História Fanfic, Como seria: Tori e Beck - Capítulo 44


Escrita por:

Postado
Categorias Victorious
Personagens André Harris, Beck Oliver, Cat Valentine, Jade West, Rex Powers, Robbie Shappiro, Tori Vega
Tags Amor, Beijo, Brilhante Victória, Fanfic, Namoro, Romance, Victorios
Visualizações 301
Palavras 3.938
Terminada Não
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Pessoas maravilhosas estamos aqui com o nosso encontro ao contrário que está maravilhoso, eu tenho certeza que vocês vão amar.
Vocês não sabem qual tás vezes e escrevi e apaguei para escrever essa capítulo mas finalmente estamos aqui com ele e acredito que ele é o melhor de todos. Tá esperando oque vai ler !! Kkkkk

Capítulo 44 - Encontro ao contrário


Fanfic / Fanfiction Fanfic, Como seria: Tori e Beck - Capítulo 44 - Encontro ao contrário

Domingo:

Dormir sem despertador é a melhor coisa que existe no mundo... acordei ao meio dia totalmente descansada, eu nem acreditava que todo aquele turbilhão de coisas tinha acabado finalmente e só que me preocupava seria as minhas notas e o show de encerramento do ano letivo.

Mas hoje eu iria me divertir e esquecer da minha vida escola nem que fosse por algumas horas, e pela primeira vez não estava preocupada com que roupa iria usar ou como eu iria me maquiar, esse encontro ao contrário seria perfeito já que era tudo ao contrário.

Enquanto eu estava jogada no sofá vendo celebridades em baixo d'agua o meu celular vibro... Era a Cat me ligando, então atendi

Cat:- Oi...

Tori: - Cat !

Cat.: Oi!! A espera, eu já disse isso.

Tori: - Fala Cat, Oque você quer ?

Cat: - Então você vai sair hoje sair?

Tori: - Bom... quase todo mundo desistiu então o Beck e eu...

Cat: - Uuuuu....

Tori: - Para Cat!! Nós somos amigos e isso não vai ser um encontro.

Cat: - Sei... Então vocês vão sair juntos né.

Tori: -Nós não vamos sair!

Cat: - Quer ficar em casa com ele?! Eu te entendo garota... é eu sei!!

Tori: - Não Cat, eu não vou ficar em casa com ele nem é um encontro... É apenas dois amigos saindo.

Cat: - Eu sei garota.... Eu guardo o seu segredo sujo!

Tori: -Não é segredo sujo.

Cat: - Então posso contar pra todo mundo que vai sar com o Beck hoje?

Tori: - Não Cat !!

Cat: - Ok ...

Tori: - Cat, você não pode dizer a ninguém !!!

Cat: - Tá bom, eu não falo pra ninguém.

Tori: -Agora vai ... preciso lavar o cabelo.

Cat: - Pra sair com o seu... Amigo

Tori: - Não Cat, é porque eu preciso mesmo lavar o cabelo que já está super sujo.

Desliguei o telefone e fui lavar o cabelo rindo com do que a Cat disse, as vezes a gente acha que ela não é tão inteligente, mas ela é bem inteligente sim. Pelo menos quando ela quer.

(...) Hora do Encontro ao contrário.

As 17hs eu fui me arrumar, mas ai me lembre que era um encontro ao contrário então eu parei tudo que estava pensando em fazer e escolhi uma roupa de academia com uma calça de moletom, deixei meu cabelo sem prancha bem ondulado de jeito que ele fica quando eu lavo e não seco ou prancho, só fiz uma maquiagem porque não tem jeito né, não saio sem maquiagem.

Desci e fiquei esperando a hora passar, e já estava impaciente esperando o Beck e olhava o celular, mas nenhuma mensagem do Beck chegava e eu não queria mandar nada pra ele.

As 18hs em ponto ouvi uma buzina de carro e me levantei de pressa e quase corri até a porta, respirei fundo... contei 1..2..3 e abrir a porta bem devagar para não parecer estar ansiosa, afinal era só um o Beck somos só amigos saindo juntos.

Encontro ao contrário!!

Encontro ao contrário!!

-Iae Beck. - Disse eu tentando ser o mais informal possivel.

