História Exchange Aunt - Capítulo 17


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Emma Swan, Ingrid / Rainha da Neve / Sarah Fisher, Lacey (Belle), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Personagens Originais, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Tinker Bell
Tags Morrilla, Morrison, Parrilla, Swanmills, Swanqueen
Visualizações 984
Palavras 3.249
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Orange, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, lindos. Nem demorei tanto, né? rsrsrs
Beijos, boa leitura xx

Capítulo 17 - The Shard and Instigations


Fanfic / Fanfiction Exchange Aunt - Capítulo 17 - The Shard and Instigations

The Shard era mais do que a família de canadenses esperava. O enorme arranha-céu fez os olhos de todos brilharem, desejando poderem até mesmo morar ali pelo resto de suas vidas. Fiona, como sempre com toda a sua gentileza e zero por cento mão fechada quando se tratava de dinheiro, alugou um pequeno salão no prédio exclusivamente para seus convidados do almoço do dia e também contratou uma equipe de cozinheiros e garçons que preparassem os pratos da preferência de todos. Emma se levou a pensar se Fiona estaria fazendo isso para agradar sua família ou se a mulher realmente era assim. Levando em conta tudo que havia vivenciado até aqui, preferiu acreditar na segunda opção. A família Mills é extremamente rica e quando o assunto é gastar, fazem sem pena. Isso explica a casa, as televisões em cada cômodo e até mesmo os três carros. E só não têm quatro, porque Katherine ainda não pode dirigir.

Todos, menos Kristin e Lily já estavam na sala que iria ser servido o almoço. Sarah tentava controlar os filhos que insistiam em correr de um lado para o outro e estava visivelmente irritada vendo que não estava conseguindo. Sim, mães são quase todas assim. Se irritam quando vêem que seus filhos podem estar incomodando outras pessoas. A mãe de Swan só se acalmou quando Katherine pegou os dois pequenos e os colocou sentados nas cadeiras, contando uma história de conto de fadas que os deixou distraídos.

Três das quatro paredes do cômodo era repletas de janelas de vidro de fora à fora, e Emma adorava isso. Definitivamente poderia deixar o almoço e todas as pessoas de lado e passar todo o tempo admirando a vista maravilhosa que estava tendo. Enquanto a loira observava quieta a paisagem, ouvia risadas e palavras soltas das mais velhas - Fiona, Regina, Sarah, Zelena e Victoria - que conversavam do outro lado do lugar. Perguntou-se se algo atrapalharia seu relacionamento com Regina caso as duas criassem uma amizade. E por falar em Regina, naquele dia, Emma não sabia se olhava mais para a vista de o The Shard oferecia, ou para a morena. Sua tia-temporária trajava um vestido da cor vinho pouco acima do joelho com uma fenda lateral na coxa esquerda. Seus cabelos negros, - que já haviam crescido bastante desde o primeiro dia da jovem em Londres - estavam jogados para trás, porém, algumas mechas teimosas insistiam em cair em seu rosto, deixando-a ainda mais sexy e irresistível. Seus sapatos eram saltos pretos com o solado da mesma cor do vestido. No rosto, usava uma maquiagem não tão pesada, composta por um sombreado em tons variados de marrom e o bom e típico batom vermelho que destacava mais ainda seus lábios carnudos. Ao ver de Emma, Regina estava vestida deliciosamente bem, e isso fez a jovem obrigar-se a não olhar descaradamente para sua perna à mostra. Precisou cruzar as pernas e voltar a focar na linda vista quando a morena percebeu seu olhar para si e lançou-lhe um olhar malicioso. Era nítido o quanto Regina possuía Emma na palma da mão. 

As duas mulheres haviam acordado naquela manhã, digamos que, com desejo uma da outra. Isso estava escrito em suas testas desde que se esbarraram no corredor depois de acordaram. A quase declaração de Regina na noite anterior e a confirmação que Emma fez a si mesma sobre seus sentimentos por Regina havia mexido com cada célula do corpo da loira, fazendo-as gritarem cada vez mais pelo toque da mais velha. Embora Regina intimidasse Emma até não aguentar mais, a jovem ansiava por isso mais do que qualquer outra coisa.

