História Fall of alliance - 5sos - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer, Candice Accola, Demi Lovato, Megan Fox, Zayn Malik
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Candice Accola, Dallas Lovato, Demi Lovato, Luke Hemmings, Megan Fox, Michael Clifford, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Queda, Romance, Sobrenatural, Vampiro
Visualizações 7
Palavras 3.209
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Famí­lia, Ficção, Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Survival, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 6 - Five


Fanfic / Fanfiction Fall of alliance - 5sos - Capítulo 6 - Five

Calum Hood on


As negociações estavam dando tudo errado, Freya Lefrance era a pior pessoa que já pode nascer nesse mundo. Essa era a alfa da maior alcateia de lobos da história, ao ouvir sobre ela, confesso que imaginei alguém muito cheio de si, mas que fosse pelo menos suportável.


- Não, Ella você nem tem ideia do quanto aquela mulher é arrogante! - falei assim que passei pelo arco do triunfo.


A avenida des Champs-Élysées estava até calma para uma quinta feira, pelo o que o taxista havia dito, aquilo era muito atípico.


- Princesa, entende... Não, não tem condições de uma trégua, se ela quer briga é exatamente isso que ela vai ter. - cuspi as palavras de tanto ódio que eu estava sentindo naquele momento.


Sage me olhava com uma cara engraçada, provavelmente por que estava tentando imaginar o que Elleanor dizia do outro lado da linha.


- Nada do que você me disser vai me fazer mudar de ideia... Já esta decidido, Ellean... - minha voz travou de repente.


- Você ta bem estressado, deixa que eu falo com a ruivinha. - Sage pegou o telefone da minha mão sorrindo. - Oi Ellazinha, tudo bem? Seu namorado é bem nervosinho né? Meu Deus.


Notei que não era só a minha voz que havia travado, a bruxa havia me paralisado por inteiro. Ela gargalhou alto ao perceber o ódio chamuscar nos meus olhos.


- Quer um suco de maracujá? - ela disse rindo junto com Elleanor do outro lado da linha.


O motorista evitava um riso, mas tornou a prestar atenção no trânsito quando seus olhos encontraram os meus.

- Sage, como ela é? - Elleanor perguntou.

- Sem graça, bonita, mas faltou sal na hora do preparo. - a bruxa disse e eu revirei os olhos já que eu não podia rir. - Mas por que a pergunta, tá' com medo ruiva?

- Medo? Não! - minha namorada não sabia mentir, mesmo.

- Eu e o Calum vamos fingir que acreditamos ok?

- Obrigado pela parte que me toca. - eu sabia que ela tinha revirado os olhos e sorriu. - E vai se fuder, Hood!

De fato, Freya era uma mulher muito bonita, dona de enormes cabelos pretos até a cintura, olhos verdes e algumas sardas no rosto, mas como Sage havia dito, faltava algo nela, talvez simpatia ou humildade.

Elleanor não tinha por que sentir medo ou insegurança, nunca haverá possibilidade de um dia eu trocar a minha ruiva teimosa por qualquer outra pessoa.

- Mas foi isso, a cara de índia lá é bem complicada. - voltei a ouvi a voz de Sage ao meu lado.

- Pelo amor do tio gatinho, tenta manter esse lobo calmo, herb!

- Ah não, Elleanor, vamos procurar outro apelido por favor! - a bruxinha disse evitando sorri.

- Ah eu gostei. - Ella disse rindo.

- Você deve ter ficado reprovada nessa matéria, coitada de você. - Sage deu um tapinha na própria testa. - Aqui, alguma possibilidade dele me odiar pra vida inteira depois do que eu acabei de fazer?

- O que você fez? - Elleanor perguntou e depois de alguns minutos compreendeu. - Ah sim, com toda certeza bruxa.

- Tô ferrada, meus deuses. - ela disse pra si mesma e me olhou abrindo um sorriso nervoso. - Deixa eu enfrentar essa fera então.

- Tá e Calum, pega leve com ela e não esqueça, eu amo você. - Elleanor disse e eu pude sentir seu amor naquelas palavras.

