1. Spirit Fanfics >
  2. Eu te odeio! (Beauany) >
  3. He is a scoundrel!

História Eu te odeio! (Beauany) - Capítulo 9


Escrita por:


Notas do Autor


Hey!

Aqui está mais um capítulo para vocês!

Espero que vocês gostem. <3

Comentem para ajudar e para principalmente me motivar a continuar.

Me desculpem por qualquer erro autográfico.

Beijos e uma boa leitura. :)

Capítulo 9 - He is a scoundrel!


Fanfic / Fanfiction Eu te odeio! (Beauany) - Capítulo 9 - He is a scoundrel!

Pov Any

 

Durante o almoço inteirinho, evitei olhar na cara de Josh. Com umas olhadinhas de canto, pude ver que o mesmo me olhava algumas vezes, mas apenas o ignorei.

Infelizmente, esse meu gelo não durou tanto quanto eu imaginava, pois, o filho da mãe me puxou para dentro de uma sala vazia quando estava a andar pelos corredores, rumo à minha sala.

: Ei! – digo assim que o mesmo fecha a porta e tranca.

Josh: Me fala. Desembucha. – diz e eu franzo o cenho.

: Falar o quê meu filho?! Me deixa sair! – digo e o mesmo nega com a cabeça.

Josh: Eu sei que você quer me falar alguma coisa, mas tá se segurando. – COMO É POSSÍVEL O FILHO DA PUT... digo MÃE SABER ISSO SE ME CONHECE À TÃO POUCO TEMPO???!!!!!!

: Você quer saber mesmo? – digo e ele assente positivamente – tá bom então! Eu ouvi a sua conversa com o Noah de hoje mais cedo, antes do almoço, especificamente, após eu sair da sala. – digo e o mesmo engole seco.

Josh: Então quer dizer que a senhorita anda ouvindo as conversas dos outros, atrás da porta? – pergunta.

: Não, não ando. Apenas reparei que tinha esquecido meu livro aqui na sala, e quando voltei acabei ouvindo a vossa conversa agradável, curiosa como sou, me escondi de uma forma que conseguisse ouvir. Sei que é errado, mas agradeço a mim mesma por ter feito o que fiz. Porque se eu não tivesse feito aquilo, eu nunca saberia das coisas que você falou de mim. – digo tentando ficar calma.

Josh: E você ficou magoada? – pergunta e eu dou uma gargalha irônica.

: Hahaha. Me poupe, se poupe e nos poupe né meu filho?! Eu não fiquei magoada não, meu anjo. – digo e ele fica com uma expressão confusa.

Josh: Então ficou o quê? – pergunta.

: Fiquei foi brava! – digo.

Josh: Não entendo o porquê, se a gente não tem nada. – diz se aproximando de mim, mas eu vou para trás.

: Tem razão, nós não temos nada. E se depender de mim, NUNCA vamos ter! Mas eu ao menos pensava que você tivesse um pouquinho… - digo fazendo a quantidade com os dedos - … de consideração por mim e respeito, mas pelos vistos eu me enganei, e me enganei feio.

Josh: Eu te respeito. – diz confiante.

: ME RESPEITA? ME RESPEITA COMO? DIZENDO PARA SEUS AMIGOS QUE SÓ ESTÁ COMIGO POR DIVERSÃO, APENAS ATÉ VOCÊ SE CANSAR, E QUANDO SE CANSAR, INVENTA UMA DESCULPA E PEGA OUTRA POR AÍ? – digo e ele engole seco – SE PELO MENOS VOCÊ TIVESSE FALADO ISSO TUDO NA MINHA CARA, MAS NÃO, VOCÊ DECIDIU CONTAR PARA O AMIGUINHO! EU PRA VOCÊ SOU O QUÊ? UMA PELÚCIA? QUE VOCÊ BRINCA E USA QUANDO QUER E QUANDO SE CANSA OU PERDE O GOSTO JOGA FORA SEM MAIS NEM MENOS? Eu não sei se você já fez isso com alguma outra menina, mas se já fez, tenho DÓ dela, e te digo desde já... – me aproximo do mesmo, a uma distância em que consigo sentir sua respiração – eu NÃO sou, como as vadias que você costuma pegar. Entendeu? – digo e o mesmo permanece em silêncio. - ENTENDEU? – grito e o mesmo me empurra contra a parede, mas com uma força que não me machuque.

Josh: Quem você pensa que é para falar assim comigo, Any Gabrielly? – pergunta milímetros de distância da minha boca.

: Você acabou de dizer o nome. – digo e o mesmo quebra o contacto visual passando a olhar para minha boca. Ele fica a encarando por um tempo até tomar uma atitude. Essa atitude seria, colar seus lábios nos meus, iniciando um beijo profundo. No início eu não correspondo ao beijo, mas depois o pego na sua nuca o puxando mais para mim, mas não durou muito. Assim que percebo o que eu estava fazendo, paro o beijo e o empurro pelos ombros. Em seguida, aproximo do mesmo que me olha nos olhos, e dou uma ajoelhada no mini Josh, mas relaxem, nem foi assim tão forte – NUNCA mais, volte a fazer isso! – digo pegando em seu rosto o fazendo olhar para mim, depois de dizer aquilo, pego na chave que estava em cima da secretária da professora, abro a porta e saio rumo à minha sala.

