História Failed Suicide - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 30
Palavras 2.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 23 - Before - XXII


Agora era a vez de Mike se trancar no banheiro, mas ao invés de chorar, beber, passar mal como sua amiga, ele fazia ligações. Várias e várias ligações para uma mesma pessoa: sua Anny.

Desde que ela havia saído correndo daquela casa, com Kille a seguido desesperadamente enquanto ele tinha ficado parado igual um idiota, Mike estivera preocupado. Ele logo correu para o banheiro e passou a ligar o tempo todo para Anne, mas ela simplesmente não atendia.

Como ele podia ter sido tão idiota? Como ele podia ter deixado Anne correr daquela forma para longe dele? O garoto não conseguia fazer nada além de se culpar e discar o número da sua melhor amiga, que sempre dava na caixa postal.

O desespero já tomava conta dele quando ele recebeu uma ligação de um número desconhecido, ele atendeu na hora.

- Alô?

-Mike? É o Kille. Escuta, uma merda aconteceu...

A medida que Kille contava o que tinha acontecido, o mundo de Mike parecia desabar. Suas pernas ficaram bambas então ele se jogou no chão, algumas lágrimas escorreram pelo seu rosto, mas ele não se importou, tudo que importava era que Anne tinha sido atropelada, estava inconsciente em um hospital, com um braço quebrado e uma contusão na cabeça, e ele não estava lá com ela.

- Estou indo para aí agora – o Anderson avisou para Kille e desligou.

Se levantou rapidamente e saiu do banheiro, andou em passos largos até a sala e caçou seu casaco no meio da bagunça em que a sala se encontrava. Para sua infelicidade, Minzy parecia ter um radar que indicava o pior momento para aparecer, ela surgiu da cozinha seguida por Daniel e Cameron, que estava com uma cara de poucos amigos para o Blank e sua namorada.

- O que está fazendo? Já vai embora? – ela perguntou com a voz manhosa, se aproximando dele e colocando os braços ao redor do seu pescoço - Pensei que fosse dormir aqui. – constatou fazendo bico.

- Nunca disse que iria. – falou e tirou os braços dela de cima dele – Tenho ir e estou com pressa, Anne sofreu um acidente e precisa de mim.

Minzy bateu o pé como a garotinha mimada que ela era.

- Você pode muito bem ir vê-la pela manhã, pelo jeito ela não vai sair do hospital tão cedo. Ela não precisa de você, eu preciso. – terminou mordendo o lábio inferior sedutoramente.

- Você sequer escuta as merdas que fala? – Mike perguntou irritado - Não é possível que você realmente ache que eu vou deixar minha melhor amiga no hospital sozinha por sexo.

- Você sempre coloca ela em primeiro lugar! Estou cansada disso! – Minzy passou a gritar – Sou eu ou ela agora, Mike.

Mike congelou, ele tinha ouvido aquilo direito mesmo? Minzy não seria estúpida ao ponto de fazer uma pergunta como aquela, certo? Mas pela cara dela, ele percebeu que não tinha escutado errado. O garoto deu um sorriso sereno e se aproximou de sua namorada, colocou uma mecha atrás do cabelo dela carinhosamente atrás da orelha e observou o brilho de esperança crescer nos olhos dela.

- Eu escolho a Anne.

A medida que o choque no rosto da garota crescia, ele pode escutar Daniel arfando em surpresa e Cameron segurando o riso. Ele deu as costas aos três e saiu de dentro da casa, buscando a chave do seu carro em todos os bolsos, estava prestes a voltar para dentro para procula-las quando os outros dois garotos saíram da casa.

- Procurando isso? – Cameron perguntou exibindo as chaves de Mike.

- Sim, obrigado – o Anderson agradeceu e tentou pegar as chaves da mão do garoto, que se afastou no último segundo.

- Você está bêbado, não pode dirigir. Não acha que já tivemos acidentes demais por hoje? – o loiro perguntou novamente – Vamos, eu dirijo.