-Oi Tori, entra ai. - Disse ele destravando a porta do carona para mim. Entrei no carro dele e sentei no banco do carona fechando a porta

-Onde vamos hoje? -Perguntei curiosa.

-Vamos a um lugar surperesa, mas não se preocupe, vai ser muito ruim. -Disse ele com um sorriso no rosto.

-Tá bom, confio em você. - Disse eu sorrindo também.

Andamos por algumas ruas estranhas que nunca tinha ido antes então ele me ofereceu uma jujuba e depois de 20 minutos chegamos ao nosso destino. Descemos do carro e andamos pela calçada até um lugar onde ele me prometeu ser horrível.

-Bom, esse é um encontro ao contrário total – Disse o Beck.

-Total, bom eu nunca me vestiria para um encontro assim. -Disse eu apontando para minha roupa.

-Bom, nem eu... - Disse ele apontando para as suas roupas.

Olhei discretamente com mais atenção para o Beck para ver de fato oque ele estava vestido, e era incrível que mesmo vestido uma calça de moletom cinza, uma jaqueta verde militar desbotada e uma camisa cinza escura por dentro ele ainda continuava muito lindo.

-Quer saber de outra coisa, eu nem tomei banho. -Disse eu de repente para tirar a minha atenção do seu corpo. Mas porque eu disse aquilo?

-Eu também não, quer saber.. Eu até esfreguei terra em mim. -Disse ele sorrindo.

-Então você tomou banho ao contrário. - Disse eu sorrindo de diversão e alivio por não ter falado algo errado de mais.

-Está pronta? - Perguntou ele.

-Estou. -Respondi.

-Então ... Se esse fosse um encontro normal eu levaria você para comer em um restaurante legal, mas já que esse é um encontro ao contrário nós vamos comer frutos do mar ruins. - Disse ele apontando para a barraquinha móvel de frutos do mar estacionada em frente a uma calçada.

-Bom, acho que não me parece tão ruim, assim. -Disse eu

-Sente o cheiro. -Disse ele. Então eu respirei fundo e o cheiro era horrível. Parecia óleo velho misturado com peixe podre.

-Vamos lá- Disse ele com um sorriso no rosto ao ver minha cara de nojo.

Entramos em um fila pequena e ao chegar no balcão pedimos alguma coisa parecida com moluscos que estavam em um cardápio de imagens no balcão.

Então ficamos de pé esperando perto do balcão até a nossa ''Comida" ficar pronta.

-Me conta, como você descobriu esse lugar terrível?- Perguntei curiosa.

-Bom... Eu e uns amigos costumávamos jogar paintball em um campo que fica aqui nesse bairro, então um dia estávamos morrendo de fome e essa barraquinha estava aqui aberta, então vinhemos aqui e comemos alguma coisa estranha que era muito ruim.

-Paintball, olha que eu sou boa nisso em. – Disse eu sorrindo.

- Sério ? – Perguntou o Beck surpreso

-Sim, sou filha de policial então como não sou boa em luta é minha mãe é contra as filhas atirarem com armas de fogo, então a maneira mais fácil que ele achou para nos ensinar a usar armas é o Paintball. – Expliquei eu.

-Eu Realmente Preciso ver você em ação no paintball. – Disse ele sorrindo e olhando para mim. Eu sorria junto e nós nos olhamos.

- Você tem um sorriso lindo sabia. – Disse ele olhando para mim em um tom um pouco sério.

- obrigada Beck. -Disse eu meio sem jeito.

- Seus lanches!! – Falou o dono da barraquinha nos chamando a atenção para pegar a “Comida” que já estava pronta junto com o nosso refrigerante.

Como todas as cadeiras de plástico velhas estavam ocupadas decidimos então sentar no meio fio dá calçada e já que era um encontro ao contrário sentamos sem problemas.

-Oque é isso que nós estamos comendo ? – Perguntou o Beck.

-Acho que são moluscos fritos. – Disse eu duvidando um pouco.

-Moluscos tem pelos ? – Perguntou ele analisando um pouco.

-É essa comida é Horrível. – Disse eu comendo mais um daqueles moluscos duvidosos que com certeza iria fazer mal depois.

--Aos frutos do mar de barraquinha. – Disse o Beck levantando sua garrafa de refrigerante.

