1. Spirit Fanfics >
  2. Everything I Do (Wayhaught) >
  3. Chapter VII

História Everything I Do (Wayhaught) - Capítulo 7


Escrita por:


Notas do Autor


Oiii pessoas!!! Volteii, antes tarde do que nunca né? Kgkkk eu sei que dessa vez eu demorei mtooo, tipo mto mesmo, mas acontece que esses dias eu tive mta dor no dente, foi horrível sério, aí eu fui no dentista resolver, mas não resolveu quase nada. Resumindo, ainda tô com dor nessa porra e por isso me atrasei toda, tô vivendo a base de remédio pra dor, mas tudo bem. Agora sobre o cap de hoje, só emoção kkgkkk boa leitura!!

Obs: Não revisei o cap, então me perdoem se tiver algum erro.

Capítulo 7 - Chapter VII


Fanfic / Fanfiction Everything I Do (Wayhaught) - Capítulo 7 - Chapter VII

POV Waverly Earp

  Começo a acordar levemente atordoada, abro meus olhos devagar, por causa da claridade do lugar, me sento no chão, minha cabeça latejava e eu não conseguia dizer o porquê. Aos poucos, tive rápidos flashes de memória do ocorrido, me fazendo levar minha mão até minha nuca, onde senti um molhado e uma leve dor, em minha mão havia meu sangue e foi aí que seu nome veio em minha cabeça, Nicole. Passo meus olhos pelo local em que me encontro, percebendo que estou longe da estrada e do carro, estou quase dentro da floresta. Ao longe, próximo a grande estrada, vi o carro de Nicole com todas as portas abertas, não penso duas vezes e corro em sua direção, na esperança de encontrar a ruiva.

- Nicole? - Chamo baixo por ela, sem obter nenhuma resposta.

  Sigo cambaleando um pouco e consigo chegar no carro, o fazendo de suporte, para me manter de pé. Respiro fundo e com meus olhos, busco encontrar Nicole, olhei para dentro do carro da policia, mas nenhum sinal dela, passei a andar ao redor do veículo, mas tudo está vazio, não há ninguém além de mim nessa estrada isolada. O desespero começou a bater, eu não encontrava Nicole e para piorar, ao chão, consegui ver um enorme rastro de sangue na estrada e com toda certeza, esse sangue não é meu, já que eu não estou tão machucada ao ponto de ter manchado quase metade da rua. Aonde quer que Nicole esteja, ela está muito ferida e eu já tenho uma ideia de quem pode ter levado ela. Lembro muito bem de ouvir a voz de Bobo Del Rey, ele com certeza está com ela. Volto para o carro, entrando no mesmo e começo a procurar meu celular para ligar para Wynonna, olhei em cada canto do veículo, mas não o encontrei, o que me fez suspirar alto, eu preciso ir para casa pedir ajuda para minha irmã e para minha sorte, a chave do carro está na ignição.

  Rapidamente dou partida no carro da policia e sigo em direção a propriedade, que pelo que percebo, não está muito longe. No caminho, não tinha ninguém, somente eu, a estrada e ao longe, a floresta que começava a florescer com a primavera. Eu dirigia o mais rápido possível, estava preocupada com Nicole, então preciso chegar o mais rápido possível em casa e pedir ajuda a minha irmã, explicar tudo que aconteceu. Quando finalmente avistei a propriedade, entrei rapidamente no grande cercado com o carro, atraindo a atenção de Wynonna, que assim que ouviu o barulho do motor, saiu de casa, ficando na varanda olhando o carro com um sorriso malicioso no rosto. Com afobação, solto o cinto de segurança do meu corpo, abro a porta, saindo logo em seguida e corro até ela.

- Chegando agora, acho que a noite foi boa, baby girl! - Fala sorrindo maliciosa, a mesma ainda não tinha notado a falta da Xerife. - Vai, pode falar tudo, o sexo foi bom? - Pergunta assim que estou próxima o suficiente, eu estou tão desesperada, que não consegui me sentir envergonhada pela insinuação de minha irmã.

- Nonna, não é isso, não aconteceu nada! - Falo a deixando confusa e parece que finalmente notou algo estranho. - A Nicole desapareceu, Bobo nos atacou e eu não lembro de quase nada, só sei que quando acordei na estrada, estava sozinha e sem celular.

- Espera, você tá bem? - Pergunta um pouco desesperada, segura meu rosto e começa a olhar cada detalhe para ver se estou machucada. - Waves, você tá com um corte na nuca, vamos, vou te levar para Shae! - Fala já me puxando em direção ao meu jipe.

- Wynonna, por acaso você não me ouviu? - Pergunto puxando meu braço, nos fazendo parar de andar e Wynonna me olha. - Nicole foi levada por Bobo Del Rey e ela está machucada, na estrada tinha muito sangue espalhado e não tem como ser meu, com certeza é dela.

- Baby girl, Nicole é a xerife, ela vai conseguir aguentar até nós pensarmos em um plano. - Diz simples, mas não me convence, cruzo meus braços e levanto levemente minhas sobrancelhas. - Tá bom, vamos passar primeiro na casa da ruiva. - Fala e a olho confusa. - Bobo está usando-a como isca para me atrair, ele com certeza deixou alguma pista do que quer na casa dela, já que aparentemente não deixou no carro. - Apenas concordo com a cabeça, a sigo em direção a meu carro e vejo Wynonna ligando para alguém com seu celular.

- Com quem está falando? - Pergunto curiosa e assim que finaliza a ligação, me mostra a tela com o nome "Doc" nas chamadas recentes.

- Pedi para ele nos encontrar na casa da Xerife, se Nicole não voltou para casa ontem, Calamity Jane deve está com fome e Doc tem jeito com animais. - Fala simples dando de ombros e finalmente entramos em meu jipe.

- Achei que a gata de Nicole não gostasse de homens. - Falo levemente confusa, prendendo o cinto de segurança em meu corpo.

- E não gosta, mas Doc da um jeito. - Diz sorrindo travessa e da partida no carro.