Mike concordou e seguiu para o banco do passageiro e Cameron para o do motorista e Daniel, para a surpresa do como do carro, foi para o banco de trás.

- Aonde você pensa que está indo? – o Anderson perguntou antes de entrar no carro.

- Para o hospital com vocês – o Blank respondeu cínico.

O Moreno deu um riso debochado.

- Nem fodendo. Quero você bem longe da Anne, você só faz mal a ela.

- Não foi por minha causa que ela saiu correndo e chorando dessas vez – Daniel revidou.

Mike ficou sem resposta, ele pode apenas sentir culpa. Então sua hipótese era verdade, Anne tinha ficado mal com algo que ele havia feito, e para piorar ele não foi atrás dela. Aquilo tudo era culpa dele.

- As duas mocinhas já terminaram de brigar? Por que eu não sei se vocês lembram, mas a Anne não está na melhor condição de esperar as duas vadias resolverem suas diferenças. – Cameron reclamou – Vocês podem se pegar mais tarde, ok? Agora vamos.

                               ×

Daniel não sabia o que deveria esperar quando chegasse ao hospital, mas definitivamente não esperava encontrar Kille sentado na sala de espera, com os olhos cansados e inchado, como se tivesse acabado de chorar.

- O que está fazendo aqui? – ele perguntou ao platinado.

- Eu estava com a Anne na hora do acidente. – explicou cansado – Fui eu que liguei para o Miike.

- Ligou para Mike, mas não ligou para mim?! – o Blank questionou irritado.

- Ele se importa, sempre. Com você, eu nunca tenho certeza.

Daniel ficou sem resposta, apesar da vontade de socar seu amigo, ele tinha admitir que ele estava certo. Seus sentimentos em relação a Anne eram bipolares, em um momento ele a odiava e no outro a queria só para si, não podia afirmar com certeza que, caso Kille tivesse o ligado avisando do acidente, ele teria ficado preocupado como Mike é ido correndo para ver sua ex.

- Isso não importa agora – Mike finalmente se pronunciou – Onde ela está?

- Quarto 207, no andar de cima. Mas ela ainda não acordou.

- O que ela tem é grave? – Cameron perguntou.

- Por muita sorte não, o motorista conseguiu frear e o impacto com o corpo dela não foi muito grande – o platinado respondeu – Ela levou alguns pontos na testa e está com o braço engessado. Disseram que não deve demorar muito para ela acordar.

- Não avisaram ao pai dela, certo? – o moreno perguntou preocupado, não sabia que tipo de reação Matthew Merely teria caso soubesse do ocorrido, mas tinha certeza que sua filha não ficaria nem um pouco feliz com a presença do seu pai.

- Não, ela é emancipada e eu já estava aqui como acompanhante, então não precisaram avisar ao Sr. Merely – Kille respondeu mais uma vez.

Mike assentiu, Daniel suspirou e Cameron sentou-se ao lado direito do Hills.

- Vou pegar um café, mais alguém quer? – o Blank perguntou.

Todos os outros três garotos negaram com a cabeça e Daniel saiu em busca do seu café. Mike imitou o gesto de Cameron e se sentou ao lado esquerdo do platinado.

- Sabe, você fez bem em terminar com a Minzy – o loiro que ficou se pronunciou – Quer dizer, aquilo foi um término, certo?

O moreno assentiu. De todo aquele triozinho, Mike sempre tinha gostado mais de Cameron, ele parecia ser o mais calmo e responsável dos três e muito raramente se metia em confusão. Apesar dele e Daniel terem um biótipo parecido, cabelos loiros e olhos claros (os de Cameron eram azuis), os dois eram bem diferentes.

- A Minzy não gostava de você de verdade...- ele continuou – Ela é apaixonada pelo Daniel desde os 14.

-O que? – perguntou surpreso o Anderson.

- A Anne não te contou?

- Contou o que?

- Ela não sabia – Kille finalmente falou – Ela não se lembrava com quem Daniel a traiu, eu a contei hoje a noite, e quando ela estava indo falar com você, – apontou para Mike – ela te viu aos beijos com a vadia e saiu correndo para longe.