-Aos frutos do mar de barraquinha. -Disse eu levantando a minha garrafa de refrigerante e brindando com ele.

Então o meu celular tocou e eu atendi sem olhar quem era.

....: Alô?

....: Oii Tori. Concerteza era a Cat.

Tori: - Oi Cat. Como você está?

Cat: - Tudo bem, então vocês estão se divertindo.

Tori: - É, mais nem tanto assim

Cat: - hahaha ... Onde é que vocês estão ?

Tori: - Estamos em uma barraquinha de frutos do mar na Meulose com Labreia

Cat: - Certo ... Tchau!!!

A Cat desligou de repente o telefone.

-Era a Cat. – Perguntou o Beck.

-Sim, ela queria saber se nós estamos nos divertindo. – Respondi eu.

-E que você acha ? Estamos? – Perguntou ele curioso.

-É, mais nem tanto assim. – Disse eu sorrindo e pegando mais um moluscos.

Começamos a rir com o que eu tinha dito então chegou um cara com os malucos na mão passando mal e dizendo:

-Não comam os moluscos!!!!

Na mesma hora colocamos os nossos pratinhos descartáveis no chão e lavamos a boca com refrigerante.

-Beck será que a gente vai passar mal? – Perguntei preocupada.

-Não, relaxa. Não comemos muito disso, é só não comer mais. -Disse ele para mim sorrindo e depois de levantou do chão.

-Pra onde vamos agora? – Perguntei ainda no chão.

-Eu quero cumprir uma promessa que fiz a você. – Disse ele estendendo a mão para me ajudar a levantar.

Me levantei do chão e fomos em direção ao carro do Beck. Entramos mas ele não ligou o carro, mas olhou para mim e sorriu.

-Você confia em mim? – Perguntou ele.

-Dentro do possível sim. -Disse eu sorrindo um pouco nervosa.

-Lembra que eu falei que iria ensinar você a dirigir. – Perguntou ele.

-Sim, mas vai ser agora ?? – Perguntei meio assustada.

-Se você confiar em mim, sim. – Disse ele.

-Se eu bater o seu carro a culpa vai ser sua. – Alertei eu para que ele ficasse sabendo que eu era uma péssima motorista.

-Fica tranquila e confia em mim, já liguei o alerta para as pessoas e para os gatos também. – Disse ele sorrindo.

-Chatooo. -Disse eu sorrindo também.

Então o Beck começou a explicar a função dos pedais e de como eu devia apertar tudo na hora certa, depois ele tirou o carro do estacionamento deixando ele na rua e trocou de lugar comigo.

-Vamos lá Tori! -Encorajou ele enquanto eu sentava no banco do motorista e colocava o sinto.

Comecei a segui os comandos do Beck e depois que o carro estancou duas vezes finalmente estávamos saindo do lugar e o Beck sempre me orientando e dizendo oque fazer.

Demos algumas voltas naquele quarteirão o Beck pegando na minha mão para me orientar algumas vezes.

-Viu, você não atropelou nenhuma pessoa e nenhum gato. – Disse ele animado e brincalhão.

- Hahah... Pode zuar o quanto quiser mais eu é que estou dirigindo o seu carro não esqueça isso. – Disse a ele também sendo irônica.

Ele riu e logo em seguida o seu telefone tocou. Quando ele desligou explicou que era a tia dele no telefone pedindo para que nós fossemos até a casa dela buscar o cachorro d levar no veterinário já que ele não estava muito bem o dia inteiro.

-Quero ir dirigindo sra.. Pilota de fuga? -Disse ele sorrindo.

-Claro que não, ficou doido. -Disse eu sorrindo e tirando o sinto de segurança e abrindo a porta do carro.

Ele tomou o seu lugar no banco do motorista e fomos em direção da casa da tia dele.

No caminho ele falou que essa tia dele era como se fosse a sua segunda mãe e que ele amava muito ela. E que sempre cuidava e saia para passear com o Baster que era o cachorro.

Ao chegar na casa da tia do Beck fiquei chocada, a casa dela era enorme, com piscina uma quadra de tênis e uma garagem subterrânea. Nossa a Tia do Beck era rica ?!?

-Beck meu querido, já não sei mais oque fazer com o Baster, ele não para de se coçar e .... – Disse ela e depois se interrompeu olhando para mim.

