1. Spirit Fanfics >
  2. Explosions in the heart - Imagine Katsuki Bakugou >
  3. Meeting the parents

História Explosions in the heart - Imagine Katsuki Bakugou - Capítulo 21


Escrita por:


Notas do Autor


~Avisinho obrigatório e um opcional nas notas finais

;[-Avisos-]:

[email protected] personagens não são todos de minha autoria, entretanto a história é minha, peço para vocês não publicarem em outro site sem minha autorização!

[email protected] qualquer erro ortográfico!

[email protected] de leitura-

(S/n) - Seu nome
(S/s) - Seu sobrenome
(C/c) - Cor do cabelo
(T/c) - Tamanho do cabelo
(C/o) - Cor dos olhos

Capítulo 21 - Meeting the parents


Autora está ouvindo: Moral of the Story

Avisinho importante e um opcional nas notas finais

Sexta-feira (após as aulas na U.A).

- Essa aula prática foi muito cansativa – Digo dando um suspiro – O Aizawa pegou pesado com a gente.

- Concordo – Yaoyorozu acenou com a cabeça – Mas foi bom para podermos conhecer melhor nossas individualidades.

- Yaomomo e suas frases inteligentes – Uraraka disse e nós rimos.

   Estávamos caminhando de volta para os dormitórios e avisto Bakugou que estava conversando com o Kirishima.

- Vai lá pegar seu macho, mulher – Naomi disse com um sorriso malicioso e fui em direção a eles.

- Vou roubar seu amigo um pouquinho, ok? – Digo ao Kirishima.

- A vontade – Ele diz rindo e eu me afasto dele de mãos dadas com o Katsuki.

- Queria falar com você sobre amanhã – Digo olhando para ele enquanto andamos lentamente até o dormitório – Tá tudo bem? Quer que eu adie?

- Não, eu quero mesmo conhecer seus pais – Ele diz com um sorriso.

- Lembra o horário, né? – Digo cerrando os olhos.

- Lembro, 14h na área de lazer do dormitório – Ele diz revirando os olhos.

- Tu não revira os olhos pra mim hein, me respeita – Digo fazendo uma expressão irritada com um biquinho.

- Como quiser, madame – Ele disse e me deu um beijo na testa.

 

   Nos separamos e entramos no prédio do dormitório, cada um indo para o seu quarto tomar um banho.

   Desci para a área de lazer do dormitório e vi que a maioria das pessoas já estavam lá.

- Vocês querem jogar algo? – Mina disse.

- Eu quero – Eu disse – Que tal fazermos um acampamento aqui?

- Eu gostei da ideia! – Tsuyu se pronunciou com um sorriso.

- Meninas... – Mineta disse babando.

- Você não Mineta, vaza – Eu disse séria.

- Ah (S/n)-chan, é só uma brincadeirinha – Ele disse se aproximando de mim.

- NEM PENSE, SEU VERME – Bakugou gritou prestes a explodir ele.

- Calma Katsuki, eu posso resolver isso – Digo enquanto estalo os dedos.

- VAI LÁ PRIMA, QUEBRA A CARA DESSE ANÃO – Naomi gritou.

Chego perto dele e me preparo pra bater nele.

▃▃▃▃▃▃▃▃▃ 玩家 ▃▃▃▃▃▃▃▃▃

 (300 socos depois).

- Isso foi pra você aprender a não mexer com nenhuma menina – Digo enquanto jogo meu cabelo para trás – E isso, Bakugou, é pra você aprender que eu sei muito bem me defender sozinha.

- Nunca duvidei – Ele diz com um sorriso.

- É impressão minha ou o Katsuki tem sorrido mais perto da (S/n)? – Kirishima disse alto na intenção de provocar o loiro.

- CA-CALA BOCA, CABELO DE MERDA – Bakugou gritou criando explosões nas mãos.

- Que você me ama todo mundo sabe, né Katsuki – Digo rindo dele.

   Vi a Naomi voltando, que eu nem percebi que havia saído.

- Conversei com o meu pa- digo, com o Aizawa-sensei e ele permitiu fazermos o acampamento, mas também não podemos fazer muito barulho – Ela disse sorrindo.