- Aí vocês são fofos demais. - a bruxinha disse desligando a ligação e se virando primeiro para frente. - Surdo, mudo e só olhe para frente.

Não acredito que ela havia encantado o motorista do táxi. Depois ela se virou pra mim e me olhou com um pouco de medo, tenho certeza que os meus olhos castanhos estavam fervilhando de raiva.

- Não me mata, por favor? - suplicou.

Senti meus músculos sendo libertados, a bruxa me encarava apreensiva, seu piercing no nariz mexia freneticamente e as mãos não paravam quietas.

- Por que você fez isso? Tá ficando doida? - gritei não muito alto.

- Se eu não fizesse você não ia me deixar pegar o celular. - ela respondeu revirando os olhos.

- Pra que? Se quiser falar com a Ella é só ligar depois, eu hein. - falei esticando os braços.

- Você não acha que tava um pouquinho nervoso de mais não? - ela perguntou se virando um pouco pra mim e pôs as mãos na cintura.

- Não? Eu tava falando normal...

- "Nada do que você me disser vai me fazer mudar de ideia, já está decidido Elleanor" - Sage diz fazendo um telefone com a mão e tentando imitar a minha voz grossa.

- Isso é normal, ninguém tava discutindo garota. - dei de ombros.

- Não falei que você tava discutindo, e sim que você tava nervoso, é diferente. - ela deu um tapa na sua própria testa e sorriu.

- Que seja, você entendeu isso que é importante...- olhei pra frente. - Mas obrigado.. - apontei pro motorista.

- Exatamente, por isso é importante que você não tome nenhuma decisão precipitada senhor impulsivo. - a menina mexe a cabeça para o lado e o motorista balança a cabeça, como se recuperasse seus sentidos.

- Vai demorar muito pra chegar, senhor? - perguntei ao motorista.

- Não, já estamos perto. - ele respondeu ainda olhando pra frente.

- Ele disse que ia encontrar com a gente onde mesmo? - Sage perguntou sussurrando.

- Numa cidade aqui ao lado de Paris, na divisa entre elas.

- Você ta com medo?

- Não é medo, é mais receio... Eu nunca ouvi falar deles, e do nada sou convocado para fazer parte de um conselho e eles me impõe que eu não posso continuar meu namoro com a mulher que eu amo, não posso aceitar uma coisa dessa. - desabafei e encostei a cabeça no banco do carro.

- Sabe Calum, o pouco que eu conheço vocês dois já pude perceber que nenhum vai desistir tão fácil assim, então lute por isso, lute pelo amor de vocês e se precisarem de ajuda, eu vou estar la! - ela disse encostando a cabeça no banco também e me encarou.

- Obrigado Sage - falei a puxando para um abraço. - Sei que a Ella gosta bastante de você, eu tinha um pouco de receio, principalmente por que você é estabanada demais. - brinquei e levei um soquinho na costela.

- Respeita a minha história, Hood. - ela disse fingindo esta brava.

- Agora é serio, eu sempre tenho receio em conhecer pessoas nova, não sei por que, mas você é diferente, obrigado de verdade.

- Quer me fazer chorar, seu maldito? - ela disse fingindo secar uma lágrima.

- Sem dramas, por favor! Chega de dramáticas na minha vida. - brinquei lembrando de Kylie e Alissa.

Passado algum tempo a área verde tomou conta da visão de dentro do carro, esse era o sinal que saímos completamente de Paris. Typhon Le France havia pedido que eu o encontrasse para uma conversa "amigável", nada com aquela alcateia era amigável, por isso pedi para Sage vir e não Candice, minha irmã ficou extremamente chateada comigo, mas eu não poderia abusar do poder de alfa supremo dela, isso eu deveria resolver sozinho, como alfa da alcateia Hood.

Assim que o táxi parou no meio fio, paguei ao motorista e desceram do veículo. Typhon esperava que eu fosse sozinho para o encontro e não acompanhado da bruxa.

- Por que trouxe ela? Achei que fossemos conversar a sós. - ele disse abrindo os braços em revolta a presença de Sage ao meu lado.

- Achou errado Typhon. - respondi calmo, cruzei os braços encarando o loiro a minha frente. - Tudo que tiver para me dizer, Sage pode ouvir.

