História Ever After, Interativa - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Descendentes, Once Upon a Time
Tags Descendentes, Ever After, Interativa, Once Upon A Time, Original, Ouat
Visualizações 51
Palavras 1.897
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Alô. Finalmente o capítulo saiu! Nem todos os personagens apareceram, eu sei. Porém não se preocupem, todos conseguiram ter o seu devido destaque aqui! Espero que gostem o capítulo, e boa leitura.
Nos vemos nas notas finais <3

Capítulo 3 - What The Hell?;


Sábado combinava com Henrietta. Pelo menos era o que ela dizia sempre quando o final de semana chegava. Embora não seja a garota mais ocupada de todas, sempre adora um dia livre da escola de New Valley. A rotina constante dos estudos é completamente maçante aos olhos da loira. Só se salvam as aulas de educação física, e nem todas, pois algumas eram aleatórias e sem sentido, igual aos pensamentos atuais da loira, que poderia estar pensando em qualquer outra coisa, mas estava ali, pensando sobre o quão chata é a escola. Finalmente deixou seus pensamentos de lado quando percebeu uma figura sentar-se ao seu lado.

— Que surpresa encontrá-la aqui. — O rapaz disse, lançando os olhos a loira, que simplesmente revirou os seus.

— Sério, Rowan? — Virou um pouco o corpo, de forma que pudesse ver nitidamente o outro sem ter que forçar seu pescoço.

— Bem, não é como se você viesse aqui na praça sentar-se neste mesmo banco todos os dias desde que nos conhecemos. — Ironizou.

— Você é ridículo, sabe disso, não é?

— Eu tento. — Sorriu minimamente para a loira, que bateu seu ombro no do maior. — No que estava pensando?

— No quanto é bom ter um dia livre do inferno na terra. — Dramatizou. — Acho que não aguento nem mais um dia olhando para a cara da professora de Biologia.

— Tenho certeza absoluta de que ela pensa o mesmo de você. — Os dois riram. Henrietta sempre achou que os excessivos cabelos brancos da mulher eram todos causados por ela.

— E você, como está hoje, Rowan?

— Normal. O de sempre. — Deus de ombros. — Você?

— Acho que preciso de um médico.

— E o motivo de achar isso é…?

— Tenho tido sonhos bastante estranhos. Tipo, muito. — Lembrou-se da outra noite. — E meus ataques de pânico estão ficando constantes. Definitivamente não estou bem.

Ouvir aquilo não foi algo que fez o coração de Rowan bater alegremente. Seu afeto por Henrietta era enorme, e por isso não queria vê-la sofrendo por qualquer motivo que fosse. Queria vê-la bem, sorrindo, e fazendo suas piadas de sempre, mesmo que isso signifique que várias pessoas tivessem seus sentimentos feridos pelas palavras agressivas da loira. Era uma consequência do amor, que Rowan simplesmente não poderia admitir a sua amiga. Ele suspirou.

— Isso é problemático. Lembra-se com o que sonhou?

— Contos de fadas. — Disparou. — E Lilith estava lá, como uma vilã. Foi estranho, e assustador.

— Se eram contos de fadas, duvido que foi assustador.

— Não faça piadas! Eu me senti estranha depois do sonho.

— Desculpe, desculpe. Se for mesmo ao médico, eu te acompanho. Se quiser.

— Obrigada. É por isso que eu te amo, Rowan! — Ao ouvir aquela palavra, o coração do rapaz pulou, porém, ele sabia que não era no sentido que ele queria. Ela não o amava como ele a amava. E talvez nunca ame.

Após algum tempo de conversa jogada fora, os dois acabaram por seguirem juntos até a mansão de Amora, lar de Henri. Durante a conversa, decidiram fazer um piquenique aquela tarde, e precisavam preparar as coisas. Não era surpresa que as atividades praticadas pelos dois durante seus tempos livres incluía um ao outro. Todos estavam velhos de saber que a Carstairs nunca andava sem seu fiel companheiro.

Ao contrário de todos os seus conhecidos, e inimigos, Amora não tinha tempo para atividades de lazer. Pelo menos não até descobrir como suprimir a magia que estava se manifestando em Henrietta. A morena sabia que mais cedo ou mais tarde algo como aquilo aconteceria, mas não achou que seria tão cedo. Aquilo foi a consequência de ter deixado um pouco da magia de Ever After escorrer para New Valley. Só esperava que outras pessoas não começassem a apresentar dons mágicos também. Ela não poderia controlar todos, apenas a própria filha. Era por esse motivo que a Rainha Má se encontrava em seu porão.

