História Eu vou te ajudar - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Turma da Mônica Jovem
Tags Cascao, Franja, Franja X Cascão, Tmj Yaoi
Visualizações 61
Palavras 1.606
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Esporte, Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shonen-Ai, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 15 - Enfim, o almoço.


- Se não for abusar da sua boa vontade, poderia me ajudar com a panela?

- Claro. - Ela disse enquanto colocava uma mecha de cabelo atrás da orelha.

Ambos foram para traseira do carro e abriram o porta malas. Cada um pegou de um lado para carregar melhor e levaram com certa dificuldade para casa. 

- Aqui está. - Franja disse enquanto colocava a panela sobre a mesa. 

- Ótimo. E agora, quem vai pegar o carvão no meu carro? 

- A gente vai. - Cascão disse, segurando o braço de Franja e o puxando com ele. Aninha jogou a chave e Cascão a pegou.

 Do lado de fora os dois caminhavam até o carro. 

- O que foi isso? - Franja perguntou. 

- Isso o que? - Cascão perguntou, mais uma vez suas marcas nas bochechas escondiam o quão vermelho o garoto estava.

- Não sei. Talvez o fato de me agarrar e puxar pra fora? - Franja perguntou com um sorriso largo. 

- Eu... Bem… - Cascão buscava algo para dizer enquanto abria o porta malas. 

- Eu te acho fofo com ciúmes. - Franja disse baixo, perto do ouvido do garoto. Cascão se arrepiou e olhou surpreso para Franja, seu rosto estava queimando

. Franja se limitou a pegar um dos sacos e ir para casa. 

- Por que a Cascuda não veio? - Marina perguntou. 

- Ela vem mais tarde. Ela é a que está mais bem resolvida com isso tudo então...

- Entendi. Mas e você Dorinha? Está aqui tão cedo por que? 

- Eu fui convidada pela Aninha. 

- É mesmo? Desde que ela e o Titi terminaram vocês ficaram muito amigas. 

- Amigas? - Dorinha riu - Se nós somos amigas, Cascão e Franja são apenas colegas de apartamento. 

Marina ficou parada, estática por alguns segundos. Aninha que ajudava Xaveco a temperar as carnes ficou extremamente vermelha. 

- Dorinha hein? - O loiro cutucava a amiga com o cotovelo enquanto a olhava maliciosamente.

- Falou o garoto que perdeu a virgindade com ele mesmo do futuro. 

- Como você sabe? - Xaveco corou até o dedinho do pé.

- Que? Eu falei qualquer coisa. Como assim vocês já fizeram?

- Como assim você e a Dorinha estão juntas?

Um festival de perguntas começou. Marina se encontrava entre o choque de descobrir aquelas coisas e a vontade de rir. 

A conversa foi interrompida pela porta sendo aberta. Um Cascão com bochechas rosadas e um Franja sorrindo satisfeito entraram.

- O que está acontecendo? - Franja perguntou.

- Nada. - Todos responderam ao mesmo tempo, voltando imediatamente ao que estavam fazendo.

- Tá bom… - Franja e Cascão disseram, olhando um para o outro. 

Cascão foi arrumar a churrasqueira e Franja ajudava a arrumar a cozinha. 

Não demorou para que  os primeiros convidados chegassem. Magali e Quim. 

-Oi gente. - Magali cumprimentou animada, estava com um pote de plástico tampado em suas mãos. 

- Oi. - Franja a recebeu - O que é isso que você trouxe? 

- Ah, eu não queria aparecer de mãos vazias, então eu trouxe uma salada de frutas. 

Cascão cutucou Xaveco com o cotovelo. 

- Hein? Que foi? 

- Não falei que garantiriamos a salada? 

- Eu trouxe pão de alho. - Quim estava com algumas sacolas em suas mãos. 

- Rapaz, você trouxe a melhor parte. - Cascão foi até o amigo para pegar as sacolas e levar para dentro.

Os dois não ficaram parados, Quim e Magali ajudaram com o que conseguiram. Mas não demorou para que Magali visse Marina desenhando, sentada na grama.

- Marina. Esta tudo bem? - Ela perguntou se sentando ao lado da garota. 

- Sim. Por que?

- Ah , é que você está faltando na escola. As meninas estão preocupadas com você. 

- Magali... - Marina começou, se colocando de frente com a amiga. - Agradeço a preocupação de vocês, de verdade. Mas não sou eu quem vai falar o motivo.

- O que? 

- Vocês todas vão saber de tudo hoje. Mas não se preocupe, eu estou começando a deixar tudo no passado. 

Ao dizer isso, Marina saiu. Deixando Magali sozinha. 

- Ok… - Ela disse perdida.

Os demais convidados não demoraram para chegar.

 E tão logo, estavam sentados a mesa conversando e se servindo. 

Até Cebola estava lá, mas não falava muito. 

- Gente... Com licença - Aninha tentava chamar a atenção dos outros, sem sucesso - Cala boca por favor. Obrigada. Eu acho que está na hora de mostrar a vocês o verdadeiro sentido desse almoço. E por isso, nada mais justo que começarmos pelos principais. - Aninha se sentou ao lado de Dorinha. 

Cascão e Franja se levantaram, Cascuda fitava o ex namorado com um certo orgulho. 