-Perdão querida, não queria ser mal educada, mas estou muito preocupadas com o meu cachorro. A propósito sou a Tia viviam. – Disse ela se aproximando e me dando um abraço.

-Muito prazer! Eu sou a Victória, mas pode me chamar de Tori, todo mundo me chama assim. – Expliquei para ela. Ai me dei conta de que nunca tinha dito o meu nome de fato para o Beck e agora ele olhava pra mim meio assustado. Todos me chamavam de Tori sempre, nunca ninguém me chamou de Victoria.

-Meu sobrinho já foi mais bem educado do que ele é agora, mas ele é um ótimo partido querida. -Disse ela passando a mão nos cabelos do Beck.

-Eu sei. -Disse eu.

-Bom tia, Desculpe é porque a senhora desceu as escadas tão nervosa... Mas essa é a Tori minha amiga da escola. -Disse ele me apresentando a sua tia.

-E oque vocês estão fazendo juntos a essa hora? – Perguntou ela cruzando os braços e olhando para nós com julgamento.

-Nos estamos indo levar o Baster no veterinário Tia. -Disse ele um pouco vermelho pegando a coleira do cachorro e chamando ele para legalizar até o veterinário.

-Não sei não viu ... Traga o Baster em segurança. – Disse ela para o Beck.

-Tá tia, deixa esse menino sapeca comigo. – Disse o Beck pegando o cachorro e vindo em nossa direção.

-Você já sabe né.... Entrada e saída. -Disse ela sem concluir.

-Sei Tia. -Disse ele se virando para a porta.

-Linda essa sua namorada meu sobrinho, traga ela aqui mais vezes. – Disse a Tia do Beck.

-Tia ela não é.... E ela foi embora. – Disse o Beck tentando se explica mas a sua tia já tinha subido as escadas.

-Essa minha tia ... É bem doidinha né... – Disse ele sem graça.

-É... Parece que ela é bem legal. – Disse eu vermelha pelo efeito das palavras dá tia do Beck.

Entramos no carro e o Baster foi para o banco de trás e se sentou como se já estivesse acostumado a andar naquele carro. Andamos um pouco e então depois de 5 minutos o Beck quebrou o silêncio.

-Então quer dizer que você se chama Victoria ? -Perguntou ele.

-É, sabia que você iria falar sobre isso. – Disse eu.

-Mas seu nome é lindo. – Disse ele olha do para mim rapidamente e depois olhando para mim e depois voltando os olhos para a estrada.

-Mas eu cresci sendo chamada de Tori, então todo mundo me chama de Tori e esse terminou sendo o meu primeiro nome. Assim como você é o Beck. – Conclui eu.

-Então vamos continuar assim, Eu sou Beck e você a Tori. -Disse ele sorrindo

-Muito prazer então Alberto. – Disse o nome dele e ele me olhou fingindo chateação.

-Muito prazer Victória. – Disse ele sério mas depois sorriu

O meu celular tocou e era a Cat, então atendi ela enquanto ríamos.

Cat: -Oiii

Tori: -Oi Cat.

Cat:- Onde vocês estão?

Tori: -Bom eu e o Beck ... Espera porque você fica me ligando e perguntando a o de a gente tá? Você não contou pra ninguém que eu e o Beck iriamos sara juntos né?!

Cat: -Não é..... Que o meu irmão me trancou no armário aí eu tou entediada e queria saber oque vocês estão fazendo.

Tori: -Aaa... Certo eu e o Beck estamos levando o cachorro dá tia dele no veterinário. E você oque ...

Cat: - Aí vem o meu irmão ... Tchau.

A Cat desligou e tudo aquilo era bem estranho.

-Porque ninguém pode saber que eu e você estamos saindo? – Perguntou o Beck.

-Não entenda mal, é só que as pessoas iriam achar que é um encontro se a Cat falasse e a Jade ... Nem quero pensar. -Expliquei

-Pensei que você tivesse com vergonha de sair comigo. – Disse ele e depois sorriu.

-Quem em sã consciência ficaria com vergonha de sair com você ? -Disse eu sorrindo e depois percebendo oque eu tinha dito. -Bem é que ... Você é ... Não é feito. -Tentei me explicar mas sabia que não tinha dado certo.