Já Regina, sentia que estava fazendo errado. Na verdade, sabia que estava fazendo errado, mas não conseguia evitar. Para ela, Emma Swan era como droga. Você sabe que vai te prejudicar, você sabe que pode te ferir, mas não quer largar porque está viciada nela. Você quer tê-la cada vez mais, porque sente que sem ela, não conseguiria mais sorrir, não conseguiria mais ser feliz. E não, Regina não conseguiria. De alguma forma, Emma havia cativado a mais velha em quatro meses de uma maneira sem igual, e isso às vezes até a levava pensar se a loira estava na cidade há mais tempo do que isso. E, após ter ido deitar na noite anterior, pensou inúmeras vezes na loira que estava povoando sua mente nas últimas semanas. Lembrou de todas as provocações, dos beijos, da sessão de masturbação na cama que estava deitada e sorriu feito boba para o teto, porém, seu sorriso continha malícia, e seus olhos desejo. 

Pensar na volta de Emma ao Canadá tinha suas vantagens e as suas desvantagens. Swan se sentiria extremamente feliz por poder voltar a morar com a sua família e também, por poder ingressar na faculdade de línguas que tanto sonhava e, quem sabe, poder escrever sua própria obra com um pouco de esforço? Mas, pensar que parte de seu coração ficaria em Londres, a deixava super deprimida. Acreditava que em mais cinco meses, ela e sua tia-temporária aprofundariam o relacionamento, deixando a despedida mais triste. 

Regina, pelo contrário, não pensava nisso. Como a mesma já disse, focava no presente e apenas no presente. O futuro não nos pertence até que cheguemos nele. Mas sabia que se sentiria mal com a ida de Swan, afinal, a jovem já havia entrado não só para a família, mas para o seu coração também.

 

 Ao ouvir um barulho na porta, todos direcionaram o olhar para tal, dando de cara com Kristin e Lily. Ambas as mulheres vestiam roupas pretas, a diferença era que a filhava usava um vestido e  a mãe um macacão. Após todas se cumprimentarem, sentaram à grande mesa e deram início às torradinhas e molhos da refeição. Fiona estava em uma ponta da mesa e Regina em outra, e muitas das vezes, Emma pôde notar o olhar da morena sobre Kristin, e isso a incomodou um pouco. Permitiu-se até pensar se estariam se falando ou se encontrando todo esse tempo em segredo.

— Bom, as torradas serão retiradas em breve e logo em seguida, servirão nosso prato favorito. — Fiona disse e todos puderam ver Bella quase pulando da cadeira de tanta felicidade. — Wellington Beef.

Rir da empolgação de Bella foi inevitável para todo mundo ali presente.

— Hey, agora que estou me ligando que Archie é o único homem presente nessa mesa. — Disse Emma. — E bem... Tem o Ernest. Ele é... Um mini projeto de um.

— Falando assim, até parece que você queria mais homens. — Disse Sarah, arrancando risadas de alguns que haviam pegado a referência.

 — Mãe! — Emma repreendeu, contendo uma risada. — Mas... Não. Não precisamos de mais. Só o Archie já tá de bom tamanho.

  A refeição principal foi servida poucos minutos depois e todos se deliciaram ao comer. Em uma rápida olhada à Regina, a loira teve o olhar imediatamente correspondido. Foram longos segundos dos verdes-mar contrastando com os castanhos penetrantes e, em questão de milésimos, poderiam ter certeza que estavam sozinhas ali. O limpar de garganta proposital de Kristin acordou ambas do pequeno transe, fazendo a jovem sentir mais raiva ainda dela. Olhar para Kristin havia se tornado uma tarefa complicada para Swan e Mills. Emma se sentia insegura e relação à loira mais velha, pois sabia que a mesma, além de ser muito linda, já havia dominado o coração da mais velha há muitos anos. E, Regina, odiava a sensação de Kristin poder contar de sua relação com Emma para todos a qualquer momento.