 

Pov Josh

Ok. Não estava à espera de que ela me desse uma ajoelhada nos meus países baixos. Não foi tão forte, mas mesmo assim doí pra caralho.

Fiquei sem reação quando ela me disse que tinha escutado a minha conversa com Noah. Tudo bem, a gente não tinha e nunca teve nada e era apenas pegação, mas mesmo assim, ninguém gosta de ouvir tudo aquilo que disso ao meu amigo, ainda mais, se escutar de uma forma “acidentada”, se é que me entendem e se é que essa palavra existe. Sobre o beijo, pra ser sincero, nem sei porque beijei a garota. Simplesmente quando vi já tinha tomado aquela iniciativa, qua acabou em uma bela ajoelhada lá em baixo. Fiquei uns 10 minutos na sala com uma dor insuportável no mu amiguinho, mas logo passou e saí da sala. Encontrei Noah no meio fundo corredor conversando com uma menina loira, um pouco alta, magra e de olhos verdes. Usava um moletom preto com algumas coisas escritas e comprido, ia até metade da bunda, eu acho... enfim, uma calça skin jeans azul claro e um ténis preto. Assim que Noah me vê, sorri e abraça a loira vindo em minha direção.

Assim que ele se aproxima de mim, pergunta onde eu estava e conto tudo ao mesmo. Ele fica de boca aberta sem acreditar. Ficou me zoando durante inúmeros segundos que pareciam horas. Até que eu resolvo não querer mais falar sobre esse assunto e pergunto quem era a menina loira, que estava conversando.

Noah: Ah é a Sina, muito gente boa ela. Amiga da tua “amiga”. – diz fazendo aspas.

: Que amiga? – pergunto.

Noah: Any Gabrielly! – diz cantarolando, mas eu tapo a boca do mesmo.

: Cala a boca! E para de falar sobre esse assunto! Me fala, tão ficando? – pergunto malicioso.

Noah: Quem? – pergunta e eu dou um tapa na minha testa.

: Você e a vizinha. – digo e ele franze o cenho.

Noah: Mas eu nem vizinha tenho! – Nossa senhora! COMO ALGUÉM PODE SER TÃO LERDO!

: Nossa! Você é muito lerdo cara! O mais lerdo de todos os lerdos! – digo rindo.

Noah: Ué! Porquê? – pergunta cruzando os braços.

: Eu tô falando da Sina, Urrea! – digo e o mesmo faz um movimento de quem entendeu.

Noah: Ah entendi. A gente não tá ficando não. Só somos amigos. – diz e eu assinto malicioso – é sério Beauchamp, apenas amigos. – diz eu assisto com as mãos no alto como se estivesse me rendendo.

Depois dessa conversa que demorou séculos, porque o Noah é o número 1 das pessoas mais lerdas do MUNDO inteiro, começamos a conversas sobre diversas coisas, até o sinal bater e irmos para a sala.

 

Pov Any

 

Sai da sala onde estava eu e Josh, e fui até com as meninas, Sina, Joalin e Sabina. Elas estavam com mais algumas outras meninas, mas assim que cheguei cumprimentei a todas e se apresentaram. Eram Heyoon, Sofya, Hina e Shivanni.

Heyoon, é da Coreia o Sul, tem 18 anos, tem cabelos longos castanhos meio ruivos, é baixinha e olhos também castanhos.

Sofya, é da Rússia, tem 17 anos, é loira, olhos claros assim como Sina e um pouco mais baixinha que eu.

Shivanni, é da India, tem 18 anos, cabelos morenos, olhos da mesma cor de seu cabelo é de tamanho médio.

E por último, mas não menos importante, Hina. Ela é do Japão, tem 17 anos, cabelos escuros assim como seus olhos e é super fofinha.

Começamos a conversar até que Sabina me chama para um lugar um pouco distante das outras meninas.

Sabina: Começa a falar, e nem adianta perguntar sobre o quê, que não tem nada para dizer, que eu sei que tem e tem dedo do Josh nisso. Vai, desembucha. – diz, eu suspiro e começo a contar.