Mike apoiou a cabeça entre as mãos, aquilo era informação demais para ele. Então Anne tinha realmente fugido por culpa dele.

- Minzy estava me usando? – ele perguntou e Cameron assentiu.

- Eles estavam se pegando na cozinha pouco antes de você aparecer na sala. Como Daniel levou um fora da Anne, correu logo para uma mais fácil...

- Você está bem? – o platinado perguntou ao perceber o quão pálido o Moreno estava.

Era meio óbvio que ele não estava bem, não que ele ainda se importasse com Minzy, mas doía saber que ele tinha sido feito de idiota de qualquer forma. Mas a verdade era que ele estava com nojo de Minzy, de Daniel e de si mesmo. Se culpava por ter namorado a garota com quem Daniel havia traído sua melhor amiga, sentia nojo do Riverwood pelo que ele tinha feito e mais nojo ainda de Minzy Quill, que sabia de tudo que havia acontecido e se fingia de inocente.

Ele esfregou as mãos no rosto e tentou se recompor.

- Sim, estou bem – mentiu.

Os outros dois garotos perceberam a mentira, mas não falaram nada.

- Quem é o acompanhante de Annabell Merely? – uma senhora perguntou ao entrar na sala de espera e os três se levantam – Ela acordou, queridos. Mas só pode receber dois acompanhantes por vez.

- Nós deixe ir primeiro – Kille pediu – Depois nós vamos embora e você passa a noite com ela.

Mike concordou, precisava colocar sua cabeça no lugar antes de ir vê-lá.

- Só não deixem Daniel chegar perto dela – ele pediu e os outros dois concordaram.

Kille e Cameron seguiram a enfermeira enquanto ela lhes dava instruções.

- Ela ainda está meio sonolenta, não acho que vão conseguir muito falando com ela – a mulher informou.

Quando chegaram em frente ao quarto a senhora abriu a porta e eles entraram. Anne estava na cama, com o braço engessado em cima da barriga e a cabeça enfaixada.

- Oi – ela falou com a voz fraca ao vê-los, dando um leve sorriso.

- Oi – Kille respondeu preocupado, se movendo até o lado da cama, pegando na sua mão esquerda, que não estava quebrada.

- Como vai minha Annabell favorita? – Cameron perguntou tentando aliviar o clima.

- Sou a única Annabell que você conhece – a garota retrucou sorrindo um pouco mais.

Cameron revirou os olhos, sorrindo.

- Adivinha quem está aqui – pediu.

- Não sou boa adivinhando coisas – falou aproveitando o carinho que Kille fazia em sua mão.

- Mike – cantarolou o loiro.

A Merely tentou não sorrir, mas a sua mente ainda tonta por causa das anestesistas não a obedeceu. Acabou sorrindo e corando.

- Ele não devia estar com Minzy? – perguntou.

Cameron se aproximou sorrindo e chegou perto do rosto da garota, como se fosse lhe contar um segredo e disse baixinho:

- Eles terminaram.

Anne deu um gritinho de felicidade e sorriu mais ainda, fazendo com que os dois garotos rissem, até mesmo Kille, que queria que ela ficasse feliz desse jeito por ele.

- Ao menos finja estar triste! – Kille a repreendeu.

- Ok, ok. Eu vou tentar – ela disse rindo.


                               ×


Mike, por outro, lado não estava rindo nem um pouco. Ainda sentado na sala de espera, ele rezou para que Daniel tivesse ido embora sem avisar a ninguém.

Ele soube que suas preces não foram atendidas quando Daniel voltou.

- Onde estão Kille e Cam? – perguntou.

- No quarto com Anne. Eles me pediram para vê-la primeiro, já que vão embora logo e eu vou ficar com ela aqui.

O loiro assentiu.

- Não vai me deixar vê-la, certo?

- Óbvio que não – Mike respondeu e o outro garoto suspirou.

- Então eu acho que já vou. Pode avisar a Kille e Cameron para mim? – pediu.

- Certo.

