História Family - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Teen Wolf
Visualizações 172
Palavras 4.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Ficção Científica, Hentai, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Poesias, Policial, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Fault


Derek ainda achava aquilo impossível. Ele simplesmente se recusava a acreditar que era o dia cinco de Maio. Não! Não podia ser. Ele NUNCA esqueceu se quer, um aniversário de um membro do pack, imagina do seu casamento. Ele era o primeiro a ficar pronto para o jantar, o primeiro a entregar o presente. Como ele pôde ter esquecido?! Aquilo não era real. Era algum pesadelo. Provavelmente algum Oni ou bruxa o apagou e ele está tendo esse pesadelo horrível. Ele não iria se perdoar se isso fosse verdade. Nervoso, o advogado puxou o celular do bolso para confirmar a data. O seu coração gelou ao ver o número 5 brilhando sobre o rosto de Cláudia, que estava abraçada a gêmea, estando as duas na frente de Tyler e Ralph, tendo um Stiles distraído no fundo da foto.

- puta merda – murmurou o beta se jogando de costas na parede, apoiando o seu corpo grande e musculoso na mesma antes de começar a bater com a cabeça contra a parede.

Ele estava se martirizando mentalmente. Ele trocaria sua genética lupina para poder voltar no tempo. Ele não acreditava naquilo. Como?! Como ele pôde?! Ele não sabia responder. Aquilo nunca havia acontecido antes. Ele olhou o embrulho em sua mão esquerda. Guardando o celular, Derek, tristonho, abriu o embrulho. Ele teria sorrido, se não tivesse se sentindo o pior homem do mundo. Ele puxou a corrente com o pomo de ouro da caixa, vendo o mesmo brilhar minimamente com a luz do computador. Havia uma abertura pequena nele. Derek abriu o objeto em tamanho real, se surpreendendo ao ver a foto do marido de um lado e uma dos filhos do outro. O moreno sentiu os olhos arderem e fechou o pingente, vendo letras gravadas na esfera dourada.

Para o Patrono, você seria o meu pensamento feliz

Ah, aquilo destruiu Derek. Ele suspirou, tentando conter a dor em seu peito. Depois de ter começado a namorar Stiles, foi que Derek conheceu a Saga Harry Potter. Surpreendentemente, o lobo gostou muito. Chegando a comprar os livros e os ler rapidamente, completamente entretido. O homem acabou virando fã. Aquele presente mexeu consigo. Stiles lembrava perfeitamente do início de seu relacionamento e a prova era a frase escrita no pomo de ouro. Aquela frase... Derek sussurrou ela para o castanho quando eles estavam deitados na cama depois de uma seção de filmes, na primeira vez em que Stiles dormiu no loft depois que eles começaram aquele relacionamento. Para completar tudo, ele notou um papel dentro da caixa onde estava a corrente. Puxando o mesmo para fora da caixa, o Hale pode ver a letra do marido em tinta preta.

Você não usa Lumus Maxima, mas ilumina a minha vida. Se um dia eu olhasse no espelho de Ojesed, veria nós dois juntos. Ficar um dia da minha vida sem você é como estar sob a Maldição Cruciatus. No dia em que você me disse “sim” para o meu pedido, devo ter tomado um estoque inteiro de Felix Felicis no café da manhã.

Se você fosse o basilisco, eu não me importaria de virar pedra, se isso significasse olhar em seus olhos pelo menos uma vez. Eu não iria nem sentir o meu corpo virando pedra, pois estaria hipnotizado com o brilho de seus olhos. Quando você sorri para mim, o meu peito queima como como uma fênix morrendo para renascer. Sem você, me sinto cercado por dementadores. As vezes penso que preciso de Oclumencia, pois não consigo te tirar da minha cabeça. Chego a pensar que você me enfeitiçou com Imperius, pois eu faria qualquer coisa por você.

Um sorriso seu é como Expelliarmus. Simples, mas desarma facilmente. Se eu fosse um apanhador e você fosse um pomo, eu não me importaria de quebrar todos os meus ossos caindo da vassoura se isso significasse poder segurar você em minhas mãos. As vezes eu desejo ser um animago apenas para poder lhe observar o dia inteiro sem você saber. Ou apenas ter o mapa do maroto, para poder seguir os seus passos.

Sempre que penso em você, eu recito para mim mesmo: “Malfeito feito”. Se um dia eu entrar na sala precisa, eu encontrarei você lá dentro. Se roubar coração fosse crime, eu te mandaria para Azkaban. Mas aí eu lembro que, assim como a varinha escolhe o bruxo, o meu coração escolheu você.

