História Fallin' All in You - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Shawn Mendes
Visualizações 120
Palavras 1.724
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Fantasia, Ficção Adolescente, Musical (Songfic), Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


TUDO POM?
Voltei com mais um capitulo AMAZIING ( leiam com a voz do Luba)
Eu criei uma playlist no spotify pra escutar enquanto escrevo. Até ai beleza. Só que invés de escrever eu fico cantando. Ou seja, se tiver frases de música ai no meio, relevem.

Capítulo 4 - Again?


Fanfic / Fanfiction Fallin' All in You - Capítulo 4 - Again?

Parte 3

- Kate, sou rica não pra ir num restaurante desses! – protesto com a garota do outro lado da linha.

- Vem, eu pago. – insiste.

- Opa, to indo. – me levanto da cama indo em direção ao banheiro.

- Te encontro lá as 20:00 e sem demora Rachel.

- Sou super pontual. – ela gargalha e desliga a ligação.

Eu hein. Olho no relógio 18:30, tenho tempo de sobra.

Me despeço das roupas, deixando elas no piso frio do banheiro de hotel. Entro embaixo da água morna do chuveiro. Enquanto muitas pessoas precisam dormir horas pra descansar e relaxar o corpo, eu só preciso de um bom banho. Lavo meu cabelo com aqueles shampoos que o hotel dá. Eu sempre trago tudo, mas depois sempre uso os grátis do hotel.

No meu celular tocava alguma música da minha playlist do Spotify, quem inventou a música é um Deus. Por mais que eu ache que não existe um criador em si, mas sim vários e cada artista cria uma música, reinventando o conceito de música a cada melodia. Pensamento de gente drogada, confesso.

Depois que termino meu banho e meus momentos de reflexão sobre a vida, coloco um roupão e vou secar meu cabelo. Ligo o secador em uma temperatura agradável e que não frite meu couro cabeludo. Enquanto seco meus fios castanhos escuros, fico pensando nas “adrenalinas” do dia de hoje. EU CONHECI O SHAWN MENDES E FINALMENTE FUI NOTADA POR ELE NO INSTAGRAM. Eu to muito emocionada, caraleo. Pera, EU NÃO TIREI UMA FOTO COM ELE. To me sentindo um lixo de novo. E dai? Pelo menos ele me segue no instagram.

Havana oh na na.

- Oi mãe, tudo bom? – atendo o celular, desligando o secador de cabelo.

- Eu que te pergunto menina. Não me deu noticias até agora. Pensei que tinha se perdido em Goiânia e tinham te sequestrado ou coisa pior. – Dona Joana sempre tão dramática e paranoica.

- Não mãe, não me perdi, não fui sequestrada, nem estrupada, nem nada. To maravilhosamente bem. – digo calma.

- Ai graças a Deus. Só liguei pra isso mesmo, tenho que terminar o jantar. – não falei, paranoica.

-Ok mãe. Te amo.

- Também te amo e se cuida. – a mais velha diz e desliga a ligação.

Desisti de tentar secar o resto do cabelo e fui até a mala procurar algo para vestir. Coloco um cropped branco tomara que caia, uma calça jeans preta e um tênis da adidas.

19:30

Que?

Passo uma maquiagem levezinha, chamo um Uber, tranco a porta do quarto e vou até o hall de entrada do hotel.

“Já está vindo?” – mensagem de Kate.

“Uber atraso, cê acredita?”

“O Uber ou você?”

“*emoji revirando os olhos*”

Depois de 10 minutos o Uber chega.

- Boa noite, restaurante Coco Bambu. – digo ao motorista. – Tem balinha? – ele abre o porta luvas e tira um potinho de balinha me alcançando. –Obrigada.

Durante o percurso eu e Cláudio conversamos várias coisas. Tipo, muitas MESMOOO.

- Espero que sua tia melhore da caxumba, não é fácil ainda mais na idade dela. – digo saindo do Uber.

