História Eu, Você e as Desgraças que Pensamos - Capítulo 16


Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Bissexual, Gay, Lemon, Lésbica, Lgbt, Relacionamento Abusivo, Romance, Soulmates, Trans*, Yaoi, Yuri
Visualizações 118
Palavras 1.846
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Não ia postar essa semana porque entrei em bloqueio criativo buevfiajl
Mas eu quero muito que vocês leiam esse rç

Capítulo 16 - Capítulo Dezesseis - Aceitação


— Mas me digam, como é que vocês conseguiram marcar o primeiro gol em só dois minutos de jogo? — Neil pediu sentado em cima da mesa de Evan, como de costume.

    — Quando você diz “vocês” está falando desses dois filhos da puta, né? — Evan questionou irritado.

    — Eu me referi ao time, qual é a da ideia?

    — A ideia é que o apito tocou e eles saíram em disparada pro campo adversário e fizeram a porra do gol sozinhos.

    — Mas o crédito vai pro time todo, para de reclamar. — respondeu Alex sem se importar muito com a situação.

    — Mas como vocês conseguiram? — Neil insistiu em sua pergunta.

    — Ah, isso foi fácil. — Mike comentou com um sorriso — Somos almas gêmeas.

    — Vocês estão me zoando. — respondeu Neil sem acreditar.

    — Não é mentira. — respondeu Alex sem fazer questão, como sempre.

    — São uns viados de merda mesmo. — respondeu Evan irritado — Se aproveitaram disso e enquanto avançavam discutiam o que era melhor fazer e fizeram um caralho de um gol. — recebeu um tapa de leve na cabeça, ato vindo de seu namorado.

    — Claro, falou o hétero. — retrucou Alex com um sorriso irônico, fazendo o outro se calar — Mas sua conclusão tá certa.

    — O problema foi que depois começaram a querer focar na gente, aos poucos fomos aprendendo como raciocinar e envolver as pessoas em nossos planos sem que nem percebessem. É meio complicado, apesar de que ajuda.

    — Ou seja, o time todo são só peões pra mente de vocês? — Neil questionou intrigado.

    — Claro que não, eles são pessoas importantes, com nossas mentes ou sem, é um time que faz um jogo ser vencido. — Mike respondeu.

    — Pare de roubar minha fala, porra! Isso é uma puta invasão de privacidade! Eu quero pensar e poder falar, sabia?

 

    “Nunca pensei que eu ia sentir empatia pelo Alex…”

    “Invasão de privacidade, é?”

 

    — Sim, invasão de privacidade, cacete! — gritou Evan irritado com Neil que apenas riu, estava acostumado a provocar o rapaz daquela forma.

 

    “Se nem o Evan se acostumou ainda, será que nos acostumamos?” — Mike questionou curioso enquanto via os dois “discutindo”.

“Eu espero que sim…”

 

Neil chegou em casa preguiçosamente e assim que chegou em seu quarto, escutou alguns resmungos de sua mãe. Optou por jogar sua mochila na cama e foi para o final do corredor, onde ficava o quarto de seus pais.

 

— O que você tanto resmunga?

— Ah! Neil! Que bom que você chegou. — sua mãe disse animada enquanto tentava fechar uma mala.

    — Você vai viajar?

    — Sim. Seu pai recebeu as férias dele e nós vamos viajar amanhã.

    — Sem mim? — Neil questionou sem se importar em transparecer sua decepção.

    — Neil, fazem anos que eu não saio sozinha com seu pai. E agora que você está tendo algo com o Evan… Bom, estou juntando o útil ao agradável, é isso que você tem que entender.

    — Está dizendo que eu vou ficar sozinho em casa e posso trazer quem eu quiser?

    — Acho que alguém está entendendo onde eu quero chegar. — Olga respondeu sorrindo.

    — Caramba, mãe! Te amo! — Neil exclamou dando um abraço nela.

    — Se me ama mesmo, me ajuda a fechar essa mala. — respondeu ela depois de corresponder.

    — Com certeza! — ele respondeu animado — Mas me diz uma coisa, vão ser quantos dias?

    — Vamos ficar cinco dias fora, mas as férias do seu pai são de sete.

 

    Neil ajudou sua mãe e não demorou a sair do quarto, já tratando de ir para seu quarto novamente.

 

    “Evan, tá acordado?”

    “Eu escutei, você que tava empolgado conversando com sua mãe que não me escutou.”

