História Extravagant - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Jungkook!alfa, Powers, Taehyung!ômega, Yoongi¡crossing
Visualizações 73
Palavras 2.497
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


> Nome do capítulo: Prazer, V


- Possíveis erros ortográficos;
- A narração vai variando entre personagens;
- De início o Jungkook tem 13 anos;

Boa leitura! 🌻💛

Thaí ~

Capítulo 1 - Le plaisir, V


Fanfic / Fanfiction Extravagant - Capítulo 1 - Le plaisir, V

 

             França, 1854


Sangue, mortes e espadas.

Era assim o resumo da guerra que acontecia entre Lille e Chamonix-Mont-Blanc, grandes soldados brigando pela vitória, há... aquilo era a recompensa mais valiosa para aqueles guerreiros, além de ganharem quantias de grandessíssimo dinheiro puro. Nacionalidades diferentes morrendo através de guerras, puf... que idiota.

- Mamãe eu estou com medo. 

O jovem príncipe dizia para sua mãe, onde a mesma pedia para os deuses protegerem seu marido e seu filho mais velho.

- Vai dar tudo certo meu menino, confie nos deuses. _ disse com certo receio, não despercebido pelo jovem.

- Você está com medo mamãe. _ falou o  príncipe.

- Shh bebê, vamos ficar calmos que logo logo seu pai irá anunciar a nossa vitória. 


                                   ☆


Festas, bebidas e muita gritaria.

Era assim a forma de comemoração pós guerra vencida, o reino dos Jeon's conseguiram suas conquistas e agora...bom, estão feito loucos comemorando. Todos muito felizes e alegres agradecendo aos seus deuses por terem lhe dado força e confiança. 

Infelizmente ninguém percebeu certo acidente acontecendo diante dos olhos do filho mais velho dos Jeon's.

- VAMOS PARA FORA DO JARDIM, ACONTECEU UM INCÊNDIO!

Correria, desespero e angústia.

Era assim a forma que terminou aquela grande festa que foi feita com amor pelos criados do palácio, com choros de crianças e ,obviamente, do futuro guerreiro de batalhas. 

O desespero começa após perceber que perdeu sua mãe e seu pai de vista, o mesmo começa a correr gritando pedindo ajuda, ninguém o escutava...

- JEONGGUK!

Graças aos deuses seu irmão estava lá para lhe salvar, porém, teria que enfrentar seu maior pesadelo. O fogo.

- EU NÃO POSSO PASSAR POR ESSE FOGO! _ gritou de volta para o irmão enquanto tentava não ser atingido por madeiras caindo acima de si.

- VOCÊ PREFERE MORRER É ISSO?! CADÊ O FUTURO SOLDADO DO NOSSO REINO?! VAI SER UM FRACOTE AGORA?! _ fazia diversas perguntas para o caçula que apenas chorava, de ódio, odiava ser chamado de fracote.

Cansado de ouvir insultos vindo de Junghyun, atravessou a camada de fogo, a única que levava a saída, algo que se arrependeu extremamente após cometer tal ato.

Gritou alto para todos ouvirem, seu irmão o pegou no colo e saiu as pressas daquele jardim infinito do castelo de seu pai.

" Que diabos um jardim fechado? "

Consegue a liberdade com um Jungkook se contorcendo em seus braços de dor.

- Jeon oque aconteceu?! _ gritava tentando tirar as mãos de Jungkook do rosto. O caçula não parava de gritar dizendo "dói" para o irmão, sem paciência, o mais velho tirou com tudo a mão de Jeongguk do rosto e logo se desesperou.

- Jungkook...S-Seu rosto..._ começou a lagrimar.

- ME TIRA DAQUI! CADÊ NOSSOS PAIS?! TA ARDENDO! _ o menor gritava com os olhos vermelhos.

Ele havia se queimado seriamente.


                                  ☆


1860

Esse ele sou eu.

Olá, sou um príncipe infeliz que perdeu os pais em uma merda de incêndio e hoje vive as custas de Junghyun, meu irmão que se tornou rei após a morte de meus pais, acabou se casando com  Seungwan, nova rainha do reino Jeon e minha cunhada. 

Término de escrever mais uma de minhas histórias e ponho meu caderno investido em couro marrom na estante de meus aposentos. Mais um suspiro, estou cansado disso tudo, essa é a verdade.

