História Every moment with you 2 - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Incesto, Irmãos, Paixão, Romance, Sexo
Visualizações 102
Palavras 2.370
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Mistério, Misticismo
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Olá amores!
Nesse captl Calvin vai se abrir um pouco com sua irmã mas o resultado no final não vai ser tão bom!
Espero que gostem!

Capítulo 21 - Vou fazer você sentir novamente


Fanfic / Fanfiction Every moment with you 2 - Capítulo 21 - Vou fazer você sentir novamente

Sábado.

Lili

Estou de barriga pra cima olhando pro teto, sinto a brisa do dia entrar pela minha janela e olho por um momento pra fora. O céu está nublado e parcialmente acinzentado, bufo pensando que parece a minha vida. Como um zumbi eu levanto de minha cama e ando em direção a meu guarda roupa, pego um vestido verde e visto, pego meu casaco e ponho por cima. Me olho no espelho e vejo as olheiras de uma noite mal dormida marcar meus olhos. Sem animação nenhuma eu saio de meu quarto e desço as escadas, me preparo psicologicamente para enfrentar meu irmão. Quando entro na cozinha ele está em uma conversa muito animada com minha mãe, ando e me sento do lado dele na mesa. Sinto os olhos dele sobre mim sem nem mesmo olhar pra ele e digo.

- Quais são os planos pra hoje família?

Minha mãe sorri pra mim e diz.

- Hoje eu tenho a tarde toda pra vocês, mas a noite eu tenho plantão..

- Você precisa de férias mãe!

Digo com o cenho franzido, ela trabalha de mais. Mas parte de mim acha que o trabalho mantem a cabeça dela longe da melancolia de ter perdido meu pai. Ela suspira e diz comendo sua panqueca.

- Você tem razão. Mas já decidi que só vou tirar férias quando você entrar em uma universidade..

Balanço a cabeça concordando com ela e digo.

- Já estou planejando o que vou fazer a partir de agora que a escola acabou mãe.

- Espero que não seja ir para Greenwich!

Suspiro do lado de meu irmão quando ele diz isso e minha mãe diz.

- Porque ela não pode ir para a universidade de Greenwich?

Calvin para de comer e olha pra ela sem resposta, então eu digo.

- Ele não quer concorrência mãe..

Ela franze o cenho e eu mudo de assunto.

- Vamos ao cinema então..

Ela continua a encarar meu irmão enquanto ele olha fixamente para seu café da manhã. O clima entre nós fica estranho mas logo ela responde que acha uma ótima idéia. Logo todos nós estamos saindo de carro para o cinema. Quando chegamos minha mãe fica encarregada de comprar os bilhetes enquanto eu e Calvin vamos comprar a pipoca.

- Que mancada você deu hoje no café da manhã... você precisa fingir melhor o quanto você gosta de sua irmã!

Digo do lado dele na fila da pipoca, ele olha pra mim com a expressão de raiva e diz.

- Você não pode ir para Greenwich Lili. É sério!

Eu sorrio pra ele e digo.

- Por que? Você me atacaria a noite, bêbado igual você fez ontem?!

Ele trava a mandíbula e xinga desviando os olhos do meu.

- Puta que pariu! Então não foi mais um sonho..

Franzo o cenho com o que ele disse. Mais um sonho. Será que ele sonha transando comigo todo dia?

- Não, não foi!

Ele respira fundo e olha pra mim com os olhos cheios de arrependimento.

- Me desculpa. Eu... quando bebo faço besteiras. Porque você não me expulsou de seu quarto?

Quando estou prestes a responder o atendente pergunta que tipo de pipoca nós iriamos querer, então fecho minha boca e peço pipoca doce para nós três. Nós acabamos vendo um filme de comédia romântica, o que não facilita nada a situação estranha entre eu e meu irmão. Quando o filme acaba minha mãe deixa eu e Calvin na porta de casa. Eu entro quieta e subo as escadas, sinto ele vir atrás de mim e quando chego no corredor eu digo me virando pra ele.

- Eu queria.

Ele me olha e pergunta.

- O que?

- Você perguntou por que eu não expulsei você de meu quarto. Eu queria, queria sentir mais uma vez você, queria saber se nós dois ainda temos aquela conexão de antes.

Ele fica ali parado na minha frente e eu digo sentindo todas as minhas feridas se abrirem e sangrarem em meu peito.

- Eu não senti... você foi tão bruto, tão diferente... onde foi que nos perdemos dessa maneira Cal?

Pergunto deixando minhas lágrimas rolarem em meu rosto, começo a soluçar e a chorar ao mesmo tempo e então ele está me segurando em seus braços. Segurando cada ferida que ele mesmo causou em mim.

- Não chora... amor não chora..

