História Faça silêncio - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Entidade, Hopev, Menção!yoonkook, Seoktae, Taehope, Taeseok, Terror, Vhope
Visualizações 95
Palavras 1.020
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 4 - Ele não tolera ninguém


Fanfic / Fanfiction Faça silêncio - Capítulo 4 - Ele não tolera ninguém

Park Jimin era seu nome. Diagnosticado com histeria desde os dezesseis anos de idade, depois de uma grande desilusão amorosa, tendo como conseqüência terrores noturno o que o levou a tentar matar a própria irmã ao enxergar nela um animal que via sempre em seus sonhos. Ouvia vozes e conversava com elas desde então, não dando atenção aos conselhos de sua mãe que dizia que aquilo era coisa de sua cabeça, não eram reais, assim como tinha sintomas físicos que não eram agregados a nenhuma patologia mais séria. Com o tempo viam que era coisa da cabeça dele e por isso necessitaram de uma internação.

A histeria é um distúrbio psicológico que surge em casos de ansiedade extrema, no qual a pessoa não consegue controlar suas emoções e sua forma de agir, reagindo de forma exagerada ou perdendo a consciência, por exemplo. Pessoas que sofrem com histeria, normalmente, apresentam um comportamento sedutor, irritabilidade fácil e dependência emocional de outras pessoas. Outras características comuns da personalidade da pessoa que sofre com histeria são a falta de vontade própria, necessidade excessiva de sentir amor e simpatia extrema, que pode variar com instabilidade emocional. No caso de Jimin, seus pais se separaram no mesmo ano em que ele se identificou homossexual.

Os sintomas da histeria, na maioria dos casos, começam quando uma grande carga de afeto e de emoção fica reprimida, levando a um grande sentimento de culpa e ansiedade. Além disso, alguns fatores hereditários também podem estar envolvidos, uma vez que este distúrbio é mais comum dentro da mesma família. A histeria também é mais frequente em pessoas que cresceram ou vivem em um ambiente familiar instável e de grande tensão, pois prejudica a capacidade para lidar com as emoções.Em casos mais raros, os sintomas de histeria podem surgir após a morte de alguém muito próximo ou a perda de um grande amor.

O rapaz, atualmente com vinte anos, passou quatro anos de sua vida preso naquele lugar. O tratamento dele era feito com extremo cuidado e todos tinham muito amor pelo pequeno Jimin. Isso porque – quando não estava em crise – se demonstrava uma pessoa de bom coração, amorosa e gentil. O que acarretou em um comportamento aceitável, permitindo a ele ter a companhia de pessoas em seu quarto. Ele não era agressivo, não mais, depois de dois anos aquilo não fazia mais parte de sua personalidade. Assim, Jung HoSeok, também não agressivo seria uma ótima campainha.

Sentado no chão do quarto, com a face virada para o rapaz que se encolhia em cima da cama como se quisesse entrar dentro dela, Jimin sorria. Aquele jovem era bonito e lhe lembrava a pessoa a quem muito amou, era como estar diante do outro. Os médicos não souberam disso, o Park não quis dizer com medo de que lhe retirassem o ser pelo qual se afeiçoara de perto de si. Jimin só queria uma companhia e nada mais, se ele se parecia com o homem que lhe desgraçou a vida, isso já não importava mais.

– Do que tem tanto medo? – perguntou. O Jung começou a se balançar, agora sentado na cama abraçado aos joelhos. Estava tremendo mesmo que o aquecedor estivesse ligado e Jimin achava estranho o fato de, ao redor do rapaz, sempre estar frio. Como se uma pequena nevasca existisse ali somente para ele. Por enquanto não disse nada a ninguém sobre isso, muito menos sobre as vozes que o mandavam se afastar do Jung. – Eu juro que não vou contar a eles o que você me disser. Não sou de dedurar ninguém. Eu também não gosto muito das pessoas daqui. – o Park continuou, mas ainda afastado. Não era seguro se aproximar, as vozes diziam.

– Esse não é o problema. – HoSeok disse depois de um tempo. Sua mente sendo bombardeada por frases que ele nem sequer sabia o significado. Ele queria afastar-se delas, mas não conseguia. Era um estímulo doloroso demais para alguém como ele. – Eu não tenho nada contra as pessoas que estão aqui. Mas elas fazem barulho demais e ele pede silencio a todo momento.

– Ele quem? A sua cabeça ou as vozes que existem nela? Porque na minha também tem vozes, mas elas não me pedem silencio. Apenas que me afaste de certas pessoas ou que as mate. A primeira ordem eu sempre escuto, a segunda não. – o Park sorriu pequeno enquanto narrava aquilo tranquilamente.

– Eu não me importaria que me matasse, eu estou cansado demais e você estará me fazendo um favor. Eu até tentei fazer isso sozinho, mas ele não deixa. Ele sempre pede a mesma coisa, ele quer que eu sinta o frio que ele está sentindo e que eu ache aquela pessoa. – o Jung respondeu, afundando a cabeça no travesseiro e deixando os joelhos livres, não tinha mais força para continuar naquela posição.

– Eu não o mataria você é lindo e me lembra alguém. Eu não mato mais ninguém, nem tento. Eu estou quase caminhando para a minha alta. – Jimin confessou. – Mas me diga quem é essa pessoa que te pede essas coisas? E porque sempre faz frio quando chegam perto de você? Sabem o que dizem pelos corredores? – o park não deu tempo para que o Jung respondesse. – Que você é frio desse jeito porque sua temperatura é baixa constantemente. Disseram que trariam um aquecedor mais forte para o nosso quarto. O doutor Min tem medo de que você morra.

– Eu muito quero morrer. – HoSeok suspirou. – E respondendo a sua pergunta. Ele está sempre me olhando e rindo de mim. Está com frio e quer que eu também sinta. Ele precisa de mim, mas só faz me deixar ainda mais com medo dele. Eu tenho vontade de ir embora desse mundo ou fazer qualquer coisa que me deixe em paz. – o Jung estava sendo sincero e o Park compreendia.

– Porque não pede ajuda aos médicos? Comigo funcionou. Eles me davam medicações e eu conseguia dormir e comer, fazer tudo direitinho e até parava de ouvir vozes.

– Comigo isso não funciona. Ele não é algo que esteja ao alcance da ciência. Remédio nenhum fará com que ele pare de me pedir para fazer silencio.

 


Notas Finais


Capitulo bem rápido, o próximo será um pouco mais pesado.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...