1. Spirit Fanfics >
  2. Fanfic nossa história >
  3. A loucura da verdade

História Fanfic nossa história - Capítulo 96


Escrita por:


Notas do Autor


Aí está mais um capítulo.
Reforçando o aviso de ontem isso não tem absolutamente nada haver com a Carol da vida real e muito menos com meu pensamento sobre ela, é apenas FICÇÃO!
Boa leitura❤

Capítulo 96 - A loucura da verdade


Fanfic / Fanfiction Fanfic nossa história - Capítulo 96 - A loucura da verdade

Capítulo 96

Felipe on

Consegui fretar um jatinho que me levasse à São Paulo de imediato, não tive tempo nem de explicar direito pro meu pai, precisava resolver aquilo o mais rápido o possível.

Assim que pousei em São Paulo liguei novamente para o pai da Carol, ele marcou de me encontrar em uma cafeteria que segundo ele ficava perto da Clínica.

Quando cheguei lá ele já estava me esperando na porta.

Dr Marchezi: Então você é o famoso Felipe, literalmente.

Felipe: Sim, é um prazer conhecê-lo Dr Marchezi, meu pai sempre falou muito de você.

Dr Marchezi: Ele falava muito de você também.

Felipe: Então, acha que ainda da pra falar com a Carol hoje ?

Dr Marchezi: Sim, hoje ela vai ficar na clínica até mais tarde, sorte sua garoto, vamos, é bem perto daqui.

Fomos pra clínica a pé mesmo, já que era muito perto.

Chegando lá ele entrou comigo e falou com a recepcionista que tinha me atendido outro dia.

Dr Marchezi: Como vai Carla?

Atendente: Vou bem e o Senhor Doutor?

Dr Marchezi: Ótimo, onde é que está minha filha.

Atendente: Está na sala dela senhor, ela está preparando uma palestra pra daqui a dois dias.

Dr Marchezi: Certo, meu amigo aqui vai lá trocar uma palavrinha com ela.

Atendente: Quer que eu anuncie.

Dr Marchezi: Não, não precisa, acho que ela vai gostar da surpresa.

Atendente: Ok, fiquem a vontade.

Dr Marchezi: Obrigado!

Ele me acompanhou até a sala dela, a porta estava fechada ele mesmo bateu.

Carol: Quem é ?

Dr Marchezi: Sou eu filha!

Carol: Pode entrar.

Ele entrou e eu logo em seguida.

Ela estava com os olhos fixos no computador e ergueu a cabeça pra cumprimenta-lo quando quase caiu da cadeira ao me ver.

Carol: FELIPE? O QUE VOCÊ TÁ FAZENDO AQUI!

Dr Marchezi: Seu Amigo aqui precisava falar com você então eu dei uma ajudinha, acho que meu trabalho aqui acabou, vou deixar vocês dois a sós, vocês têm muito o que conversar.

Carol: Espera Pai, volta aqui, PAI!

Ele saiu e fechou a porta novamente.

Carol: O que você quer?

Felipe: Achei que seria mais bem recebido, você mesmo disse que eu poderia vir aqui quando quisesse.

Carol: Desembucha Felipe, você não veio de tão longe só pra fazer uma visitinha.

Felipe: É não vim mesmo, precisamos conversar.

Carol: A gente não tem nada pra conversar Felipe.

Felipe: Temos sim, e muito.

Carol: Tá, então fala logo, não tenho o dia todo.

Felipe: Tá então vou ser bem direto, vamos começar por esse bebê que você tá carregando.

Carol: O que tem?

Felipe: Não faz a desentendida Carol, esse filho é meu né?

Carol: Que diferença faz?

Felipe: Como que diferença? É uma pessoa Carol, um bebê.

Carol: Tá, e se eu disser que é? Muda alguma coisa.

Felipe: Claro que muda, eu vou ser pai ue, muda tudo.

Carol: Tá vendo só? Por isso eu não queria que você soubesse.

Felipe: Como assim? Não tô entendendo,Assim como também não entendo porque você tá me tratando assim.

Carol: Esse filho é MEU Felipe, só MEU!

Felipe: Como assim, você tá dizendo que seu filho não tem um pai?

Carol: Biologicamente é claro que tem, mas como mãe eu decidi que não.

Felipe: Tá vamos por partes, biologicamente, eu sou o pai ou não!

Carol: Sim Felipe, você é o pai, satisfeito!

Felipe: Não! Agora eu quero que você me diga porque escondeu isso de mim e porque está me tratando como se eu fosse um desconhecido.

Carol: Tá bom, você quer a verdade, então senta porque a história é longa, mas eu garanto que você vai entender tudinho.

Me sentei.

Felipe: Muito Bem! Me conta então.

Carol: Eu sempre tive o sonho de ser mãe, mas pra isso eu precisava ter uma estabilidade financeira, profissional e emocional é claro. Os anos foram passando, eu realizei o meu sonho de ter essa clínica que homenageia o meu avô, mas faltava alguma coisa.

Felipe: Um filho?

Carol: Exatamente! Foi aí que eu decide que estava finalmente na hora de ser mãe, só que eu tenho um péssimo histórico de ser abandonada nos meu relacionamentos, além de uma péssima mania de não conseguir dividir nada, nem meus objetos, nem meus amigos, nem minha família, imagina um filho.

Felipe: Pera aí então você acha que..

Carol: Deixa eu terminar.

Felipe: Tá, desculpa.

Carol: Foi então que eu decidi que eu seria mãe sim, mas seria uma produção independente, feita do meu próprio jeito. Mas aí pensando muito, eu percebi que eu poderia escolher o pai do meu filho, mesmo querendo criar ele sozinha, não podia ser qualquer um, tinha que ser alguém com caráter, de boa família e principalmente com uma boa situação financeira, porque se algum dia eu perdesse tudo que tenho, e ele precisasse do pai não ficaria desamparado.

