1. Spirit Fanfics >
  2. Eu te odeio • jjk + pjm >
  3. Laços

História Eu te odeio • jjk + pjm - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Boa leitura🖤

Capítulo 1 - Laços


Sempre achei seus olhos tão bonitos, Jeon 


Mas naquela noite eles estavam me assustando. Brilhavam mais do que as milhares de estrelas que precingiam o céu e iluminavam tudo em cima de nós em meio as folhas de árvores úmidas após a chuva de verão noturna. Pareciam querer me consumir por completo até que eu perdesse o controle de tudo. 


Suas mãos passeavam pelo meu corpo da forma mais angustiante em todo o nosso tempo juntos. Tão grandes e habilidosas, sabiam muito bem o que faziam. Sentia a pele espessa explorar meu tronco violentamente deixando marcas doloridas em áreas próximas as minhas costelas e quadris. 


As lágrimas escorriam pelo meu rosto por vontade própria, cada vez mais grossas. Assim como as águas do rio corriam atrás da desconfortável cena que nos encontrávamos. Eu fazia silêncio como você me pedira, experienciei calado os prováveis últimos sete minutos excruciantes do final da minha jornada. Seus toques, cada vez mais fortes e agressivos, não me deixavam saída. Apenas aceitei aquilo como uma consequência que teria de sofrer por meus atos. 


De onde estava, conseguia ver a fogueira acesa no meio das três barracas de acampamento que permaneceríamos aquela noite. O equipamento não era nosso e sim de Taehyung. Na manhã de sexta-feira (ontem), ele havia nos convidado para passar o dia na casa de campo que ele a esposa compraram há alguns anos. Ele planejava esse evento com tanto carinho, era a comemoração de seu aniversário de vinte e quatro anos de idade. 


Aceitei sem nem pensar duas vezes, o aniversário do meu melhor amigo não poderia passar em branco e eu queria estar ao lado dele nesse momento especial, porém eu tinha um impedimento. Você. 


Tentei ter uma conversa contigo sobre o que aconteceria esse final de semana. Expliquei que era muito importante para mim e para meu amigo, mas quem disse que você se importava? Você só se importava consigo mesmo naquela época. Hoje, não tenho provas de que você realmente mudou e também não acredito no que os outros me dizem por aí. Mesmo eles não tendo motivos para mentir sobre isso, confiar na mudança dos outros é uma coisa bem complicada pra mim. 


Lembro de muitas vezes te escutar afirmar odiar Taehyung pelo mesmo sentimento ser recíproco. Meu amigo realmente não gostava de você, nunca apoiou nosso relacionamento, mas não deixou de conversar comigo por isso. Na verdade, sua superproteção dobrou de tamanho. Ele não confiava em você de jeito nenhum e tinha seus motivos. 


Taehyung era uma pessoa muito rancorosa, então ainda guardava dentro de si com muita dor e melancolia todas as vezes que você acabava com sua auto estima na época da escola enfiando bilhetes de ódio no armário dele dizendo o quanto ele era horrível e sem graça ou jogando bolinhas de papel nele durante a aula sem motivo nenhum. 


Porém, mesmo depois disso tudo, ele te chamou para ir na casa dele em um dia super significativo. Taehyung estava tentando mudar, estava tentando mudar por mim e por vocês dois também. Ele sabia que aquilo não fazia bem pra ele, nem pra você, mas os esforços foram falhos; só um lado trabalhou na mudança. 


No final, você concordou em ir comigo, com a única e principal intenção de me vigiar. Possessivo do jeito que era, nunca me deixaria ir pra lugar algum sem que você estivesse junto. Talvez por ter noção de que eu já estava cansado daquilo tudo e prestes a fugir para os braços de quem quer que aparecesse na minha frente. 


A residência dos Kim era reconfortante e até bem luxuosa. Nela havia paredes de madeira e uma lareira na sala de estar, os quartos eram espaçosos e a decoração um pouco exótica, típica de Tae. No entanto, você conseguia fazer aquilo tudo ficar frio e importuno. Você era tão negativo que estragava qualquer ambiente que frequentasse, impressionante


Durante o dia, fizemos tudo o que dera na telha. Qualquer coisa mesmo, mas você não pôde participar; estava ocupado demais trabalhando na cara de cu estampada em seu rosto a todo momento. Realmente triste a necessidade que você sentiu de não trocar uma palavra com ninguém daquela casa. Você parecia um cadáver no meio de todos, disperso em quaisquer outras influências externas apenas para não ter de interagir com os outros. E foi assim até o anoitecer. 


Quando o Sol já havia se despeço do céu, as coisas começaram a ficar menos interessantes, já tínhamos feito tudo. Então o tédio tomou conta do ambiente pela primeira vez. Ocupávamos partes do piso de madeira e os espaços livres do sofa com nossos corpos preguiçosos depois do dia cheio. Até Jennie, a esposa de Taehyung, dar a ideia de acamparmos em um local não muito longe da residência dos Kim; segundo ela seria legal. Concordamos que era uma boa ideia, então fomos arrumar o que era necessário para aquela noite e saímos a caminho de onde a moça havia nos dito. 


