1. Spirit Fanfics >
  2. Extraterrestrial (Imagine Choi San) >
  3. I. You're so hypnotizing

História Extraterrestrial (Imagine Choi San) - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Bem nervosa, não aguentei. Aqui lhes apresento a segunda fanfic do meu projeto 2020, Extraterrestrial, com Choi San.
Se gostou favorite, e comente se possível❤❤

Capítulo 1 - I. You're so hypnotizing


Fanfic / Fanfiction Extraterrestrial (Imagine Choi San) - Capítulo 1 - I. You're so hypnotizing


First Chapter;

You're so hypnotizing  



Choi San era com certeza o garoto mais azarado do colégio. É completamente errado e escroto eu tentar justificar o injustificável, no caso, o bullying que ele sofre mas, ele demonstra uma estranheza muito grande. 

  Raramente alguém ouvia sua voz nos longos corredores da escola, exceto se essa pessoa for Dylan Carter, outro nerd excluído que demonstra ser próximo ao San, mas não no colégio. 

  Choi aceitava calado todas as piadinhas ridículas sobre sua nacionalidade. É só brincadeira de colegas, diz sempre o diretor É apenas uma piada, Choi não se incomoda com isso, não tem porquê você se incomodar. Foi essa a resposta que eu tive após questiona-lo sobre, mas sim. Tem sim o porquê de eu me incomodar, não é só piadinha de colegas, é xenofobia! Qual o problema desse cara para entender isso!? 

 E não, eu não sou a salvadora da pátria de San. Na verdade, por muito tempo fui covarde e não fazia nada a respeito. Os grandes demônios que faziam da vida de San um inferno são bem próximos a mim, para ser mais clara, são meu namorado e minha melhor amiga. 

 Não me julguem, mas não foi só eu a compactuar com toda essa palhaçada e tudo mais, a escola inteira sempre fez isso. Choi San nunca me interessou, não tinha o porquê de eu ligar para os problemas dele. Mas agora eu ligo, e muito. 

 Mesmo sendo um cara indecifrável e bem difícil de se definir em palavras, a galera da escola o rotulou como Et. 

 Como já expliquei, era difícil de ouvir sua voz em qualquer canto da escola, ele se afastava de qualquer um que tentava se aproximar, sejam garotas, professores e outros. 

 Eu não o conhecia, e nem fazia questão de conhecer, mas não precisava ser próximo a ele para saber que essa - terrível - definição é uma das poucas que compõe-se nele. 

 Muitos dizem que Et's são seres de paz, outros falam que quando eles chegarem irão dizimar a humanidade. Assim como muitos dizem que San é um demônio, outros batem o pé no chão ao dizer que ele é um ser celestial. Ambos estão certos, Choi age de acordo. 

 Outra coisa que sempre soava pelos corredores é que Choi era um livro aberto. Isso já é mentira, como já disse o garoto é muito fechado, por isso a indecisão na hora do bullying. Rara era as vezes que alguém ouvia sua voz. 

 Como já disse também, Choi não me interessava, para mim ele era apenas um coitado que sofria nas delicadas mãos de Alex, nos braços fortes de Simon e os outros. Mas, todos os comentários começaram a me intrigar. Afinal de contas, o que Choi San tinha para receber toda aquele deboche e humilhação gratuita? 

  Foi aí que eu passei a reparar mais em Choi San, e, reparei também que ele já reparava em mim. Acho que ali que eu passei a entender realmente o porquê da definição que deram a ele. 

 San de fato, era um rapaz intrigante, você não poderia dizer que ele era normal, porquê ele não é! Como já disse, as pessoas mal ouviam a voz dele, ele sempre se afastava de todos, parecia com medo, um ser indefeso, mas, ao mesmo tempo parecia que ele iria entrar em sua mente e te fazer enlouquecer! 

 Isso sem falar em sua aparência física, de fato de outro mundo. Não há explicação para tamanha beleza. San transmitia uma aura sensual, era impossível não me sentir intimidada quando ele me pegava o olhando. 