Ninguém sabia que havia um porão em sua casa, a não ser ela mesma. Pelo simples fato de lá, estar todos os seus itens mágicos, bem como seu espelho. Ela manteve seu servo amaldiçoado preso no espelho para lhe ajudar quando precisasse. Era essa sua função enquanto a mulher estivesse viva, o que ela deseja estar ainda por muitos e muitos anos. Apesar de concentrada na fabricação de uma poção, os pensamentos ainda voavam por sua cabeça, e o último a fez sorrir de lado.

— Eu não cairei novamente. — Disse, colocando o último ingrediente no pequeno frasco, onde um líquido antes azul, passou a ser vermelho. Aquilo daria um jeito em Henrietta por enquanto.

Ao terminar, seu espelho ascendeu. A morena olhou para o objeto, que estava mostrando Henrietta entrando em casa juntamente Rowan. A loira entrou chamando por sua mãe, que rapidamente guardou o frasco no bolso, subindo as escadas do local, que deram exatamente no quarto da mulher. Ela saiu do cômodo para ir ao encontro de sua filha e de seu visitante já conhecido. O filho do Lobo Mau era uma piada. Não serviria nem um pouco para ser o grande e assustador licantropo que amaldiçoa a floresta negra, pensava Amora enquanto descia as escadas. Antes de finalmente aparecer para os dois adolescentes, a mulher colocou um sorriso nos lábios.

— Querida, Rowan! — Desceu o último degrau. — O que fazem aqui tão cedo?

— Estávamos pensando em organizar um piquenique, precisamos de algumas coisas.

— Esqueça. Temos um evento hoje a tarde. — Disse, e a dupla murchou. — Mas claro que pode levar Rowan junto. — A mulher disse, virando-se de costas e saindo dali.

— Menos mal. — Ele deu de ombros e Henrietta riu.

***

As várias câmeras deixavam Rowan desconfortável. Henrietta, por outro lado, parecia ter nascido para aquilo. Fazia poses e mais poses, acenava e sorria abertamente para os jornalistas locais. Parecia completamente acostumada com aquilo, enquanto o Underwood quase não conseguia sorrir para uma câmera devido os flashes em seus olhos. Todo evento era a mesma coisa, ele deveria estar acostumado também, mas estava dando mais trabalho do que ele achava. Mas ele aguentaria ali. Só faltavam mais alguns passos até entrarem de vez no estabelecimento. O recém inaugurado aquário de New Valley.

Quando finalmente Amora, Henrietta e Rowan adentraram as portas do lugar, os dois últimos ficaram sem fôlego. Era simplesmente maravilhoso. Deveriam concordar que sua mãe havia se superado ao “encomendar” algo assim, visto que a maioria das pessoas ali julga-lhe por seus mandatos.

— Ei, vocês dois! — Henri e Rowan ouviram uma voz familiar lhes chamar. Ao virarem o rosto para conferir quem era, ambos sorriram.

— Katherine. — A loira esperou até que a amiga chegasse mais perto para que pudesse abraçá-la. O moreno fez o mesmo.

— Eu nunca pensei que estaria presente em um evento de gala em um aquário! É tão excitante!

— Sua animação causa bastante escândalo, irmã. — Jackson chegou ao lugar, soltando uma piada para cima da irmã. Henrietta e Rowan riram, ao contrário de Katherine, que semicerrou os olhos.

— De fato, Kat. Acho que dá para ouvir lá de fora. — A loira decidiu entrar na brincadeira.

— Isso virou um complô contra Katherine? — O Underwood sorriu.

— Isso não é engraçado. Podem ir parando.

— Desculpe, Kat. — Jackson sorriu, pousando a mão na cabeça da irmã. — Querem ir sentar em uma mesa conosco?

— Adorariamos. — Henri respondeu por si e por seu melhor amigo.

E assim, os quatro foram atrás de uma mesa para que pudessem se sentar, longe de seus pais e de suas influências. Amora, que de certa forma estava sempre atenta a filha, a viu de longe com seus amigos e decidiu que aquela era a hora perfeita para fazê-la beber a poção que havia feito. A mulher pegou uma taça de suco, onde derramou a poção de forma discreta. Em seguida, pediu para um garçom entregar aquele e mais três taças na mesa onde a loira estava, deixando bem claro que a primeira taça, deveria ser servida a Henrietta. Assim o garçom o fez.