Após a sobremesa, todos caminharam até o mirante do prédio, que ficava no último andar. Emma admirava cada pequeno detalhe da cidade com admiração e com os olhos brilhando, igual como os da primeira vez que chegara. De um lado da enorme sala, Ruby e Emma estavam juntas à grande janela e conversando, mas Regina se aproximou, fazendo a melhor amiga da jovem esboçar um sorriso fraco e tímido e se afastar. Com pelo menos um metro de distância uma da outra, seus corpos ainda sim diziam muitas coisas. De canto de olho, a loira passeava seu olhar por todo o corpo da mais velha, que carregava um sorriso malicioso nos lábios. Agora, quem estava abismada com tamanha beleza, era Regina. Observou disfarçadamente a loira de perfil. Swan trajava um vestido azul e rodado, que caía extremamente bem com o seu tom de pele. Nos pés, fora obrigada pel mãe à usar um salto simples da cor preta, e seu cabelo estava preso em um rabo de cavalo alto.

  — Você está linda. — Disse Regina sem desgrudar os olhos da vista e baixo o suficiente só para Emma ouvir. A morena também segurava uma taça de vinho, deixando-a mais sexy ainda.

— Estou zangada.  — Disse e emburrou o rosto, atraindo o olhar de Regina para este.

  — Por que?  — Perguntou.

 —  Acha que eu não notei a troca de olhares entre você e Kristin, Regina?  — Sabia que aquele não era o melhor momento para se discutir aquilo, afinal, todos estavam em volta, mas sua insegurança falava mais forte. Emma sabia que não tinha nenhum tipo de relacionamento sério com a mais velha, e se sentia uma estúpida por querer satisfações. Naquele momento, desejou poder ter deixado sua baixa autoestima e insegurança de lado para não ter falado aquilo.

 — Eu também troquei olhares com suas amigas, com as minhas sobrinhas, Zelena, sua mãe, todos, Emma. E isso não significa que eu esteja pegando eles.  — Disse em tom debochado.

  — Desculpe. E bom, obrigada. Você também está linda. E muito, muito sexy. — Respondeu quase que em um sussurro, recebendo um sorriso malicioso da morena.

 — Filha? — Sarah cutucou Emma, que se virou com a maior naturalidade para a mãe. — Suas amigas e o Archie vão para o hotel agora. Eu vou com eles para ajudar com as coisas lá. Duas adolescente e um homem... Isso nunca dá certo.

  — Você volta para a casa das Mills hoje ainda? — Perguntou.

— Dependendo do horário que eu sair de lá, sim. Mas estou mais certa de que ficarei por lá. Já está anoitecendo e até terminarem tudo, já vai ser tarde. Não quero incomodar.

— Tudo bem, mãe. Tome cuidado. — Emma deu um abraço na mulher à sua frente.

— Eu tomarei. Fiona vai nos deixar lá, e você voltará para casa com a Regina e as meninas, tudo bem? Lembre-se...

— Comporte-se, não fale demais, concorde com tudo e seja educada. Eu sei. — Emma disse, arrancando um sorriso da mãe.

— Até amanhã. — Deixou um beijo no topo da cabeça da jovem e deixou o lugar.

Emma se despediu de suas amigas, irmãos e Archie com um abraço leve em cada um e logo depois se viu sozinha na enorme sala do mirante com Katherine, Bella e Regina. Para seu alívio, todas as outras já haviam ido embora. A morena estava visivelmente incomodada com a presença das sobrinhas, pois queria um tempo a sós com Emma.

— Bella... Pode descendo com a sua irmã, ok? Vá abrindo o carro e nos espere lá. Eu preciso falar com a Emma em particular. — Disse Regina ao depositar as chaves na mão da sobrinha, que lançou um olhar malicioso para as duas e logo assentiu, deixando o local.

Swan sentiu seu coração gelar ao cruzar seu olhar com o de Regina, que continha puro desejo. A  morena estava do outro lado da sala, apoiada na parede e com os braços cruzados. Sua pose e suas piscadas lentas foram o suficiente para Emma precisar apoiar-se na grade janela de viro, de forma que sustentasse o peso do seu corpo que fraquejava. 

  — O que você quer falar comigo, senhorita Mills? — Instigou.