-Tá bom, não sou feio... Certo. – Disse ele sorrindo e olhando para a estrada. Não falei mais nada e nem ele falou mais nada, então seguimos em silêncio até a clínica veterinária.

Ao chegar a clínica tirando Baster do carro e fomos para a sala de espera, logo em seguida o veterinário chamou a gente e examinou o Baster e em fim descobriu que ele estava com uma infeção no .... No lugar. Então o veterinário pediu para preparar uma pomada para o Baster então fomos para a sala de espera.

-Esse é o final porcaria perfeito para o nosso encontro ao contrário. -Disse o Beck.

-Esperar pomada de cachorro? – Disse eu concordando com ele.

-Ainda melhor, passa a pomada na área afetada. – Disse ele gesticulando.

-Quer saber ... Essa foi uma ótima experiência. -Disse eu feliz.

-Experiência ? -Perguntou o Beck.

-Sabe, de poder sair juntos sem parecer um encontro. -Disse eu sorrindo.

-Sabe, pensei que quando fosse te deixar em casa eu vou te socar no braço. – Disse ele sorrindo e me dando um soco de leve no braço ( Comprimento de garotos)

-Aqui está a pomada de vocês. – Disse uma enfermeira vindo em nossa direção. – Vocês só precisam pegar um pouco de pomada e então...

-Já sacamos! – Disse eu e o Beck ao mesmo tempo então a enfermeira nos deu a pomada com um sorriso.

Entramos no carro e levamos o Baster de volta pra casa com a cura para sua coceira. Ao chegar de volta a casa da tia do Beck ela estava na cozinha e o cheiro estava maravilhoso, e como eu não tinha comido quase nada daquela comida horrível estava morta de fome.

-Beck, Tori! Vocês chegaram minhas crianças. E o meu bebê está bem. Muito obrigada por isso. – Disse ela sorrindo e dando um beijo no cachorro. – Sabe vocês precisam de uma recompensa. -Disse ela pegando dois pratos com sanduíche e dando em nossas mãos, junto com dois copos de suco.

-Obrigada. – Disse eu pegando o prato e o suco.

-Vão comer na sala liguem a TV se quiser, mas olhem a hora, para não ficar tarde. Amanhã tem escola. – Disse ela e depois voltou para a cozinha.

-Eu não sei se isso é contra as regras mas eu estou morrendo de fome Beck. – Disse eu olhando aquele sanduíche maravilhoso

-Acho que podemos quebrar as regras um pouquinho. E... Estou morrendo de fome também. – Disse ele andando em direção a sala. Acompanhei ele até a sala e sentamos no tapete dá sala onde tinha um centro de madeira clara.

Colocamos os nossos sanduíche e sucos lá e comemos Juntos.

-Nossa ... Esse é o melhor sanduíche que já comi. – Disse eu entre uma mordida e outra.

-Minha tia é Chef de cozinha do seu próprio restaurante no centro. -Disse ele sorrindo.

-Eu já amo sua tia. – Disse eu sorrindo.

Acabamos o lanche é uma moça simpática veio e levou os nossos pratos para a cozinha e nos continuamos sentados no chão dá sala conversando.

-Obrigada Beck. -Disse eu.

-Obrigada pelo quê exatamente ? – Perguntou ele.

-Bom... Obrigada por fazer isso por mim, você não precisava fazer esse encontro ao contrário. – Disse eu agradecida.

-Não precisa agradecer, na verdade nós dois precisávamos disso, já que você e eu estávamos meio ... Você sabe. – Disse ele deixando implícito algo que eu já sabia.

-Mas ainda assim agradeço. -Disse eu. – Você é o garoto mais legal que já conheci. – Deixei sair mais uma sem querer.

-E você é a garota mais legal que já conheci... E é muito talentosa, inteligente, com uma voz linda, um sorriso lindo, você é de mais. – Disse ele e parou olhando para mim.

Estávamos sentados um do lado do outro com os rostos virados um olhando para o outro e na quele momento parecia que o universo estava me empurrando para o Beck, como se nós fossemos o imã e o metal e aquilo que eu estava sentido era irresistível e ele também sentia isso pois estava vindo em minha direção assim como eu ia na dele.