    “Sério? Foi mal… Mas e aí, quer passar uma noite aqui?”

    “Eu vou dar um jeito, mas vou passar uma noite aí.”

    “Aê, caralho!”

    “Acho que você está realmente animado com a ideia, pensando até em palavrão.”

    “Vai ser a primeira vez que você vai vir aqui e não vai ter meu pai te enchendo, isso é ótimo!”

    “Porra, isso é verdade. Tô vendo vantagem.”

    “Eu esperar que role algo a mais é pedir demais, né?”

    “Você sabe que sim, Neil…”

    “Desculpa, eu não pude deixar de me levar.”

    “Eu te entendo.”

    “Entende?”

    “Eu quero isso, mas é algo que me trava na hora.”

    “Não se preocupe, eu vou esperar.”

    “Obrigado.”

 

    — Pare de ficar conversando com seu namorado e vem me ajudar com o jantar, menino! Você nem para me avisar da hora…! Seu pai já deve estar chegando!

    — Tá querendo agradar o velho, é?

    — Também! Mas ele me avisou que não deu tempo de almoçar, deve estar morrendo de fome o coitado.

    — Dona Olga sendo dona Olga… — Neil murmurou se levantando para ir ajudar a mulher.

 

    Evan olhou para o relógio de seu celular novamente, já passava de uma hora da manhã.

 

    “Neil?”

 

    Nenhum pensamento alheio, isso só poderia dizer que ele estava dormindo.

 

    Evan: Cara, tá acordado ainda?

    Alex: O que foi?

    Evan: Preciso de um conselho…

    Alex: TENHO CARA DE CONSELHEIRO?!

    Alex: Aposto que fez merda com o Neil.

    Evan: Eu não fiz porra nenhuma

    Evan: Exatamente por isso que eu preciso de um conselho

    Alex: Você quer ajuda minha pra conseguir foder?

    Alex: Você fumou?

    Evan: EU NÃO SEI A QUEM MAIS RECORRER

    Evan: Tô no fundo do poço, cara

    Alex: Vai ver uns pornô gay e se vira

    Alex: Não vou ficar ajudando quem ficava pagando de hétero homofóbico

    

    Evan ficou encarando o chat com a resposta e suspirou novamente. Por fim, saiu do aplicativo e abriu uma janela anônima no navegador do seu gadget.

 

    “Eu vou mesmo fazer isso..?” — se auto questionou enquanto entrava em um site pornô — “Hétero homofóbico… Neil realmente tem paciência comigo.”

 

    O jogador pegou seu fone de ouvido e apertou em algum vídeo antes mesmo dele carregar alguma thumbnail.

 

    O vídeo era caseiro, sentiu vontade de procurar outro vídeo na hora, mas se era para ver, então que visse a realidade.

 

    De repente, Evan não sabia mais o que pensar, sempre tentava dar um passo adiante com Neil e não conseguia, mas não podia negar, mesmo parando, ele ficava excitado.

 

    Demorara um tempo para se acostumar com o fato de que estava se excitando com um homem.

 

    E agora precisava se acostumar com a ideia de que estava se excitando com um vídeo de dois homens transando.

 

    “Meu pai vai me matar se descobrir isso…” — pensou com certo desespero — “Mas por que mesmo sabendo disso… Eu quero continuar com Neil..?”

 

    Evan passou a mão pelos cabelos, os bagunçando, decidiu ver mais alguns vídeos antes de fechar as guias e bloquear o celular. Todavia, antes de o deixar de lado, o mesmo vibrou com uma mensagem nova, sua curiosidade o fez desbloquear a tela.

 

    Alex: O filho da puta do Mike não para de me encher

    Alex: É o seguinte

    Alex: Desculpa pelo que eu disse antes, apesar de que é verdade

    Alex: Eu não sei que tipo de feitiço o Neil jogou em você

    Alex: Mas já que o feitiço não funcionou 100%

    Alex: Saiba que você não deve forçar o avanço de um relacionamento, se você quer avançar, então pense no que o Neil significa pra você a ponto de querer tanto isso, pense no porque vale tanto a pena se esforçar, vai que funciona como um mantra motivacional

    Alex: Mas lembre-se que se o Neil teve paciência até agora, ele vai ter paciência daqui pra frente

    Alex: Acho que é isso, o Mike deve parar de me encher depois disso

 

    Seu celular havia vibrado tanto que já havia silenciado o aparelho, estava agradecendo que as mensagens finalmente acabaram. Entretanto, ao parar para ler cada mensagem sentiu vontade de rir, aquilo era a cara dos dois.