  Eu nunca havia ido na casa da Xerife, não sei nem onde é, então não fazia ideia se estamos perto ou longe. O caminho inteiro passei inquieta, eu nunca tive tanto medo de perder alguém como estou agora e era perceptível o medo em meus olhos, já que Wynonna, sempre que podia, desviava seu olhar da estrada, para me analisar. Meus dedos brincavam uns com os outros nervosamente, enquanto meus olhos, estam fixos na janela, eu observava a linda floresta florescendo, via as folhas das altas árvores crescendo e a grama se tornando mais verde, deixando aquele lugar, que para muitos é assustador, um lugar cheio de vida e beleza. Mas em minha cabeça, só se tem preocupação, eu nem me importava que minha cabeça está sangrando, só quero saber se Nicole está bem e segura.

  O caminho até a casa da ruiva era silencioso, só se ouvia os sons que o carro emitia, Wynonna se quer teve coragem de dirigir uma palavra a mim, ela sabe que não estou para conversa. Quando finalmente o carro estacionou, olhei para o horizonte, encontrando uma bela casa de madeira, com as paredes tingidas em um azul claro, com alguns detalhes em branco e o carro rosa de Doc estava estacionado bem a nossa frente, onde o mesmo já estava do lado de fora, encostado na porta, terminando de fumar um cigarro. Eu fui a primeira a sair do meu jipe, deixando minha irmã para trás e segui em direção a Doc, que tira o cigarro da boca, o jogando no chão e pisando no mesmo em seguida, na intenção de apaga-lo.

- Waverly, você está bem? Está sangrando. - Fala o homem de bigode preocupado quando estou próxima o suficiente. - Você precisa dar uma olhada nesse ferimento. - Diz apontando para minha cabeça.

- Eu estou bem Doc, depois olho isso. - Falo sendo sincera, já que a dor tinha passado, eu só quero ter certeza que Nicole está bem.

- Já tentei convencer ela a olhar isso, não adianta. - Diz Wynonna vindo em nossa direção. - Só vai sucegar quando descobrirmos para onde Bobo levou Nicole. - Fala já próxima de nós e da um rápido selinho em Doc.

- Vamos ter que arrombar a porta? - Pergunto assim que passamos a andar em direção a entrada da casa.

- Não, Nicole sempre deixa uma chave de emergência em baixo do tapete. - Diz minha irmã simples e assim que bota seus pés no piso de madeira da pequena varanda, se abaixa, levando suas mãos para o tapete, tirando de lá uma chave. - Para uma policial, a ruiva é muito previsível. - Fala sorrindo de lado e destranca a porta branca de madeira, vejo ela tirando a Pacificadora do coldre em sua cintura.

  Uma das mãos de Wynonna estava na maçaneta e a outra, com a grande arma de Wyatt, apontada para a porta, pronta para atirar em qualquer renascido que se quer tente ataca-lá de surpresa. Doc também não estava atrás, em suas duas mãos tinha suas armas, pronto para acertar qualquer um, então com calma, minha irmã passa a abrir a porta, que com um leve ranger, nos dá visão para o interior da casa.

- Tá limpo, nenhum sinal de renascido. - Diz Wynonna, após ter observado do lado de fora. - Mas fiquem atentos! - Adverte e entra na frente.

  Quando enfim tive a visão do interior do local, pude ver a enorme bagunça lá dentro, tudo estava revirado, indicando que os retornados estiveram realmente aqui. Pude analisar cada detalhe da casa da Xerife, mesmo com tudo bagunçado, é possível perceber que o lugar é bem aconchegante, olhei para o chão, encontrando alguns porta retratos e me abaixei para olha-los. Com cuidado, peguei o primeiro, o vidro havia quebrado com o impacto, mas a foto, que consiste em uma Nicole de cabelos ruivos bem longos, abraçada a minha irmã, está intacta. Na foto, as duas sorriam largo, estavam abraçadas de lado, mostrando que são grandes amigas, mas o que mais me intrigou foi os longos cabelos da ruiva, já que a conheci com cabelos curtos. Me levantei novamente, para colocar o porta retrato quebrado em cima do móvel e quando estava prestes a pegar o outro no chão, Doc chama minha atenção.

- Onde está Calamity Jane? - Pergunta, sabendo que não iria receber resposta. O mesmo está abrindo um armário, a procura da gata. - Eles não iriam levar o bichano junto né?

- Eu acho que ela deve ter se escondido. - Fala Wynonna simples. - Vou checar o andar de cima. - Diz, vejo Doc afirmar com a cabeça e ela some pela escada.

  Me abaixo novamente, para pegar o outro porta retrato e escuto um leve barulho, que obviamente me assustou e olho na direção do mesmo, que vinha do sofá. O barulho vem novamente, só que desta vez mais alto, atraindo a atenção de Doc, que logo apontou uma de suas armas. Faço um sinal que vou olhar embaixo do sofá, para saber o que é, e o homem de bigode rapidamente concorda com a cabeça, sem tirar os olhos e a arma do sofá. Com calma, levo meu rosto para o chão frio e passo meu olhar por toda área, onde no canto, acabo vendo uma gata, que com toda certeza é a famosa Calamity Jane.

- Tá tudo bem Doc, é a gata de Nicole. - Falo simples levantando do chão e vendo o homem guardar suas duas armas no coldre em sua cintura.

- Vamos tirar ela daí, deve estar assustada e com fome. - Diz Doc se aproximando do sofá. - Vou precisar da sua ajuda. - Fala e apenas concordo, me aproximando dele. - Eu levanto o sofá e você pega ela no colo.

- Porque eu que tenho que pegá -la no colo? Ela nem me conhece, pode me arranhar. - Protesto, fazendo Doc rir.

- Primeiro, você não vai conseguir levantar esse sofá sozinha e por último, Calamity não gosta de homem, tem mais chances dela me arranhar e nem vim para meu colo. - Diz simples e concordo com a cabeça, me convenceu a fazer do jeito dele. - Pronta? - Pergunta e coloca suas mãos embaixo do sofá, o segurando.

- Pronta! - Falo preparada e Doc levanta o sofá com certa dificuldade, me dando visão de uma linda gata ruiva. Me aproximo da mesma devagar, ela estava assustada, mas assim que consegui alcança-la, fiz um leve carinho em sua cabeça e logo pegou confiança, vindo para meu colo. - Então você é a tão famosa Calamity Jane! - Digo com a gata aconchegada em meu colo, fazendo Doc soltar o sofá.

- Ela deve esta com fome, vou pegar a comida dela. - Diz simples e segue caminho para dentro da casa, uma área na qual eu não conheço, mas ao longe, acredito ser a cozinha.

