1. Spirit Fanfics >
  2. Eucalyptus - Nosh >
  3. Capítulo Quatro

História Eucalyptus - Nosh - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Atenção: Neste capítulo contém cenas de violência e estupro, de novo, mas esse é o último. 

Capítulo 4 - Capítulo Quatro


Fanfic / Fanfiction Eucalyptus - Nosh - Capítulo 4 - Capítulo Quatro

Uma semana depois.

As sirenes estavam brilhando e Josh podia ver o Chevrolet branco na frente dele derrapando aqui e ali nas estradas escorregadias e frias. Era por volta das seis da noite e a luz do sol já havia desaparecido. 

-10-80 (perseguição em progresso) de um 10-57 (motorista fugiu sem prestar socorro). 

O alfa rosnou para o despachante, fazendo uma manobra arriscada para impedir que seu carro de patrulha batesse em uma lata de lixo descartada na rua. Eles estavam atingindo altas velocidades e o carro estava indo em direção à rodovia. 

-10-4(entendido), todas as unidades temos um 10-80 (perseguição em progresso) - O despachante instruiu para todos os carros. 

-10-78(pedido de ajuda), indo para a rodovia 80!

-Copiar, todas as unidades, 137 

Josh se ajustou ao volante e desviou seu carro para a direita, perseguindo o criminoso agora quase lado a lado. 

-Oh merda! - Josh arregalou os olhos quando a janela do lado do passageiro foi aberta e começaram a disparar contra ele. -10-32 ( pessoa armada), eles estão atirando em mim, porra!

-Todas as unidades, todas as unidades.

-Filho da puta. - Josh tinha que acabar com isso rapidamente, ele podia ver outros três carros de polícia em seu espelho retrovisor com as luzes acesas enquanto o meliante continuava a atirar. -Porra!

-O tráfego foi alterado para estradas claras. 

-10-4 (entendido)

O alfa sabia o que ele tinha que fazer, ele não podia deixar esses filhos da puta loucos continuar em alta velocidade e atirando na rodovia. Ele pisou no acelerador e rapidamente alcançou o carro pelo lado do motorista, Josh se preparou para o impacto e, em seguida puxou o volante para a direita diminuindo um pouco a velocidade, a frente de seu para-choque, que bateu na parte traseira deles, fazendo o carro branco perder o controle. Josh manteve o pé no freio para se certificar de que ele não perdesse o controle no processo enquanto o carro girava e derrapava. O carro do meliante girou até que o motorista estivesse no lado oposto de Josh e atingiu uma árvore, o mantendo preso. Manobra de pit perfeitamente executada. Os pneus do alfa chiaram e Josh estava fora do carro, com sua arma apontada para a porta do motorista. 

-Saia do carro com as mãos para cima! - Josh rugiu, seus olhos indo e voltando do tom azul para o vermelho alfa. 

Os outros carros da polícia os rodearam rapidamente, sete policiais com suas armas em punho se aproximaram da cena e apontaram para o veículo batido. A porta do lado do motorista se abriu devagar e um ômega macho, grávido, saiu com as mãos para o alto e um olhar aterrorizado no rosto. Enquanto todos estavam focados nele, Josh viu o passageiro recarregando a arma com a qual havia disparado contra ele. 

-Abaixem-se! - O alfa gritou e o ômega caiu de joelhos quando o passageiro escondido apontou a arma para atirar contra os policiais da porta aberta do carro. 

Josh puxou seu gatilho duas vezes, atingindo seu alvo enquanto o ômega ajoelhado no chão gritou horrorizado. Os outros policiais se aproximaram e tudo se tornou um borrão depois disso. Josh encontrava-se em sua mesa uma hora depois, preenchendo a montanha de papel que ele tanto odiava, e também descobriu que a vítima atingida havia sobrevivido. Pelo menos isso. 

