História Falling In Love - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jeongguk (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags 2seok, Bts, Gay, Jinhope, Jinkook, Jinmin, Jinmon, Kookjin, Lemon, Minjin, Namjin, Sugajin, Taejin, Vjin, Yaoi, Yoonjin
Visualizações 46
Palavras 963
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu sei que deveria esperar um pouquinho, mas eu gostei tanto dos mimos que ganhei capitulo passado que resolvi voltar mais cedo (prometo que vou responder o comentários ok).

Não sei se pegou a mesma vibe do cap passado, mas foi feito com muito carinho e empolgação, eu realmente espero que vocês gostem.

Capítulo 2 - Extra Chapter


Fanfic / Fanfiction Falling In Love - Capítulo 2 - Extra Chapter

Admirei silencioso o jeito que os dedinhos tortos escolhiam pacientemente as folhinhas mais verdes de um maço grande de alface, curvando a boca gordinha para baixo, numa clara insatisfação por ver a folhagem cheia de machucados e furinhos onde alguma larva deveria ter comido.

Soltei um suspiro, me apoiando no carrinho de compras, a mão abaixo do queixo para que ficasse confortável em minha apreciação do tão belo desenrolar em minha frente.

Isso é engraçado, mas ao mesmo tempo não. Nessas horas que eu percebia que até as mais pequenas coisas em Kim Seokjin despertavam meu profundo interesse, fazendo uma ida ao mercado ser o melhor passatempo possível. Ele ficava tão absurdamente bonito quando concentrado, me fazia ter inveja das pequenas plantas por serem sujeitas daquela atenção toda.

– Ei, bae! – despertei com dois dedinhos estalando diante de meu rosto. – Está aqui nessa orbita? – sua boca delicada sorriu, me fazendo sorrir junto consigo. Não importa o quanto a minha mente me faça divagar, um sorriso, um toque ou um olhar de Jin me trazem instantaneamente para o chão.

– Estou sim amor, o que foi? – perguntei baixinho. Mesmo que aquele lugar estivesse vazio pelo horário, todo cuidado era pouco. E se uma sasaeng estiver nos espreitando?

– Queria saber o que quer jantar, dongsaeng. Temos verduras o bastante pra um bibimbap bem recheado, mas se quiser, posso comprar massa e molho pra preparar um pouco de tteokbokki. Faz tempo que não comemos, tenho certeza que todos adorariam.

Disfarçadamente ou tentando não dar muito na cara, peguei uma de suas mãos quentinhas e deixei um beijo, entrelaçando nossos dedos ao lado de nosso corpo. Seokjin me olhou de uma forma tão bonita que meu coração saltou no peito e as borboletas que ficavam esvoaçando pelo meu estômago toda vez que eu estava ou apenas pensava nele, se agitaram feito doidas, tão ansiosas quanto eu por ter mais dele.

– Não importa o que seja, tudo que você faz é maravilhoso. Faça algo que você queira comer, amor. Você é a prioridade hoje, huh? Vou te ajudar, mesmo que eu tenha duas mãos esquerdas – observei minha mão, meio decepcionado por não ter talento nenhum na cozinha. Penso que se cozinhasse bem, além de poder passar mais tempo com meu hyung, ainda o sobrecarregaria menos.

Levantei os olhos confuso quando escutei sua risada, mas logo desfiz minha careta, abrindo um sorriso enorme ao senti-lo beijar minha bochecha e depois olhar em volta corado, tendo a certeza que ninguém nos observava. Uma senhorinha nos olhava interrogativa perto do freezer de congelados, mas ela me parecia inofensiva de longe. Seokjin resolveu ignora-la, ainda que as orelhas estivessem vermelhas, denunciando sua vergonha.

– Sua companhia é mais que suficiente, bae. Principalmente se puder te escutar tagarelar ou cantar em meus ouvidos – ele se afastou um pouquinho, pegando algumas maçãs – As vezes parece que o tempo passa muito rápido quando estamos juntos. É uma sensação curiosa, mas nunca parece que eu tenho o suficiente de você, bae. Por exemplo, estou aqui agora, mas estou com saudades suas. É normal se sentir assim?

Meu coração se aqueceu completamente com aquela declaração. Seokjin parecia constrangido por se expor de uma forma tão repentina, dentro de um mercadinho de esquina; é completamente normal e compreensível: colocar os sentimentos de forma aberta a outra pessoa, sem ter a certeza se ela sente o mesmo nos dá medo e, se houver insegurança, a vergonha. Eu morreria antes de falar algo assim para ele, pois minha cabeça me fazia acreditar que eu nunca estaria a sua altura. Mas, pensando com calma agora, se ele sente algo tão forte assim por mim, significa que eu desperto um mar de sentimentos no peito dele, tanto quanto ele no meu?

Babe, sabe que eu não estou apaixonado, não é? – perguntei serenamente e ele me olhou assustado, em choque. A boca entreaberta e a mão congelada no ato de levar uma maçã para dentro do pacote plástico. – Se fosse paixão, esse tipo de reação seria um exagero, mesmo que os nossos hormônios e cérebro trabalhassem como loucos, nos fazendo querer ainda mais do que temos. Só que o que eu sinto é diferente. Conforme o tempo passou, esse sentimento amadureceu e se tornou algo maior, mais intenso e puro. Não é mais só uma paixão, hyung, é amor – segurei sua mão livre com a minha, entrelaçando mais uma vez nossos dedos, esquecendo por um momento o lugar em que estávamos. – Eu te amo.

A expressão assustada do hyung suavizou, transformando-se em um dos sorrisos mais bonitos que me lembro de ter visto em seu rosto. Ele se aproximou devagar, pouco em pouco, fazendo meu coração ir disparando, junto com sua aproximação. Teríamos feito a loucura de trocar um beijo no meio do mercado, mas a senhorinha inofensiva nos interrompeu:

– Esse garoto é pra casar – afirmou, sorrindo e apontando para mim, logo em seguida se afastando com uma cestinha em seu encalço como se nada tivesse acontecido. Nos entreolhamos assustados, para logo depois explodirmos em risadas.

– Sabe bae, eu concordo com a noona. Você é mesmo para casar – ele afirmou, ainda com um brilho divertido no rosto. Eu queria poder abraça-lo e beija-lo bem ali, tocar suas mãos, gritar que eu o amava, mas sabia que não podia. Ainda assim, aquele olhar era mais que o suficiente naquele momento, falava mais que qualquer coisa doce que poderíamos dizer um ao outro.

Eu sabia e ele sabia que, aquele amor que estávamos regando dia a dia ia perdurar por muito tempo, senão pelo resto do nosso tempo. Não era preciso títulos, ou declarações nas redes sociais, um book fotográfico, até mesmo que o mundo soubesse porque, era entre nós e só nós.

E isso, meus amigos, é mais que o suficiente.

Eu amo Kim Seokjin por completo.


Notas Finais


Ficou compridinho, mas um amor.

Bom final de semana <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...