  Fico com a gata de pelos laranja em meu colo, a mesma ronronava enquanto recebia um leve carinho na cabeça. Não esperava que ela fosse tão dócil assim, pelo que Doc fala, Calamity Jane não parecia ser muito amigável com ele, mas agora estou aqui, a segurando no colo, com a mesma recebendo um bom afago.

- Não imaginei que te conheceria desse jeito Calamity. - Falo baixo, enquanto continuo com o carinho e recebo um leve miado como resposta. - Para ser sincera, não achei que a primeira vez na casa de Nicole, seria nessa situação, com ela desaparecida e em perigo.

- Aqui, achei a ração. - Fala Doc, interrompendo minha divagação. O homem volta com um pacote de ração para gato em mãos e logo enche o pequeno pote no chão, próximo a escadaria da casa.

  Assim que a gata escuta o barulho da ração caindo no seu pote, rapidamente pula de meu colo, ficando de pé no chão e corre para comer, mostrando que realmente estava com muita fome. Doc e eu, resolvemos voltar a procurar por algum tipo de pista, sobre para onde Bobo levou a xerife. Passei a analisar os móveis presentes na sala, enquanto Doc resolveu ir para o andar de cima, já que Wynonna ainda não havia voltado de sua busca por pistas lá, ele quer ver se está tudo bem e se a mesma não precisa de ajuda. No momento que Doc subiu as escadas, sumindo de minha visão, notei uma sujeira no chão, era um tipo de líquido preto, rapidamente me abaixei e com dois de meus dedos, toquei no líquido viscoso, não precisei de muito tempo para perceber que aquilo é sangue de demônio. Mais para frente, no chão, já próximo a cozinha da casa, também havia um pouco de sangue, dessa vez sangue humano, com certeza Bobo e Nicole estiveram aqui e o sangue de demônio só mostra que de alguém jeito, a ruiva conseguiu ferir Bobo, na intenção de fugir. Quando estava prestes a gritar por Wynonna e Doc, para dizer o que achei, me viro, vendo os dois descendo as escadas, seus olhares eram de preocupação e nas mãos de minha irmã, havia um papel.

- Gente, aqui tem sangue de demônio, Bobo e Nicole estiveram aqui. - Falo me aproximando, apontando para a pequena trilha de sangue preto de demônio, que ainda melava meus dedos e para as leves gotículas de sangue humano.

- Nós sabemos. - Diz Wynonna simples, sem tirar os olhos do papel, me deixando muito confusa. - Bobo deixou um bilhete. - Fala me entregando o papel em suas mãos.

  Ainda confusa, o pego e leio o que tem escrito: "Olá Waverly Earp, espero que a pancada na cabeça não tenha doido tanto, era um mal necessário, espero que entenda. Você já deve ter sentido falta de sua amada Nicole e por isso veio até a casa dela, não se preocupe, ela está bem, por enquanto. Então se quer que continue assim, venha até os meus trailers, quero propor uma troca." Assim que termino de ler, olho desesperada para Wynonna e Doc, eles estavam tão perdidos quanto eu. Bobo precisa de mim para algo e com certeza, se eu não aparecer por lá, Nicole irá morrer.

- Precisamos ir atrás dela Wynonna, Nicole está ferida e sabe-se lá quanto tempo nós temos. - Falo ainda com o papel em mãos.

- Não é assim tão fácil baby girl, Bobo quer sua presença, significa que de alguma forma, ele precisa de você. - Diz pensativa, ela ainda se mantinha próxima da escada com Doc ao seu lado.

- Mas não achamos documentos que mostram que para sair de Purgatório é preciso a herdeira Earp, porque ele quer Waverly? - Pergunta Doc confuso, coçando levemente sua cabeça, demonstrando sua confusão, sem tirar os olhos de Wynonna.

- Eu não sei e é por isso que não podemos ir lá agora. - Fala minha irmã simples e rapidamente a olho indiguinada. - Baby girl, não sabemos o que Bobo quer de você, é perigoso demais.

- E o que pretende fazer? - Pergunto já com raiva. - Deixar Nicole nas mãos daquele demônio maluco? Ele vai matar ela Wynonna, temos que impedi -lo! - Falo de maneira autoritária, enfrentando minha irmã.

- Não podemos ir sem um plano, muito menos sem saber o porquê dele precisar de você! - Responde no mesmo tom de voz, estávamos começando a nos exaltar.

- Meninas, precisamos manter a calma. - Fala Doc ficando entre nós duas, tentando de algum jeito nos acalmar, mas nossos olhares não deviam nem por um minuto.

- Waves, nós vamos salvar Nicole, eu sei que vocês duas estam "juntas" e sei que você não quer perde-la, mas não se esqueça, a ruiva é minha melhor amiga, eu amo ela e vou fazer o que estiver ao meu alcance para resgata-la. - Fala olhando em meus olhos e pude ver sinceridade neles, me fazendo relaxar. Doc rapidamente se afasta, fazendo minha irmã se aproximar. Ela coloca sua mão em meu ombro e junta nossas testas. - Nicole é nossa família e ninguém fode com nossa família, entendeu?

- O que pretende fazer então? - Pergunto já mais calma, eu tenho que confiar na minha irmã, ela sabe o que está fazendo e nós vamos conseguir resgatar Nicole.

- Primeiro, vamos na delegacia, você precisa cuidar desse ferimento na cabeça e eu preciso dar uma desculpa sobre onde Nicole está, ela é a xerife, devem estar sentindo falta dela. - Diz desencostando nossas testa, mas não sai de perto de mim. - Lá Dolls e Jeremy vão pensar num plano de resgate, sem termos que trocar nada com Bobo.

- E quanto a Calamity Jane? - Pergunta Doc, apontando para a gata ruiva, que ainda comia sua ração. - Não podemos deixá-la aqui, Nicole nos mataria se descobrisse que deixamos ela sozinha.

- Leve ela para Nedley e diga para ele o que está acontecendo, Randy tem o direito de saber, mas fale que temos tudo sobre controle, não o deixe preocupado. - Diz simples e Doc concorda com a cabeça. - Nós duas vamos agora para delegacia. - Fala se virando para mim e concordo com a cabeça.

