História Eu te odeio, mais que tudo - Capítulo 6


Escrita por:

Visualizações 278
Palavras 1.336
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Mistério, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Uma noite na casa do inimigo


P.O.V Cellbit

-Feliz? -digo e entrego todos os trabalhos que ele mandou.

-Muito, Cinderela. -por quê ele gosta tanto de me chamar assim?

-Para de me chamar de Cinderela. -peço com educação, algo que ele não conhece.

-Nunca, mais onde é que vamos fazer o trabalho. -pergunta.

-Eu pensei que você ia dizer que eu ia fazer sozinho. -o que tá acontecendo com esse garoto?

-Eu ia, mais o Mark conhece minha letra, então precisamos fazer os dois, vai ser na tua casa na minha não dá. -mandão da porra. (A-Isso é bom ou ruim?)

-E por quê na minha? O que está acontecendo na tua? -acho auê estou me entrometendo demais.

-Meu pai. -olho pra ele.

-E o que tem seu pai? -pergunto.

-Não tá se entrometendo demais não garoto? Oxe, não se intromete na vidas dos outros. -eu já esperava por isso..

-Calma, só foi uma pergunta, nada demais. -me rendo.

-Nada demais? Sei... eu te encontro sábado. -ele é muito mandão!! Filho da puta também.

-Ok. -o que maus eu poderia fazer?

-Tchau, Cinderela. -estou perdendo a paciência que eu não tenho.

-Para de me chamar de Cinderela.

-Então eu vou te chamar de.. Vadia. -vadio.

-Me deixa em paz, Felipe. -o que eu fiz pra ele, só me diz?

 -Nunca na minha vida. -ele saiu do quarto.

P.O.V Batista

Acabo de entrar no quarto e vejo o João.

-João? -ele olha pra mim.

-Que foi? -diz em uma forma fria.

-Eu sei que é segunda mais, eu queria saber se eu posso ir na sua casa sábado. -digo e me sento na minha cama.

-Você sabe onde é? -ele se esqueceu?

-Nós já fizemos um trabalho junto, ano passado. -olho pra ele.

-Você ainda se lembra? -não! Por isso que eu nunca perguntei se podia ir na sua casa.

-Sim, eu ainda me lembro onde é, pode ser na tua e no sábado? -pergunto.

-Sim pode, apezar pode me chamar de Jv, eu sei que você faz parte do grupinho dos babacas mais... você não é um. -pior que é verdade.

-Eles são meus amigos, mais não posso deixar de falar que eles parecem ser retardados e idiotas na maioria das vezes. -na maioria das vezes, não todo tempo.

-É, licença eu preciso ir na biblioteca, eu preciso pegar um livro. -foi até a porta.

-Tá bom, tchau. -me despeço.

-Tchau Felipe. -abriu a porta.

-Pode me chamar de Batista. -morto meu lábio inferior.

-Então, tchau Batista. -ele se foi.

-Tchau Jv. -me jogo na minha cama.

Q.D.T (sexta-feira na frente da escola às 8:30 PM)

P.O.V Ycaro

~Cadê o Saiko? Meu deus que demora~

-Oi pequeno! -sinto alguém quase gritar, dei um pulo de susto, o Saiko riu. -Meu deus, tão medroso.

-Eu não sou medroso, você que me deu um susto! E eu não sou pequeno, você que é um poste! -digo e o olho, ele é relativamente maior do que eu.

-Não, você é baixinho. -filho da puta.

-Você que é muito alto, não sou baixinho. -o pior de tudo é que eu sei que sou baixo, mais não tanto!! (A-Você tem a mesma altura do que eu, mais eu tenho 12 não 19)

-É sim, eu quero te pedir uma coisa. -mau chegou e já vem pedindo coisa.

-Que coisa? -pergunto.

-Finja que somos amigos, minha mãe não sabe que você não é mais meu amigo. -eu ainda seria, mais se você não virasse uma imbecil.

-Eu queria, mais você mudou pra um babaca. -essa é a verdade mais verdadeira que eu disse.

-Ainda bem que minha mãe vai estar em casa, senão você estaria completamente fudido! -engulo o seco.

-Vai logo Saiko, eu não quero chegar na minha casa tarde. -não queria dormir com ele. (A-Em que sentido?)

-Vamos lá, Ycaro. -nós saímos da frente da escola e fomo pra casa do Saiko, entramos e logo fui recebido pela mãe do Saiko.

-Ycaro, faz tempo que não nos vemos, parece que você e o Rodrigo nem são mais amigos! ~E não somos!~

-É que eu não tô tendo muito tempo, eu e o Saiko sempre nos falamos na escola. -menti.

-Que ótimo, eu vou fazer o jantar, quer ficar? -não.

-Não obrigado, eu não posso ir pra casa tarde. -eu não queria ficar com o Saiko mesmo.

-Não se faça assim, eu ligo pra sua mãe e você dorme aqui. -aqueles momentos que você quer morrer só pra ficar com quem não gosta.

-Mãe! Ele tem casa e nós só vamos fazer o trabalho. -que tenho certeza que vai ddemorar 5 anos.