-Ei, Josh, tem alguém aqui para te ver. - O alfa olhou para seu colega oficial, um homem de meia idade rabugento chamado Rufus. Josh não tinha idéia de quem viria até aqui para vê-lo. 


(...)


Noah gostava desta pequena lanchonete, era pequena como um buraco na parede, mas silenciosa e limpa. Havia apenas duas outras mesas além da dele. A dona era uma beta chamada Missouri e ela adorava Harry. Ele vinha aqui uma vez por mês, adorava a sua deliciosa e barata comida caseira, e Harry amava o pudim de banana caseiro feito pela beta. Sentou-se numa mesa junto às grandes janelas da frente depois de colocar o filhote em sua cadeira alta. Era por volta de pouco depois das sete, na hora do jantar, e o queixo de Harry estava coberto de pudim, fazendo Noah rir dele. Grandes olhos verdes, felizes e amorosos olhavam para ele, e o ômega limpou o rosto de seu filhote, acariciando sua bochecha cheinha fazendo uma risada doce escapar dele, ganhando um sorriso afetuoso de Missouri que veio do balcão para ligar a televisão. Noah olhou para a beta, ouvindo-a proferir um som desaprovador para TV.

-Olhe para esses idiotas. Eles estão loucos atirando contra a polícia. - disse ela antes de se sentar atrás do balcão.

O canal estava exibindo uma notícia sobre uma perseguição de carro. A vista do helicóptero mostrava carros da polícia indo atrás de um carro branco e ele podia ver o passageiro sair pela janela com uma arma. A TV estava em silêncio, mas as legendas estavam exibidas na parte inferior. Noah podia ver claramente o carro da polícia, Unidade 137. Os olhos do ômega se arregalaram, esse era o carro de patrulha de Josh. A notícia sobre a perseguição e os tiros continuou e em seguida, mostrou o carro de Josh batendo no carro branco.

-Missouri, temos que ir! - Anunciou Noah quando começou a juntar as coisas de seu filhote. Harry o observando com seus pequenos olhos bem abertos.

-Tudo ok?

-Sim, eu... eu só preciso ver alguém!

-Bem, tudo bem, tome cuidado! - Ela disse quando Noah lhe entregou o dinheiro para pagar seu jantar.

-Eu vou! - O ômega agarrou seu casaco, e uma vez que ele tinha certeza de que Harry estava bem aquecido em seu casaco de inverno azul escuro, ele apanhou sua bolsa de fraldas e pegou seu filhotinho, saindo pela porta para encarar a noite fria.


(...)


A delegacia era muito mais aterrorizante do que Noah pensava. Ele segurou Harry firmemente contra si, agradecido por sua jaqueta cobrir seu pescoço completamente, mantendo seu status de profissão ômega bem escondido de todos os grandes alfas que continuavam caminhando ao redor dele no lobby. Olhos vagavam sobre ele, o ômega podia sentir seus olhares aquecidos e odiava o quão vulnerável ele se sentia. O beta na recepção havia lhe dito que esperasse até que o oficial Beauchamp estivesse disponível na área de estar, mas Noah não queria se sentar. Ele se sentia um pouco melhor ficando mais escondido com seu casaco e Harry em seus braços. Ele observava com olhos assustados e preocupados enquanto os oficiais entravam e saiam com pessoas algemadas, todos lhe dando olhares cheios de luxúria.


(...)


Josh abriu a porta da sua pequena sala para atravessar o quarteirão das mesas dos policiais, e imediatamente viu Noah de pé com Harry em seus braços, mantendo o pescoço coberto. Ele podia ver outros alfas apenas olhando para Noah. Seu pescoço poderia estar coberto, mas nada poderia esconder o fato de que ele era um ômega, e um desses pequenos e bonitos. Mesmo com um filhote em seus braços, estava claro que ele não pertencia a este lugar, e ele também não cheira como acasalado ou reclamado.O ômega estava vestindo jeans pretos apertados com botas baixas até metade das panturrilhas, e seu casaco de pele marrom, enquanto Harry estava com uma jaqueta azul escura parecendo muito quentinha, e uma pequena calça jeans.

