História Fairy Tail the Universe. - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Acnologia, Angel, Anna Heartfilia, Bisca Connell, Cana Alberona, Carla (Charle), Elfman Strauss, Erik (Cobra), Erza Scarlet, Gajeel Redfox, Gildartz, Grandine, Gray Fullbuster, Happy, Igneel, Jellal Fernandes, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kinana, Laxus Dreyar, Layla Heartfilia, Leon, Levy McGarden, Libra, Lisanna Strauss, Lucy Heartfilia, Lyon Vastia, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mavis Vermilion, Michelle Lobster, Minerva Orland, Mirajane Strauss, Mystogan, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Ophiuchus, Pantherlily, Pisces, Ren Akatsuki, Risley Law, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Ruby Strum, Rufus Lore, Sayla, Scorpio, Sherry Blendy, Silver Fullbuster, Skiadrum, Sting Eucliffe, Tauros, Taurus, Ultear Milkovich, Ur, Virgo, Wanaba, Warren (Edolas), Warren Rocko, Weisslogia, Wendy Marvell, Yukino Aguria, Zeref
Tags Gale, Gruvia, Jerza, Lucy×levy, Nalu
Visualizações 33
Palavras 1.353
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishoujo, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Harem, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Survival, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi, gente. Pra quem não sabe eu escrevi uma fanfic um tempo atrás, com esse tema de universo paralelo.
Mas, por eu achar a escrita muito ruim, e tals, eu exclui e agora estou de volta com essa fanfic, a reescrevendo.

Espero que gostem de coração. Boa leitura.

Capítulo 1 - 01.


Nada melhor que caminhar tendo uma leve brisa fazendo pequenas carícias em seu rosto, ter um sol agredindo sua pele. É tudo tão lindo, igual a uma mãe que cuida de seu filho quando se machuca.

É bom poder sentir os prazeres da vida, como se tudo fosse tão simples. Mas, nada é flores, e então Lucy mais uma vez se viu reclamar. Sentada na grama, com seu caderno e lápis.

-Droga! -gritou com sigo mesma após morder a ponta do lápis - Ah…

A garota olhou para o céu frustrada, se não conseguisse escrever algo, também, não conseguiria começar o seu primeiro mangá.

Ao ter uma idéia, começou a escrever sem se importar com os barulhos ao seu redor, mas, se assustou quando seu celular começou a tocar em seu colo. Pensou em ignorar quem fosse, mas lembrou-se que seu trabalho envolve vidas, então atendeu sem olhar o número.

-Alô? -falou, mas arrempedeu-se logo em seguida ao escutar sua chefe gritar -…Me desculpe, senhora. -falou rapidamente, ao notar o nível de raiva da senhora de meia idade.

 Sem demorar muito, a garota levantou um pouco atordoada pela bronca de segundos atrás e juntou o estojo, guardando as coisas para ir no trabalho. Mas, ao se levantar e dar os primeiros passos, a loira esbarrou em uma pessoa, que por causa do físico deduziu ser uma criança de 12 anos. 

-Me desculpe garotinha, mas, crianças não deveriam caminhar sozinhas. Sabe… -estendeu a mão para a garota, concluindo a frase - é perigoso. 

 Mas, se surpreendeu quando a outra ficou vermelha e bufou.

-Garotinha?! Criança?! Você acha que eu tenho quantos anos?! - gritou para a loira, que ficou confusa pela reação da "criança".

-Ahn…-olhou a garota detalhadamente, começando pela cabeça e descendo o olhar até os pés. Cabelos azulados que vão até o ombro; pouco peito; pequena; olhos brilhantes; boca pequena, e uma faixa laranja na cabeça…- 12? 

-O quê?! -se levantou enquanto batia os pés no chão - 20! Eu tenho 20 anos! 

 Lucy abriu a boca surpresa, pois, aquela moça em sua frente tinha um físico de criança.

-Isso não é possível…-falou em um sussurro.

-Eu sei que não sou…tão bonita quanto algumas garotas que se exibem, e muito menos sou…-olhou para os seios de Lucy, a fazendo corar - turbinada.  Mas…, -suspirou - o que não tenho de corpo, eu tenho de talento.

-Ahn, estou curiosa…qual seria esse talento? - diz com um tom de vergonha na voz. 

-Claro. Eu sou, - a azulada procurou algo na mochila, que até então Lucy não havia reparado, e tirou de lá um livro - a autora de Amor De Ferro. 

Se Lucy fosse um desenho, ela estaria com uma gota descendo pela testa. 

-Mas…esse livro não foi considerado um dos piores pela livraria do Japão? -disse.

-Runf! Esse livro é maravilhoso! -falou com orgulho.

 A loira abriu a boca para falar mas foi interrompida pelo som de seu celular enquanto vibrava, a fazendo se lembrar do motivo de ter batido com a garota. 

-Ah! Meu Deus! Eu esqueci completamente! - se desesperou. 

-Namorado? -falou docemente.

-Pior! Chefe! -gritou enquanto anotava o próprio número na mão da garota - Esse é meu número, vamos conversar mais vezes. 

A garota assentiu enquanto olhava a loira sair em desparada com uma caneta preta na mão. 

-Certo! Preciso comprar um novo livro. - a azulada deu um passo mas tropeçou e tentou se manter de pé - Mas o quê…?

 Olhou para baixo e então notou que a garota de antes havia esquecido algumas coisas. Então pegou e caminhou em rumo a casa da mesma.

-A biblioteca pode esperar…-soltou um sorriso gentil. 

(…)

 O dia de Lucy poderia melhorar, ela poderia ter  chegado no hospital e ter sido recbida com abraços, ela poderia não ter derrubado uma pilha de fichas de pacientes. Ela poderia também, não ter derrubado café preto na roupa de um enfermeiro que acabou trombando pelo caminho. Mas parece que o universo luta apenas para ver a loira sofrer.