  Eu ainda não estava muito certa disso, mas confio na minha irmã e sei que ela e Nicole são muito amigas, Wynonna nunca deixaria a xerife para trás, então decido fazer o que ela quer, vamos para a delegacia falar com Dolls e pensar em algum plano. Deixamos Doc na casa da ruiva, para arrumar as coisas de Calamity Jane e seguimos em direção a meu carro novamente. Wynonna foi dirigindo de novo, eu ainda estava inquieta e sei que isso só vai mudar quando eu finalmente ter certeza que Nicole está bem, por isso o caminho foi silencioso, apenas fiquei olhando pela janela, a movimentação de pessoas na rua me acalma por algum motivo.

  Quando enfim, Wynonna estaciona meu jipe em frente a delegacia, saímos juntas de dentro do carro e lado a lado, passamos pela enorme porta de madeira da delegacia. Assim que entramos, todos os olhares se voltaram para nós, todos os policias ali presentes pareciam preocupados e nós duas sabemos muito bem o motivo. Wynonna respirou fundo e passou na minha frente, a vi subir em cima da bancada, que separa a área de atendimento da área dos policiais, ficando em pé, deixando todos presentes com seus olhos arregalados.

- Olha aqui, nada de pânico! - Grita minha irmã em cima da bancada, atraindo mais atenção ainda, uma de suas mãos está levantada para o alto, enquanto a outra está em seu coldre, a deixando com uma pose autoritária. - A xerife Haught não vai vim hoje, porque está um pouco ocupada no momento, então não precisam se preocupar. - Quando termina de falar, desce da bancada plenissima, quase caindo e vem em minha direção.

- Precisava de tudo isso? - Pergunto irônica, com um leve sorriso no rosto.

- Não, mas eu adoro uma atenção. - Diz rindo e passamos pela pequena porta da bancada. - Agora vamos, vou deixar você com a Shae, ela vai olhar esse ferimento melhor e fazer um curativo.

- Só tem a Shae nessa delegacia? - Pergunto com tédio, a mulher já não gostava de mim, imagina agora, se descobrir o que eu e a esposa/ex-esposa dela faz quando não tem ninguém por perto. - Nonna, ela vai acabar é terminando o serviço que o Bobo começou!

- Deixa de besteira Waves, vai ficar tudo bem, não vou sair do seu lado! - Fala e me dá um leve empurrão com o ombro.

  Seguimos andando lado a lado pelos enormes corredores da delegacia, indo em direção a área médica do local e parece que agora, minha cabeça resolveu voltar a doer, como se tivesse lembrado que está ferida. Levo uma de minhas mãos até o local ferido e assim que encosto no corte, sinto uma dor latejante, me fazendo afastar a mão imediatamente, vendo um pouco de sangue na mesma. Quando ficamos em frente a enorme porta branca da área médica, Wynonna é a primeira a entrar, encontrando Shae, sentada em sua mesa. Passei observando o local, que diferente de toda delegacia, que tem suas paredes tingidas em um tom azul, aqui especificamente, as paredes são todas brancas, com as macas e cortinas em um tom azul bem claro. Observei a médica sentada e notei que está usando um vestido cinza simples acima do joelho, um sapato todo branco e o seu habitual jaleco aberto, também pude notar uma jaqueta de couro em cima de sua mesa.

- Iai Shae! - Fala Wynonna toda animada, andando em sua direção, o que faz com que a médica a olhe desconfiada, mas com um leve sorriso no rosto.

- Pode falando o que você quer. - Diz simples, levantando da cadeira e passa a encostar o quadril em sua mesa, cruzando os braços em seguida. - Quando você entra aqui, com essa animação toda, é porque precisa que eu faça algo.

- Me pegou gata! - Fala Wynonna divertida. - Minha querida irmãzinha ali. - Diz apontando para mim logo atrás, fazendo finalmente, Shae notar minha presença. - Machucou a cabeça e tá sangrando um pouco, pode olhar se está tudo bem, por favor.

- Tudo bem, pode vim aqui Waverly. - Fala Shae fazendo um sinal com a mão para me aproximar e por incrível que pareça, ela não parecia querer me matar, então me aproximei dela.

  Quando estava próxima o suficiente da médica, fiz um rápido coque em meu cabelo, para deixar a área machucada visível para ela e rapidamente, Shae passou a olhar o ferimento, que pela cara de Wynonna a minha frente, parecia está tudo bem. Eu sentia Shae tocar na área levemente, o que doia um pouco, mas me mantive firme ali.

- Está tudo bem. - Fala Shae simples, tirando suas mãos de minha cabeça e me viro para olha-la. - Foi um corte superficial, só sangrou muito porque foi comprido. Vou só precisar limpar bem e fazer um curativo.

- Perfeito, enquanto vocês ficam aí, preciso falar com o agente Dolls urgentemente. - Fala minha irmã, me fazendo arregalar meus olhos, não acredito que vai me deixar aqui sozinha com Shae, o que aconteceu com o "Não vou sair do seu lado." - Vou deixar a chave do jipe com você. - Diz simples e joga a chave em minha direção, onde consigo pega-la antes de cair no chão e guardo no bolso de minha calça.

- Wynonna, antes de ir, sabe me dizer onde Nicole está? - Pergunta Shae assim que minha irmã ia se virar para sair da grande sala. - Ela ficou de ir lá em casa hoje de manhã conversar comigo, mas não apareceu. Você sempre anda com ela e sabe sempre onde ela está, então, ela está bem? - Minha irmã me olha rapidamente de relance, em busca de alguma ajuda minha, era perceptível que ela está em uma luta com ela mesma, não sabia se dizia a verdade ou não.

- Bom... E-ela esta bem, saiu muito cedo de casa, tinha uma missão muito importante, deve ter esquecido de te avisar. - Fala um pouco nervosa. - Eu vou indo agora. - Diz e sai quase que correndo da sala.

  Shae me olhou confusa, provavelmente por achar minha irmã estranha, mas logo deu de ombros e seguiu para uma pequena mesa com alguns remédios e curativos em cima. Não ousei falar uma palavra, só me mantive parada perto de sua mesa, enquanto Shae pega tudo que acha necessário para meu ferimento. Quando finalmente se vira para mim, faz um sinal para que me aproxime e sente em uma das camas da área médica. Rapidamente faço o que me foi mandado, sentando na cama mais próxima de Shae, onde a mesma começou a limpar o machucado em minha cabeça.