-Noah? - Aqueles belos olhos verdes olharam para ele e o sorriso com o qual ele cumprimentou Josh, fez seu coração bater mais rápido. Suas bochechas estavam cor de rosa por causa do frio e seus lábios um pouco secos. - Está tudo bem? O que você está fazendo aqui? - O alfa perguntou calmamente, ninguém mais ali precisava ouvi-lo.

-Eu vi a perseguição na TV, e eu só queria ter certeza de que você estava bem...

Admitiu Noah, de repente se sentindo muito estúpido quando ficou óbvio. Josh estava desconfortável por ele estar lá. Talvez o alfa não quisesse que alguém soubesse que ele era simpático e amigável com um ômega... uma prostituta ômega.Já fazia uma semana desde que ele viu Josh pela última vez, naquela noite em ele lhe ofereceu um emprego, e ele estava esperando que Josh voltasse novamente, mas ele não tinha... Noah não tinha mais o número do alfa para ligar pra ele... Noah nem mesmo tinha um telefone em primeiro lugar.

-Eu já estou indo, desculpe! - O ômega disse, vendo o alfa olhar ao redor deles para ver quem os observava. Ele engoliu o bolo de emoções repentinas que o atingiu e se virou para sair quando Harry que finalmente viu Josh, estirou seus bracinhos para ele, fazendo barulhos felizes.

-Está tudo bem, só estou surpreso que você tenha vindo aqui! - O alfa disse rapidamente e tirou o filhotinho de seus braços, fazendo caras patetas para o pequeno. Harry riu e bateu palmas para ele. - Você andou até aqui?

-Sim! - Noah respondeu, amando o quão fascinado Harry estava com Josh, seu filhote estava louco pelo alfa. - Eu, uh, eu estava esperando que você aparecesse para…

-Me desculpe, foi uma semana realmente louca! - O alfa começou, seus olhos preenchidos com tanta adoração enquanto olhava para o filhote, e isso fez Noah sentir seu coração se aquecer. - Você queria falar sobre isso?

-Eu queria te dizer sim. Eu realmente não posso agradecer o suficiente, eu...

-Você não precisa me agradecer. Isso nos ajudará muito, ambos. Um trabalho para você e um lugar seguro para o Harry, e você estará me ajudando. Tenho que avisá-lo, eu sou um pouco bagunceiro. - Noah bufou uma risadinha. 

-Tenho certeza de que vai ficar tudo bem!

-Ótimo. Quando você quer se mudar? -Noah não conseguia esconder totalmente o rubor de suas bochechas, ele esperava que o alfa pensasse que era só por causa do frio lá fora.

-Quando for conveniente para você!

-Estou de folga na segunda-feira, posso ir até lá pela manhã e ajudá-lo a arrumar suas coisas.

-Ok! - Harry estava aconchegado contra o pescoço e o ombro de Josh, os olhos fechados e a boca aberta. Ele já estava meio adormecido. 

-Você é realmente bom com ele. - Noah disse calmamente, apreciando aquela cena secretamente dentro dele, sua mente viajando para o desejo proibido de que Josh fosse o pai de Harry.

-Sim, bem, ele é um grande filhote. E ele torna isso mais fácil! -  disse Josh, em seguida acariciou o filhote adormecido que apenas apertou uma mãozinha em seu uniforme e se aconchegou mais contra ele. -Venha, eu o levarei para casa.

-Você não precisa, você está trabalhando e…

-Nono, eu não vou deixar você ir caminhando para casa, está congelando lá fora e você está com Harry. Meu turno termina em vinte minutos.

-Ok! - Noah não conseguia encontrar motivos para argumentar. Ele estava com frio e cansado, e Harry já estava dormindo nos braços de Josh.