— Bom, digamos que... Eu sem querer ouvi a sua conversa com a sua mãe. Também a ouvi falando que provavelmente vai passar a noite no hotel com o resto da sua família. — Conforme Regina ia dizendo cada palavra, ia se aproximando cada vez mais da loira. — E... Você sabe, senhorita Swan. Sua mãe vai passar mais um mês e meio dormindo no mesmo quarto que você. Hoje, você estará sozinha... É uma chance de ouro. — Ao dizer a última palavra, já estava perto  suficiente do rosto da mais nova, que não conseguia evitar olhar para seus lábios vermelhos.

Emma prendeu a própria respiração e sentiu todos seus pensamentos embaraçarem após ouvir aquilo. — Você está dizendo que... V-você... — Seu rosto inteiro estava queimando de tanta vergonha.

— Você gosta de provocar, não é? Mas na hora de agir, fica toda tímida. Eu não sou assim. Eu provoco, eu atiço, instigo... Mas eu consigo agir. — Sorriu maliciosa ao roçar os lábios nos de Emma.

— É que... Não achei que você seria tão fácil assim. — Rebateu.

Aquilo serviu como um provocação enorme para a morena, que apenas riu debochada e colou seu corpo ao da loira. — Lembra do que eu te disse há uns meses atrás, quando fomos àquele bar? — Emma balançou a cabeça negativamente. — Você não tem ideia do que eu sou capaz.

— Ah, sim. Eu me lembro disso. E também me lembro de dizer que queria que você me mostrasse isso. — Emma sequer piscava os olhos. Aquele momento estava causando-a calafrios, pois não fazia ideia do que esperar ao chegar em casa. 

A tensão sexual dominou o ambiente por todo. Regina tinha certeza que se tivesse tomado mais algumas taças de vinho, aquele vestido azul nem estaria mais no corpo de Emma.  

O celular de Emma apitando foi o suficiente para acordá-las do grande transe da tensão sexual. As duas mulheres desceram  todo o prédio em silêncio, encontrando-se com Bella e Katherine no estacionamento em seguida.

*

Naquela noite, com a permissão de Fiona, Emma se atreveu em assar biscoitos amanteigados. Estava na cozinha, com os cabelos presos em um coque desajeitado e um avental que havia pegado em um dos armários. A jovem enrolava a massa e amassava, deixando em formato redondo. Largou um pedaço de massa sobre o balcão ao sentir Regina a encoxando e encurralando contra o móvel. 

  — Porra... — Sussurrou Emma ao apoiar as mãos na bancada.

— Você fica extremamente sexy de avental. Xingando então... — Distribuiu beijos e mordidas pela nuca da jovem, pois sabia que ali era seu ponto fraco.

— Não faz assim, Regina. — Emma se contorceu e mordeu os lábios com força.

— Já pensou na minha proposta? — Perguntou ao virar a loira para si, separando suas pernas e deixando sua perna entre as suas, pressionando seu sexo.

— Deus, isso está realmente acontecendo? — Disse ao forçar mais ainda sua intimidade ali.

— Responda, Swan. — Ordenou.

— Eu... Eu estou com cheiro de manteiga e as meninas ainda estão acordadas.

— Nós podemos esperá-las dormir e eu posso esperar que você tome um banho. Ao menos que queira fazer tudo de uma só vez dentro do boxe mesmo. — Provocou ao prender as mãos de Emma atrás de suas costas. A Morena nunca esteve determinada.

 — Você é uma cachorra, Regina. — Disse com fogo nos olhos.

 — A pior de todas, querida. 

Regina deu as costas, abandonando o cômodo e deixando lá, uma Emma completamente desconcertada e excitada. Era nítido o quanto o corpo das duas ardiam de desejo uma pela outra. Swan xingou internamente a mais velha de todos os nomes possíveis e voltou a fazer seus biscoitos em seguida, dessa vez mais rápido, é claro.

*

Emma fez questão de tomar um banho caprichado aquela noite. Deixou a água quente escorrer por todo o seu corpo enquanto pensava no que estava por vir. Saiu do banho enrolada em um robe branco e com os cabelos presos em um coque, seguindo para seu quarto em seguida. Pensou em mandar mensagem para Ruby, perguntando o que vestir e o que fazer, porém, ficou com medo de Chelsea ver alguma coisa, então decidiu deixar de lado. Abriu sua gaveta, procurando por algum conjunto de lingerie mais sexy, pois a maioria de suas roupas íntimas haviam ursinhos estampados. 