- Obrigada por esta fazendo isso. - Falo simples tentando ser gentil.

- Não estou fazendo por você, estou fazendo porque gosto de sua irmã. - Diz sendo grossa como sempre, me fazendo ficar calada. - Você acha que não vejo o jeito que Nicole olha para você? - Pergunta sem querer uma resposta e continua limpando meu ferimento. - Mas não se preocupe, logo ela vai perceber que eu sou a mulher que ela precisa. 

- Ou talvez não. - Falo sem conseguir me segurar, sinto ela parar de limpar o ferimento e passar a fazer o curativo. - Talvez ela desista desse casamento e só queira sua amizade. - Termino e escuto sua risada irônica.

- Você acha o que? Que ela vai me largar para ficar com você? - Pergunta num tom irônico e ri. - Isso não vai acontecer Earp, só nos seus sonhos.

- Não foi o que ela me disse ontem quando esteve na minha casa. - Falo provocando assim que a mesma termina de fazer o curativo e me viro só para olhar sua cara de raiva. - Agora que já terminou, vou tomar um ar, obrigada Shae. - Falo simples com um leve tom de ironia e saio pela porta, deixando a médica com uma cara nada boa.

  Assim que passo pela enorme porta branca da área médica, passo a andar pelos corredores da delegacia. Minha cabeça ainda latejava e é por isso que preciso sair para andar, tomar um ar fresco. Wynonna ainda deve estar na sala da insígnia negra com Dolls, então resolvo não atrapalhar, sigo em direção para fora da delegacia, iria passear pelas redondezas, esfriar a cabeça. Quando finalmente saio dos corredores de paredes azuis com detalhes em madeira, chegando na área principal da delegacia, encontro Doc entrando no local e logo vem em minha direção, passando pela portinha da bancada.

- Waverly, que bom que já está com curativo. Onde está Wynonna? - Pergunta assim que está próximo o suficiente.

- Está na sala da insígnia negra conversando com Dolls, eu vou dar uma caminhada, preciso esfriar a cabeça um pouco. - Falo simples e ele concorda com a cabeça.

- Só tome cuidado. - Diz e passa por mim, entrando nos corredores, indo encontrar Wynonna.

  Observo Doc andando por entre os longos corredores, até que o perco de vista. Me viro para a saída da delegacia e passo a andar em sua direção, observando o quão calmo está o local hoje, só há apenas alguns policias atendendo os poucos moradores presentes. Passo pelas enormes portas de madeira e já sinto o forte vento bater em meu rosto, esvoaçando meus cabelos, mas não é suficiente para me deixa com frio, já que hoje, o sol está bem presente no lindo céu azul com algumas nuvens. O dia estaria perfeito se algo tão ruim não estivesse acontecendo, então apenas respirei fundo o ar puro e passei a andar calmamente pela calçada.

  Enquanto andava, observava tudo ao meu redor e não demoraria muito para chegar na praça da cidade, onde ontem, eu e Nicole andavamos quando vimos Bobo nos observando. Quando fiquei de frente para a porta do Shorty's, pensei em entrar, mas algo me dizia que eu tinha que ir para a praça e pensando bem, eu saí da delegacia para tomar um ar, não faz sentido eu sair de um lugar fechado, para entrar em outro, então mudei meu percurso e atravessei a rua com cuidado, indo em direção a linda praça. Assim que pisei na calçada, respirei fundo, passando a adentrar o lindo lugar com plantas e árvores, que já floreciam, deixando o local cheio de vida, o ar ali, parecia até mais puro. Havia uma maior movimentação de pessoas agora, talvez por causa do horário, já que não está tão tarde e o dia está lindo, as pessoas devem ter resolvido sair de casa e admirar a beleza da praça.

  Sigo em direção a uma área mais afastada e vazia, perto de um pequeno muro coberto de hera e me sentei no banco de madeira mais próximo. Observei ao longe as pessoas passando e me lembrei do dia em que conheci Nicole, desde aquele dia, em que nos encontramos na delegacia, eu sabia que ela seria alguém importante na minha vida, mas em tão pouco tempo, a ruiva me ganhou de uma forma na qual eu nunca imaginei. Só de pensar que ela está ferida e sendo mantida presa por Bobo Del Rey, me deixa angustiada, a vontade que eu tenho é de ir atrás dele e tirar Nicole de lá, proteger ela, eu só não quero perder-la, não suporto nem imaginar isso acontecendo, esse pensamento me assusta. Sou rapidamente tirada de meus pensamentos, assim que sinto alguém se aproximando e sentando bem ao meu lado no banco, até então, não me importo com quem seja.

- Olha só se não é a tão famosa Waverly Earp. - Escuto a pessoa ao meu lado falar e arregalo meus olhos, eu conheço muito bem essa voz. - Faz muito tempo desde que nos vimos não é? Você tinha quantos anos mesmo? Acho que 5. - Fala e o olho, vendo Bobo me encarando, em seu rosto, tem o sorriso cínico do mesmo jeito que me lembro. 

- O que você quer de mim Bobo? Porque levou Nicole? Eu sei que você planeja sair de Purgatório. - Falo tudo de uma vez, sem tirar os olhos dele.

- Você se tornou uma garotinha esperta Waverly. - Diz levando seu dedo a boca, o mordendo, deixando o mesmo com um olhar assustador, mas logo leva sua mão para o banco, entre nós dois e se aproxima um pouco. - Mas não vim aqui para responder perguntas, eu vim para te alertar. - Fala fazendo um leve suspense e leva sua mão, que antes estava no banco, para meu cabelo, colocando uma mecha solta atrás de minha orelha. - Só você pode salva-la Earp, então se eu fosse você, correria, porque eu não estou com muita paciência.

  Assim que termina, não me dá tempo para falar mais nada, apenas se levanta e sai andando, sumindo por entre as árvores e arbustos espalhados pela praça. Rapidamente me levanto e saio correndo por entre as pessoas, em direção a saída, eu não posso mais esperar Wynonna ter um plano, não vou perder Nicole. Corro o mais rápido que consigo, saindo da praça e não paro, continuo correndo, agora em direção a delegacia, como estou com a chave de meu jipe, posso sair facilmente sem minha irmã perceber.