Typhon era um lobo incomum, geralmente se espera alguém forte ou pelo menos um pouco malhado, mas ele era o oposto disso. Ele era esmirrado, branco demais e loiro demais, baixinho e usava um óculos estranho, mas possuía uma audácia única.

- Tanto Freya quanto eu, gostaríamos de saber como você consegue conviver com eles. - ele disse apontando pra Sage, mas eu sabia que não era dela que ele se referia.

- Eles, quem? Os vampiros? - perguntei arqueando a sobrancelha.

- Sim e principalmente com a filha do Vlad, aquele vampiro asqueroso. - ele disse cuspindo após citar o nome do Vlad.


- Não ouse falar da minha namorada com esse tom! - o ameacei apertando meus punhos. - Você não a conhece e não tem o direito de falar assim!


- Ela é uma vampira, Hood, como você pode defende-la dessa forma? - ele gritou, mas assim que tentou dar um passo ou falar alguma coisa Sage já o havia petrificado.

- Qual a parte do você "não a conhece" que tu não entendeu seu lobo ridiculo? - a bruxinha tomou a minha frente e caminhou até onde Typhon estava. - Eu poderia fazer tantas coisas com você, sabia?

- Sage!

- Nem começa a ser o grilo falante por favor! Ele tá ameaçando ela, você não percebeu? - a bruxinha disse apontando para o loiro e depois tornou a me olhar. - Se bem que eu ia gostar de ver você morrer pelas mãos daquela vampirinha.

Gargalhei, e de fato seria uma bela cena de morte ver Typhon ser morto por Elleanor, ainda mais se ela soubesse tudo o que ele pensava tanto sobre ela quanto de todos os vampiros que ela se importava.

- Ele vai aprender uma lição hoje, eu ensino ou você ensina? - a bruxinha perguntou me fazendo desperta dos meus pensamentos.

- Solte ele, Herb. - pedi com calma.

- Odeio você, Hood, estragou a brincadeira. - ela fez um movimento rápido com a mão e correu para o meu lado de novo.

Aquela estrada estava mais vazia que qualquer outro lugar, Typhon se mexeu com dificuldade após se liberado pela bruxa, ele nos olhou sério, seus olhos ficaram amarelos e eu sabia que ele se transformaria.

- Se você quer um combate, eu te aconselho que não seja com o alfa, lobinho. - Sage disse rindo.- Você pode morrer.

Ele não deu ouvidos, apenas se transformou num lobo marrom depois de alguns minutos. Porém ao contrário do que eu imaginava, ele se virou no sentido contrário e correu com toda velocidade que suas quatro patas permitiam.

- Isso vai dar muita merda. - falei coçando a cabeça.

- Eu já tô preparada pra matar uns lobos. - a bruxinha fechou os punhos, se curvou um pouco e me olhou. - O que?

- Sério? Você vai lutar desse jeito? - apontei para a forma como ela estava.

- Dã, claro que não né? - ela respondeu revirando os olhos.

- Como vamos sair daqui agora? - pus uma das mãos na cintura e com a outra cocei a cabeça preocupado.

- Posso chamar um portal... - Sage sugeriu com receio

- Eu tenho medo disso... Quando te conheci você estava caindo de um portal do céu! - falei quase gargalhando.

- Puf, aquilo foi culpa da Maya - ela revirou os olhos e mexeu no cabelo. - Você vai querer ou não lobo?

- Tá, seja o que Crynus quiser. - falei fingindo rezar.

A bruxa disse algumas palavras numa língua que eu não consegui entender, fez uns movimentos com as mãos, que eram bem engraçados, mas ela estava tão concentrada que eu não quis rir para não a interromper.

- Agora é só esperar - ela terminou e caminhou até o acostamento se sentando ali mesmo. - Fica com seu celular na mão, ele vai nos avisar que o portal tá chegando.

- Como assim? Por quê? - perguntei andando até ela é me sentando ao seu lado.

- Por causa da corrente eletromagnética que o portal tem, ele libera umas ondas e é possível saber quando tem algo com pilhas, energia ou bateria - ela disse apontando para o celular na minha mão.