-Venha, você pode ficar na minha mesa enquanto eu termino uma papelada. Você quer café ou algo assim? - Josh estava falando baixo não querendo despertar Harry, e isso fez com que Noah se apaixonasse ainda mais pelo alfa.

-Um... talvez chá?

-Sim, nós temos isso. - O ômega seguiu o grande alfa pela porta indo para a parte de trás do recinto, vendo todos aqueles oficiais ocupados com sua papelada, no telefone, ou lidando com pessoas sentadas em suas mesas. Ele seguiu Josh até quase o fundo da delegacia para um escritório que continha duas mesas.Era quieto e um pouco isolado. 

-Esta é a minha mesa, voltarei logo com o seu chá. - Josh ficou um pouco confuso com o que fazer com Harry adormecido em seus braços, ele realmente não queria acordar o filhote, e ele estaria mentindo se dissesse que não estava desfrutando de ter o pequeno se sentindo seguro o suficiente para segurá-lo tão firmemente e dormir tranquilamente em seus braços. -Eu, uh... vou ter cuidado!

Noah observou a luta interior do alfa, ele claramente não queria acordar o filhote. Noah confiava em Josh. Ele confiava muito, e essa certeza se concretizou enquanto ele assista o alfa sair da sala e ir em direção ao que ele imaginava ser a cozinha da delegacia com Harry em seus braços.


(...)


Josh dirigiu-se ao refeitório, caminhando entre seus colegas que o fitavam confusos observando o pequeno filhote em seus braços. O alfa apenas sorriu para eles e entrou na sala, barulhenta com risadas e conversas. Harry se mexeu, mas permaneceu dormindo.Ele abriu caminho para a cafeteria, pediu o chá ao beta encarregado das bebidas dos oficiais e esperou enquanto acariciava Harry, apreciando o seu suave perfume de pêssego.

-Hey, Beauchamp, nos ajude a resolver essa aposta, nós... isso é um filhote em seus braços? - Cole Trenton parou, observando o filhote babar no ombro de Josh. 

-Sim, então não faça barulho. - disse Josh, balançando Harry que acabou de se remexer em seus braços novamente.

-Bem, agora, se essa não é uma visão encantadora. - Any Gabrielly, a melhor amiga de Josh passou a olhar para o filhote que claramente o adorava. - Você se encaixa muito bem, pedra. - Ela disse, conhecendo o segredo de Josh. O alfa olhou para sua melhor amiga, o entendimento silencioso passou-se entre eles e Any sorriu suavemente

-Sobre o quê é essa aposta? - Perguntou Josh, esperando o chá.

-Nós estávamos apostando sobre por que sua ex, aquela linda professora ômega terminou com você. - disse Cole, enquanto outros dois oficiais, Jaden e Jonah se aproximavam. 

-Por que vocês idiotas ainda estão perguntando sobre isso? Foi há quatro meses. Vocês não têm suas próprias vidas para cuidar? -  O alfa rosnou fazendo Harry levantar a cabeça e olhar para ele com olhos verdes surpresos e assustados. 

-Desculpe filhote, não estou rosnando pra você! - Ele disse balançando o pequeno e fez uma careta pateta, fazendo Harry rir sonolento antes de se aconchegar contra Josh mais uma vez.

-Bem, você sempre consegue essas pequenas ômegas gostosas e então elas dispensam você, é interessante…- Jaden disse, observando Josh com o filhotinho, arqueando uma sobrancelha. 

Josh e os rapazes regularmente frequentam um bar local no centro da cidade, todos acabam encontrando ômegas que eles se interessam, mas a maioria dos casos não passa de algumas noites noventa por cento do tempo, Josh estava saindo com uma bela ômega, que foi o último dos seus curtos relacionamentos. Isso também começou os rumores e especulações sobre o por que de seus relacionamentos não passarem de alguns poucos meses. Savannah, a professora de jardim de infância foi um de seus mais longos. 