- Sei que vocês podem estar estranhando que nós não estejamos mais saindo com nossas namoradas. - Cascão mantinha o olhar baixo enquanto brincava com seus dedos. - Mas, aconteceu tanta coisa do início do ano pra cá. Coisas que vocês nem ficaram sabendo.

- E nós não podemos evitar algumas delas. - Franja disse, colocando a mão sobre o ombro do outro - E uma dessas coisas foi…

Nenhum dos dois terminou de falar, apenas deram as mãos fazendo quase todos caírem para trás.

- Então são vocês que namoram? Pensei que… Deixa baixo.- Jeremias disse 

- Não me leve a mal, Franja. Mas vai sobrar mais garotas para mim. - Titi disse, indo com sua cadeira para trás. 

- Falta elas quererem tanto quanto ele. - Aninha murmurou. 

- É cada uma que vemos nessa turma. - Carmen cruzava os braços.

- Eu sabia. - Denise gritou - Que fique registrado que eu já sabia. 

O silêncio se fez, a atenção se voltou toda para a garota. 

- Gente, estava na cara. Aliás, felicidades. Vocês ficam bem juntos. 

- Isso é sério? - Mônica perguntou. 

- Mônica? - Cascão disse baixo. 

- Nada contra, Cas. Mas isso é alguma brincadeira?

- Brincadeira? - Franja arqueou uma sobrancelha. 

- É.  O Cascão adora fazer brincadeiras bestas. Tenho que admitir que desta vez eu quase acreditei. 

- Mônica… - Cebola disse.

- Não é, Cê? Essa foi convincente...

- Isso não é brincadeira… 

- Como você pode saber?

- Eu fui o primeiro a saber. - Ele respondeu arrastado. - A um bom tempo.

- E você não me contou por que? 

- Porque você ia reagir pior que agora.

- Por que? 

- Você ia me fazer contar tudo...

- Mas é claro que ia. Como pode me esconder uma coisa dessas? - Mônica se levantou. 

- Porque eu não queria falar que eu perdi.

Mônica olhou para cima, como se pedisse paciência. 

- Você perdeu o que Cebola?

- O Cascão para o Franja.

Mônica ficou em silêncio, apenas se jogou em sua cadeira após ouvir aquilo. 

- Desculpe. - Ele disse, se virando para olhar para ela. - Por magoar você e o Cascão. Eu me sinto péssimo por isso. 

- Como... Como pode…? 

- Mônica. Não vai por aí. - Marina disse - A raiva não vai te fazer bem. 

- Mas… Marina.

- Confie em mim. Só deixe isso pra trás.

Mônica respirou fundo, algumas lágrimas escorriam pelo seu rosto. Seus olhos se arregalaram ao ver um copo de refrigerante sendo entregue para ela. 

- Talvez seja egoísta da minha parte pedir, mas podemos voltar a ser amigos? Como quando éramos crianças. - Cebola perguntou  enquanto Mônica hesitava em pegar o copo. - Sem desenhos no muro, eu juro.

Mônica deu uma pequena risada e pegou o copo. 

O clima foi ficando agradável novamente depois de um tempo. 

- Agora que a poeira abaixou, é a nossa vez. - Aninha se  levantou - Eu quero que saibam que estou em um relacionamento sério e estou muito feliz. 

- Quem é o louco? Quero dizer, o sortudo? - Titi perguntou irônico.

Dorinha se levantou e segurou a mão de Aninha. 

- Sabe, Titi? Acho que louco é você, teve uma garota espetacular do seu lado e deixou ir.

Os demais riram de Titi e parabenizam ambas as garotas. 

- E você Xaveco? Não vai falar nada? - Cascão perguntou. 

Xaveco soltou um suspiro e se levantou. Contou a todos sobre sua relação com Xavecão, deixando claro que não se tratava de incesto. 

- Acho que nada superará  isso até o natal. - Carmen sussurrou para Denise. 

- Feliz natal. Ho Ho Homossexuais. - A garota de Maria chiquinha disse rindo. 

E assim, de um lado bom e de outro ruim o almoço chegou ao fim. 

Franja e Cascão sobreviveram a parte de contar para os amigos. Mas agora restava contar para os pais. 

- Vocês o que? - O pai de Cascão estava estático.

- Oh filho. Se você está feliz saiba que estou também. - A mãe de Cascão fez um carinho no rosto do filho. 

- Gosto de saber que vocês tenham confiado em nós para contar. - O pai de Franja disse enquanto bagunçava os cabelos do filho. 

- Então foi por isso que você quis levar aquele jaleco sujo de tinta quando se mudou?  - Sua mãe ria baixo. 

- De qualquer forma, espero que continuem confiando em nós para contar o que seja. Esta bem? - O pai de Cascão disse.

Ambos os garotos fizeram sim com a cabeça.

Algum tempo depois, tudo parecia ter voltado ao normal. Cascão adorava poder sair de mãos dadas com Franja pela cidade sem se importar com o que os outros achariam. 

Era um sábado de manhã, Mônica, Magali, Cebola, Cascão e Franja estavam na frente do museu. Todos estavam ansiosos.


Notas Finais


Peço desculpas pela demora para atualizar. Eu tinha o cap escrito mas acabei perdendo ele todo por erro meu. Reescrevi ele de um jeito diferente do original, essa versão me agradou mais e espero que vocês também gostem dele tanto quanto eu.
Até o próximo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...