   Nós arrumamos o chão com algumas tendas feitas de cobertos e colocamos edredons no chão. Depois de tudo isso, expulsamos o Mineta e o trancamos no quarto dele.

- Vamos jogar de adivinha. Tipo, alguém vai escolher um filme, série, desenho, sei lá e o resto vai fazer perguntas para tentar adivinhar – Denki diz.

(Nota: Vão ter algumas perguntas, mas eu vou censurar a resposta, quero que vocês adivinhem e comentem aí uwu).

- Boa ideia, Pikachu – Digo com um sorriso mínimo.

- Ok, eu começo então – Mina se levanta e todos voltam a atenção a ela.

- É um anime? – Alguém que eu não consegui identificar perguntou.

- Nop .

- É um jogo? – Kirishima perguntou.

- É.

- Não é justo, a (S/n) e o Krishima sabem o nome de todos os jogos do mundo, mano – Uraraka diz emburrada.

- É sobre Clube de Literatura? – Pergunto.

- Não.

- É sobre uma bruxa que mora no mar? – Kirishima pergunta.

- Não.

- É sobre algo “místico”? – Shoji diz fazendo aspas com as mãos – Alguém poderia ter uma individualidade disso?

- Sim.

- É sobre elfos? – Bakugou pergunta.

- Não.

- Bruxa? – Eu pergunto.

- Sim.

- Anjos – Pergunto novamente.

- Sim.

- Demônios? – Kirishima pergunta.

- Sim.

- Refazendo minha pergunta, é sobre “anjos” – Digo fazendo aspas com as mãos.

- Sim. Jogar sobre jogos com você não tem graça, (S/n) – Ela faz um biquinho e eu dou uma risada maléfica.

- Posso dar meu palpite? – Eu pergunto.

- Vai em frente – Ela diz com braços cruzados.

- É ******** *****? – Digo sorrindo vitoriosa.

- Eu te odeio (S/n) – Ela diz emburrada – Sim, é.

- Agora sou eu que faço as perguntas – Levanto enquanto a Mina se senta em seu lugar novamente.

- Não vale jogo, hein – Bakugo disse.

- Poxa, só porquê eu ia fazer de Adventure.

- O que? – Jirou perguntou.

- Adventure é um jogo desenvolvido pela Atari para o console Atari 2600, lançado em 1979. É considerado o primeiro jogo de ação aventura e seu criador, Warren Robinett, também introduziu o primeiro "easter egg" conhecido na história dos videogames. – Disse e todos, exceto Kirishima, me olhavam como se eu estivesse falando em russo.

- Tendi nada – Uraraka disse.

- Comecem as perguntas logo! – Disse afobada.

- É o que? Série, anime... – Shoji disse.

- Anime.

- É sobre um menino em busca de algo? – Bakugou pergunta.

- Eu sou tão previsível assim pra você? Sim.

- É sobre um garoto que quer esferas? – Bakugou pergunta novamente.

- Nop.

- Um garoto que quer se tornar hokage? – Pergunta novamente.

- Nop.

- É sobre um garoto em busca do pai – Ele pergunta com um sorriso.

- ... Sim – Digo triste.

- É ****** * ******? – Ele pergunta convencido.

- É.

- Não deu nem chance do resto perguntar – Uraraka disse.

- Cala boca cara d- -- Ele foi interrompido pelo meu chute na perna dele.

- BAKUGOU KATSUKI – Digo elevando a voz – CALADO.

・ ⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ ⠄⠂⋆ ・ . ⠂⋆ ・

(QUEBRA DE TEMPO)

   Eu estava com um short e uma blusa comprida que eu ia usar quando voltasse de casa com o Katsuki mais tarde, só para escolher a roupa e poder abrir a porta se alguém bater.

   Bem, isso aconteceu. Bateram na porta e eu abri, dando de cara com o Bakugou, que estava levemente corado.

- E-Eu quero te dar esse presente, idiota – Ele disse estendendo um embrulho com o rosto virado – Pra você usar hoje.

- Own, que fofo Katsuki! – Digo dando um beijo na bochecha dele e abrindo o embrulho, vendo ele todo ansioso pra ver se eu vou gostar.

- Calma, amor – Seguro a mão dele – Eu vou gostar não importa o que for, porquê eu sei que você se esforçou pra escolher algo que eu vou gostar, e eu admiro muito isso!

