História Eu, Você, Dois Livros e Uma Jujuba - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin, Rap Monster
Tags Jin, Namjin, Namjoon, Rap Monster, Seokjin, Yaoi
Visualizações 43
Palavras 1.381
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu tive a semana inteira pra escrever mas só fiz isso ontem eu sou muito enrolada.

Esse é o capítulo com a narração somente do Namjoon, então tem muita coisinha igual do cap passado kdjdjdjjd porque eu demorei pra escrever isso?

Espero que gostem!

Capítulo 3 - BÔNUS: Chantagem


Talvez por ter lido romance adolescente a minha vida inteira eu tenha sido influenciado. Ou talvez porque eu realmente não tinha escapatória de forma alguma.

Os sintomas eram claros: minhas mãos suavam frequentemente, meu rosto ficava mais vermelho que o abitual e eu sentia uma vontade enorme de abraçá-lo e mantê-lo perto de mim. Era estranho de certa forma, porém não ruim. Confortante seria melhor dizer.

Não sabia como havia começado e nem como havia progredido tão rapidamente, mas aconteceu. Sem ao menos perceber, Kim Seokjin já tinha tomado um espaço enorme na minha vida e se tornado tão importante àquele ponto. 

E eu já sabia o que era tudo aquilo. Todos aqueles sentimentos embolados e confusos, eu já tinha noção do que significavam. Anos e anos de experiência me deixaram espertos ao perceber que, sim, eu era mais um dos milhares que acabaram gostando do melhor amigo. Trágico, sabemos disso. 

Caberia agora saber quais seriam os passos finais para que toda essa história tivesse uma conclusão e para que pertíssimos para a segunda temporada.





Era domingo, e a melhor coisa que podia acontecer nos domingos era meus pais saírem e eu poder ter a casa inteira só pra mim, a tarde inteira, sem interrupções. E não, eu não fazia nada de "errado" durante esse tempo, eu apenas dormia o máximo que conseguia, aproveitando a calmaria e silêncio que, provavelmente, seriam quebrados quando eles chegassem. 

Em um desses domingos preguiçosos, enquanto eu escovava os dentes, pronto para jogar mais uma tarde fora procrastinando, recebi uma ligação. Estranho, ninguém costumava me ligar. Porém, quando observei melhor a tela e vi quem ligava, não deixei de sorrir. 

– Oi Jinnie. – Atendi, mesmo que uma parte de mim dissesse para lagar o telefone e ir dormir imediatamente, outra muito maior dizia para não deixá-lo esperando a chamada. – Por que me ligou? 

– Você quer vir aqui em casa? – Ele respondeu, direto até demais com o que estou acostumado. Onde estão os cumprimentos Kim Seokjin? – É férias então não temos nada 'pra fazer.

– Mas Jinnie – era inexplicável o sono que eu sentia, mas quais eram as alternativas, dormir a tarde inteirinha e descansar tudo o que não descansou durante o ano escolar ou ir na casa do melhor amigo que você tem uma quedinha e ficar até sabe lá quando? Desculpa, eu escolhia a primeira opção sem nem pensar direito. – Eu 'tô com preguiça. 

– A Jujuba está aqui, tem um pacote de balinhas do meu lado e eu acho que você não quer desperdiçar a chance de ler enquanto aproveita umas balinhas de goma não e Kim Namjoon? 

– 'Tô indo. – Ah, aquele desgraçado tinha um truque muito poderoso mesmo. Eu não acredito que iria que andar até lá, mas nada que uma leve chantagem não fizesse. Peguei meu melhor livro, mesmo que tivesse lido ele umas cinquenta vezes, não importava.

Desculpa Dua Lipa, mas eu atendi a ligação e quebrei as regras.






– Cadê o amor da minha vida? – Foi a primeira coisa que perguntei ao chegar e ver a porta sendo aberta. Se eu saí da minha casa e andei três quarteirões a pé foi para ver a Jujuba. Quem era Kim Seokjin mesmo?

– Em cima da minha cama. – Corri desajeitadamente até o quarto do meu amigo e quase me joguei na cama quando a vi. Deitei por ali e acariciei seu pêlo macio e branquinho, ouvindo-a ronronar. Se eu pudesse roubá-la e levá-la 'pra casa ia ser uma das melhores coisas do mundo, mas no momento, isso não é uma alternativa viável. Quem sabe futuramente. 

– Eu pensava que você era meu amigo de verdade Kim Namjoon. – Escutei-o dizer, encostado no batente da porta. Fiquei confuso e ele claramente percebeu minha expressão, pois logo depois, completou a sentença. – Uma amizade baseada em interesse pela minha gata? Que feio. – Então era por isso! Sorri e me levantei na mesma hora.

– Vem cá. – Abri os braços e fui agraciado com sua presença, sua mãos subindo para meu pescoço e as minhas indo até suas costas e cabelos sedosos, mexendo por ali. – Uma amizade sem ser baseada em interesses nunca é verdadeira Kim Seokjin. – Disse após um tempo, sorrindo. Vendo que ele me acompanhou, sorri ainda mais abertamente. 