: Então… Hoje de manhã, quando cheguei no colégio, nós começamos a conversar certo? – pergunto e ela assente – então... quando o sinal tocou, todo mundo entrou, mas eu reparei que não estava com meu material, então fui até meu armário pegar ele, só que a merda do cadeado não estava abrindo e o Josh chegou e me ajudou. Nessa altura já ninguém estava no corredor, apenas nós dois.  Depois a gente acabou se beijando e tals, e ele perguntou se eu queria ficar com ele, mas sem ninguém ver, eu sei que a gente se odiava e eu ainda odeio ele, mas eu acabei topando, porque os tais mitos de que ele beijava bem, afinal não são mitos, são verdadeiros. Mas para eu topar realmente eu propôs uma condição, que seria, caso ele começasse a sentir algo por mim, ele teria de me dizer na hora e vice-versa, e parávamos de ficar.  Porque às vezes acabamos por confundir as coisas e eu não quero namorar agora, eu geralmente saio machucada, mas isso não vem caso, o que importa é que ele topou. Lembra quando eu cheguei na sala de aula atrasada com ele? – pergunto e ela assente novamente – foi porque me atrasei sim, por causa do armário, mas também porque a gente ficou se pegando um pouco. Aquele chupão no meu pescoço? Foi ele que fez sim também. – digo e ela me olha chocada – Continuando, até que hoje depois da aula, quando todo mundo tava saindo, ele me puxou fazendo eu ficar na sala sozinha com ele, com a porta fechada. – digo e ela me olha malicioso – Mas não aconteceu nada, é sério! – digo e ela fica emburrada e eu rio fraco – Eu “briguei” com ele por causa do chupão que ele tinha me feito no pescoço. Mas, a gente acabou se resolvendo, não demorou muito porque eu tinha de encontrar você e as meninas no refeitório, então saí logo depois da gente se resolver e se pegar um pouquinho. Quando estava indo para o refeitório, me dei conta de que tinha esquecido meu livro na sala onde eu estava com Josh, quando cheguei lá escutei uma conversa dele com o Noah, sei que é errado escutar atrás da porta, mas agradeço a mim mesma por ter feito o que fiz. Na conversa entre os dois, Noah pergunta quem era eu, pois ele tinha me visto sair da sala, e Josh diz que eu era só mais uma e que só estava ficando comigo por diversão, que assim que se cansasse iria inventar alguma desculpa para pararmos de ficar, e ele iria pegar em qualquer outra menina. Eu não fiquei triste, porque eu não sinto absolutamente nada por ele a não ser atração, e não tenho vergonha de falar isso. Eu fiquei foi brava. Na hora fui pro vestiário e escondi o chupão, acabei desabafando comigo mesma na frente do espelho, mas não foi um desabafo triste cheio de lágrimas, foi um desabafo comigo gritando e dizendo que ele estava ferrado comigo, e para ele NUNCA mais me dirigir a palavra. Logo em seguida, fui até com você e com as meninas lá no refeitório. Depois de um tempo, ele entrou com o Noah e olhou para mim, mas eu o ignorei. Algumas vezes, eu olhava para ele de canto e via que o mesmo me encarava. Até que… saímos do refeitório e eu fui puxada para dentro de uma outra sala vazia por ele novamente. Ele me perguntou o que estava acontecendo e eu acabei por falar tudo, acabamos por discutir. Ele até me beijou, mas eu dei uma ajoelhada no saco dele e saí de lá dizendo para ele NUNCA mais fazer aquilo. Disse também que não estava magoada e sim brava, que eu não era como as outras vadias que ele pega por aí, e que eu não vou ser uma pelúcia na mão dele, pra ele brincar, usar e depois jogar fora quando se cansar ou perder o gosto. Enfim foi isso que aconteceu… -depois de contar TUDO, Sabina me abraça, fiquei extremamente feliz por ele ter me escutado com toda a atenção do mundo, sem me interromper por um segundo sequer.

Sabina: Ele é um canalha! Eu vou matar esse moleque! – diz brava.

: Não, você não vai fazer anda. – digo ela me olha indignada.

Sabina: Como não? Ele estava te tratando que nem lixo! – diz puta.

: Eu não quero que você faça nada. Deixa que a própria vida cuida disso. – digo ele me assente abraçando.

Sabina: Mas se ele me irritar eu QUEBRO a cabeça dele, deixo o corpo no polo norte e  a cabeça no deserto de Atacama. – ela diz e eu arregalo os olhos.

: Nossa! Você nem é agressiva né?! – pergunto zoando saindo do abraço.

Sabina: Só um pouquinho. – diz e nos abraçamos.

Fico muito feliz por saber que tenho amigas assim, que estão aqui para tudo e que sei que vão me apoiar sempre. Afinal, são poucas as amigas verdadeiras e são muito difíceis de encontrar alguma que seja TÃO verdadeira. Mas eu tive a sorte de não encontrar apenas uma, encontrei 3, Sabina, Sina e Joalin. Apesar de Sina e Joalin não saberem o ocorrido, sei que iriam me apoiar se soubessem. Quanto a Heyoon, Shivanni, Hina e Sofya, não posso afirmar que são TÃO verdadeiras quanto as outras 3, afinal, as conheci à poucos minutos.

 

Continua...


Notas Finais


Hey!

Este foi o capítulo de hoje!

Por favor, comentem no capítulo que não é capitulo, o dia que você querem que eu poste os capítulos dessa fic! Pode ser apenas um desses dias: Quarta, sexta e sábado.

Muito obrigada pelo carinho de todos!

Beijinhos, amo vocês! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...