História Everything Change :: L3ddy - Capítulo 1


Visualizações 55
Palavras 1.432
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alô pessoas liberais! (não sei o quê que eu tô falando)Tudo bom? ;w;

Bom, esse primeiro capítulo fica pela conta da MJ {Maria Julia/@placer_tristeza}
Ela que escreveu :3
Se não estiver do vosso agrado é porque ela escreveu com o sono tomando conta dela ashuashuashua
Claramente tá ótimo, na minha opinião, mas né ^3^ txiamo


Boa leitura, flw ^^

Capítulo 1 - Capítulo I


※Luba※


O despertador do meu celular tocava logo nas primeiras horas da manhã, como tinha programado, se fosse para outra ocasião possivelmente eu me esconderia por de baixo das cobertas e iria ignorar o som ensurdecedor , mas não era esse o caso talvez a ansiedade da noite passada ainda não tenha sumido.

Desliguei a musica que tocava sem parar, me levantei me esticando, observei a mala arrumada ao lado da minha cama é dei um leve sorriso, finalmente iria matar a saudade do meu ursinho fofinho, fui em direção ao banheiro para tomar um bom banho para acordar.

Ao descer a escada rumando a cozinha sentir o maravilhoso cheiro de bolo de chocolate, era sempre assim, toda manhã minha mãe fazia seu tradicional bolo para o cafe da manhã. Me sentei a mesa, meu sou estava a minha frente lendo seu jornal enquanto bebia seu café.

— Bom dia Otto. - Falei animado.

— Bom dia rapazinho.- O olhei em reprovação, ele sabia que não gostava de quando me chamavam assim. - O que aconteceu para meu querido filho está alegre logo a essas horas da manhã. - Perguntou sorrindo.

— É porque vai pra São Paulo visitar o "amigo" dele. - Carminha falou ao surgir atrás de Otto com uma bandeja onde estava o bolo. 

— O T3ddy? - Confirmei balançando minha cabeça.- Tá explicado a animação. - Riu.

— Ei! Eu e o T3ddy somos apenas amigos, ok... nada mais...

— Amigos , uhum sei...

— Mami... para tá bom, nos somos só amigos, até porque T3ddy é hetero. - Mal tinha fechado a boca e os dois já estavam berrando de tão alto que saia a risada deles.

— Filho... T3ddy não é hetero nem aqui nem na China. - Rio. Revirei meus olhos. - E não adianta esconder, nós sabemos que você sente algo por ele.

No mesmo estante me engasgo com o café que tomava, não era pra ser algo tão explicito assim.

— Mami! - A repreendo.

— O que foi meu filho, só estou falando a verdade oras.

— Amigos, somos apenas isso. Já não basta um monte de fãs enlouquecidas achando que temos algo, agora vocês é demais!

— E por que ficar bravo filho?- Me perguntou.

— Não estou bravo... É só que... -Olhei o relógio e vi que estava atrasado.- Estou atrasado, tchauzinho. Beijos.

Deixei um beijo na testa de cada um é fui para meu quarto pegar a mala e a colocando no taxi.


●○◎※※◎○●


Despois algumas horas no avião, finalmente estávamos pousando, não aguentava mais ficar sentado naquela poltrona apertada.

— Poxa T3ddy atende! - Bufei. Já era a décima vez que tentava ligar pra esse garoto. - Parece que enfiou o celular no ... eu vou pegar um uber mesmo. - Estava frustado, não acredito que T3ddy tinha esquecido que eu iria vir, por que eu estou surpreso? Isso é o normal dele, só não esquece do pau porque tá grudado com as bolas.

Como a casa do Sr traiçoeiro não era longe do aeroporto, não demorou pra chegar, agradeci o motorista por me ajudar a tirar as bagagens do porta malas e o paguei, o novo super gentil entrou no carro novamente saindo dali em seguida.

Encarei o grande monumento a minha frente, avistei o senhor que ficava a tomar conta da portaria, liberou minha entrada por já me conhecer a muito tempo.


※Narradora※


O dedo do loiro poderia cair a qualquer momento por ter apertado tanto aquela campainha, até pensou na possibilidade do moreno não ter dormido em casa, não duvidava da capacidade de T3ddy.

Um moreno com a cara inchada aparece pela pequena brecha da porta aberta, estava disposto a sair berrando com a pessoa que a tirou de seu sono mas paralisou ao ver os olhos verde, e a expressão nada amigável no rosto do loiro.

— Atrapalhei Sr. Olioti? — Perguntou sarcástico.

— Luba?

— Como já imaginava, esqueceu que eu viria? - Ergueu uma sobrancelha. - Sabia. -Revirou os olhos.

— Calma, você não iria pousar aqui só às nove? Pera, que horas são. - Viu o loiro ficar com uma expressão raivosa, preferiu se calar e dar espaço pro mesmo entrar.