-Quê isso Rodrigo? Deixa o menino, se estiver muito tarde ele vai dormir aqui sim! -falou firme.

-Tá bom mãe! -diz e nós fomos pro quarto dele.

-Pegou tudo? -olho pra ele.

-Sim! Peguei, agora vem fazer coisa logo! -ele fala.

-Tá bom. -menino apressado.

-Se minha mãe falar pra você dormir aqui, diga que não. -disse.

-Mais como eu vou mentir? Eu não sei. -só se for uma mentira pequena.

-Mais vai dar um jeito, não quero você dormindo aqutardeambém não.

-Tá, eu vou tentar. -só tentar, não prometo nada.

-Ótimo que tente, agora vamos começar se não vai ser muito tarde depois. -por quê eu estou pressentindo auê eu vou dormir aqui?

-Você tá certo. -odeio admitir isso.

-Sempre estou. -convencido do caralho.

-Convencido. -e muito.

-Só um pouquinho. -pouquinho meu cu! Isso foi meio errado de se pensar.. De novo

-Eu sei o seu "pouquinho". -digo fazendo aspas com os dedos.

-Vamos fazer isso logo. -chato.

-Era isso eu eu estava tentando fazer. -falo.

-Filho da... -sua mãe entra no quarto. -Oi mãe! -diz e começo a rir, meio baixo por causa da mãe do Rodrigo. (A-Que não tem nome)

Q.D.T (11:59 PM)

-Terminamos! -finalmente.

-Não acredito que demorou todo esse tempo só para um trabalho. -ele olha pra mim -Vai embora. -grosso. (A-Em que sentindo? Eu sou muito pervertida)

-Nossa, grosseria em! -meu deus.

-Xispa da minha casa, garoto. -saio do quarto dele e vou pra sala.

-Opa! Você vai embora? -a mãe do Rodrigo me para.

-Sim. -difgo.

-Olha só que horas são, eu vou ligar pra sua mãe e dizer que você vai dormir aqui. -,pelo amor do meu deus! Não faça isso.

-Não pre... -ela me cortou.

-Nada disso! -raiva no fundo do coração.

-Mãe, ele tem casa. -Rodrigo chega do meu lado.

-Eu sei, mais ele vai dormir aqui! Vai dar uma roupa pro Ycaro, vai lá! -ele bufou.

-Vem Ycaro. -segui ele pro quarto de volta. -O que deu na cabeça da minha mãe?

-Eu não sei, eu não queria estar aqui. -não mesmo.

-Eu acho que vai ficar um pouco folgada.. Baixinho. -ele sussurrou, mais eu ouvi.

   -Você tem dezenove e eu dezesseis, você é mais alto do que eu, então eu acho que vai. -deu uma mini raiva de dizer isso? Sim, por quê? Não sei.

-É, vai ficar folgado. -ele mexe mais no seu guarda-roupa, tira de lá uma calça moletom e um moletom escrito "Lover" com um "s" na frente, no caso Loser. -Veste isso daqui. (A-Dá pra mim!!! Eu quero ┭┮﹏┭┮)

-Tá, sai do quarto. -mandei.

-O quarto é meu. -não ligo.

-Mais eu vou trocar de roupa, então vai embora. -falo como se fosse o óbvio.

-Me avisa quando terminar. -saio do quarto, tiro minha blusa, coloco o moletom tiro a minha calça e coloco a dele, ficou folgado? Sim, mais nem tanto, ainda bem. (A-O Ycaro é um anão, só pode) -Terminou? -diz entrando sem aviso.

-Eiii, se eu estivesse me trocando agora? -coloco minhas mãos na cintura.

-Mais não está, esse moletom tá parecendo um vestido, por quê será? Deve ser por causa do seu tamanho, pequeno. -vai se fuder.

-Não me chama de pequeno, eu não sou. -sou sim, mais não admito.. Só fora mesmo.

-Olha a minha altura e compara com a sua. -fica na minha frente. -Você é pequeno.

-Não sou não, você que é um poste. -cruzou os braços.

-Até minha mãe é mais alta do que você. -pisco os olhos várias vezes.

-Me deixa em paz. -peço.

-Você está na minha casa, eu tenho o direito de te irritar.-dou um suspiro.

-Rodrigo e Ycaro vem jantar! (A-Tu só terminou agora? Que jantar é minina?) -sua mãe grita, nós saimos do quarto e fomos pra cozinha, AH minha comida favorita.

-Nossa quando é o Ycaro, você faz uma comida toda bunitinha, mais quando é eu você não faiz assim. Pega ele como filho logo. -dei um riso.

-Se eu pudesse trocar você com o Ycaro, eu trocava. -melhor pessoa.

-Toma trouxa. -ele me olhou, indignado.

-Cala a boca. -nunca.


Notas Finais


Ainda tem um capítulo hoje! Não se esqueçam!!! Eu poderia não postar? Podeira mais eu vou ser boazinha com vocês.

Revisado: Não, avise erros
Por: Luh (>ω<)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...