Ah, Derek estava destruído, agora. O lobo não conseguia nem segurar o papel de pergaminho direito. Stiles havia pensando em tudo pro seu presente. O papel de pergaminho, a corrente, a foto... E o que Derek tinha para ele? Nada. Nem mesmo uma desculpa do porque ter faltado o jantar mais importante do ano para eles. Ele não tinha nem mesmo forças para encarar o marido, muito menos coragem. Derek se aproximou da escrivaninha do marido e colocou o presente sobre ela, antes de puxar a taça que estava pela metade e solver o líquido de uma vez. Ajudou em alguma coisa? É claro que não. Derek era um lobisomem, não se alcoolizava sem ervas nem que bebesse a fabrica inteira.

Derek se sentia tão... Frustrado, irritado, chateado, triste. Ele era um amontoado de sentimentos ruins. Ele jurou para si mesmo, quando começou a namorar o castanho, que daquela vez seria diferente. Stiles era primordial, o resto ficava em segundo plano. Mas o que ele fez? Simplesmente esqueceu da data mais importante para os dois. Derek sentia vontade de esganar a si próprio. Como eu pude fazer isso?! Era o que ele pensava. Era só o que ele pensava. Ele não queria imaginar como era estar na situação do seu marido. O seu próprio companheiro esquecer o aniversário de casamento?! Você ficar bonito para ele, comprar um presente, reservar uma mesa num restaurante bastante solicitado da cidade, para no final ele não aparecer por ter esquecido e estar bebendo com os amigos? Derek estaria bastante irritado e chateado no lugar de Stiles.

Ainda frustrado, Derek saiu do escritório de Stiles. Agora era ele quem exalava tristeza. O homem praticamente se arrastou para o andar de baixo. Seus passos eram lentos e sem vontade alguma. Assim que ele passou na frente dos quartos dos filhos, os quatro estavam atrás das duas portas, com os rostos colados na madeira, tentando ouvir o que se passava entre os pais. Quando o moreno de olhos verdes chegou ao andar de baixo, ele vislumbrou o marido esquentando a sua comida.

Stiles era um marido perfeito. Até mesmo quando tinha todos os motivos possíveis para estar trancado, se afastando de Derek, ele zelava pelo marido. Stiles simplesmente colocou o que trouxe do restaurante num prato e o colocou no micro-ondas. Ele colocou a jarra de suco e o copo na mesa da cozinha, indicando onde o moreno deveria se sentar. O lobo, acanhado devido a tristeza, se aproximou da mesa da cozinha. Stiles deu espaço para que o lobo pudesse se sentar, enquanto aproveitava para buscar o prato do mesmo no micro-ondas. Quando o seu marido colocou o prato na mesa a sua frente, foi que Derek olhou nos olhos do mesmo.

Foi um erro? Talvez. Derek não queria fugir do marido. Ele queria concertar as coisas, e não olhar nos olhos de Stiles iria piorar as coisas. Ele tinha que enfrentar a situação, se mostrar arrependido e não desinteressado. Mas ver o olhar triste de Stiles lhe despedaçou o peito. Agora ele sabia o que os personagens sentiam quando recebiam o “Get over here” do Scorpion no Mortal Kombat, pois ele sentiu como se um arpão tivesse atravessado o seu peito e arrancado o seu coração em um golpe só.

- quando acabar, deixe tudo na pia que eu venho lavar antes de dormir – disse o castanho antes de passar pelo balcão, tentando alcançar as escadas.

Derek sentiu o coração se apertar com força. Stiles mal havia olhado para si, quem dirá lhe mirar nos olhos. Instantaneamente, a mão de Derek segurou o pulso de Stiles, num ato desesperado de evitar que o parceiro se afastasse de si. O Hale só não esperava que o marido fosse se soltar de seu agarro com certa brutalidade. Girando o próprio braço, Stiles puxou o membro, fazendo os dedos do marido, que não tinha a intenção de usar de força consigo, se soltarem do seu pulso. O coração de Derek se rachou naquele momento. Stiles não aceitava nem o seu toque.

- não me toque! Por tudo o que é mais sagrado... não me toque! – repreendeu o castanho, parado, de costas para o marido.