- Ah sim... - fiz uma careta.

Alguns minutos, que mais pareciam anos, passaram até que o o celular piscou umas quatro vezes, Sage se levantou e eu a segui.

- Me da sua mão e por favor não fala nada, por que é perigoso - ela disse naturalmente.

- Como assim perigoso? - perguntei preocupado.

- Só se concentra tá'? - ela disse pegando minha mão. - Fecha os olhos e pensa na garagem do hotel.

- Ok - fechei os olhos e respirei fundo.

A sensação que tive a seguir foi estranha, era como se minhas células tivessem se desmaterializando, eu sabia que ainda existia, só não tinha certeza se iria chegar ao outro lado inteiro. Foquei minha mente na garagem do hotel, tal como Sage havia indicado.

Ao abrir os olhos consegui ver os carros do local junto com as pilares que dividiam as vagas, nossa viagem não durou nem três minutos, mas a verdade é que pareceu horas dentro daquele portal. Sage num ataque de alegria se desconcentrou e nós caímos em cima de um carro, amassando-o com nosso peso.

- Droga! Foi quase.- ela disse saindo de cima do carro.

- Quase? Da outra vez não tinha sido culpa da "Maya"? - fiz aspas com o dedo e ela revirou os olhos.

- Isso é uma mentira da receita federal. - ela sorriu.

- Você consegue desamassar o carro né? - eu perguntei ajeitando a roupa.

- Você acha que eu sou o que? Uma bruxa? É claro que eu consigo.- ela deu de ombros, fechou os olhos, apontou para o o carro.- Calma vou consertar.

Observei ela andar de um lado para o outro buscando na memória o tal feitiço, assim que se lembrou a bruxa parou em frente ao carro e disse:

"Esse carro não anda, nem da partida, faça o que for preciso para que ele volte a vida" - estalando os dedos.

Ao terminar de dizer o encantamento, o amassado e até algumas sujeiras que haviam no carro sumiram. Sage suspirou, limpou suas roupas e disse séria me olhando.

- Viu, deu certo!

- Ótimo, podemos ir agora? - arqueei a sobrancelha ao perguntar.

- Sim lobinho, podemos! - reclamou. - Como aquela vampira ruiva te aguenta?

- Pergunta pra ela ela da próxima vez que você pegar meu celular.- dei um empurrãozinho nela que riu com gesto.

A loira deu as costas para o carro e seguiu caminho até a saída mais próxima, comigo ao seu lado. Assim que chamamos o elevador ouvi um suspiro.

- Cansada? - perguntei.

- Não? Eu nem fiz nada. - ela respondeu e se virou no momento em que outro suspiro foi dado.

"Nossa, isso doeu!" - uma voz grossa foi ouvida por nós dois.

- Quem disse isso? - Sage perguntou estancado em frente a porta do elevador aberta.

"Vocês não são legais, minhas costas estão doendo agora" - a voz tornou a falar, Sage fechou os olhos e deu um tapa na testa.

- O que foi? - perguntei tocando seu ombro. - Qual problema Herb?

- Acho, mas tipo, só acho que eh posso ter errado o feitiço. - ela disse encolhendo os ombros.

- Ah sério? Você acha?

"Oh, vocês dois aí, podiam fazer uma massagem é?" - o carro falou e quis matar aquela bruxa.

- Consegue dar um jeito nisso? Sem errar o feitiço? - perguntei andando de um lado para o outro.

- Ah espera. - ela fechou os olhos, apontou para o carro- "Céu estrelado, deixa consertado".

O carro ia dizer alguma coisa antes da bruxinha lançar o tal feitiço, mas ele acabou não sendo tão rápido quanto ela. Num piscar de olhos o carro tornou a ficar imóvel, Sage suspirou novamente e sorriu me olhando.

- Agora, acho que foi.

- Espero que sim, chega de magia por hoje, pra mim já deu! - brinquei

- Você me paga, lobo. - ela semicerrou os olhos e apontou o dedo indicador pra mim assim que voltamos a andar para o elevador.