 Para terem noção do que estou falando, San é tão daddy material que teve uma vez que me pegou o observando durante o intervalo, estava tão sedutor que se me mandasse ficar de quatro no refeitório, eu ficava de quatro e ainda pedia tapa na cara. 

 Como podem perceber, eu passei a reparar muito em Choi San, e sempre quando nossos olhares se encontravam sentia-me tremer dos pés a cabeça. Sabíamos quando o outro estava olhando e isso me deixava constrangida, aos poucos, com o passar do tempo isso trouxe uma tensão extremamente sexual entre nós, como se fossemos nos agarrar em qualquer lugar sem ter trocado uma única palavra! Felizmente, ninguém percebeu isso. Falar com Choi era considerado suicídio social e fazia você sofrer tanto bullying quanto ele. Por isso as garotas desistiram de falar com ele e confessar suas paixonites, além de terem 99,999,999% de serem rejeitadas sofreriam pelo resto do ensino médio. 

 Sobre mim e ele, nossa aproximação foi extremamente insuportável. Nos encontrávamos em momentos horríveis e péssimos para se começar uma amizade e até mesmo inimizade, ou qualquer relação possível. 

 Nossa aproximação repentina me trouxe muitos questionamentos, dos quais apenas um o tinha como remetente; Quem é você, ____ Rosalie? 

 Eu percebi que não tinha resposta. Eu não sei quem sou, não sei o que quero, não sei para onde vou. 

 Sou facilmente manipulável e nem mesma a visão que tenho sobre o mundo é mesmo minha. Eu vivo as sombras das pessoas, no final, eu era tão invisível quanto San. 

 Choi San me mostrou o mundo de uma maneira diferente, me mostrou o seu mundo, e talvez seja clichê demais eu dizer que ele me ajudou a descobrir quem sou mas dane-se! 

 

 A vida é clichê, o resto é plágio


[...]


 

 Choi San


 — Eu não consigo acreditar que você não está animado com uma coisa dessas! — Dylan reclamou ao meu lado enquanto íamos até nossos armários nos corredores da escola. Revirei os olhos com sua chatice em insistir naquele assunto que eu já tinha tomado a decisão final. 

 — Não estou animado porquê não vou! Já te disse, não insista. — Novamente repeti a frase pela milésima vez, só hoje. Dylan normalmente é bem chato, mas quando se empenha muito e encarna o papel, se torna insuportável. 

 — San, você não está entendendo a importância disso para você, é para nós! Você precisa ir. — Bufei de saco cheio tentando não socar a cara desse saco de bosta. 

 — Você está falando como uma namorada querendo alguma coisa. — Quem sabe se eu atingir sua masculinidade ele para de me encher o saco. 

 — Aff San, você não entende mesmo… — Resmungou — A gente se vê na sala de aula. — Acenei animado para o garoto que se afastava rapidamente de mim. Bingo! Sempre dá certo. 

 Voltei a fazer o que não deveria ter sido interrompido, aproveitando para organizar algumas coisas no meu armário. Ao terminar de trancá-lo, voltei a prestar atenção no que me acontecia ao redor. Todos parados esperando os reis do colégio passar. 

 Simon Scott é o líder do time de basquete da escola, ele namora há uns dois anos com Rosalie, ____ Rosalie, irmã mais nova de Guilherme Miguel, capitão do time de futebol Americano da escola. 

 Como sempre, eles vinham discutindo sobre algo, Rose parece irritada. Provavelmente com mais uma traição do namorado, ou um desentendimento com seu irmão mais velho, já que os dois são inimigos mortais. Ainda assim, o que não falta a Rose é motivo para odiar esse babaca.  

 Quando se aproximaram de mim, desviei o olhar, mas isso não impediu Simon de começar a me perturbar. O brutamonte deixou a namorada falando sozinha e se encostou no armário vizinho ao meu. 

 — E aí, China. Já aprendeu inglês para podermos conversar direito? — Como seu eu fosse um de seus passatempos idiotas, se apoiou no metal vermelho, por um momento achei que ele fosse me convidar para matar aula no porão consigo. — Não vai responder!? — Scott é um homem das cavernas, ainda não aprendeu a usar o cérebro e desfrutar de suas virtudes. Ele me puxou pelo moletom que usava me encarando nos olhos. Só falta me beijar agora. — Você se acha muito não é E.T? — Foi inevitável eu revirar os olhos com sua fala, e a última coisa que consegui ouvir antes de ser afetado pela dor de seu murro, foi Rosalie murmurando baixo para o atleta. 

