1. Spirit Fanfics >
  2. Everything Has Changed >
  3. Jantar de noivado

História Everything Has Changed - Capítulo 80


Escrita por:


Capítulo 80 - Jantar de noivado


Justin ajeitava a manga da sua blusa social branca, eu o olhava do banheiro enquanto terminava minha maquiagem. Ele estava com uma blusa social azul clara, com uma calça social preta, na cama estava seu terno.  

Me virei para o espelho terminando de passar o iluminador. Eu estava com um vestido longo rosa claro, com um tecido brilhoso e com renda na parte de cima, com um brinco redondo pequeno com perola e brilhantes, um bracelete dourado que dava voltas em meu braço com folhas com brilhantes, além do meu anel de noivado.  

—Você já se calçou? — Justin perguntou vindo para a porta do banheiro, soltei o pincel e fechei a paleta de iluminador, me virei para ele sorrindo.  

—Não, meu salto estava na frente da cama. Você não calçou, certo? — perguntei fazendo ele gargalhar.  

—Por mais lindo que ficasse em mim, coloquei meu sapato social. — passei meus braços pelo seu pescoço afagando seu cabelo, ele abraçou minha cintura com um sorriso gentil no rosto.  

—Eu te amo, baby. — murmurei aproximando nosso rosto.  

—Eu também te amo. Não vejo a hora de acordar todos os dias com você. — sorri com suas palavras e juntei nossos lábios. Antes que pudesse se tornar algo mais alguém entrou. Me soltei do loiro, trocando de lugar com ele, com medo de ser o Zack.  

Andei na direção da porta e a abri procurando quem tinha entrado e para o meu azar era o Zack.  

—Deseja algo? — perguntei fechando a porta do quarto atrás de mim.  

—Saber se estar pronta. — ele disse me analisando. Suas mãos estavam juntas, ele parecia nervoso. 

—Ainda não. Aconteceu algo? — perguntei me aproximando dele, confusa.  

—Não, só estou ansioso para amanhã. É o grande dia! — ele fez uma careta e eu ri.  

—Eu sei, por que acha que estou assim? Você não pode ficar assim, já temos um louco nesse relacionamento e sou eu. — Zack riu fechando os olhos, me aproximei dele segurando seus braços. — Nós vamos conseguir, vai ser bem fácil. O problema mesmo vai ser agora.  

—Eu sei, quase todos já estão no salão nos esperando. Nem acredito que conseguimos colocar mais de 200 pessoas naquele salão.  

—Só precisamos de algumas arquibancadas. — ele riu abrindo os olhos.  

—Eu sou o cara mais sortudo do mundo. — Zack me puxou para um abraço.  

—Eu sei! — disse convencida fazendo ele ri. — Você tem que ir ou não vou terminar de me arrumar.  

—Tudo bem, vou falar com o pessoal. Não demore. — concordei e sorri para ele, observei o moreno sair e soltei o ar lentamente. Voltei para o quarto vendo Justin sair do banheiro.  

—Aconteceu algo? — neguei e me sentei na cama pegando a sandália.  

—Ele está nervoso com o casamento amanhã. — disse baixo sem olha-lo.  

—E você? — Justin perguntou me ajudando a calçar a sandália. — Aria! — olhei para ele e suspirei.  

—Estou nervosa e com muito medo. — disse, levei minhas mãos até o rosto.  

—De que? — Justin perguntou suavemente.  

—De ser a última vez que eu te vejo. De ser trancada em um quarto feito uma prisioneira depois desse casamento. De morrer!   

—Estaremos te observando em cada movimento. — fechei meus olhos sentindo seus braços passarem pelos meus. Encostei minha cabeça em seu peitoral.  

—Eu preciso terminar de me arrumar. — sussurrei sem querer que ele se afastasse.  

—Eu sei. Para se fingir de apaixonada e feliz com tudo isso. — Justin suspirou meu soltando.  

—Exatamente. — terminei de fechar minha sandália e me levantei.  

—Precisamos ser fortes para enfrentar tudo isso. — concordei e o puxei para um último beijo antes de descer.  

—Eu vou na frente, daqui a cinco minutos você sai. — disse ajeitando sua gravata.  

—Claro, nada melhor do que o amor escondido. — Justin disse de forma debochada, apenas sai sem responder a isso.  

Desci as escadas indo para o salão, com paredes marrons, alguns quadros na parede, com um lustre magnifico no teto. Abaixei meu olhar para as enormes mesas no salão, uma música ambiente tocava no momento. Andei pelo lugar cumprimentando alguns convidados que ainda não tinha visto. Logo cheguei nos meus avós, onde sorri largo indo até eles.  

—É tão bom vê-los! — disse parando no meio dos meus avós paternos.  

—Aria! Você está enorme. — a senhora Elizabeth, ou minha vó disse me abraçando apertado.  