Ouviu duas batidas na porta, revelando a figura de Katherine ali parada assim que mandou que quem quer que fosse, entrasse. Emma estranhou a presença da menina e franziu o cenho para a mesma.

  — Achei que você estivesse dormindo.  — Disse Emma.

— Não. Não estou conseguindo. Minha mãe e Bella já estão apagadas, então, quer assistir um filme comigo?  — Perguntou.

"Que merda!" Pensou.  — Kitty... Está tarde.  — Tentou fazê-la desistir.

— Por favor, Em. É só um filme. Eu estou muito entediada.  — Implorou.

Embora quisesse recusar para poder aceitar a proposta de Regina, sabia que não iria se sentir à vontade com Katherine acordada. Forçando um sorriso e um olhar suave, Emma voltou o olhar à mais nova e sorriu fraco.  — Tudo bem. Vá escolhendo o filme que eu já vou para o seu quarto. Só vou me trocar.

 

Completamente decepcionada, a jovem vestiu mais um de seus pijamas de criança e seguiu para o quarto da "irmã" mais nova. Lá, pegou seu celular, abrindo a conversa com Regina, e escrevendo-a em seguida.

E: Kitty acordada. Me convidou para assistir filme com ela. Infelizmente a resposta de sua proposta será adiada.

Respirou fundo e tentou prestar atenção no filme de comédia romântica que passava na televisão, mas só conseguia pensar no sexo que poderia estar fazendo naquele momento.

R: Não se preocupe.

Regina mandou e, naquele momento, Emma podia ter certeza que ela estava muito chateada.

R: Quem está perdendo, é você.

Anexo.

Despreocupada, Emma abriu a imagem anexada, tomando um susto em seguida. Se tratava de uma foto de Regina, usando uma blusa social vermelha com os primeiro botões abertos, revelando seu sutiã de renda preta. O pulsar entre suas pernas começou a se fazer presente conforme ia imaginando coisas impuras com aquela foto.

"Filha da puta." Era só o que Emma conseguia dizer para si mesma.

*

— Esse filme é legal, mas... Como é que ela nunca desconfiou que o filho, na verdade, não era do doador de esperma, mas sim do melhor amigo dela? Tipo, eles são idênticos.  — Emma comentou quando o filme estava prestes a acabar.  — Você não acha? — Perguntou novamente, mas não obteve resposa.  — Kitty?  — Ao olhar para a menina, viu que esta já dormia profundamente.

Respirou fundo de satisfação e desligou a televisão com um sorriso ansioso no rosto. Fechou a porta do quarto da mais nova cautelosamente e caminhou em passos silenciosos no chão de madeira fria, até o quarto da mulher que tanto desejava. Regina.

Entrou sem bater, encontrando a morena deitada em sua cama, com óculos de armação preta e grossa e lendo um livro. Vestia um robe preto de seda e cabelos levemente bagunçados.

— O quê faz aqui, senhorita Swan? A sessão de cinema acabou? — Perguntou com naturalidade ao fechar o livro e ajeitar o óculos no rosto.

  — Eu disse que ia adiar a resposta da sua proposta, mas não disse para quando.  — Rebateu.

— Então, isso é um sim?  — Sentou à beira da cama, cruzando as pernas de maneira lenta e sensual.

— Sim, é.  — Respondeu já sem forças.

— E você está aqui para quê, Swan?  — Instigou.

— Não me obrigue a falar, Gina.  — Praticamente implorou.

— Diga.  — Ordenou, tentando ignora o fofo fato de ter sido chamada de Gina.

Emma revirou os olhos e deu passos à frente.  — Para deixar você me ter. 

— E mais o quê?  — Perguntou de maneira provocante.

— Te sentir em mim. Deixar que me sinta em você.

— Pode ser um pouco mais baixa, querida. Eu gosto. 

— Eu quero... Matar minha vontade de você Regina. Quero foder com você. Por favor, não me faça esperar mais um segundo sequer.  — Sua voz estava tão arrastada e sexy, que só isso já era capaz de levar Regina à loucura.

  — Venha aqui, amor.  


Notas Finais


rsrsrs
até o próximo capítulo, então.
xoxoxo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...