O coração de Derek se partiu. Aquelas foram as palavras mais duras que ele já ouvira do marido. Eles nunca haviam discutido sério. A maior discussão que já tiveram, em dezessete anos de casados, fora qual casa era a melhor: Sonserina ou Grifinória. Agora, Derek havia gerado a maior discussão devido ao seu erro grave. Ele não poderia criticar o marido pelo humor e atitude do mesmo. Ninguém poderia. Stiles estava em seu total direito de estar chateado com o moreno de olhos verdes.

- enquanto o cheiro dessa vagabunda estiver em você, eu não quero nem que você fique perto da porta do meu escritório – ditou o castanho em um tom de voz magoado que Derek nunca tinha ouvido antes.

- Stiles... – Derek proferiu o nome do marido com uma voz tão fraca que Stiles quase não o ouviu. Quase.

- apenas termine o seu jantar e coloque tudo na pia quando terminar – ditou o castanho antes de seguir para o próprio escritório novamente.

Derek encarou as escadas por tempo indeterminado. Tudo o que ele sabia era que fora tempo o suficiente para fazer o seu pescoço doer por alguns segundos. Amém licantropia e sua cura intensa. Mas a licantropia não poderia curar a dor que Derek sentia em seu peito. O homem comeu quase um oitavo do que um lobisomem adulto comeria. Ele não tinha fome. Ele não sentia necessidade de comer. Derek sentia necessidade de Stiles. Ele não suportava aquela situação. E olha que não havia passado nem uma hora nela. O moreno amava o seu castanho demais para ficar numa situação assim com ele. Derek precisava conversar com Stiles.

Após comer apenas metade do que o seu marido trouxe para si, o moreno se ergueu, colocando a comida na geladeira e o copo vazio na pia, junto dos talheres. A comida estava boa, mas ele não sentia vontade de comer no momento. Ele só queria concertar as coisas. Ah, o quanto ele não daria para poder voltar no tempo e esmurrar a si mesmo? Ele ainda se questionava como havia esquecido o próprio aniversário de casamento.

Se arrastando pelos degraus, o moreno de olhos verdes subiu para o andar superior sentindo os olhos arderem com o aumento da saudade do toque quente do marido. Havia passado o dia todo atolado em trabalho e não pôde almoçar com Stiles. Não se falaram muito ao telefone naquele dia, pois ambos tinham trabalho acumulado para resolverem. No resumo, naquele dia especial, a interação entre eles fora apenas alguns beijos pela manhã e um abraço antes de Derek sair para o trabalho. O Hale Stilinski mais velho não sabia o que fazer. Ele estava perdido, assustado e solitário sem o se parceiro. Ele precisava do toque do marido para se sentir acolhido, do beijo do mesmo para lhe acalmar e de suas palavras para lhe orientar. Derek alcançou a porta do escritório do marido, que era ao lado do seu e ali ficou.

Parado.

Sem saber direito o que fazer. E foi por não saber o que fazer, nem o que dizer, que ele ficou ali, parado. O moreno temia tanto o que Stiles pudesse fazer naquele nível de estresse e irritação. Mas, no final das contas, ele não podia o culpar. Ele também ficaria naquele estado de fúria e indignação. Suspirando, o membro mais velho da família deixou que o seu rosto pesasse, o abaixando, fazendo com que a sua testa batesse na madeira. Ele mordeu o lábio inferior com força, sentindo as lágrimas se acumularem sobre suas pálpebras e duas delas rolarem por seu rosto. Cerrando o punho, o homem passou a golpear o próprio rosto, se afastando da porta. Era isso o que Derek queria fazer consigo mesmo. Lhe fornecer uma seção de surra que o faria esquecer que aquilo havia ocorrido. Mas ele não conseguia fazer isso do jeito que ele queria

- pelo amor de Deus! – exclamou Talia saindo do quarto de braços cruzados e a mochila da escola nas costas.

- o fedor está se alastrando! Francamente... – disse Cláudia saindo do quarto, também com uma mochila nas costas.

Derek olhou para as filhas diretamente e só então notou Ralph e Tyler atrás de Talia, todos descendo as escadas, exceto Cláudia que fechava a porta do quarto. A garota parou de braços cruzados encarando o pai, que se encontrava com um aspecto abatido. O moreno tomou um olhar confuso e a garota rosnou irritada.

- tome um banho. Ninguém está aguentando o fedor dessa mulher! – reclamou a garota, na forma de conselho, o que fez o seu pai franzir o cenho, confuso.