-De quem mesmo é esse filhote?

-Do ômega que cuida da minha casa.

-Não sabia que você tinha um ômega em casa…

-Vocês são realmente curiosos por nada.

-A Sabina sabe? Ela já age como sua mãe mesmo que seja mais nova que você. - Jonah disse fazendo os outros rirem.O beta da cafeteria finalmente lhe entregou o chá. 

-Vocês todos são idiotas, com exceção da Any - Josh disse quando se virou para sair, fazendo Any bufar e os outros voltarem para a aposta.

Por que a ômega professora de jardim de infância, Savannah alguma coisa, deixou Josh. Antes disso, era outra ômega enfermeira chamada Sofya e antes disso, uma ômega empregada doméstica chamada Hina. Os Oficiais olharam para Any, sabendo que a grande e mau humorada alfa conhecia os eventos em torno dos relacionamentos fracassados ​​de Josh. 

-Venha Any, você pode nos contar. -disse Cole enquanto os três homens riam. Any apenas sacudiu a cabeça e saiu da cafeteria.


(...)


Depois de aceitar o chá que lhe foi oferecido e deixá-lo aquecer seu interior, enquanto esperava e assistia Josh terminar sua papelada com apenas uma das mãos, Noah estava observando silenciosamente a cena à frente dele.O alfa em sua mesa, com as sobrancelhas franzidas concentrado em escrever seus relatórios com a mão direita, enquanto segurava um Harry adormecido com o braço esquerdo. A pequena boca do filhotinho se entreabriu um pouco e ele acabou babando no uniforme preto do oficial. Era a cena doméstica perfeita e o coração de Noah apertou-se.Depois de vários, mas tranquilos minutos, Josh levantou-se para finalmente levá-los para casa.Todos os olhos acompanharam Noah seguindo Josh enquanto saíam da delegacia. 

O ômega estava agradecido pelo escritório de Josh ser bem isolado. Haviam tantos alfas naquele departamento, e isso era um pouco aterrorizante.O estacionamento estava tranquilo, Noah foi capaz de pegar Harry dos braços de Josh, o filhotinho se agitou momentaneamente até estar contra sua Mama, e se acomodar mais uma vez calmamente. Noah beijou os cabelos bagunçados de seu filhote e o segurou contra ele, enquanto Harry ressoava feliz em seu sono com a mistura dos aromas de Josh e de sua Mama. Noah queria impedir-se de inalar os seus aromas misturados tão ansiosamente, mas ele não podia ajudar a si mesmo.

-Então, o segundo andar será todo seu, você e Harry terão seus próprios quartos. Meu quarto fica embaixo, assim como uma pequena academia que mal consigo usar. - Josh começou, falando suavemente para não acordar o filhotinho. -A cozinha é totalmente nova, com dois fornos, mas nunca os uso, como já disse, eu mal fico em casa. Também pensei que eu deveria lhe dar um cartão de crédito vinculado a minha conta, para que você possa comprar mantimentos e coisas para a casa, e não precise esperar por mim para pegar dinheiro quando você precisar. O seu salário eu depositarei diretamente na sua conta.

-Eu não tenho uma conta... meu status de profissão é um "não" automático. - Josh assentiu e lambeu os lábios ao fazer uma curva em uma rua escura. 

-Bem, seu status de profissão irá mudar e nós descobriremos uma maneira de lhe conseguir uma conta bancária. Alguns até tem opções para fundos universitários para filhotes.

Noah só conseguiu olhar para Josh completamente admirado. O alfa era bom demais para ser verdade. Josh conduziu o carro de patrulha para a casa do ômega, apertando seu maxilar quando viu aquele bairro degradado. Ele odiava saber que o belo ômega vivia ali, mas logo Noah e seu filhote estariam seguros sob seu teto.

-Obrigado por tudo! - disse Noah quando saiu do carro com Harry e a bolsa do filhotinho sobre o ombro.