Um silêncio constrangedor se instalou na sala, como se Daniel pretendesse dizer algo, por fim ele pareceu desistir e se virou na direção da saída. Porém quando ele parou na porta, se virou e disse:

- Não vou desistir dela.

- Pode tentar o quanto quiser, - Mike retrucou – ela é minha.

Daniel soltou um riso debochado e saiu.

Alguns minutos depois - a raiva não permitiu que Mike soubesse quantos – Kille e Cameron voltaram, fazendo com que o moreno se levantasse rapidamente.

- Ela está esperando por você – Kille falou.

- Daniel já foi – Mike informou e os garotos concordaram com a cabeça.

- Não estou surpreso – Cameron observou indo em direção a saída com Kille, enquanto Mike ia na direção oposta, na direção dos quartos.

Anne já começava a ficar impaciente quando ouviu leves batidas na porta do quarto.

- Entra! – ela gritou com sua voz já ficando mais forte, assim como todo seu corpo.

Assim que Mike entrou ela puxou o medidor de batimentos cardíacos do seu dedo, temendo o que ele pudesse revelar.

O garoto já chegou com seu sorriso radiante, que a garota logo notou ser forçado.

- Não precisa fingir sorrisos para mim, Mike – ela falou assim que ele se aproximou da cama.

O garoto suspirou, Anne o conhecia bem demais.

- Desculpa, acho que você já está mal o suficiente para eu te preocupar com meus problemas – ele se explicou ficando sério.

- Eu estou bem – a garota falou – Um pouco machucada, mas vou sobreviver. – brincou.

O Anderson sorriu fracamente.

Ele deve estar mal por causa da Minzy, Anne pensou e passou a ficar triste também.

- Ei! – Mike chamou – Não faça essa cara, pensei que estivesse bem.

- Eu estou bem! – a garota rebateu – Você quem não está. E te ver mal, me deixa mal.

O coração de Mike deu um pulo ao ouvir aquilo e ele, finalmente, sorriu de verdade. O garoto depositou um selar na testa da sua amiga, a deixando corada e com uma escola de samba dentro do seu peito.

- Então vamos ficar bem juntos, ok? – ele sugeriu e ela concordou – Agora afasta um pouco que eu quero me deitar também.

A garota riu e deu espaço para que o garoto subisse na cama. Ele sentou-se ao lado dela e encostou na parede, ela subiu um pouco, também se encostando na parede, colocou a cabeça no ombro dele e sua perna direita sobre a perna esquerda dele. Mike passou o braço direito sobre o corpo da mais nova, a puxando para mais perto pela cintura e deixando sua mão lá, fazendo um carinho reconfortante.

Eles ficaram em silêncio por um longo tempo, e quando Anne já estava quase cochilando novamente, Mike anunciou:

- Eu e Minzy terminamos.

A garota morreu o lábio para não sorrir novamente.

- Mas por quê?

- Não precisa fingir que não sabe. – ele advertiu sorrindo - Tenho certeza que Cameron e Kille te contaram.

- Contaram – ela admitiu rindo e Mike riu também.

- E esse riso todo, é porque eu terminei ou porque você foi pega mentindo? – o garoto perguntou com um sorriso provocativo.

- Um pouco dos dois eu acho – ela admitiu fingindo seriedade e, mais uma vez, o Anderson sorriu para ela.

- Não está triste? – questionou ela com preocupação.

- Não - o outro admitiu – Já fazia um tempo que eu não tinha certeza sobre o que eu sentia por ela, e hoje quando ela me pediu para escolher entre vocês duas, foi a gota d’água. Como eu poderia ficar sem a minha Anny? – ele perguntou fingindo estar indignado e sorriu, logo dando mais um selinho na testa da garota.

Um sorriso bobo cresceu nos lábios da Merely.

- Realmente um absurdo – brincou de volta.

Ficaram em silêncio por mais tempo, os dois sorrindo como dois idiotas, apenas aproveitando a companhia um do outro.

- Anny – Mike chamou.

- Uhm?

- Acho que não vamos poder tomar sorvete amanhã.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...