Ele diz com a voz rouca e então ele está beijando o topo de minha cabeça. Minha testa, meus olhos lacrimejantes, minha boca. Ele beija minha boca uma, duas vezes... até que nós somos uma bagunça de sentimentos e ruídos de desejo. Ele me conduz até seu quarto desesperado, arfando contra minha boca. Quando entramos ele me pega no colo com muita facilidade e me deita na cama com cuidado, ele fico sobre mim e corta o contato de nossos lábios para me encarar. Eu ainda tinha lágrimas em meus olhos e provavelmente estava toda vermelha. Ele alisa meu rosto e passa os dedos embaixo de meus olhos limpando qualquer vestígio de choro.

- Eu não queria ter te tratado daquela maneira... me desculpa Lili!

Engulo em seco sentindo o peso de seu corpo sobre o meu, seu pau duro por mim estava rijo sobre minha coxa e eu suspiro. Ele beija a ponta de meu nariz tão gentilmente e então eu percebo que por debaixo daquele idiota que me disse tantos insultos ainda tem o meu irmão de antes, o meu Calvin.

- Eu ...

Ele não consegue dizer as palavras e então encosta a testa contra a minha, sua respiração fica forte a cada minuto e então eu sinto uma enorme necessidade de tocá-lo, de amá-lo do jeito que a gente fazia antes. Começo a passar minhas mãos do topo de suas costas e vou descendo lentamente sentindo cada musculo novo com a palma de minha mão. Ele respira mais e mais depressa até ficar ofegante, ele volta a olhar em meus olhos e beija minha boca de leve, desce com seus lábios para minha orelha e beija ali me fazendo sorrir, ele morde de leve a ponta de minha orelha e desce para meu pescoço, eu gemo e cravo minhas unhas em sua bunda quando ele suga meu pescoço.

- Vou fazer você sentir tudo de novo Lili, aquele de ontem não era eu...

Instintivamente eu abro as pernas e deixo o peso dele se instalar ali deliciosamente. Ele começa a subir com suas mãos experientes meu vestido pra cima me fazendo ficar arrepiada. Levanto meus braços e ele passa o vestido pela minha cabeça me deixando apenas de calcinha. Ele encara meu corpo minuciosamente como que lembrando de cada parte de minha pele, talvez percebendo que eu mudei um pouco.

- Você se tornou uma mulher maravilhosa!

Sorrio pra ele e começo a desabotoar seu jeans, ele deixa eu fazer o meu trabalho e quando eu abaixo sua calça junto de sua cueca eu fico de boca aberta. Ele parece ter ficado muito maior e mais grosso do que era antes, suas coxas agora também estava muito definida e eu podia apostar que embaixo de sua camisa ele tinha um tanquinho de dar inveja a qualquer homem.

- Gosta do que vê?

Ele pergunta e eu olho em seus olhos com fome, fome dele.

- Muito! Você andou malhando?

Ele sorri pra mim e deita na cama, com um dedo ele me chama e diz.

- Fica de joelhos acima da minha cabeça.

Mordo meus lábios cheia de tesão, e fico nervosa. Nunca fiz isso antes. Faço o que ele pede e fico de joelhos a cima de sua cabeça, sinto minha calcinha ficar encharcada e então ele diz com o rosto a centímetros de minha vagina.

- hmm, que cheiro maravilhoso. Você tem o melhor aroma que eu já senti!

Fico vermelha na hora e ao mesmo tempo com raiva. Ele já deve ter feito isso com outras para comparar meu cheiro. Sem aviso ele esfrega o nariz no fundo de minha calcinha me fazendo gemer.

- Oh, Nossa!

Fico louca com o que ele está fazendo e agarro sua cabeça e começo a esfregar minhas partes intimas no rosto dele. Logo ele passou a usar a língua, fazendo pressão na minha vagina. Solto um gemido alto e ele puxa minha calcinha pra baixo me deixando exposta a ele. Eu o ajudo e passo a calcinha pelas minhas pernas e jogo ela longe. Ele me puxa novamente para seu rosto e diz assoprando minha vagina.

- A bucetinha mais linda que eu já vi em toda minha vida!

Olho pra baixo e vejo sua expressão de felicidade, ele me olha e passa a língua descaradamente na minha entrada, fecho meus olhos sentindo meu tesão aumentar com aquela cena tão erótica. Ele segura firme em minha bunda e começa a beijar minha vagina com vontade, quando ele começa a chupar eu não aguento e digo aos berros.

- Vou gozar Calvin!

Ele chupa e dá uma mordidinha de leve em meus lábios vaginais o que me leva a explodir. Gozo descontroladamente em sua boca enquanto ele não para de me lamber e chupar, logo eu me sinto fraca, mole contra sua boca. Ele sai de baixo de mim e me ajuda a sentar na cama. Olho pra ele e então minha atenção é desviada para seu enorme pau que agora estava todo babado na ponta. Então digo empurrando ele para que deite.