- Obrigado filha. – ele responde. – Pega pra você. – ele me dá o potinho de bala.

- Sério? Obrigada. – dou um último aceno de mão pra ele e ele parte com o carro.

Vou sentir saudades de você, Claudio.

- Vagabundaaa, é vocêeeee! – ouço gritando e trepando nas minhas costas, estilo cavalinho.

- KATEEEEEE.É sou eu! – grito em resposta.

- Vem, reservei uma mesa pra gente. – ela diz me puxando pelo pulso. – Então fia, conheceu o Shawn? – ela me olha com as suas íris castanhas brilhando de entusiasmo.

- Então... – sou interrompida por alguém me chamando.

- Rachel, você só pode tá me perseguindo. – o demônio diz surgindo do inferno e puxando uma cadeira pra se sentar na nossa mesa. Te dei essa liberdade não anjo. Mentira, dei sim.

- Eu te perseguindo? Eu cheguei primeiro aqui anjo. – digo rindo.

- Quem é essa? – ele me pergunta apontando para Kate que estava com os olhos arregalados e a boca aberta em um perfeito “O” olhando para nós dois.

- Essa é a Kate, minha amiga virtual... que agora não é mais, porque a gente já se conheceu. – digo de forma obvia. E ele somente assente. Cutuco Kate pelo pé debaixo da mesa pra ela falar alguma coisa.

- Você não me disse que tinha conhecido ele. – ela diz depois de segundos.

- Eu ia te falar quando ele chegou. – digo dando um gole na agua que o garçom tinha trazido.

- Então, o pessoal pode sentar aqui? – Shawn pergunta apontando pra sua equipe que ainda estava em pé perto da porta nos olhando.

- Claro. – dizemos.

Em questão de minutos, 5 mesas estavam encostadas umas nas outras e todo mundo ria e se divertia junto comendo iguarias do Brasil.

- José, eu tenho uma pergunta. – digo ao fotografo.

- Pode perguntar.

- Você é a tia/mãe que fica dizendo pro Shawn “fica parado ai pra mim fazer uma foto” ? Ou o Shawn é aquele filho chato que fica pedindo pra você tirar uma foto dele?

- Ele é o chato. – eles dizem juntos apontando o dedo um pro outro fazendo todos rirem.

- Vocês já beberam cachaça? – pergunta Kate e todos assentem. – To falando a brasileira, não essas cachaça fajuta da gringa.

- A cachaça do Canadá não é fajuta. – diz Zubin.

- Kate, minha flor, tu esqueceu que os canadenses são patriotas até de mais? - digo e todos me olham feio.

- Mas já que estamos aqui, vamos experimentar pra depois ninguém mais encher meu saco no twitter pedindo pra mim vir pro Brasil só pra toma cachaça. – diz Josiah e eu e Kate gargalhamos.

- Meu amor, o Brasil é turu di bom. – diz Kate já alterada por causa do whisky.

- Ela bebeu de mais já, não liguem. – falo e chamo o garçom. – Traz 15 copos de caipirinha. – o garçom me olha torto. – Eu tenho 19 anos ou seja não sou de menor. – ele assente e sai.

- Você tem 19 anos? – pergunta Shawn, que estava sentado do meu lado. – Jurei que tinha 17. – ele gargalha. Essa gente já tá toda bêbada.

- Por que? Me acha com cara de criança? – pergunto sorrindo e ele assente ainda gargalhando e dou um soco em seu braço.

- Olha o casalzinho que escreve o nome no muro, será que um dia isso vai ter futuro. – Kate cantarola. Ainda bem que música brasileira eles não entendem, se não eu tava ferrada.

- O que ela disse? – Shawn pergunta.

- Nada de mais. – olho pro lado vendo o garçom trazer as caipirinhas. – Esse é o meu momento.

- Mais alguma coisa? – pergunta o garçom chato do caralho de minutos atrás.