Pego minha capa e ponho sobre minha cabeça, abro a grande porte e me vejo diante de um grande corredor, sem deixar de citar a imensa janela de parede abrigando todo aquele corredor.

Segundo suspiro, agora de frustração.

Vou caminhando olhando para a imensidão da cidade logo atrás do muro que protege nosso castelo, pessoas vendendo seus produtos, crianças brincando, moradores de rua, ladrões etc. 

- Bom dia Jungkook! 

Me assusto ao ouvir alguém me chamar mas logo me acalmo ao perceber ser meu melhor amigo.

O único amigo dessa porcaria de castelo.

 - Mau dia. _ digo seco logo abaixando a cabeça. Por quê esqueci minha máscara?

- Nossa que irritação logo cedo, eu já estava indo te acordar para eu trazer seu café-da-manhã. 

- Não precisa Jimin, eu mesmo vou buscar. _ falo abrindo a porta que vai diretamente à cozinha.

O menor arregalou os olhos, com certeza estava surpreendido ao notar que eu finalmente sairia daquele quarto depois de uns meses atrás. Ele é um dos únicos que sabe da terrível tragédia que aconteceu anos atrás, ele ainda era um plebeu quando veio trabalhar para ser meu servo, poucos sabem como eu fiquei após aquilo, os únicos que já me viram foi meu irmão, Jimin e mais alguns trabalhadores do palácio. Fui julgado por todos que me viram, até meu irmão enfrentou uma briga comigo após reclamar do meu problema mental, oque me causou ódio e me fez me esconder mais ainda; Jimin se assustou "um pouco" após me ver, eu fiquei com vergonha depois dele ter me descoberto, havia gritado com ele pois entrar sem bater na porta é uma falta de educação tremenda, principalmente para alguém como eu que é considerado um monstro. Palavras do meu irmão.

- Tudo bem, qualquer coisa eu estou aqui para servi-lo. _ ele se curvou e ficou ao meu lado todo momento.

Hoje amanheci diferente, não acordei com pesadelos, não tive surtos novamente e nem cogitei a ideia de me olhar no espelho, eu apenas acordei, tomei banho e comecei a escrever mais uma história relatando tragédias da minha pré- adolescência, e agora gostaria de tentar algo que não faço a anos... 

- Jimin! _ esbravejei rápido.

O baixinho vem correndo até mim abaixei o rosto pela... esqueci a conta.

- Sim príncipe? 

- Quero que separe roupas bonitas para mim e mande os guardas repararem meus aposentos, irei visitar a cidade hoje. _ disse bebericando o resto de meu café.

O menor ficou desacreditado e começou a rir sozinho soltando um " é pra já príncipe ".

Sorri com o ato e me apressei para o quarto, logo avistando o povo lá embaixo, abaixei o capuz e fui andando até meu quarto encontrando meu criado separando as roupas essenciais 'pra um passeio na cidade, assim que o mesmo me viu sorriu largo e as pressas me empurrou para escovar os dentes. Eu odeio escovar os dentes porque sempre tem aquele espelho me atrapalhando, decidi apenas escovar sem me olhar e pentear meus cabelos escuros sem me ver novamente.

Voltei para o quarto e vi Jimin sorrindo para a capa cor de vinho que ele preparou para mim.

- Chega de usar esse preto, deve 'tá fedendo príncipe! _ ele diz chegando perto de mim mas logo o repreendo dizendo que eu mesmo irei me trocar, ele logo pede desculpas e diz que irá me esperar na saída do palácio.

Me visto e desço as escadas logo indo em direção da saída, vejo os criados e guardas me olharem estranho, provavelmente por eu dar as caras depois de tanto tempo, observo meu servo conversando com um guarda, logo o mesmo vem até mim e ajeita minha capa nas costas.

- O guarda Luhan foi avisar ao rei que você irá dar uma volta por 'ai. _ ele diz sorrindo e logo pedindo para eu o seguir.

O receio de alguém me ver é grande, mas não posso dizer que estou com tanto medo, hoje irei aproveitar o máximo, portanto, sem me mostrar demais. Vejo Jimin me entregando a máscara vermelha, logo ponho e posso finalmente ver a cidade movimentada, solto um riso baixo e vou caminhando ao lado do menor que vai dizendo todos os cantos da sociedade de descendência asiática do nosso reino. Fico rindo de sua afobação mas logo minha atenção vai 'pra uma correria que acontece na cidade.

- PEGUEM AQUELE INFELIZ! _ gritou um senhor.