 Cansada, a mesma decide cochilar por alguns segundos em sua cadeira, que é, macia, confortável…e quentinha. Mas antes mesmo de fechar os olhos, a loira já estava recebendo um novo paciente.

-Tudo bem, afinal, esse é meu trabalho. -suspirou. 

Enquanto caminhava lentamente até a porta, a loira decorava o nome do paciente que para si, era complicado.

-Marthim Rucksun. -falou com uma pronúncia embolada. Mas, tranquilizou-se ao notar que o rapaz estava caminhando em sua direção.

"Certo, isso é um sinal que ele entendeu! " Pensou feliz. 

A loira voltou a sentar em sua cadeira enquanto pensava sobre o motivo de ter sido chamada em uma folga.

"Acho que se eu não estivesse vindo, o hospital estaria com grandes problemas. Está tão lotado…" Pensou logo após soltando um suspiro.

-Doutora? -a chamou.

O paciente já estava em sua frente, sentado a chamando. Lucy balançou a cabeça e o olhou sorrindo.

-Então, Marthim. O que aconteceu? -perguntou enquanto se levantava junto com seu estetoscópio.

-Eu não consigo engolir alguns alimentos e dói, fico com febre e sinto mal-estar. -fala enquanto Lucy o mandava respirar fundo e soltar lentamente o ar. Repetindo o processo em alguns locais.

-Você já tinha visitado um médico antes, Marthim? -perguntou, caminhando novamente para se sentar. Olhando diretamente para a garganta do garoto, que estava com algumas marcas de unhas. 

-Não. -falou.

-E quando os sintomas começaram? -perguntou.

-Uma semana atrás. -disse.

-Os sintomas parecem afetar o sono? 

-Acho que não. -a olhou sem entender, mas lembrou que isso era uma anamnese*.

-Tudo bem, pode se sentar ali. -apontou para uma maca atrás do mesmo, enquanto caminhava para pegar um palito e sua mini lanterna.

-E também eu sinto bastante coceira na parte da garganta. Mas a coceira é interna…-disse.

-Eu notei essas marcas em sua garganta. Mas não se preocupe, por favor, abra a boca. -pediu para o mesmo que fez sem reclamar. Lucy botou o palito na boca de Marthim, analisando o local com a mini lanterna, logo acabando - Sua garganta está vermelha. 

Os dois voltaram a se sentar no local de antes, enquanto Lucy escrevia algumas coisas em um papel.

-Você está com amigdalite bacteriana. Que é uma doença infecciosa que acomete as amígdalas, que estão localizados próximo a base da língua. -falou normalmente, mas ao ver que seu paciente parecia preocupado a mesma completou - É bem comum, e é resolvido com antibióticos, repouso e uma alimentação mais leve como líquidos e Vitamina C. 

-Ah…-se acalmou. 

-E também é recomendável comer pastilhas. -falou, o entregando os nomes e os horários para tomar os antibióticos.

-Obrigado, Doutora. - falou se levantando.

-Você precisa de algum atestado? -perguntou.

-Ah, não. -disse logo saindo do local.

Se uma palavra pudesse resumir Lucy, seria "cansaço". Ela já havia atendido mais de 40 pacientes e a maioria com um vírus que atacou a região do Japão. Os hospitais estavam lotados e não parava de chegar pessoas. 

-Lucy. -a chamaram.

-Sim, chefe? -pergutou ao reconhecer a voz da mulher.

-Pode ir para a casa, vai vir médicos para substituir. -falou logo saindo da sala de Lucy.

"Deus, obrigada!" 

 A loira soltou os cabelos, logo o amarrando novamente com o famoso rabo-de-cavalo. Soltou um longo suspiro e caminhou para fora da sala, a trancando e caminhando até o apartamento, que é apenas algumas ruas de distância, igualmente ao local que estava antes de ir para o hospital.

-Merda,…-resmungou - esqueci das minhas coisas…Será que a azulada pegou? Mas eu não sei o número dela, vou ter que esperar ela me ligar…

E pela ironia do destino, a azulada estava caminhando na direção da loira que ficou pasma pela garota estar usando um salto.

-E então? -a azulada deu uma volta, como se um brilho a rodasse.

-Ahn…você está…grande? -diz Lucy. A azulada na verdade estava batendo no ombro da loira, o que era engraçado. A baixinha emburrou a cara como se estivessem xingado cada geração de sua família.

-Você é estranha. Mas, ainda não nos apresentamos. -disse se arrumando e sorrindo - Prazer, sou Levy McGarden.

-Prazer, sou Lucy Heartfilia. -falou também sorrindo.

"Isso pode ser o começo de uma grande amizade…"

E Lucy nunca esteve tão certa. Mas aquilo poderia ser o fim de muitas coisas para ela. 

O fim de um mundo e o começo de um amor que talvez, fosse até de desenhos animados. 




 


Notas Finais


Oi de novo povo, eu queria falar sobre a Levy.
Pois então, todo mundo sabe que a Levy é doce, calma e tudo mais, mas, eu queria fazer ela aqui com um pouco mais de atitude e espero que não fiquem chateados por causa disso. Além disso, ela tem 17 anos mas achei melhor colocar ela com 20 aqui.
E mesmo com algumas diferenças na personagem, eu quero tentar deixar não apenas ela, como todos, com o mesmo jeito.

Anamnese: é aquelas perguntas que parecem uma entrevista, que os médicos fazem com você.

Gostaram? Alguma crítica construtiva? Aceito! ♡♡

Até o próximo capítulo! ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...