- Minha vez!

Fico de joelhos e pego aquele membro duro com minhas mãos, ele suspira e então eu começo a lamber da cabeça até seu saco. Ele geme de prazer enquanto eu dou uma atenção especial para suas bolas. Eu chupo uma e massageio a outra, brincando com seu membro. Eu fico hipnotizada com o quanto ele está diferente, mais bonito. Ele geme e diz me puxando pra cima.

- Chega, quero gozar dentro de você!

Então ele cola sua boca na minha novamente, sua língua brincava com a minha em uma dança sensual e provocativa. Ele me ajeita em cima dele e eu esfrego meus seios em seu peito ainda coberto pela blusa. Eu ajudo ele e com uma mão eu pego seu pau e guio até minha vagina. Lentamente eu levanto meu quadril e rebolo um pouquinho até seu pau encaixar em mim. Ele deixa escapar um gemido de satisfação e diz.

- Nossa amor... você continua apertadinha..

- Eu só tive você aqui Cal... mais ninguém!

Ele me encara e então me puxa em um beijo de tirar o folego. Sinto seu pau me alargar mais e pulsar dentro de mim como se o que eu cabei de dizer tivesse estimulado ainda mais seu pênis. Ele segura meu rosto com uma mão e com a outra minha cintura.

- Olha pra mim, quero que você sinta o quanto ainda somos ligados um no outro. Você sempre foi minha Lili, sempre vai ser!

Eu olho no fundo de seus olhos enquanto ele entra mais fundo em mim, me preenchendo por completo até encostar suas bolas em minha bunda. Eu deixo o ar escapar de meus pulmões e fecho os olhos.

- Não, olha pra mim! Sinta!

Ele diz entre dentes e eu obedeço, seus olhos pareciam me queimar. E então ele se move lentamente dentro de mim me levando a loucura. Eu mexia meus quadris lentamente acompanhando ele. Então ele começa a dar leves estocadas de baixo para cima, eu estava tão molhada que seu pau escorregava com facilidade para cima e para baixo dentro de mim. Em uma de suas estocadas ele enfia com tudo atingindo o meu ponto G e eu solto um grito fazendo ele rir pra mim. Em uma perfeita sintonia eu e ele começamos a aumentar o ritmo, eu parecia estar cavalgando em um cavalo de tão desesperada que estava, ele segurou em minha bunda e começou a bombar em mim bem fundo.

- Goza comigo amor!

Ele diz e eu me estremeço toda em cima dele, ele me puxa em um abraço e continua metendo em mim forte enquanto eu contraia minha vagina em seu pau. Sinto ele pulsar dentro de mim e então ele goza fazendo pequenos movimentos de vai e vem até parar de vez enterrado em mim. Eu fico ali deitada em seu peito ouvindo seu coração acelerado, ele alisa minhas costas e diz.

- Amor, paixão, medo, tristeza, felicidade, saudade...senti tudo isso. Sinto tudo isso a cada respiração que eu dou Lili, nunca duvide de meus sentimentos por você!

Eu engulo em seco e beijo seu peito cabeludo, olho em seus olhos e digo.

- Não tem que ser assim, tanto desencontro, mágoa e dor!

Ele me encara com os olhos tristes e eu continuo quase que desesperada para tê-lo de novo em minha vida.

- Volta pra mim, deixa o tempo curar esse estranho jeito de amar..

- Você não sabe o que isso significaria ...

- O mesmo roteiro de sempre Calvin?! Eu tô aqui sem desistir de nós, volta pra mim!

Digo puxando a gola de sua blusa, rezando para todos os santos e anjos para que ele me ouça, para que ele volte pra mim. Mas parece que nada do que eu disse ou disser vai fazê-lo mudar de idéia. Eu percebo isso quando olho no fundo de seus olhos e vejo medo. Me levanto de sua cama e cato minhas roupas apressada, ele se levanta e vem ao meu encontro.

- Não fica assim Lili...

- E você quer que eu fique como? Estou aqui na sua frente me humilhando para que você volte pra mim, mas tudo que sai de sua boca é asneiras sobre minha alma.. que porra!

- Não é sobre sua alma que eu me preocupo mais.. é com nossa família! Nosso pai morreu vendo nós dois em cima de uma cama nus, uma morte já é suficiente pra mim!

Franzo meus lábios irada com ele, mesmo que no fundo eu saiba que se minha mãe descobrisse sobre nós dois seria a morte. Com o coração quebrado eu me viro e ando pra fora de seu quarto. Entro no meu e tranco a porta, me escoro ali e começo a chorar desesperadamente.


Notas Finais


Comentem e favoritem please!
Beijinhos ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...