Enquanto o cheiro dessa vagabunda estiver em você, eu não quero nem que você fique perto da porta do meu escritório

O moreno de olhos verdes se lembrou das palavras do seu marido enquanto estavam no andar de baixo. Ele farejou a si mesmo, tentando entender o que significava as palavras da própria filha e do marido. Não demorou para que ele sentisse a fragrância do perfume de sua secretária em si. Mas era estranho. Stiles reclamar, tudo bem, estava em seu corpo e aquilo irritava o meio demônio e muito, mas dizer que aquilo havia apodrecido a casa era demais.

- para onde estão indo? – indagou o lobo, preocupado.

- dormir na casa do vô. Não quero passar mais um minuto sentindo esse odor horrível – respondeu a castanha dando as costas ao mais velho.

- tome logo um banho ou ele vai se irritar mais – a garota disse antes de desaparecer nas escadas.

Derek pensou por alguns segundos antes de se erguer. Ele secou as lágrimas e tratou de caminhar na direção do quarto. Chorar ali, no corredor, não mudaria nada. O moreno já adentrou o cômodo retirando as próprias roupas. Ele não se importou em as deixar por todo o chão. Não as colocaria no cesto para que Stiles lavasse. Seria muita afronta com alguém que ele queria se aproximar. Por isso ele mesmo as lavaria. Não deixaria nem um resquício do cheiro de sua secretária naquelas roupas. O olfato de Stiles e de suas filhas poderiam não ser tão afiados, mas podiam detectar o cheiro de alguém com facilidade quando bem próximos do objeto em questão.

Aquele fora o banho mais deprimente que ele tivera desde que começou o seu relacionamento com o marido. Derek só parou de se esfregar quando o sabonete, aberto naquele dia, estava fino e quebradiço. Os seus braços cansados dos movimentos repetitivos, não pela duração do exercício, finalmente não cheiravam mais a fragrância de Karen. O passo seguinte fora lavar as roupas. Essas não deram tanto trabalho, já que Derek jogou tantos produtos químicos que ele mesmo não suportava chegar perto das roupas enquanto não as enxaguava. Assim que estendeu as roupas, o moreno, todo encharcado, subiu as escadas, receoso. Só faltava uma coisa a ser feita.

Parado no corredor, de frente para a porta do escritório de Stiles, Derek olhava para a madeira, com o punho erguido. Ele pensava se deveria, ou não, bater. Ele sabia que devia, mas ele temia tanto. O Hale Stilinski mais velho suspirou, antes de levar a mão a maçaneta e abrir a porta, lentamente, ouvindo o som dos dedos ágeis de seu marido no teclado. Quando os seus olhos conseguiram um bom campo, ele pôde ver Stiles sentado sua cadeira gamer com o fone de ouvido. Com as mãos suando de nervosismo, Derek se aproximou do marido, cuidadosamente enquanto pensava em como falar com o mesmo. Mesmo sendo um advogado, o mais velho perdia toda a sua capacidade argumentativa perto do mais novo. Stiles lhe deixava desnorteado.

Aproximando-se um pouco mais, ele pôde ouvir o que o marido escutava no fone de ouvido. Não que ele precisasse ouvir para saber do que se tratava. Stiles sempre trabalhava numa continuação de saga ouvindo a trilha sonora dos antecessores. Era uma hábito. Mas um hábito que agradava aos chefes do castanho, poia sempre rendia bons resultados. Ignorando as combinações estranhas que o meio demônio digitava com velocidade, Derek coçou a garganta, enquanto procurava a melhor palavra. Ele queria muito o chamar de amor, mas sentia que agora não era o melhor momento. Ser advogado não ajuda em nada quando se está defendendo o próprio relacionamento.

- Sti – o moreno chamou pelo marido mas o mesmo pareceu não ouvir.

Suspirando para tentar se acalmar, Derek tentou relaxar enquanto movia os ombros, antes de coçar a garganta, não obtendo sucesso em chamar a atenção do castanho. Suspirando mais uma vez, o moreno tocou o ombro do marido, que primeiro fitou a sua mão, confuso, antes de olhar para si com um olhar entediado. O Hale Stilinski mais novo retirou os fones de ouvido, vendo o mais alto retirar a mão de seu ombro. Com a voz falha e em um tom seco, Stiles se manifestou.

- o que é? – Derek engoliu em seco com a voz do outro.

- vem deitar – chamou o moreno, com a voz manhosa, acariciando o ombro do marido.