   Ele sorriu e beijou as costas da minha mão.

- Mas abre logo, eu quero ver se vai dar em você! – Ele disse com um sorriso mínimo.

- Ok, ok – Abro e tiro uma camiseta com um retângulo de uma cena de (anime/série preferida)

da cor (cor favorita) com uma camiseta branca de manga comprida com listas pretas e uma saia (outra cor que goste).

- Katsuki, eu amei! – Eu digo muito feliz – Obrigada! Vou usar muitas vezes.

   Ele fica corado mas sorri.

- Agora vai lá, tenho que tomar banho – Ele diz e se afasta, até sumir completamente da minha visão.

(Quebra de tempo novamente qwq)

- Será que ele já chegou? – Digo olhando em volta na área de lazer e olho para o relógio – Cheguei uns minutinhos mais cedo.

   Após eu olhar para frente vejo Bakugou me olhando .

- QUE SUSTO, HOMEM – Dou um pulo para trás.

- Essa era a intenção – Ele diz rindo.

- Tá bonitão, hein – Digo dando uma risadinha – Que sorte que eu tive.

- Eu que diga – Ele estende o braço – Vamos?

- Só se for agora – Entrelaço meu braço com o dele.

   Saímos do prédio dos dormitórios em direção ao portão principal da U.A.

   Peguei meu celular e verifiquei as horas, logo após isso abri minha conversa com a minha mãe e avisei que estávamos saindo.

- Podemos ir agora – Digo e nós caminhamos até a minha conversa.

   Puxamos conversa aqui, puxamos conversa lá, mas não podíamos falar que o silêncio era aconchegante.

   Em pouco tempo chegamos a minha casa. Peguei a minha chave e abri a porta, logo avisando que eu havia chegado.

- Estou com o Katsuki também – Essa frase fez meus pais aparecerem um piscar de olhos.

- Bakugou-san, que bom te ver! – A (S/n) vivia falando de você para mim! – Minha mãe disse de um jeito simpático, enquanto meu pai fazia uma expressão de ódio profundo.

- Com licença – Ele entrou e retirou os seus sapatos, enquanto eu retirava meus sapatos e minhas luvas.

   Eu botei meu chinelo e peguei um extra para o Katsuki.

- Já tomaram o remédio? – Perguntei a eles.

- Sim, querida, vou pegar a agulha para o seu namorado tomar – Minha mãe disse se afastando e procurando o remédio em uma caixinha.

- Que remédio é esse? – Bakugou me perguntou.

- Para eu poder te tocar e não derreter, aí eu não preciso usar as luvas – Digo mostrando as mãos – Não consigo destruir as roupas que estou vestida, meu corpo não permite.

- Mas e o resto da casa? – Ele pergunta novamente.

- Tudo é feito de pasta nuclear – Digo com um sorriso triste – Pasta nuclear é o material mais duro do mundo, entretanto, foi muito difícil de conseguir ele. Me sinto culpada...

- (S/n)! – Minha mãe disse irritada – Já conversamos sobre isso, você não precisa se culpar.

- Estenda o braço, Bakugou-san – Ela diz com a agulha na mão.

   Ele estendo o braço e ela acha a veia dele facilmente, aplicando o remédio com delicadeza, pelo fato do remédio dar tontura.

- Desculpa... – Digo me sentindo culpada.

   Ela retira a agulha e ele cambaleia para trás, mas ele volta ao normal rapidamente e minha mãe bota um curativo.

- Ah, nem nos apresentamos! – Minha mãe diz surpresa caminhado ao lado do meu pai até o sofá e nós acompanhamos eles.

 - Eu me chamo Haruhi. Esse é o Tsubaki, meu marido – Ela diz com um sorriso se referindo ao meu pai, que estava de cara fechada.

   Nos sentamos no sofá, um casal em cada sofá, que ficava um na frente do outro separados por uma mesinha de centro. Eu e minha mãe conversávamos sem perceber o que estava acontecendo a nossa volta.

   Percebi que os “meninos” estavam muitos quietos e os olhei de canto. Vi Bakugou se sentindo intimidado e meu pai o encarando muito feio.