—Sim, vó. Faz muito tempo. Estava com saudades de vocês. — olhei para o meu avô que sorria.  

—Está fabulosa, Aria. — Robert disse abrindo seus braços, segui para abraça-lo.  

—Já viram o papai? — perguntei intercalando meu olhar no casal de idoso a minha frente.  

—Sim, já conversamos. Muito bonita a nova esposa. — minha vó falou, sorri com sua resposta, olhei para o meu vô com a sobrancelha arqueada.  

—Não falei com ele, sinto muito, querida.  

—Tudo bem, por mim também não falaria com ele. — disse dando de ombros. — Eu volto logo par conversamos. — me afastei dele indo para meus tios.  

—Mais um casamento, Aria? — Dorethy perguntou com as mãos na cintura, ri a abraçando.  

—Daqui a pouco tem outro. — murmurei fazendo ela ri.  

—Eu sei, muita ousadia sua trazer ele aqui. 

—Zack que convidou. — disse me soltando de seus braços. — Então, imagino que esse seja o seu marido. — apontei para o cara ao lado dela que sorriu para mim.  

—Joe Sloan, é um prazer conhece-la. — o cara disse estendendo a mão, sorri a apertando.  

—O prazer é meu, Joe.  

—Sobrinha! — me virei para Patrick sorrindo.  

—Tio! O senhor está tão diferente, sem a roupa de policial. — ele riu vindo me abraçar. 

—E você está tão diferente com essa roupa elegante, nem parece aquela criança que andava sem roupa pela casa. — ri balançando a cabeça.  

—Você não muda. — disse sorrindo para ele. — Johnny! Não sabia se você viria. — falei para meu outro tio.  

—Não poderia perder seu casamento. Já que para o outro não fomos convidados.  

—Não foi um casamento. Acredito que ou James ou Dorethy tenha explicado.  

—Claro! — Johnny falou sério. — Se precisar de um advogado, seu tio está sempre a disposição. — sorri indo abraça-lo.  

—Obrigada. — me soltei dos seus braços olhando para meus tios ali. — É muito importante a presença de vocês nesse lindo momento na minha vida. — disse olhando para Dorethy que se segurava para não ri.  

—Sabemos. Esperamos o convite para o real. — Johnny disse baixinho, balancei a cabeça com um olhar repreensivo para Dorehty.  

—Sua irmã é péssima para guardar segredo. — disse ao Johnny que riu. — Eu já volto, vou cumprimentar o resto da família. É a primeira vez em tempos que temos todos juntos.  

Assim segui para os Riggs, cumprimentando meus avós, que pela primeira vez não disseram nada sobre tudo que estava acontecendo.  

—Está deslumbrante, Aria. Não vejo a hora de começar as reuniões. — Barth falou vindo para o meu lado, sorri para ele, logo vi a cara de confuso nos meus avós.  

—Eu também, tio. Ainda mais que o senhor quer derrubar o negócio. 

—Estou apenas cuidando de você. — Barth me olhou nos olhos, ele estava sério e me passava confiança, sorri minimante e agradeci com um sussurro.  

—Tio Liam, você teve tempo. Como está o hospital? — perguntei indo para o lado do meu tio.  

—Bem, cirurgia atrás de cirurgia, mas não perderia isso por nada. Minha única sobrinha se casando. — abri a boca para falar mais desisti, sorrindo. 

—Logo é o Theo. Vocês já o viram? —perguntei olhando para o resto da família.  

—Sim, já conhecemos a Lola.  

—Querida, preciso de você. — Zack disse parando ao meu lado, ele cumprimentou minha família.  

—Claro, eu já volto. — sai dali com ele me afastando de todos. — O que foi? — perguntei quando estávamos mais afastados.  

—Está na hora da sua mãe aparecer. — respirei fundo e apoiei minhas mãos em seu ombro. — O que houve? — ele perguntou alisando meus braços.  

—Estou com medo de matar minha vó do coração. — disse ficando reta novamente e respirando fundo.  

—Temos três ambulâncias lá fora. Uma pro seu pai e as outras duas pros seus avós. — ri, balancei a cabeça e me virei vendo todo aquele pessoal.  

—Você começa. — disse e ele concordou. Pegou uma taça de champanhe chamando a atenção de todos. 

—Boa noite! Amanhã é o grande dia e nós estamos muito gratos por termos todos vocês aqui conosco na véspera. Como parte desse momento fabuloso, eu presentei minha noiva a um pouco tempo com a coisa, ou melhor, a pessoa que ela mais queria em toda sua vida. — ele passou o braço pela minha cintura e sorriu me olhando, vi o pai de Zack se levantar surpreso.  

—Não estou gravida, senhor Smith. — disse fazendo alguns rirem, inclusive meu sogro que se sentou novamente.  