– Você é horrível Namjoon. – Ele respondeu, logo se soltando de mim e indo até uma das pontas do tapete e se sentando, segurando o saquinho de doces e balançando-o. Imitei sua posição e peguei meu livro, me concentrando pelos próximos minutos que se passaram. 








– Namjoon, – ouvi ele me chamar, e pausei minha leitura, já na metade da estória – eu queria te falar uma coisa. 

– Pode falar. – Disse e retirei meu óculos que usava apenas para ler e o fitei.

– Eu queria falar uma coisa mais séria. – Ele continuou, não mantendo contato visual, mesmo que eu o fizesse. – Me promete que, depois de tudo que eu falar, você não vai se afastar de mim? 

– Prometo. – Concordei, aquilo já estava me deixando um pouco preocupado, mas por brincadeira, bati continência e ri logo em seguida. – Agora continua.

– Você sabe que eu gosto muito de ficar desse jeito, lendo com você, não sabe? – Ele perguntou enquanto eu afirmava, ainda um pouco confuso. – Então, mas isso meio que mudou um pouco durante esse ano. Namjoon, eu vou ser bem direto, eu não te vejo mais como um amigo. Não mais. Você já ultrapassou esse patamar e – espera, era o que eu estava pensando que estava prestes a acontecer ou... – eu gosto muito de você Nam. Daquele outro jeito. 

Sim, era. Meu deus.

– Isso é sério? - Perguntei, ainda um pouco artodoado depois de um tempo.

– Sim, muito sério. 

– Sério mesmo? 

– Sério mesmo.

– Jura?

– Juro Kim Namjoon. – Eu já podia morrer, minha missão de vida tinha sido concluída naquele instante.

– Pois eu tenho uma coisa também Seokjin. – Me aproximei e sentei à sua frente. Segurei firme suas mãos e o joguei sobre meu colo. – Eu também. 

– Também o que? 

– Também gosto de você. – O apertei bem forte entre meus braços e sorri abertamente em seu pescoço. Percebi que ele já estava mais calmo e, por isso, entrelaçou os braços por trás da minha cabeça e mexeu no meu cabelo, do mesmo jeito que eu havia feito mais cedo.

– Gosta quanto? – Senti um tom divertido em sua voz ao dizer tal coisa, me fazendo ficar mais radiante e alegre à cada momento com aquele garoto.

– Gosto tanto que deixei umas jujubas vermelhas só 'pra você. – Ai deus, eu sou tão cliché!

Tirei devagar meu rosto de seu pescoço e o encarei. Senti meu estômago dar um breve rolê na minha barriga ao olhá-lo assim, tão perto. Borboletas não chegavam nem perto do que eu estava sentindo. 

Levei meu polegar à sua bochecha e fiz um breve carinho por ali, bem amorzinho mesmo, me aproximando bem devagar no processo. O vi umedecer os lábios antes de se aproximar totalmente e tocar sua boca na minha em um movimento rápido e que eu não esperava. 

Eu senti todas as emoções boas possíveis que eu poderia sentir só com aquele beijo. Sua boca era macia e, céus, ele beijava bem demais. Tem alguma coisa que Kim Seokjin não sabe fazer?

Sim, existe. Ele não sabe escolher um livro bom.

Onde já se viu alguém preferir mistério, ficar com medo em algumas partes ou ansioso demais em outras do que morrer de amores pelo casalzinho que, finalmente, ficou junto no final? Não tinha lógica. 

Senti-o segurar meu rosto com carinho entre suas mãos grandes e sorri entre o beijo. Antes de me soltar totalmente dele, enchi-o de selinhos diversas vezes seguidas, ouvindo por fim sua pequena gargalhada e seu gostinho de bala no final.

Mesmo que minhas preferidas, eu dividiria minhas jujubas vermelhas com ele, como eu esperaria que ele fizesse comigo. Apenas com ele, somente com Kim Seokjin eu abriria mão do meu doce favorito e dividiria consigo. Apenas dividir. Com ênfase na palavra dividir. 

 Ah, eu amava demais aquele garoto. Mesmo que ele fosse muito mal agradecido e achasse que eu só ia em sua casa por causa da Jujuba, mesmo que ele usasse uma enorme chantagem comigo pra conseguir o que quisesse e mesmo que seu gosto para livros seja ruim, eu continuava gostando dele da mesma forma.





 


Mas ele teria que entender de uma vez por todas que romance adolescente era mil vezes melhor que mistério. 


Notas Finais


namjin não conhece o significado de #pas filhos da puta.

Bom, esse é o fim da minha 3shot que eu tanto queria escrever. Espero que não tenha decepcionado quem leu e, principalmente, quem acompanhava a antiga versão dela. Eh isto.

até ~~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...