- Pai! – Chamei a atenção deles – Como tem sido o trabalho?

   Após ser questionado, meu pai deu o sorriso bobão de pai quem tem, percebendo que o que estava fazendo não era certo.

- Tem sido bem, mas eu e sua mãe estávamos com saudades de você e dos seus irmãos. – Ele diz com seu jeito doce de sempre, o que fez Katsuki ficar mais tranquilo.

- Eu também estava, mas estávamos muito ocupados na U.A... – Digo com um sorriso -- ... Não é, Bakugou?

- É-É... Estávamos... – Ele disse tímido.

   Essa foi a melhor cena que já vi na vida, Katsuki Bakugou tímido? Quem poderia imaginar! De repente ouvimos um barulho de algo apitar.

- A comida está pronta! – Minha mãe diz se levantando e indo buscar algo no forno.

   Nos levantamos e sentamos nas cadeiras da mesa do almoço enquanto minha mãe colocava um prato de (comida favorita) com um vidrinho de pimenta.

- A (S/n) disse que você gosta muito de comida apimentada. Infelizmente eu ainda não sei fazer comidas assim, então comprei várias garrafinhas dessa para você colocar na comida – Mamãe disse com seu mais belo sorriso e se sentou, enquando Bakugou agradeceu imensamente.

Depois de todo mundo encher o buxo.

- Que delícia de almoço... Estava cansada daquela comida horrível da U.A! – Digo em arrepios.

- Ela nem é tão ruim assim, (S/n) – Bakugou diz rindo do meu exagero.

- Ela não é ruim assim... ELA É PIOR! – Digo levantando os braços com uma expressão irritada.

- Minha filha é tão dramática – Meu pai disse colocando a mão na testa.

- Hollywood não sabe o que tá perdendo, meu amor! – Digo jogando meu cabelo para trás.

   Foi uma tarde e tanto, rimos, socamos, nos envergonhamos (eu me envergonhei) e eu e Bakugou nos despedimos dos meus pais.

- Bakugou, me acompanha rapidinho – Meu pai pediu e eles andaram até um cantinho, longe mas não me impedia de ver eles.

   Eu e minha mãe os observamos enquanto eles não esboçavam grandes reações. Pouco tempo depois Katsuki voltou e fomos embora.

   No caminho de volta, o nível de curiosidade explodiu e eu não me segurei.

- Hey – Disse chamando sua atenção – O que você conversou com o meu pai?

- Assunto de homens, baixinha – Ele diz bagunçando meu cabelo.

- Machista! – Digo encenando raiva.

- Realmente, Hollywood não sabe o que está perdendo... – Ele diz com um sorriso enquanto passávamos pelo portão principal da U.A após mostrarmos os nosso crachás estudantis para os guardas.  


Notas Finais


~Avisinho importante: Bem, falta mais ou menos 5 capítulos para a fanfic acabar, o motivo de eu enrolar tanto para postar era a desmotivação e porquê eu não queria que a fic acabasse... Bem, eu aceitei isso e bola para frente! Vocês vão ver uma melhora na qualidade de escrita nos próximos capítulos e nas outras fanfics. Eu vou tentar desenvolver mais a história da "This is not a dream" e vou deixar a nova fanfic muito mais cativante, uma que te prende por curiosidade e por ser cheia de informações que talvez você nunca tenha visto... Vou tentar começar a fazer capas para os capítulos da fic que está por vir relacionadas ao capítulo! Um spoiler relacionada ao fim dessa fanfic é que além do Especial de perguntas e desafios (sem nenhuma criatividade, senhor), teremos um capítulo extra que será postado ao mesmo tempo que o especial lá no Wattpad, e bem, posso dizer que vocês verão o rostinho da Naomi e de todos!

~Avisinho opcional (mas importante): Bem, vocês sabem pelo que estamos passando, o Coronavírus (ou Corongavírus) está destruindo tudo o que vê... Por favor, cuide de você para cuidar do próximo! Estamos em quarentena por tempo indeterminado, não de férias, então não inventa de marcar rolê com os amigos! Eu sei, é horrível não poder sair de casa (e eu não aguento mais), mas é preciso para podermos sair de casa como quando quisermos mais tarde! Por favor, confie em mim...

~Bem, é isso! Bjs <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...