 "Você é tão desprezível, Simon!" E seguiu reto, sem se importar com os murros que o namorado me dava agora na barriga. 

 

 [...]


 

 — Rose!? Está ouvindo o que você está falando!? Simon é um idiota, não tentei defendê-lo! Não tem desculpas! — Ouvi a voz de Alex murmurar indignada com Rose, possivelmente. A garota que faz companhia a Alex bufou alto. 

 Na entrada, quando eu pensei em vir a enfermaria colocar um gelo onde levei os murros e tentar conversar a enfermeira a me dar um remédio para dor sem receita, o sinal bateu. Esperei até a troca de horários da segunda para terceira aula e o que encontro na enfermaria é as garotas mais insuportáveis do colégio discutindo sobre seus relacionamentos amorosos. 

 — Você está exagerando Alex. Ele nem é tão tóxico assim. — Rose contra argumentou em seguida, com um desânimo bem notável em sua voz aveludada que demonstrava cansaço. 

 Então, uma gargalhada escandalosa e aguda invadiu o lugar. Alex riu debochada da fala da melhor amiga. 

 — Miga, se você fosse uma tartaruga ele seria um canudo! — Alguém suspirou alto, e eu resolvi não ouvir mais nada. Fui até o banco que tinha em frente a sala e me sentei, não me importando de perder o horário da aula. 

  Completamente embargado pelo tédio, peguei meu celular tentando achar algo para me distrair. Acabei conferindo minhas mensagens. 


 {Robert Mitchell} Transferi um dinheiro para sua conta bancária, compre uma roupa. Domingo te busco para jantar com minha família e os sócios da construtora. [Ontem às 23:57] 

 As dele não conta. Me respondi mentalmente ao ler a mensagem do meu "pai". 


  {Dylan} Consegui achar no site do campeonato algumas informações sobre os competidores das outras academias. Cara, você tem que se inscrever! Isso pode acabar com a nossa perseguição na escola, de quebra ainda irão te olhar com os mesmos olhos que olham para o Guilherme! [Há 1 horas e 45 minutos]

 

  Revirei os olhos ao ler a mensagem do garoto, seguido por vários links cheia de machos sarados. Ele realmente tem esperança que eu me inscreva para isso. 


  — Choi San? — Levantei a cabeça seguindo a voz que me chamou. Alex estava na porta com Rosalie logo atrás. A última citada, ao ouvir meu nome, deixou de mexer em sua bolsa e me encarou apreensiva. Posso perceber sua respiração fraca, a forma como me olha. Rose, não faz isso comigo. — O que está fazendo aqui? — A portadora dos mais famosos olhos azuis do Colégio continuou a falar sem resposta. Eu só conseguia encarar o quão perfeito e simétrico é o rosto de ____. — Estava ouvindo nossa conversa!? — Sorri debochado com a forma que Alex se sentia ameaçada por nada. Por fim, andei até as duas que deram licença da entrada da enfermaria, mas ainda sim, fiz questão de esbarrar em Rose, a olhando no fundo dos olhos. A única coisa que ela fez foi encarar o chão intimidada. — Rose, pode ir. Eu quero conversar com Choi San. — O jeito que ela falou e olhou para Rose, não fazia sua falta parecer um pedido. Entretanto, isso não pareceu afetar Rose, que a essa altura do campeonato já deve estar acostumada com a personalidade de Regina George da amiga. Sem contestar nada, Ela saiu quieta. 

  Como a enfermeira não estava ali, me dei o direito de me medicar e sobre os cuidado com os lugares afetados, a mesma coisa. Já estava acostumado a ocupar um espaço especial na vida de Simon como seu saco de pancadas. 

 Alex continuava no local observando meu atos, felizmente quieta. Ignorei sua presença, como tenho feito desde que me mudei para os EUA e fui até os armários brancos, procurando alguns analgésicos. 