— Obrigada, senhor. — Katherine disse, ao ter seu suco colocado à sua frente. Não havia pedido nada, então estava agradecendo a gentileza. Típico.

— Então, como vocês estão? — Henri quis começar uma nova conversa com os irmãos. Ela iria levar a taça de suco aos lábios para beber, enquanto esperava a resposta, porém, um flashe lhe interrompeu. — Adam!

— Olá, pequena. Olá a todos. — O loiro disse com um sorriso nos lábios, abaixando sua câmera.

— Parece que finalmente lhe deram oportunidade de cobrir um evento. — Comentou Rowan, percebendo que Dan não estava ali para lazer.

— Oh, sim. Devo agradecer a Lilith por isso. — Henrietta estremeceu ao ouvir o nome da mulher, lembrando-se de seu sonho. — Ela é um anjo.

— Que ironia. — A loira disse, fazendo alusão ao seu nome e a afirmação de Dan. O garoto riu, como todos na mesa, e acabou por concordar.

Qualquer um que visse Adam e Henrietta de longe, com certeza acharia que são irmãos. A aparência dos dois é parecida, além de os dois sempre tratarem-se como verdadeiros irmãos. Porém, pessoas próximas sabiam que os dois eram apenas amigos. Embora teorias da conspiração afirmam que os dois eram de fato irmãos e foram separados no orfanato.

Após a breve conversa, Adam precisou se distanciar do grupo para que pudesse voltar a trabalhar. Lilith havia conseguido que ele lhe ajudasse a cobrir aquele evento, e ele não desperdiçaria aquela oportunidade. No fim, os quatro novamente ficaram sozinhos, e Henrietta decidiu tentar beber seu suco novamente. Ela pegou a taça, porém, neste momento, ela sentiu algo estranho. Seu coração acelerou um um segundo e sua mão tremeu. Como na outra noite, os olhos brilharam em verde.

— Henrietta? — Katherine quase gritou, vendo a cena. A loira olhou para a amiga assustada, não percebendo que seus olhos ainda estavam brilhando. Jackson e Rowan perceberam o acontecido e arregalaram os olhos.

— Eu… hm… — As palavras não saiam direito de sua boca, e sua mão ainda tremia. Katherine agarrou a mão da loira, claramente preocupada, deixando seu breve medo de lado. Jackson e Rowan também pegaram em partes diferentes do corpo da garota, tentando acalmá-la.

Tocar em Henrietta naquele momento foi um erro. Ou não, depende muito, e só descobririam isso depois. Sem ter tomado o suco logo, a magia de Henrietta novamente decidiu se manifestar, e dessa vez Amora não estava por perto para ver, pois achava que a filha já havia tomado o suco, livrando-lhe de um problema. Em vez disso, ela ganhou mais três. A loira fechou os olhos, e seus poderes agindo de acordo com sua emoção, acabaram por liberar um pulso de magia invisível, que atingiu Katherine, Jackson, e Rowan. Os três soltaram Henrietta neste momento, e cada um sentiu exatamente o que ela estava sentindo. A Carstairs olhou para os amigos, tendo seu nervosismo passado após o pulso. E então a surpresa; Katherine e seu irmão tinham olhos felinos brilhantes no lugar de seus normais, enquanto os de Rowan transmitiam uma selvageria dourada.

O que Henrietta havia feito? Essa era a pergunta que todos os quatro estavam pensando no mesmo momento. Eles se entreolharam e viram que o grupo estava sofrendo com as mesmas coisas, embora cada um possuísse sua própria característica. O choque foi maior do que o medo, e os amigos ficaram olhando uns para os outros durantes alguns segundos, até que finalmente aquilo tudo passou.

— O que diabos acabou de acontecer? — Rowan foi o primeiro a se pronunciar, ainda que estivesse completamente parado. Novamente, era uma pergunta que estava rondando a cabeça dos quatro.


Notas Finais


E aí, mores. Gostaram o capítulo? Espero ter representado cada um dos personagens que apareceram aqui do jeito certo. Comentem o que acharam, e não se acanhem em me dizer caso eu precise melhor algo.
Até mais! ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...