Começo a procurar o tal infeliz e apenas vejo um vulto correndo rápido demais.

- Jimin, peça 'pra esse senhor se acalmar, já volto! _ digo já indo em direção ao garoto.

- Ei esper... esquece. 


                                   ☆


Merci*  só mais um pouco. 

O comércio é um local muito movimentado e dificilmente consigo achar um emprego que me favoreça, infelizmente ninguém me aceita e gostaria de saber o porquê. Novamente sigo a rotina de acordar bem cedo e trazer os alimentos para casa, visto-me como sempre e vou na confiança de dar tudo certo. 

Fils de pute* eles estão me seguindo! 

Chego até um local deserto e me escondo entre os arbustos, alívio finalmente!

Abro meu cesto de palha e vejo a quantidade de elementos que irei levar para casa.

- Batata, maçãs, uvas, repolho, hmm trigo...

- Achei!

- AAAAAH! 

Aleatoriamente me vejo de frente à um cara todo encapuzado e com uma máscara_ provavelmente alguém de classe média para usar tecidos tão esplêndidos_, seus olhos estavam arregalados e o mesmo tinha uma respiração ofegante. Em um ato inesperado, retiro minha fiel amiga de todos aqueles que tentam me abordar_ uma faca_ e aponto para ele enquanto olho com fervor nos olhos. 

É um alfa.

Estremeço com seu cheiro_ que é muito bom por sinal_ mas continuo firme e temeroso apontando minha faca para aquele desconhecido.

- Ah, me perdoe aparecer do nada no seu esconderijo mas... oque fez para todos lhe perseguirem? _ ele pergunta claramente afetado com meu cheiro.

Apenas fico olhando 'pra ele e encosto a faca em seu peitoral, ele se sobressalta e pede novamente desculpas.

Ele só sabe pedir desculpa por acaso?!

- Sinto cheiro de que você é mais um dos ladrões da cidade, bem, não vou te julgar sem antes a baixar esta faca. _ ele diz pegando no meu pulso de forma calma e abaixando meu braço lentamente. - Viu? Eu não mordo! _ e solta uma risadinha.

Certo eu estou perdido!

Primeiramente um cara todo encapado apareceu do nada aqui; 'segundamente, ele haje de forma normal ao saber que eu roubei aquele senhor que sequer sei o nome; 'terceiramente, a risada dele é tão linda... por quê?!

- Por que? _ digo baixo o olhando com certo receio. Carambolas eu estava frente à frente com um alfa!

- Oi?

- Por que não me levou até aquele senhor? Por que continua aqui? Por que se veste igual ladrão? Por que você ainda não me solicitou para o rei? _ disse rápido demais e abracei os alimentos rente ao meu peito.

Ele piscou algumas vezes e logo depois deu um longo suspiro.

- Olha, sinceramente, eu não sei como mas eu vejo em seus olhos que você precisa desses alimentos, óbvio que é uma falta de respeito você ir lá e roubar aquele senhor de idade que precisa de dinheiro para sustentar seja lá quem. _ ele diz de forma calma olhando pro chão enquanto eu começo a me xingar mentalmente por ser assim. 

- Quando estava vindo atrás de você fui seguindo seu cheiro, logo notei ser um ômega, até que te encontrei aqui e vi em seus olhos desespero, por acaso estava com receio do seu roubo não dá certo? _ ele finalmente me olhou com aqueles olhos parecendo bolinhas de gude, me pergunto como ele consegue perceber meus sentimentos pelos meus olhos, raros alfas são assim.

- Eu preciso de tudo isso! _ disse alterado.

- Cada um com seus problemas, mas eu posso te ajudar a pagar toda a comida para você levar. Que tal? _ percebo seus olhos apertarem um pouco. Ele estava sorrindo 'pra mim.

Fico receoso e olho desconfiado para o mesmo.

- Tira o capuz. _ dito seco.

Ele arregala os olhos e me olha com... desconforto? 

- Não posso. 

- Como vou confiar em você se 'tá todo tampado? _ dito sério novamente.

- Désolé*. _ele faz reverência e olho com certo deboche? Acho que é assim que se chama.

- Não quero ouvir desculpe, só preciso ver pelo menos seus cabelos! _ falo um pouco mais alto que o desejado. Como esperado ele não ficou nem um pouco afetado com minha voz. 

Ser ômega tem muitas desvantagens.