 — Então… — Parece que falei cedo demais. Revirei os olhos e continuei a ignorar a existência da garota. — Eu sinto muito por tudo que o Simon tem feito consigo desde que chegou aqui. — Tive vontade de rir, mas não me dei ao trabalho. 

 Seus saltos bateram no chão e eu soube que ela se aproximava de mim, sua respiração bateu em minhas costas e ela segurou na bancada da parte debaixo do armário, me mantendo presos entre eles.  

Finalmente consegui achar os analgésicos, peguei a caixinha branca com uma faixa vermelha e coloquei no lugar os outros, para não ficar bagunçado. Me virei com um pouco de dificuldade pelos braços de Alex ainda me prenderem ali. Resolvi olhar para ela, quem sabe assim ela não se manca e dá no pé!? 

 — Sabe, eu acho que você não precisa passar por isso. — Seu tom de voz ficou diferente, sexy. Acho que estou entendendo onde ela quer chegar. — Eu posso fazer essas agressões, esses boatos acabarem. Basta você querer. — A garota continuou a falar, mas agora, levou suas mão para meu braço, enquanto a outra acariciava meu abdômen de forma tentadora. 

 Alex é bonita, é popular, o sonho de todos os garotos do colégio é ficarem com ela, e não vou ser hipócrita de dizer que não me sinto atraído por ela. O problema é que existe outra menina, e por essa outra não sinto só atração. 

 Sinto muito Alex, mas não vai rolar. 


 [...]


  Toda a algazarra da sala se aquietou quando Emily avisou que a coordenadora da escola vinha para nossa sala. Todos correram para seus lugares, se sentando devidamente em suas carteiras, esperando que ela não tenha ouvido a barulheira. Algum segundos depois, a física alta da loira apareceu na porta da sala. Encarou cada um de nós de forma rígida, os amedrontando, mesmo que quando ela saísse seria motivo de piadas. 

    — Alunos, o professor de Educação Física de vocês teve um imprevisto pessoal e teve que ir embora. — Não ousaram comemorar com a presença dela aqui. — Vocês ficarão sobre a responsabilidade do professor Willians, ele está no ginásio de ginástica com as alunas. Então, podem ir até lá mas mantenham-se em silêncio, todos estão concentrados e não queremos que nenhum ginasta se acidente por culpa de barulhos. — Finalizou seu discurso indo até a porta, sinalizou autorizando nossa passagem. Os alunos se levantaram de forma calma, e foram caminhando de forma civilizada para o corredor. Esperei para ser o último, não quero ter que trombar com Simon novamente. — A próxima aula ocorrerá normalmente! — A mulher falou um pouco alto, por estarmos já mais a frente e distantes. 

  Prossegui atrás de todos, com as mãos no bolso. Pude ouvir que o trio de garotas que andavam de braços dados um pouco a frente de mim, murmurar meu nome, mas logo se repreenderam ao lembrar de minha presença. 

 Andamos uma distância boa até chegar ao pequeno centro de esportes que a escola abrigava. Quando entrei, a maioria já havia se acomodado. 

 Admirei o espaço grande, não costumávamos ir ali, é praticamente uma área restrita. 

 Um pouco a minha esquerda, havia as arquibancadas, pintadas em azul, assim como os equipamentos e colchões grandes que esconde o chão completamente. As mesas onde estavam os professores de educação física e outros, também ficavam a minha esquerda, formando um pequeno corredor estreito com a arquibancada. A direita, depois de todo aquele espaço enorme onde estavam os equipamentos, os ginastas esperavam sentados. A maioria meninas, trajadas em um collant azul, da cor da maioria das coisas ali. Mesmo de longe, reconheci Rosalie no meio das garotas, seus cabelos estavam trançados, contrariando a maioria das garotas que permaneciam de coque. 

  Por fim, procurei por um lugar na bancada. De longe vi que Dylan acenava para mim, ele estava com seu notebook no colo, sentado apenas uma fila acima de Simon, que conversava animado com os outros pré históricos do time de basquete. 