O trajeto passava-se e você perpetuava em seu silêncio aflitivo que parecia nunca ter fim. Por incrível que pareça, o pior castigo é o silêncio; não saber o que alguém está pensando acaba sendo torturante. E eu não estava aguentando mais. 


Quando já tínhamos chegado no local, as coisas já estavam organizadas do jeito que deveriam e estávamos descansando, percebi que era uma boa hora para tentar acabar com toda essa palhaçada entre nós. Levantei-me do gramado um pouco úmido em que estava sentado e disse discretamente para Taehyung que precisava tomar um ar, ele apenas assentiu e disse que estava tudo bem. Fui até você e pedi para que me acompanhasse. 


Distante, porém nem tanto da localização antiga, caminhamos até um riacho onde os outros não poderiam ver o que acontecia. 


— Isso não tá mais dando certo. 


Fui direto ao ponto 


— O que não tá mais dando certo? 


Você me perguntou aflito, já sabia do que eu estava falando; só esperava ouvir isso de mim. 


— Nós. Nós não estamos mais dando certo. 


E foi aí que tudo começou. 

É impossível esquecer o jeito que você gritou comigo, o jeito que você me batia, me empurrava, me chutava. Era como se eu fosse um completo estranho pra você. Você só reforçava o quanto eu estava certo sobre querer acabar conosco. 


— EU TE DEI TUDO! NÓS TÍNHAMOS UMA VIDA JUNTOS, E VOCÊ QUER ACABAR ASSIM?


Uma lembrança vaga do que escutei de ti. 


Sentia suas mãos surrarem minhas costelas enquanto eu estava deitado no chão tentando fugir de você. Mas não consegui, você era mais forte. 


Escutei todo o tipo de xingamento possível aquela noite. Era louco o jeito em que você parecia gostar de estar fazendo aquilo. Parecia ser revigorante. Já estava querendo fazer isso há quanto tempo? 


Seus toques e palavras me machucavam da pior forma possível, era horrível ter de escutar e sentir isso de qualquer pessoa que fosse. 


Eu tentei gritar, clamar por socorro, porém não conseguia quando tinha as suas mãos envoltas em meu pescoço tentando me sufocar. Agarrei as duas tentando me soltar de você, mas era inútil, completamente inútil, parecia que você era de ferro. 


Seu corpo encontrava-se acima do meu com as duas mãos ocupadas demais em evitar que qualquer resquício de oxigênio chegasse em meus pulmões. Porém minhas pernas estavam livres. 


Chutei seu estômago com toda a força que ainda restava dentro de mim, conseguindo finalmente me soltar e respirar novamente. Levantei-me o mais rápido possível do gramado frio e tentei correr daquele lugar. Porém eu tinha um impedimento 


Você 


O pavor tomou conta de cada nervo existente dentro de mim quando senti meu corpo ser puxado bruscamente para o mesmo lugar de antes. Eu tinha falhado, pensei. 


Você me puxou até as águas do riacho e enfiou minha cabeça lá dentro. 


Eu parei de respirar. 


Não conseguia escutar nada. 


Tentava me debater para sair daquela situação torturante mesmo sabendo que não existia saída. 


Minha visão foi ficando cada vez mais escura. 


Meu corpo foi ficando fraco, perdendo a energia em baixo do seu. 


Meu cérebro não pensava mais como antes.


Meus batimentos cardíacos cada vez mais lentos. 


Até eles finalmente pararem 


Pois é, Jeon Jungkook. 


Você me matou. 


Acabou com a coisa mais preciosa que eu tinha.  


E eu te odeio por isso 


[📻


Já era a quinta vez na semana em que Jungkook escutava tais palavras vindas do ex-namorado. Graças ao sistema "Laços", era mais que possível saber o que se passava na cabeça de alguém. 


No nascimento de cada pessoa, era implantado um aparelho dentro de seus cérebros que guardava cada mensagem que você queria dizer ao longo da vida e não pôde, só era necessário recolher tal objeto e colocá-lo em um compartimento especial. 


Porém as maravilhas da tecnologia nem sempre fazem bem para todos os que usufruem das mesmas. Jeon sentia-se destruído, acabado. 


Após o dia da morte de Park, ele fugiu para o mais longe que podia. Estava sendo procurado pela polícia incansavelmente, e uma hora iriam encontrá-lo. De um jeito ou de outro. 


As recompensas estavam altíssimas para quem o achasse; não teria como confiar em ninguém.


Então só encontrou uma saída. 


O homem olha para o lado tendo a visão do revólver que furtara de alguns assaltantes tempos atrás. Fitava tal arma melancólico, sabia que tinha que fazer isso. 


Segurou-a em suas mãos e carregou os seis compartimentos disponíveis, observou-a por um breve momento em seguida posicionando-a dentro da própria boca. 


Três.


Dois.


Um.


Puxou o gatilho.



Notas Finais


Oi, gente. Desculpa por isso. Eu tava bem triste na hora de bolar o enredo da one-shot.

Até a próxima.💘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...