-Eu vejo você na segunda-feira - Josh disse e observou o ômega se dirigir para a porta da frente.

O alfa permaneceu ali até ver a porta se fechar atrás do ômega e as luzes se acenderam dentro da casa. Quatro dias. Quatro dias até Noah ir viver com ele e ser o ômega de sua casa. Josh refez seu caminho e foi para casa.


(...)


Noah tinha medo deste alfa. Seu locador era intimidante e assustador, mas geralmente bom para Noah especialmente quando queria favores sexuais.O ômega assistia Luc caminhando de um lado para o outro em sua sala de estar, claramente irritado com o ômega. Noah acabara de dizer ao alfa que ele estava se mudando em dois dias, e que já estava lhe entregando o dinheiro para o aluguel do mês inteiro de qualquer maneira, mas as feições do alfa ficaram enraivecidas e ele começou a andar sem dizer uma palavra. Luc empurrou o dinheiro no bolso de seu jeans e depois rodeou o ômega, sorrindo maliciosamente para ele, fazendo Noah dar um passo para trás, e o alfa gostava de ver aqueles grandes olhos verdes cheios de medo. 

-Veja, eu estava mesmo querendo vir vê-lo, quero seus serviços Noah. - Ele disse, sua mão agora acariciando o rosto assustado do ômega.

-Eu não faço mais isso. - Noah tentou dizer a ele com os lábios tremendo. Ele estava a poucos dias de sair e começar uma nova vida como um ômega de casa, uma profissão respeitada, mas suas palavras só fizeram Luc sorrir mais largo, mostrando os caninos afiados.

-Engraçado, não vejo nenhum colar em você, e não vejo nenhuma marca de acasalamento. Você ainda é apenas uma puta, e uma boa puta faz o que lhe é dito. -O alfa o agarrou pelo cabelo firmemente e o jogou no sofá, pressionando seu rosto contra o estofado com uma mão, e em seguida puxou as calças de moletom que o ômega estava usando com a outra.

-Não! - Noah lutou contra ele e o alfa deu um soco em seu rim esquerdo, o fazendo perder todo o ar e uma onda de dor tomou o corpo de Noah, fazendo ele gritar. Ele sentiu o alfa cuspir contra sua entrada antes de forçar dois dedos para dentro. Noah ainda estava tentando respirar após o soco, atordoado com a dor sufocante.  

-Nós sempre nos divertimos tanto juntos. -Luc zombou.

O alfa começou a desabotoar o jeans e Noah tentou escapar novamente apenas para que Luc o acertasse exatamente no mesmo lugar, fazendo com que a dor se espalhasse por todo o corpo de Noah. Ele mal conseguia juntar ar suficiente em seus pulmões para chorar, e não teve tempo de se recuperar quando o alfa começou a empurrar seu pau enorme contra a sua entrada mal lubrificada.

-Um buraquinho tão apertado para uma puta... Mmm… - O alfa empurrou-se para dentro dele lentamente e Noah tentou se afastar, apenas para o alfa agarrar seu pescoço por trás com ambas as mãos e começar a estocá-lo fortemente, fazendo Noah gritar de dor.

-Mama! - Harry de repente começou a lamentar e a chorar de seu cercadinho no outro lado da sala, praticamente gritando.O alfa estalou os quadris uma vez, duas vezes, e depois puxou seu pau para fora, ejaculando por todo o traseiro e as costas de Noah.

-Vejo você por ai puta! - O alfa puxou seus jeans de volta e se afastou, dirigindo-se para a entrada e batendo a porta ao deixar a casa

Noah gritou no sofá junto com seu filhote que chorava por ele. Ele se sentia doente, sujo, e todo o seu corpo doía... ele olhou para o seu filhotinho sentado no cercadinho olhando para ele chorando. Noah rezou pela milionésima vez que Harry não se apresentasse como um ômega.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...