 Fui até lá devagar, graças aos deuses Simon estava entretido demais com seus amigos brutamontes. 

 — Onde você estava? — Dylan nem esperou eu me sentar para perguntar. Assim que me sentei, me virei para o responder. 

 — Estava na enfermaria. Fui pegar uns analgésicos por causa da coça que Simon me deu hoje. — Dylan sussurrou um "Ah, tá" e voltou a mexer em se notebook. Sem nada para fazer, de forma não intencional, acabei prestando atenção na conversa que Simon mantinha com os colegas. 

 — Estou te falando, ____ é bem melhor quando está sem nada! — Provavelmente referia-se ao collant que a namorada usava. Os amigos dele riram, enquanto a observavam como um leão observa sua presa. 

 — Ela tem cara de que não tem muita experiência não cara. — Noah disse encarando ____ de cima a baixo. 

 — Ah, é? Mas ela tem sim, eu ensinei tudo direitinho para ela! — Simon continuava exibindo a namorada como um troféu de algum campeonato. 

  Parei de prestar atenção neles, e olhei para o alvo daqueles imbecis. Rosalie mexia no collant a todo momento, tentando tapar um pouco mais de suas pernas, as quais todas prestavam atenção a partir do momento que ela surgiu na sala. Ela está bem desconfortável. 


[...]


 

 — [...] Aí eu encarei ela sem falar nada, ela entendeu o recado e tirou as mãos de mim. — Terminei de contar a Simon o que havia acontecido na enfermaria. — Fala baixo, por favor. — Pedi antes que ele fizesse um escândalo, que eu sei que ele fará. 

 — Como você ousou receitar a Alex!? Cara ela é a maior gata! — Ele parou enquanto eu segui trocando meus livros no armário. Deixei o de física e peguei o de espanhol, que seria usado na próxima aula. 

 — Eu sei, não sou cego. Eu apenas… — Enquanto buscava formular uma resposta para completar a frase, Rosalie entrou em meu campo de visão junto a seu irmão. Tudo ficou em câmera lenta quando os olhos dela se encontraram com o meu. Desta vez ela não se intimidou, já havia percebido que ela se sentia mais confiante na presença do irmão. 

 Ela passou a língua nos lábios deixando-os mais brilhantes e eu os desejei mais que o normal. A garota se achou no direito de brincar com minha sanidade e os deixou entreabertos, resultando em uma ____ extremamente sexy sem precisar fazer nada. Só consegui desviar o olhar quando ela saiu do ambiente junto a seu irmão. Só assim pude voltar a ser são. 

 — Cara, você está doido na Rose!? — Dylan murmurou baixo como se fosse um pecado tudo aquilo. 

 — É… Ela me deixa meio hipnotizado. — Respondi com desânimo. 

  — Se Simon descobre–

 — Você vai contar? — O cortei de forma grosseira. Dylan balançou a cabeça freneticamente. — Então pronto. — Finalizei no mesmo tom. 

   É, eu estou meio fascinado por essa garota. 

 



Notas Finais


TCHARAM! OK, confesso que estou -Super- nervosa por estar postando minha primeira fanfic do Ateez. Espero que vocês gostem dela, eu vou me empenhar bastante nela.
Esse primeiro capítulo, como na maioria das minhas fanfics é para saberem como funciona a rotina dos protagonistas. A fanfic vai ser mais no ponto de vista da ____, hoje foi do San só para vocês entenderem as coisas mesmo.
Ela será uma short fic como Meu Abrigo.
Depois que ela terminar, assim como na fanfic do Jaemin, eu postarei uma long do San. Não deve passar dos vinte capítulos. É isso.
Comentem o que acharam, o comentário é bem mais incentivante que um fav. ❤

A perfeição em forma de design, vulgo essa maravilhosa capa foi feita pela também maravilhosa @MaryKamura.

Meu perfil @CPR_Calazans

(Gostaria de informar que a próxima fanfic a ser atualizada é Bad Girlfriend, só estou finalizando o capítulo)

Se leram até aqui comentem o que acharam, críticas construtivas são sempre bem vindas e todo apoio é válido.

Tenham uma boa noite, bom dia, boa tarde❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...