.

Jonathan volta para casa, ao abrir a porta, Jonathan fica frente a frente com sua irmã Elizabeth ela o encara com um olhar de preocupação.

- Você estava onde?, essa hora da noite. - Elizabeth fala o encarando de maneira ameaçadora.

- Eu fui ver a Érica, ela estava meio perfurada. - Jonathan fala dando uma leve gargalhada,andando e dando as costas para Elizabeth.

Elizabeth fecha a porta é fica imóvel, pensando é assustada com a resposta fria de Jonathan, sua gargalhada soava como uma ofensa aos seus sentimentos, que logo parecia ser mais uma ferramenta para Jonathan usar, ela corre para o quarto dela, acaba derrubando Jonathan, ele continua com a mesma expressão subindo as escadas.  Ele sobe as escadas calmamente, chega no seu quarto, fica observando pela janela, observando a rua escura, com pouco iluminação.

No momento em que Jonathan olha pela janela, ele vê o um homem vestido de preto, usando uma máscara de cor branca do lado de fora, encarando Jonathan lá da rua, os dois se encaram fixamente, Jonathan pela primeira vez se sente ameaçado por alguém,  o homem vira de costa é anda e some em meio a escuridão. Acabou que Jonathan sentiu-se paralisado com a aparição tão repentina daquele homem que fez Jonathan sentir o mais sucinto medo na sua carne, o mais humano dos medos percorriam o seu corpo, sua mente criava inúmeras maneiras que aquele homem apareceria ali, o medo o sentimento de inferioridade afligiam intensamente.

 


Notas Finais


Xablau.

O próximo cap será mais adulto, uma amiga minha que vai escreve-lo então já vou avisando ela é louca.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...