  Quando enfim paro na porta da delegacia, coloco as mãos em meus joelhos e passo a ofegar, buscando ar. Espero um tempo do lado de fora, me recuperando da corrida até aqui e assim que me sinto melhor, tiro a chave de meu carro do bolso e entro no mesmo, prendendo o cinto de segurança. Rapidamente coloco a chave na ignição, a girando e escutando o alto barulho do motor, passo a marcha e saio do estacionamento, dirigindo o mais rápido que consigo até os trailers do Bobo.

POV Wynonna Earp

  Assim que saio correndo da área médica, sigo em direção a sala da insígnia negra, o que eu mais quero é resgatar Nicole, mas sem um plano, não é seguro, Bobo é esperto e se ele quer a presença de minha irmã, é porque precisa dela para alguma coisa. O que me deixa confusa é que nas escrituras de meu pai, dizia que eu sou a única chave para os retornados sairem de Purgatório, então porque a Waverly e não eu, essa é a coisa que não se encaixa. Andando pelos corredores da delegacia, finalmente chego na porta da sala e quando enfim entro, encontro Dolls com o quadril apoiado em sua mesa e suas mãos agarrando firmemente a quina, Jeremy está aplicando a droga que mantém o demônio lagarto de Dolls calmo, sem atacar ninguém. Espero um tempo, até Dolls se recompor e me aproximo dos dois.

- Temos um grande problema. - Falo séria atraindo a atenção dos dois homens presentes na sala. - Bobo pegou Nicole e está usando ela como isca para atrair Waverly.

- Como assim atrair Waverly? Ele precisa da herdeira Earp para sair de Purgatório, é o único jeito. - Fala Dolls confuso desencostando da mesa e vejo Jeremy erguer suas sobrancelhas, fazendo uma expressão pensativa.

- Eu não sei Dolls, mas no bilhete que achei, ele quer Waverly e não eu. - Falo sincera e quando o agente federal estava prestes a me responder, Jeremy se afasta e segue até uma mesa com alguns livros, o que fez Dolls e eu nos entreolharmos confusos. - Tem algo útil Jeremy? - Pergunto me aproximando do mesmo.

- Na verdade tenho! - Diz e Dolls não perde tempo em se aproximar também. - Lembram quando Waverly insistiu que Bobo não estava usando os corpos para uma distração? - Pergunta e nós afirmamos com a cabeça. - E se ela realmente estiver certa? E se Bobo realmente quer ressuscitar algum demônio que possa ajudá-lo a sair?

- Isso é uma posibilidade no momento, mas ainda não explica por que a Waverly. - Diz Dolls olhando para Jeremy, que agora abria um livro.

- É aí que você se engana chefinho. - Fala Jeremy e passa a folhear o enorme livro antigo. - Eu andei pesquisando mais sobre os antigos rituais de ressusitaçao e descobri que todos precisam de uma pequena quantidade de sangue humano dado voluntariamente para dar certo. - Diz apontando para um trecho do livro.

- Mas porque minha irmã? De tantos humanos, porque a Waverly? - Pergunto ainda sem entender.

- Não sei exatamente, mas tenho uma teoria. - Fala Jeremy e corre até a estante de livros da sala, fazendo eu olhar para Dolls confusa e ela me olha de volta dando de ombros. - Eu acredito que para essa ressusitaçao específica, ele precise de sangue Earp. - Diz ficando de ponta de pés para alcançar um livro e quando alcança, volta para a mesa.

- Porque acha isso? - É a vez de Dolls perguntar, enquanto apenas observo o jovem rapaz abrindo o livro, passando a folhea-lo.

- Porque quem quer que seja esse demônio que Bobo quer ressuscitar, com certeza faz parte da maldição, já que o objetivo dele é sair da cidade sem ser queimado vivo. - Diz o cientista ainda concentrado em folhear o livro.

- Isso faz sentido Dolls, Bobo sabe que eu não daria meu sangue com facilidade, mas Waverly, ela não vai negar, não com Nicole machucada. - Concluo e Jeremy concorda, finalmente achando o que queria nos mostrar no livro.

- Aqui diz que quando Bulshar Clootie amaldiçoou o sangue Earp e as terras de Purgatório, ele deixou uma forma de ressuscitar demônios com o sangue de qualquer membro da família Earp. - Diz Jeremy mostrando as escrituras do livro antigo.

- Se isso é verdade, não podemos deixar isso acontecer, não sabemos que demônio Bobo quer trazer para terra. - Diz Dolls e concordo com a cabeça. - Onde está Waverly? Precisamos mante-la o mais longe de Bobo possível.

- Eu deixei ela na área médica com Shae, ela machucou a cabeça, nada grave. Vou buscá-la. - Falo e Dolls concorda, mas assim que estava para sair da sala, Doc entra com tudo, chamando nossa atenção.

- Perdi alguma coisa? - Pergunta simples, com um sorriso de lado no rosto.

- Só preciso buscar Waverly na área médica para te atualizarmos. - Falo simples quando já estou próxima dele e lhe dou um rápido selinho.

- Na área médica? Faz um pouco de tempo que a vi saindo da delegacia, disse que precisava tomar um ar. - Diz Doc e me viro para olhar Xavier, que já me lançava um olhar confuso. Não preciso de muito para juntar os pontos.

- Merda Waves! - Falo e saio correndo da sala pelos corredores, em direção para fora da delegacia.

  Ao longe, podia escutar as vozes de Doc e Dolls me chamando e vindo atrás de mim, mas não parei um minuto se quer de correr, eu precisava ter certeza que Waverly realmente só saiu para tomar um ar, mas algo dentro de mim sabia que ela tinha ido atrás de Nicole. Quando finalmente cheguei ao lado de fora do estabelecimento, não encontrei o seu jipe vermelho, somente alguns carros da policia, o carro preto de Xavier e o rosa de Doc. Minha irmã foi para os trailers de Bobo resgatar Nicole e eu não a culpo, faria o mesmo se Bobo tivesse a levado. Levo minhas mãos a cabeça e logo a porta da delegacia é aberta bruscamente, revelando Doc, Dolls e Jeremy, cansandos de correr atrás de mim.

- Waverly sumiu, deve ter ido atrás de Nicole. - Falo e todos me olham preocupados, mas me mantive firme. - Dolls! - O chamo, atraindo sua atenção. - Prepare suas melhores armas, porque nós vamos encher as bundas desses retornados de chumbo. - Digo sorrindo de lado.