- eu tenho trabalho para fazer – argumentou castanho, emburrado. Derek suspirou.

- Stiles, você está estressado. – contra argumentou Derek, vendo o castanho lhe ignorar e voltar a trabalhar.

- e daí? Trabalhar é bom para aliviar o estresse em alguma porra! – exclamou o mais novo movendo os dedos com velocidade.

- Sti, você sabe que quando está chateado e irritado, você trabalha, mas quando se acalma, você excluí tudo porque acha que ficou ruim. Depois fica se xingando por ter feito tanto trabalho ruim. – explicou Derek se abaixando e beijando o ombro do marido.

- olha, eu sei que fiz muita merda hoje. Ainda me pergunto como fiz isso. Mas eu vou compensar tudo... Eu vou compensar tudo e vamos ter o melhor aniversário de casamento de todos. – falou o moreno virando a cadeira para si, antes de se ajoelhar entre as pernas de Stiles, segurando carinhosamente nas coxas do marido, que lhe encarava com seriedade.

- Eu... não tenho um presente... agora. Tudo o que tenho é... um corpo... com uma mente cansada do trabalho, um emocional ferrado pelo que fiz com você e o “eu te amo” de todos os dias. Mas eu vou compensar, Stiles. – o lobo declarou sua culpa no ocorrido em meio a explicações do que provavelmente o levaram a esquecer completamente do evento, além de expressar como se sentia agora que já sabia o que havia feito.

Com os olhos já lacrimejando, Derek se debruçou sobre o corpo do castanho, escondendo o rosto no abdômen um pouco definido de Stiles, que apenas observou a aproximação, enquanto sentia os braços do moreno subirem por suas coxas, até abraçarem o seu torso. Assim que sentiu a respiração de Derek, batendo em seu corpo, indicar que o lobo estava prestes a chorar, Stiles moveu as suas mãos para o corpo do moreno. Ao sentir a mão do marido em seu ombro, Derek mordeu o lábio inferior, tentando conter o choro que veio com mais força, já imaginando que Stiles lhe afastaria, mas ele se viu surpreso ao sentir a carícia suave em suas costas, por dentro de sua camisa e em seus cabelos.

- eu sei que você trabalhou muito essa semana. Está tendo muitas conferências com aquele homem lá. Sei que provavelmente o cansaço lhe levou a pensar que hoje seria só mais um dia cansativo. – a voz suave alcançou os ouvidos do lobo, o fazendo tremer. O moreno se sentiu aliviado com as palavras do marido. Ele lhe entendia. Sabia o que devia ter ocorrido.

- Mas mesmo assim, Derek, eu me sinto... Excluído de sua vida. Me sinto só mais uma conquista que você desbloqueia e depois esquece em seu mural – o castanho confessou ainda acariciando o lobo enquanto via o mesmo erguer o olhar tristonho para si.

- mas você não é, amor. Você é a melhor coisa que me aconteceu! – Derek argumentou quase desesperado, enquanto levava as mãos para a cintura do outro.

- mas não é assim que me sinto depois que você me deixou plantado naquele restaurante – contra argumentou Stiles antes de Derek se erguer e o erguer também.

- me desculpe, amor. Não vai acontecer. Nunca mais. Eu juro. – Derek puxou o marido para si, antes de o colocar no chão, para em seguida o apertar em um abraço.

- eu realmente espero que não. Não acho que vou suportar isso mais uma vez – confessou o castanho deslizando as mãos pelo peito do marido.

- não vai precisar – murmurou Derek pegando uma das mãos de Stiles e a beijando. Stiles sorriu minimamente antes de começar a acariciar a bochecha barbada do outro.

- então... Vamos para a cama? – questionou Derek, receoso da resposta do outro.

Stiles respirou fundo, antes de olhar ao redor. Afastando-se do moreno, o castanho se aproximou da escrivaninha e levou sua mão ao mouse. Derek assistiu, nervoso, ao outro excluindo as coisas que havia feito naquela noite. Deixando o queixo cair, ele apontou para o computador enquanto Stiles pegava o presente que lhe dera. Antes que pudesse perguntar o marido já havia lhe entendido.

- estava uma merda – afirmou Stiles antes de desligar o computador e jogar a caixa para o moreno.

- se eu pegar isso por aí de novo eu quebro a sua cara – ditou vendo o moreno se atrapalhar todo para pegar o presente.

- Me desculpe. Eu estava tão chateado comigo que nem guardei ele – se desculpou o moreno vendo o castanho se aproximar.