Ele tirou o capuz e vi o negrume me dando oi, pareciam bem macios, estavam partidos no meio dando um leve topete, que por sinal, era muito charmoso. 

- Feliz? _ ele diz me olhando soslaio. Acenti em concordância. Se levantamos e fui andando por trás dele_ afinal, é um estranho.

Ele parecia temeroso mas não dei muita importância, andava com minha faca escondida entre as vestes olhando sempre em sua direção; eu fiquei surpreso quando ele disse que poderia pagar por tudo que roubei, com certeza minhas hipóteses daquele alfa ter uma quantia boa de dinheiro_ leia-se rico_ estavam certas, percebi também que ele é um dos poucos alfas que não se aproveitam de mim, tirando meus amigos que são sempre cuidadosos comigo, porém esse desconhecido foi gentil até na hora de falar comigo, eu transbordei desconfiança 'pra ele, sei disso, mas o alfa classe alta precisa entender que não sou qualquer imbecil que se entrega facilmente para um estranho,  e principalmente, um alfa que pode saber oque você sente apenas olhando diretamente para seus olhos. 

Tão misterioso.

- Qual teu nome ômega? _ saio dos meus pensamentos ao escutar sua voz.

- Não te interessa.

Ele solta um riso soprado. Por acaso virei piada?

- Você sempre é assim? _ diz me olhando.

- Como? _ falo desviando o olhar  para a cidade que estava próxima demais.

- Introvertido e sério.

Dei os ombros e não lhe respondi, peguei meu armamento e cobrir minha boca, isso até sentir aquele imprestável segurar meu ombro direito olhando calmamente para mim. 

- Não precisa, eu aviso para as pessoas que irei pagar. _ percebo um sorriso por baixo daquela máscara, agradeci pela primeira vez.


                                 ☆


- Pronto! 

Aquele alfa misterioso havia pagado tudo pelo que eu roubei, me senti lisonjeado e envergonhado pela sua atitude, ele foi a primeira pessoa que me ajudou nessa cidade e não me criticou de forma negativa sobre eu ter tirado a oportunidade de um vendedor. Observei ele caminhando na minha frente até chegarmos perto de uma mini floresta, onde levava até o vilarejo que eu morava.

- Foi um prazer te conhecer ômega. _ ele se vira 'pra mim e percebo novamente um sorriso por trás daquela máscara.

- Infelizmente preciso encontrar meu amigo, ele deve esta me esperando no local que combinei com ele. _ disse olhando para trás, porém, piscando em minha direção.

Lhe lanço um olhar calmo, apesar de estar sem nenhuma expressão, sinto meu rosto queimar e me amaldiçoou internamente por ser tão banal a ponto de corar na frente de um alfa que nem vi o rosto.

- Obrigado.

Ele me olha surpreso e logo fala:

- Já que não me diz seu nome, irei lhe chamar de V

- Por que V? _ pergunto com curiosidade.

Ele chega perto de mim e bagunça meus cabelos, saio de seu toque olhando feio para o mesmo.

- V de vitória, para você conquistar seus objetivos, seja lá quais forem. 

Fiquei olhando estático para o alfa desconhecido, soltei um baixo risinho e perguntei seu nome ou apelido.

- Não posso me revelar, não agora, mas me chame de JK. _ ele fala animadamente colocando o capuz de volta.

- Certo, muito obrigado JK! 

Exclamo feliz de certa forma, ele me ajudou, pagou por aquilo que necessitava e ainda foi carinhoso comigo de forma verbal, eu acho que ele foi o melhor alfa que conheci.

Logo nos despedimos e fomos em nossas moradias_ eu pelo menos vou direto 'pra casa.


Merci* JK. 




Notas Finais


Tomei vergonha na cara e postei.

Merci1: por favor
Merci2: obrigado
Désolé: desculpe
Fils de pute: filhos da puta
(Acho que é só)

> Nosso amado 'V' tem a aparência da era de DNA (como mostra na capa do capítulo)

Pra quem estar se perguntando oque o Jungkook tem, nosso príncipe tem surtos psicológicos, no caso é ver coisas e ter colapsos a qualquer momento.
Como disse no início, provavelmente terá muitos erros ortográficos no primeiro cap, eu estava sem tempo de revisar, então milhões de desculpas caso encontrem erros temerosos na fanfic (futuramente irei betar).

Até o próximo capítulo! 🌻💛

Thaí ~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...