POV Waverly Earp

  Eu ia o mais rápido que conseguia, via somente um borrão pelas janelas laterais do carro, o céu já dava sinais que ia escurecer quando passei a me aproximar da área onde fica os trailers de Bobo. Fui diminuindo a velocidade aos poucos, de acordo com o quão próxima eu chegava de meu destino. Quando estacionei, de frente para a enorme área de trailers, não vi ninguém, nem humano, nem renascido, mas o enorme portão está totalmente aberto, então soltei o cinto de segurança de meu corpo, fechei meus olhos e respirei fundo, para ter a coragem de sair do carro e entrar no lugar. Abri a porta de meu jipe, saindo de dentro e assim que fecho a porta atrás de mim, passo a andar em direção ao portão em passos calmos. Daqui eu já podia ver as grandes fileiras de trailers e bem ao longe, consegui observar uma grande movimentação e tive a certeza de que Bobo me esperava ali. Passei a andar na direção da movimentação de pessoas, um lugar que aparentemente não havia muitos trailers e analisava rapidamente o local, não havia muita grama no chão, só terra seca e alguns destroços, como peças de carros enferrujadas.

  Quando finalmente estava próxima o bastante, os renascidos que até então estavam de costas para mim, se afastaram, me dando espaço para ver o horizonte. A minha frente, tinha Bobo, sentado numa espécie de destroços empilhados, os retornados estam todos em volta, formando um perfeito círculo e todos me olhavam com um sorriso maléfico. Olhei por todo meu redor e em lugar nenhum encontrei a ruiva, só havia eu, Bobo e muitos renascidos. Eu ainda me mantinha parada, quando o demônio com barba de duas cores me fez um sinal para me aproximar e assim eu faço levemente hesitante, fazendo os retornados fecharem o círculo, me deixando sem saída.

- Onde está Nicole? - Pergunto firme, sem desviar meu olhar de Bobo e ele rapidamente se levanta com um leve sorriso no rosto. - Quero ver se ela está bem antes de qualquer coisa.

- Tudo bem. - Fala simples e olha para um dos renascidos que fazia parte do círculo. - Pode mandar trazer ela. - Diz e o retornado concorda com a cabeça, saindo de sua formação e sumindo de minha visão.

  Passa um curto período de tempo, no qual eu mantive meus olhos fixos no retornado a minha frente e logo o renascido volta para dentro do círculo, mas dessa vez carregando, ou melhor, arrastando Nicole pelo chão. Sinto uma leve dor no coração só de ve-la ser arrastada daquele jeito, com aquele maldito demônio a segurando pela parte de trás da gola da blusa, mas me mantive parada no mesmo lugar e vi o mesmo deixando a ruiva próxima de Bobo, para logo voltar para sua formação no círculo. Agora com Nicole parada, pude analisar cada detalhe melhor, ainda estava com a mesma roupa de ontem, porém muito suja de terra e sangue, notei que em seu rosto havia um corte bem profundo no lado esquerdo, próximo ao olho, provavelmente foi onde bateram para apaga-la, suas mãos estam amarradas atrás de seu corpo, mas daqui pude enxergar que seus braços tem alguns cortes, aparentemente de facas, um sinal claro que foi torturada, sua blusa, na área pouco abaixo de seu seio direito, havia uma quantidade absurda de sangue, o que indica que pode haver um corte na região e em sua coxa, também direita, tem um corte um pouco fundo, sua calça preta estava rasgada em alguns locais específicos com pequenos cortes.

  Eu olhava para a ruiva e meus olhos passaram a encher de lágrimas, mas não ousaram cair, tenho que me manter firme e não mostrar que Nicole é minha fraqueza, eu não posso dar o que Bobo quer, mesmo sem saber o que é, sei que tem haver com algo ruim, que pode ser o que ele precisa para fugir de Purgatório. Vi Bobo se aproximando da Xerife, passando uma de suas mãos levemente no rosto dela, para logo ergue-lo com brutalidade com sua outra mão, puxando os cabelos ruivos para trás, essa ação me fez cerrar os olhos e fechar meus punhos com raiva. Agora Nicole finalmente tinha seus olhos em mim, ela mal tinha forças para mante-los abertos, mas assim que nossos olhares se encontraram, um leve sorriso sem ânimo se formou em seus lábios, fazendo uma única lágrima solitária escorrer por meu olho direito, por ve-la naquele estado, tão vulnerável.

- Waverly... - Me chama com muita dificuldade, com seus olhos quase se fechando.

- Me desculpa Nicole, i-isso tudo é culpa minha, mas eu vim para te tirar daqui tá? - Falo e quando tento me aproximar dela, Bobo rapidamente a solta, se levantando e fazendo um sinal para eu me manter onde estava. - O que você quer de mim Bobo? - Pergunto firme, sem tirar os olhos da ruiva, que agora tentava se manter me olhando, mas estava muito fraca.

- Não quero muito pequena Earp. - Começa me fazendo olha-lo, Bobo tinha seus olhos fixos em mim, uma de suas mãos foi para sua barba e o sorriso cínico nunca abandonando seu rosto. - Eu só quero um pouco do seu sangue nesse frasco. - Fala e com sua mão livre, tira do bolso de seu grande casaco um pequeno frasco, o erguendo para me deixar ver.

- Waverly... n-não... - Diz Nicole com dificuldade e ergue seu rosto para me olhar. - E-ele n-não vai me... - Antes da Xerife terminar de falar, Bobo da um forte chute em sua barriga, fazendo -a tossir.

- Se não me der o que quero, a ruivinha que sofre as consequências. - Fala o retornado me olhando com raiva. - Então se você quer sair daqui com sua amada viva, acho melhor cooperar.

- Porque precisa do meu sangue Bobo? - Pergunto e dou alguns passos para frente, na intenção de me aproximar de Nicole.

- Tic tac, tic tac, seu tempo está passando Earp. - Diz batendo levemente em seu pulso como se estivesse indicando o relógio. - Acho que você está precisando de um pequeno incentivo. - Fala sorrindo psicopata, o que me assusta.