—Ainda não, pai. O senhor está novo para ser avô. Mas o presente foi dado e muito agradecido. Decidimos compartilhar esse segredo com vocês nessa noite maravilhosa. Então, recebam a declarada morta a 13 anos, Melissa Haley Riggs Petrova. — Zack apontou para a porta, olhei para lá vendo minha mãe entrar.  

O burburinho começou ao final da frase de Zack, mas quando minha mãe parou ao nosso lado o barulho só aumentou, como esperado minha avó passou mal, meu pai se levantou pálido, meu avô socorreu sua mulher e meus tios se levantaram vindo na nossa direção.  

—De maneira resumida, Melissa foi considerada morta por conta de uma explosão em que ela deveria estar dentro do lugar, em vez disso, ela passou esse tempo refém de um mafioso, já morto. — Zack disse sorrindo largo, olhei para ele tentando não esgana-lo ali mesmo, por estar feliz com essa história. 

—Ela morreu! — Barth gritou atordoado. — Essa não é ela. — ele me olhou e eu dei um passo à frente segurando seus ombros. 

—É ela, tio. Eu mesma fiz o exame de DNA por conta própria. — disse olhando dentro de seus olhos.  

—A quanto tempo sabe disso? Você me viu várias vezes e não disse nada. — Barth gritou se afastando de mim.  

—Você tem certeza? — Luciana perguntou estendendo a mão, assenti a segurando e abraçando.  

—Oi, mãe. — Melissa falou se aproximando. Me afastei um pouco dando espaço para que elas interagissem. Richard olhava a cena sem nenhuma expressão.  

—Que merda você acha que está fazendo agora? — James perguntou vindo para cima de mim, Zack foi rápido se colocando na minha frente e parando meu pai.  

—Sua esposa está viva, deveria começar a pensar no divorcio já que você casou de novo. — Zack disse de forma maligna.  

—Ou das suas tentativas de matá-la serem expostas. — falei cruzando os braços, meu pai olhou para Melissa com ódio.  

—Você sabe o que ela fez? — James gritou mostrando toda sua raiva.  

—Ser lesbica? Sabemos, querido sogro. — Zack falou batendo no peito do meu pai.  

—Sabemos de tudo, pai. Nem vem com suas mentiras. — disse empurrando Zack. — Ou o senhor quer tudo exposto aqui e agora? — perguntei o olhando dentro de seus olhos.  

—Do que está falando? — ri vendo ele suar frio.  

—Como o senhor disse aquela papelada era mentira, porem apenas a parte que ela morreu. Ou como o senhor ter feito isso porque ela iria deixa-lo.  

—Você o que? — Richard perguntou em um grito.  

—Gente, acho melhor irmos para outro lugar e conversar sobre tudo isso. — disse tentando acalma-los.  

—Eu concordo. — Melissa falou puxando Luciana para sair da sala, assim Richard e meus tios saíram juntos. Olhei para o Zack e logo para o meu pessoal.  

—Eu não esperava por tudo isso. — disse para o Zack que assentiu. — Você continua a festa, vou tentar salvar minha família já destruída. — disse para ele que assentiu, olhei para o pessoal e eles estavam preocupados. Andei apressada até minha família que gritavam com meu pai.  

—Você disse que ela tinha tentado se matar, James! — Richard gritou. — Você nos convenceu de que o melhor seria coloca-la naquela casa, para que melhorasse.  

—Você nunca disse que ela estava gravida! — Luciana disse em um tom normal.  

—Nem que ela iria te deixar ou que estava gostando de outro.  

Uma mão passou pelos meus ombros e eu suspirei encostando minha cabeça na cabeça do Theo.  

—Gente! As crianças! — Liam disse alto fazendo todos nos olharem. 

—Podem continuar, já passamos por tudo isso. — disse, Theo concordou.  

—Ela já nos contou tudo isso. — Theo disse e eu o abraçei.  

—Foi difícil, mas já superamos. Ainda quero matar o James.  

—Você já tentou! — James disse firme e eu sorri, meus avós me olharam surpresos.  

—Não é surpresa, nem vem. — disse e ri. — Se eu tivesse drogada o suficiente eu te daria outro tiro, James. — ele balançou a cabeça negando.  

—O que aconteceu com a criança? — James perguntou olhando para Melissa.  

—Não é da sua conta. — ela disse o encarando.  

—Claro que é, é nosso filho.  

—Você não tem direito a nada! — Richard disse apontando o dedo na cara do meu pai.  

—Isso vai ser uma longa noite. — disse ao Theo, que se afastou pegando uma cadeira para mim, logo ele pegou uma para ele e ali ficamos vendo nosso pai e nosso avô gritar um com outro, enquanto Luciana não soltava Melissa.   


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...