- Não obrigada. – ele distribui as caipirinhas para todos os da mesa. – Agora provem o que eu chamo de oitava maravilha do mundo. – digo dando um gole na bebida.

- Eu não serviria pra morar nos States, imagina ficar sem pão de queijo, brigadeiro, caipirinha. Se você rebolar a bunda na rua as pessoas te olham estranho. AQUI NO BRASIL TÁ TODO MUNDO CAGANDO PRA TODO MUNDO E EU AMO ISSO. – Kate grita pelo efeito do álcool.

- Kate, acho melhor a gente ir, não é? – pergunto.

- Você nem está no mesmo hotel que o meu. – ela diz dando de ombros. – Deixa que eu me viro.

- Mas é no caminho, vem – digo a levantando sem sucesso. – Desculpa gente, nós precisamos ir.

- Vocês estão em que hotéis? – pergunta Dave.

- Ela tá no Ibis e eu no Castro’s.

- Mentira, a gente também tá no Castro’s. – diz Shawn. – Eu falo que tu tá me perseguindo. – ele gargalha.

- To te perseguindo não. – falo e chamo o garçom pra pagar a conta. – A conta por favor.

- Nada disso, a gente paga tudo. – Diz Shawn colocando sua mão sobre a minha que estava na carteira. – Eu to te devendo lembra?

- Shawn, eu te paguei um sanduiche e uma agua, não um jantar.

- Mesmo assim, eu insisto. Quanto dá tudo? – ele pergunta ao garçom que lhe estende a notinha. - Pronto, conta paga. - Shawn fala guardando o cartão de crédito na carteira.

- Obrigada pelo jantar. Mas a gente precisa ir.  – digo. – Vamos tirar uma foto? – todos assentem e pego meu celular tirando uma selfie.

- Foi bom ver você de novo. – diz Shawn sorrindo tímido. – Tem planos para amanhã?

- Ah não. Não vou no VillaMix, já que Kate vai, eu vou ficar sozinha no hotel. - dou de ombros.

- Você podia nos apresentar a cidade. – diz Mike.

- Eu poderia conhecer a cidade com vocês.- corrijo. - Porque é a minha primeira vez aqui. – digo rindo.

- Ótimo, te encontramos as 9:00, brasileira. – diz Andrew. Assinto e me despeço de todos, saindo do restaurante com Kate resmungando algo.

Depois do Uber ter deixado Kate no seu hotel, me digeri até o meu a pé pelo fato de não ser muito longe, e querer conhecer um pouco a cidade à noite.

Quando finalmente cheguei ao meu hotel, fui até meu andar, que era um dos últimos. Ouço uma melodia conhecida no quarto ao lado do meu. A pronto, o bonito tá me perseguindo agora?

“Você levou a serio o negocio da perseguição” – mando direct pra Shawn.

“Como assim?”

“Abre a porta do seu quarto e ganhe uma surpresa”

Em questão de segundos ouço o barulho da maçaneta e da porta sendo aberta.

- Mas que porra é essa? Como você descobriu meu quarto? – ele pergunta com seu semblante assustado. No mínimo deve ter me achado uma fã louca.

- Ninguém manda você se hospedar do lado do meu quarto e ficar tocando violão e cantando.

- Seu quarto é aqui do lado?

- Felizmente. – digo rindo. – Mas não vou roubar seu sossego, preciso dormir. – abro a porta do meu quarto.

- Boa noite, brasileira.

- Boa noite, vesgo.

- Eu já estava duvidando que você não ia fazer piadinha. – ele diz rindo.

- Nunca duvide. – rio também entrando no meu quarto e fechando a porta.

- Não esqueça do passeio amanha. – ouço sua voz abafada.

- E perder de sair com meu crush? Nunca. – ele gargalha e ouço sua porta ser fechada também.

Com certeza esse fim de semana vai ficar pra história.

 


Notas Finais


É isso. COMENTEM PLEASEEE. Lembrem quanto mais comentários, mais rápido os capitulos saem.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...