  Vejo-o guardando o pequeno frasco de volta no bolso de seu casaco, de sua cintura, tira uma faca e se abaixa próximo a Nicole. Foi aí que percebi o que ele está pensando em fazer e já comecei a me desesperar, eu não podia dar o que Bobo quer, o que quer que ele queira com meu sangue, não é bom, mas ver Nicole ser torturada na minha frente, isso vai ser difícil. Observo Bobo, com sua mão livre, levantar calmamente a blusa de Nicole, a mesma já não tinha mais forças para lutar contra e ainda estava amarrada, não teria nem como, ele, olhando para mim, começa a passar a faca levemente pelo abdômen exposto da ruiva, me fazendo notar o enorme corte abaixo do seio direito.

- Por onde será que eu começo? - Pergunta irônico sem tirar o sorriso do rosto. - Acho que aqui! - Fala e pressiona a faca lentamente na lateral esquerda do abdômen, fazendo a ruiva gritar de dor. Eu não estava suportando ver Bobo cortando-a, ouvir seu grito angustiado e tentando a todo custo afastar seu corpo da faca, estava acabando comigo, porque no fundo, eu sabia que se não fosse por minha causa, Nicole estaria bem agora.

- Para! - Grito já sentindo as lágrimas que tanto lutei para segurar, caírem por meu rosto. - Eu te dou o sangue, mas por favor, para de machucar ela. - Assim que termino, Bobo para de cortar a pele de Nicole, tirando a faca de seu corpo e me olha sorrindo largo.

- Encha o frasco. - Exige se aproximando e tira do bolso o frasco vazio, jogando em minha direção, que pego com minhas mãos. - Irei jogar minha faca, mas se fosse você, não faria nenhuma graçinha, já que está cercada. - Fala e joga sua faca, que cai no chão, próximo a meu corpo. Pego-a no chão e dou uma olhada rápida em Nicole, que não tinha mais força nem para me olhar, está de cabeça baixa, com o corte recém feito, melando sua blusa.

  Fixo meus olhos na palma de minha mão e levo a faca até ela, Bobo acompanhava cada movimento feito por mim, sempre me analisando. Tomo coragem e abro um grande corte em minha mão, jogando a faca para o lado, abro o frasco e deixo meu sangue encher-lo. Quando finalmente enchi o frasco com meu sangue, fechei minha mão em punho para conter o leve sangramento e joguei o frasco de vidro para Bobo, que o pega com suas mãos, sorrindo largo por ter o que quer.

- Agora me deixe levar Nicole, já dei o que você quer. - Falo sem me aproximar e Bobo, que tinha seus olhos fixos no frasco, desvia para me olhar e sorri cínico.

- Sinto muito pequena Earp, por mais que eu queira, eu não posso. - Diz com seu enorme sorriso cínico rasgando o rosto e guarda o frasco no bolso. - Mas não se preocupe, não vou matar sua ruiva, nem se eu quisesse eu poderia. - Fala segurando Nicole pela gola da blusa e passando a arrasta-la, para longe de mim.

- Esse não foi o acordo Bobo! - Grito e quando tento me aproximar, sou segurada por dois renascidos.

- Me perdoe Earp, mas a ruivinha aqui, vai ser muito útil ainda. - Fala Bobo e quando penso estar tudo perdido, escuto barulho de tiros, me fazendo abaixar instantaneamente.

  Bobo tinha seus olhos arregalados e fixos bem atrás de mim, os dois renascidos que me seguravam, agora estavam ao chão com buracos de balas em seus corpos e os retornados que formavam o círculo, estavam sendo bombardeados. Rapidamente, olho para trás e vejo a caminhonete azul da tia Gus, onde Jeremy dirigia, Dolls atirava com uma pistola do banco de passageiro e Doc e Wynonna estavam na caçamba atirando em todos. Minha irmã rapidamente, pula para fora da caçamba da caminhonete azul, Doc da para ela uma espingarda e Wynonna vem em minha direção, sem parar de atirar com a arma na sua outra mão. Já Doc desce do carro, indo em direção de Bobo, que nesse momento tentava fugir com Nicole e Dolls, dava o máximo de cobertura possível.

- Foi aqui que pediram um resgate? - Pergunta Wynonna quando está próxima o suficiente e me entrega a espingarda.

  Juntas, passamos a atirar em todos os retornados que corriam, enquanto Doc ia atrás de Bobo Del Rey, que ao longe, o vi acertando um tiro certeiro em seu ombro, fazendo o retornado soltar a ruiva. Bobo olha para mim de relance e antes de acabar levando outro tiro, corre, deixando Nicole para trás. Consigo ver Doc correndo em direção da Xerife e a colocando em seu colo cuidadosamente, ela aparentemente está desarcodada, então não perco tempo em correr até eles, com minha irmã logo ao meu encalço. Assim que estou próxima, observo que Nicole está toda ensanguentada, seu corte recente está sangrando muito, molhando a sua blusa e a roupa de Doc, que parecia nem se importar. O homem de bigode tinha um olhar assustado, eu podia enxergar medo, medo de perder a ruiva, que tinha sua cabeça encostada em seu peito, seu corpo quase que sem vida nos braços de Doc, me fez chorar, eu mal conseguia imaginar um mundo sem Nicole Haught, agora que a tenho em minha vida, não quero perde-la.

  Jogo a espingarda no chão e fico finalmente de frente para Doc, o homem me olha, de seus olhos, escorriam lágrimas, eu apenas levei uma de minhas mãos para o rosto da ruiva e com a outra chequei seu pulso. Seus batimentos estavam fracos, mas presentes, ela vai ficar bem.

- Ela está viva, precisa de um hospital agora! - Falo e Doc concorda com a cabeça. Seguimos praticamente correndo em direção a caminhonete.

- Jeremy, hospital, agora! - Grita Wynonna quando estamos próximos o suficiente e subimos nós três na caçamba, onde Doc ajeitou Nicole deitada, sua cabeça está em minhas pernas, me dando espaço para juntar nossos rostos e fazer um leve carinho em seus cabelos.


Notas Finais


Então, o que acharam? Cap foi inteiramente tenso, mas até então Nicole está bem e com nossa Waves, graças a Wynonna e os meninos, os salvadores da pátria kkkkk não vou falar muito hoje, até porque já tô cansada, mas quero saber o que estam achando da fanfic até agora e quem acham que Bobo quer ressuscitar? E porque ele ainda queria Nicole? E quanto a Shae, será que ela vai facilitar para nosso Wayhaught? Muitas perguntas ainda, então até a próxima!! 😘❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...