— Muito obrigada por ter me esquecido no aeroporto, que belo amigo de bosta que você é... - Bufou.

— Desculpa, eu acabei dormindo tarde ontem...

— Deixa eu adivinhar, trouxe uma de suas putas pra dormir com você? - Perguntou em deboche.

— Não! Você realmente acha que traria alguém pra dormir comigo um dia antes de você vir pra cá?

— Acho. - Respondeu com desdém.

— Minha fita tá tão mal queimada assim?

— Mais do que imagina Lucas. - Falou raivoso, e se virou seguindo ao quarto pra guarda sua mala.

— Eu! - Se virou para o moreno. - Não acha que você está esquecendo de nada não? - Tinha um sorriso sapeca em seu rosto, seus braços estavam abertos a espera do outro para envolver em um carinhoso e apertado abraço.

— Eu ainda te mato. — Falou ao se aconchegar no abraço do outro.

— Só se for de amor. - Riu. Apertou o loiro em seus braço como estivesse o protegendo, levou seu nariz até o pescoço do outro pra sentir seu cheirinho de frutas, tinha o costume de fazer isso.

— Estava com saudades. - Falou o ruivo.

— Eu também estava Lubinha. - Separou do abraço e beijou a testa do outro. Era normal esse excesso de carinho entre os dois, tanto um quanto o outro sempre gostou disso.


●○◎※※◎○●


Depois de um dia totalmente mal gasto na percepção dos dois garotos, que passaram o dia assistindo comédias baratas enquanto comiam comidas que não faziam nem um pouco bem pra saúde, Lucas recebeu uma mensagem de Mauro chamando os dois para uma balada qualquer.

Pelo moreno ele ficaria o resto da noite de baixo da coberta assistindo filmes junto ao seu amigo, mas o ruivinho estava afim de curtir a noite, e fazia um bom tempo que não ia numa boa balada, precisava curtir um pouco mais, já passava tempo demais vendo séries.

— Vamos T3ddy! - Gritou o loiro. - Já demora pra arrumar a porra do cabelo.

— Ei! Não fala assim dele. - Saia do banheiro com a insistência de arrumar alguns fios. - Arruma pra mim. - Fez biquinho manhoso. - Você sabe deixá-lo do jeitinho que gosto.

— Quando que vai crescer em? -Perguntou rindo da cara manhosa so amigo. - Vem. - Enquanto arrumava o ninho que o moreno chamava de cabelo, o loiro era observado pelos olhares atentos do acastanhado, achava extremamente fofa a expressão que o outro fazia quando estava focado em algo.

— Pronto, já pode parar de me comer com os olhos. - Riu. Viu as bochechas do moreno corar " FOFO!" pensou. - Vamos agora Noiva do caralho?

— Vamos.


●○◎※※◎○●


— Uma balada gay Mauro? - perguntou o moreno.

— Ue, qual o problema T3ddola? Achei que a gente tinha vindo pra curtir e não pra pregação, certo Luba?

— Certíssimo Deus dos cachos. - Sorriu. - Algum problema T3ddy? - Arqueou uma sobrancelha.

— Não... nenhum. - se virou pro loiro e sorriu. - Mas já que a gente veio pra curtir e não pra pegar ninguém, essa serve pra você também Homem Maravilha. - Riu ao perceber pelo que tinha chamado o ruivo.

— Ok então, Homem Gato. - Disse entra gargalhadas. - Vamos logo. 

Poderia se dizer que a noite estava bastante agradável, mas como já era o esperado tonto o de cabelos encaracolado quanto o moreno tinham exagerado na bebida, no que custou dois idiotas dançando que nem retardados na pista de dança, Luba observava os dois garotos de longe, ria de nervoso porque não acreditava que justo ele que tinha vindo pra curtir tinha que ficar cuidadoso dos seus amigos bêbados, é o que se pagar por ser na maioria das vezes o "certinho" do grupo.

O loiro podia se dizer que estava vendo uns dos melhores filmes de comedia já visto por ele, era prazeroso ver os garotos tentarem imitar os dançarinos da boates e acabarem no chão, a bebida estava tão forte que equilíbrio era o que faltava nos dois.

Até que chegou a uma hora que não tinha mais graça a cena que estava a passar, o moreno havia caído no chão e acabou levando o encaracolado consigo, e depois disso Luba desejou não ter visto aquelas cena, desejou deletar aquele beijo que rolou entre os dois.

O coração acelerou, sentiu uma pontada de dor no seu peito, começou a suar frio, mas por quê? Por que tinha ficado tão nervoso e bravo pelo seu amigo ter beijado outro cara? Eles eram só amigos certo? Então não tinha o porquê disso... Era só apenas preocupação, ou era o que o loiro preferia acreditar.




To be continued... Yes or no? 


Notas Finais


Gostaram? Vocês que sabem o que têm que fazer 'x'


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...