O Beck passou sua mão na minha bochecha e então encostamos nossos lábios de leve e todo o meu corpo se arrepio com os lábios de Beck encostando nos meus. Abri os meus olhos com o meu rosto ainda no do Beck e ele abriu os olhos também é nos olhamos por meio segundo então ele voltou a me Beijar mas agora era como mais firmeza mas leve ao mesmo tempo, então matei a minha vontade do Beck. Mas algo me dizia que não estava certo isso.

-Beck... É – Disse eu interrompendo aquele beijo maravilhoso.

-Tori... Desculpa eu .. só.

-Tá tarde e nós estamos cansados. Acho melhor a gente ir. – Disse eu

-Tá bom, vou levar você pra casa. – Disse ele se levantando e pegando a chave do carro no bolso.

Saímos sem falar nada e fomos até o carro de Beck. Cada um entro e sentou no seu lugar sem falar nada e ele ligou o carro e fomos em direção a minha casa. Depois de 10min. Na estrada o Beck começou a falar.

-Tori, você está arrependida por ter me beijado? – Perguntou ele de uma vez.

-Não. -Respondi sinceramente é então continuei. -Mas é estranho Beck a Jade é meio que minha amiga e ela ...

-Eu estou apaixonado por você. – Disse o Beck de uma vez parando o carro bruscamente na frente da minha casa. – Tori ... Eu tentei mais não consigo, não consigo não pensar em você, e eu já tentei de todas as maneiras não gostar de você mais eu não consigo, mais eu .... Não tenho mais força para ignora oque sinto por você.

- Também estou apaixonado por você Beck. – Só consegui dizer essa palavras e mais nada.

Olhei para o Beck e ele olhou para mim 1segundo que pareceu uma eternidade de incerteza sobre oque iria acontecer agora mas já sabíamos oque iria acontecer.

Ele se aproximou rápida e suavemente e me beijou passando a mão pelo meu rosto. Passei uma mão pelo seu cabelo escuro e nós beijamos ainda mais. Então ele parou de repente.

-Esperar só um minuto. – Disse ele abrindo a porta do carro e vindo para o meu lado.

-Oque você fazer Beck ? – Perguntei rindo.

-Vou fazer as coisas do jeito certo dessa vez. – Disse ele abrindo a porta do passageiro e me dando a mão para me ajudar a descer.

- Victória, você quer namorar comigo. – Perguntou ele olhando para mim com suas duas mãos segurando as minhas.

- Não ... Estou bem assim. – Ele olhou para mim com uma cara meio triste então soltei as minhas mãos e dei um beijo nele.

- Estou brincando seu bobo, é claro que eu quero namorar com você, mas ninguém pode saber. – Disse eu pensando em como iriamos com contar para todo mundo.

-Mas eles são nossos amigos, vão entender. – Disse ele.

-Mas não a Jade, quero pensar em um jeito de dizer a ela sem ela querer me matar no processo. – Disse eu.

-Tudo bem, mas eu posso te beijar agora, já passei tempo de mais na vontade. – Disse o Beck passa do a mão dele pela minha nuca e dando um beijo de leve nos meus lábios.

-Claro que sim, já que somos namorado não é. -Disse eu passando a mão por sua nuca e beijando sua boca macia enquanto ele me encostava na lateral do seu carro e retribuía o beijo.

-Acho melhor você entrar. – Disse ele entre os beijos que me dava.

-Eu queria, mas você não para de me seduzir com esses beijos como eu posso resistir? – Disse eu Beijando ele mais uma vez.

- Mas ja está tarde, não quer dizer que eu não queria ficar com aqui até de manhã mas amanhã tem escola e é a nossa última semana. – Disse ele sorrindo pra mim

- Aí que Chato. – Disse eu andando em direção a minha casa.

-Até amanhã. – Disse ele pra mim. Depois ele olhou para os dois lados dá rua e correu em minha direção e me deu um beijo rápido antes de entrar no carro e ir embora pra casa.

 Não acredito nisso que acabou de acontecer... Eu estava totalmente anestesia. Acho que isso é um Sonho.


Notas Finais


Então pessoal !! Vocês gostam ou amaram o capítulo de hoje ?!? Essa vai ser a última semana a dá nossa ficha então quero ver explosão de comentários qui !! E teremos uma nova história ! Em breve lanço pra você a aqui.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...