Os dois caminharam para o quarto, com Stiles na frente, franzindo o cenho e um Derek receoso logo atrás. Quando entrou no quarto, Stiles rolou os olhos, fazendo careta e cobrindo o nariz. Derek apenas encarou, confuso, o marido caminhar até o guarda-roupa e retirar um perfume do seu interior, antes de sair borrifando o mesmo pelo quarto. Estapeando o próprio rosto, o mais velho se xingou mentalmente por não ter feito isso assim que terminou de lavar suas roupas. O cheiro de Karen ainda estava lá, já que suas roupas ficaram no quarto enquanto ele tomava banho. O Hale Stilinski mais velho assistiu, hipnotizado, ao marido se despindo de sua camisa, assim como da calça e as deixando ao lado da cama. Ele apenas retirou sua camisa e a jogou na cabeceira da cama. Ver Stiles de cueca, exibindo tantas partes do corpo lhe deixava aceso. Não importava quantas vexes tivesse aquele corpo para si, junto do seu, com o seu, no seu. Stiles sempre lhe causava as mesmas sensações, como se tudo com ele fosse a primeira vez.

- você tem que parar de sentir ciúmes dela. Entre um milhão de Karen's e você, vai ser sempre você. – disse moreno se aproximando da cama e se deitando em seu lado da mesma, vendo o castanho lhe encarar feio enquanto fazia o mesmo.

- uhum, sei – ditou o castanho se deitando de lado.

- ela não tem o seu corpo – disse se aproximando e colocando a mão na cintura do castanho

- não tem o seu cheiro – sussurrou no pé do ouvido do castanho, cheirando o pescoço do mesmo.

- não tem o seu toque – sussurrou levando a mão até a do marido, entrelaçando os seus dedos.

- ela não é você. Não há ninguém que vai usar uma aliança comigo além de você. Porque eu não vou soltar você. Vamos ficar velhos, deitando na mesma cama, abraçados. Você vai ser a única pessoa com quem vou me casar e eu serei a sua – o lobo sussurrou no ouvido do marido, enquanto o abraçava forte, não vendo o sorriso pequeno que Stiles mostrava ao tentar esconder o sorriso largo que seus lábios deram.

- sabe, eu amei o que você escreveu para mim – Derek murmurou antes de morder o lóbulo da orelha do marido.

- ah, foi? – indagou Stiles, sorrindo maroto.

- uhum. Eu achei tão bonito. Fiquei tão emocionado quanto quando você me pediu em namoro – respondeu beijando o pescoço do outro várias vezes. Stiles sorriu com a lembrança, antes de rir baixinho.

- você me deixa louco, sabia? – indagou antes de deslizar a língua pelo ombro do outro, antes de o morder de leve.

- Derek – Stiles repreendeu enquanto ainda sorria.

- sabe, ainda não é meia noite... Ainda é dia cinco. Ainda... Podemos... fazer o último ritual do nosso aniversário – o mais velho passou a assediar a pele do pescoço do marido, intercalando entre lambidas e mordidas.

- Derek, não – Stiles se contorceu um pouco, repreendendo o moreno enquanto sentia a mão do mesmo deslizar pelo seu baixo ventre até o seu membro.

- tem certeza? – indagou o mais velho tratando de massagear o membro que já começava a crescer em sua mão, o que lhe excitava mais ainda.

- tenho. Eu estou cansado – respondeu Stiles já levando a mão para a do marido, mas antes que a alcançasse, o próprio Derek já a havia retirado, enquanto suspirava.

- tudo bem, então. Boa noite – disse o moreno beijando o pescoço do marido, antes de encostar o nariz na nuca do mesmo , enquanto o abraçava e fechar os olhos.

- boa noite – respondeu Stiles beijando a mão do marido antes de a trazer para o peito, a abraçando.

Derek fechou os olhos, chateado pela situação. Stiles nunca lhe negou sexo, nem mesmo quando tinha que estudar para uma prova no dia seguinte. Eles nunca usaram uma desculpa antes. Nem mesmo a velha “estou com dor de cabeça”. Nunca. Ele também havia sentido a mentira na fala de Stiles. O castanho não estava cansado. Ele simplesmente ainda estava chateado demais para poderem transar. Derek se sentia tão idiota por ter esquecido o próprio aniversário de casamento. Ele permaneceu remoendo sua culpa por uns bons minutos, antes de sentir o sono lhe acolher.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...