 

    Evan: Valeu

Evan: Vocês dois

 

Estava se preparando para bloquear a tela novamente quando recebeu uma nova mensagem, logo abriu o chat.

 

Lauren: Evan

Evan: Oi

Lauren: Mike me disse que você estava com problemas

Lauren: Quer desabafar?

Evan: Mas é um fofoqueiro desgraçado

Evan: Quero sim

Lauren: Então diga

Evan: Eu estava pensando no que Neil significa pra mim

Evan: Com certeza mais do que eu esperava que fosse significar, mas será que isso é só porque somos almas gêmeas? Eu teria me apaixonado se ele não fosse minha alma gêmea?

Lauren: Do jeito que ele é insistente, não duvido nada que vocês poderiam ficar juntos mesmo não sendo almas gêmeas

Evan: É estranho gostar de outro homem

Lauren: Você está se descobrindo

Lauren: É perfeitamente normal

Evan: Eu cheguei a achar que Neil era um caso especial, por ser minha alma gêmea

Lauren: E o que te fez discordar disso

Evan: Experimentei ver algumas merdas entre dois homens

Lauren: Sabe, eu já experimentei com mulher e detestei, me senti extremamente desconfortável e mesmo sendo estimulada, não resolveu muita coisa não

Evan: E?

Lauren: Mas se eu vejo pornô entre duas mulheres eu acho excitante, entende onde eu quero chegar?

Evan: Está dizendo que eu ficar duro com pornô gay não quer dizer nada?

Lauren: Exatamente

Lauren: Pode dizer tudo, ou pode dizer nada

Lauren: Já tentou olhar para homens ao seu redor de maneira diferente?

Evan: Nem ferrando, eu iria magoar o Neil

Lauren: Neil vive falando de como outros rapazes são bonitos, isso não tem nada haver, porque isso não quer dizer que ele vai ir pegar esses caras

Lauren: Conhece o Eiji da minha sala?

Evan: Não é ele que tentaram brincar e se ferraram porque ele pratica judô?

Lauren: Isso! Conhece ele pessoalmente?

Evan: Já vi ele pelo colégio

Lauren: Ele é considerado bem bonito, o que acha dele?

Evan: Realmente, ele tem beleza

Lauren: Mas vamos pensar além da beleza, você considerar outro homem bonito não significa nada

Lauren: Você pegaria ele como me pegou? Gostaria disso da mesma forma que gostou comigo?

Evan: Consigo imaginar

Lauren: E você consegue gostar disso da mesma forma que gosta quando é com Neil?

Evan: Sim

Lauren: Se sente mal com essa constatação?

Evan: Um pouco

Lauren: Então trabalhe nisso, trabalhe em se aceitar

Lauren: Isso pode te ajudar a conseguir avançar com Neil

Evan: Eu nunca disse que estava com problemas em avançar com Neil…

Evan: Caralho

Evan: Eu vou meter a porrada no Mike

Lauren: Se eu te ajudei não tem razões para reclamar

Evan: Valeu

Lauren: De nada, espero que consiga

 

Evan não respondeu mais nada, apenas apagou a conversa com os dois últimos contatos e colocou o aparelho para carregar.

 

“Merda, imaginar aquilo não ajudou muito…” — pensou olhando para sua ereção.

 

Eram quase duas da manhã, não devia ter problema tomar banho àquela hora…

 

Desde que começara a namorar, aquela era a primeira vez que decidiu que iria se masturbar e a pessoa que invadiu sua mente perversa dessa vez não era uma mulher qualquer.

 

Dessa vez era Neil que fazia parte de suas fantasias.

 

E sentir um pouco de culpa foi inevitável, mas foi até o fim com o ato, precisava fazer isso.

 

Enquanto via os vestígios de suas ações sumirem em meio ao ralo, suspirou deixando um sorriso se formar em seus lábios. Se sentia menos confuso, mais relaxado e menos preocupado, estava feliz por isso.

 

Mas se perguntava se era o suficiente para o que realmente almejava.


Notas Finais


EU SÓ QUERIA QUE VOCÊS VISSEM AS INTERAÇÕES DESSE SQUAD MESMO
É ISSO
Até a próxima, amores <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...