Felizmente ele não demorou tanto, dei passagem para a bruxa passar primeiro e depois entrei naquele quadrado espelhado. Aquela melodia típica das músicas de elevadores invadia nossos ouvidos e fazia Sage balançar a cabeça curtindo, era incrível como ela conseguia ver graça em tudo, como conquistava facilmente as pessoas ao seu redor.

A voz eletrônica do elevador indicou o andar que todos estávamos, sai primeiro e fui seguido pela loira que permaneceu calada. Meu celular vibrou no bolso indicando uma nova mensagem.

alfasupreme: estamos no quarto do roberto.

Sorri com a mensagem, todos sabiam que ele odiava aquele sobrenome e justamente para implicar com o vampiro, decidimos que o chamariamos ele sempre de Roberto. Mike havia nos contado sem querer e obvio que Luke ficou chateado, mas como aqueles dois nunca brigavam de verdade, eles fizeram as pazes rápido.

- Quarto do Luke, eles estão todos lá - indiquei para onde iriamos, ela só concordou com a cabeça.

Seguimos o corredor em direção ao final, dobramos a direita quando vimos a porta do quarto onde eles estavam ser aberta por Candice.

- E aí? Matou eles? - ela perguntou brincando.

- Sério Candi? - arqueei a sobrancelha.

- Candice, nós já conversamos que não é assim que se resolve as coisas. - Luke disse passando as mãos em seus cabelos.

- Ué, óbvio? - ela arqueou de volta. - Cala a boca, Roberto.

- Para de me chamar assim, criança irritante. - o loiro revirou os olhos e Sage gargalhou.

- Vocês são muito doidos, meus deuses. - a bruxa passou por mim e Candice e entrou no quarto.

Todos estavam ansiosos por causa daquele encontro, eles estavam espalhados pela mini sala, as persianas do quarto do vampiro eram pretas e davam um ar misterioso para o quarto, Ashton analisava todos os nossos movimentos junto com Luke na busca de algum indício de como havia sido a conversa.

- Fala, estamos todos nervosos aqui. - Candice foi a primeira a falar.

Luke não gostou nenhum pouco do que contei, a hostilidade dos Lefrance era ouvida nos quatro cantos do mundo e isso poderia acarretar muitos problemas no futuro. Eu odiava saber que ele tinha razão, mas de certa forma eu lutaria com a força das minhas garras contra qualquer um que se aproximasse de Perth.

Freya teria que me engolir, pois aquele cargo pertencia a um Hood e tanto ela quanto Typhon não poderiam fazer nada contra. Contei também que a próxima reunião seria dali a quatro meses e provavelmente seria em Perth, então decidimos que tudo teria que correr bem e que essa era a nossa chance de mudar o pensamento da líder daquela alcateia.

Enquanto eu apenas admirava o quanto a lua minguante ficava mais linda no céu de Paris, meu telefone tocou e ao retirar meu único instinto foi sorrir ao ver o nome que brilhava na tela.

- Oi meu amor...- suspirei ao falar com a dona dos meus pensamentos mais felizes.

- Já ta mais calmo lobinho? - sua voz parecia divertida.

- Com você eu sempre fico calmo. - brinquei.

- Que mentira, Calum Hood! - ela gargalhou e depois ficou toda manhosa, tal como milú. - Estou com saudades, volta logo.

- Estou com saudades também, Ella, devo voltar em uma semana.

- Tem acontecido tanta coisa... - ela bufou. - Amor, eu acho que vi a Amethista na inauguração da boate... Eu não sei, posso estar imaginando coisas, mas algo me diz que é ela!

- Impossível, ela não estava presa?

- Pois é, ai não sei... só quero que vocês voltem logo! - ela confessou. - Vou desligar, amanhã nos falamos mais, acho que tem alguém falando com o tio Mike e eu vou ver, beijos. - ela disse apressada. - Amo você, Hood.

- Amo você, Lewis


Notas Finais


Oi loves,

É tiro, porrada e bomba real!

Eu não gosto da Freya e ela nem disse nada, mas mexeu com a minha Ella, então né?

Quem aqui assistiu feiticeiros de waverly place e pegou as referências?

Meet You There Tour começou e eu to urrando pqp, quem aqui assistiu as live chorando?

love you all

Beijoxxx Drica 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...