Felipe: E você me escolheu? Porque?

Carol: Calma que vou chegar lá!

Meu pai sempre me falou sobre o seu pai, e sobre você e seu irmão, logo após eu decidir que ia ser mãe eu e ele estávamos conversando e ele me mostrou um vídeo seu, e eu te achei bem interessante, como eu já estava fazendo o projeto, eu decidi que era aquilo que faltava um cantor sertanejo, mas não foi só pelo projeto que eu me interessei em você. Era o perfil perfeito para o pai não assumido do meu filho, cantor, famoso, boa situação, família excelente, amoroso, além do mais não ia poder tomar meu filho de mim mesmo que quisesse porque você não teria tempo pra ele, e eu teria toda sua rotina registrada pra provar isso já que gravei para o projeto.

Felipe: Como é?

Carol: Continuando, eu disse ao meu pai que queria você no projeto e ele amou a ideia, entramos em contato com seu pai e combinamos tudo. E em questão de dias eu parti pra Goiânia com tudo arquitetado, um mês seria o suficiente, era só aguardar o período fértil e atacar, claro que eu precisei me aproximar, ganhar a confiança, mas não foi tão difícil assim.

Felipe: Você é maluca!

Carol: Assim que descobri uma brecha eu aproveitei, você estava frágil, algumas doses de álcool, e foi o suficiente pra conseguir o que eu queria sem você nem perceber que não estava usando preservativo.

Felipe: Nem me fale nesse dia!

Carol: Não se faz de santo que você gostou e muito viu? Eu não fiz nada sozinha, e até que foi bem gostoso.

Ela riu.

Felipe: E você conseguiu o que queria.

Carol: Eu sempre consigo!

Depois daquele dia eu tinha certeza que meu plano ia dar certo, eu podia sentir os hormônios se aflorando pra receber uma nova vida e assim foi, pouco depois que voltei de Goiânia fiz o teste e voa lá, positivo.

Felipe: E você nem fez questão de me avisar.

Carol: Claro que não, por mim você nunca ia saber não fosse meu pai contar pro seu! Entenda, você é só uma garantia de que se acontecer alguma coisa comigo ou com essa clínica meu filho não fique desamparado, precisava que fosse alguém público e com estrutura pra cuidar dele, fora que ele não podia ser filho de um ze ninguém, quando me perguntasse quem é o pai dele ia poder ligar a tv e mostrar.

Felipe: Então você me usou?

Carol: Usar é um termo muito pesado, eu diria que eu usufrui bem de você pra alcançar um sonho.

Mas o fato é que, não quero que assuma meu filho, que saia por aí fotografando com ele, Que pague pensão nem nada disso, EU SOU A MÃE DELE, ELE É MEU e ponto final, meu medo era que você aparecesse e eu tivesse que dividi-lo, eu quis esse filho pra criar sozinha, é a minha escolha, quando quiser um faça um pra você.

Felipe: Isso é egoísmo, e também é loucura, eu vim de Goiânia pra falar com você sobre o bebê, pra assumir a criança, pra ser um pai e você me diz que não quer um pai pro seu filho.

Carol: Resumindo é isso mesmo!

Felipe: Você não pode tá falando sério.

Carol: Sim eu estou! Olha você devia ficar feliz, não vai precisar mudar nada na sua rotina, pode até fingir que nunca aconteceu, não é isso que a maioria faz.

Felipe: Mas eu não sou a "maioria" , se eu vou ter um filho não posso ignorar, eu quero participar, quero registrar, quero poder pegar no colo, mesmo que eu não possa ter a guarda como você mesma já observou.

Carol: NÃO, NÃO E NÃO, você pediu a verdade e eu te disse, Agora sai daqui e esquece que eu existo, se algum dia você for necessário eu te procuro.

Felipe: Eu sou um humano Carol, não uma máquina que você usa pra chegar no que quer.

Carol: Sinto muito, Agora vai embora, deixa que do meu filho cuido eu, pode ficar despreocupado que ele vai ser tão bem criado que não vai nem precisar de você.

Felipe: Eu vou mesmo, mas essa história não vai acabar aqui não, eu quero meu direito, essa criança precisa de um pai, como ela vai crescer achando que eu abandonei?

Carol: Claro que não, eu vou dizer a ele que ele tem um pai!

Felipe: E o que mais? Vai dizer que foi você que não deixou ele conhecer?

Carol: Não sei, você tá me deixando confusa, eu vou ter tempo pra pensar nisso.

Felipe: Espero que tenha tempo pra mudar de ideia e perceber que isso é loucura, eu não vou tomar ele de você, só quero que ele tenha uma vida normal.

Carol: Eu já entendi, mas já tomei minha decisão.

Felipe: Eu não posso te obrigar a nada, mas eu vou atrás do meu direito, então espero que você pense melhor e volte atrás, sabe onde me encontrar, e fique sabendo, que quando eu chegar em casa eu vou dizer sim pro meu pai que ele vai ser avô. Então da seu jeito nisso.

Eu disse e sai batendo a porta.

Yuri on

Consegui falar com seu João horas depois e ele me disse que Felipe tinha ido à São Paulo resolver uns problemas, claro que eu sabia do que se tratava, Carol morava em São Paulo, eu precisava falar com Felipe, olhar dentro dos olhos dele e entender porque ele me escondeu isso, e quanto mais eu ficava sem notícia mais o desespero tomava conta de mim.

Mandei uma mensagem pra ele

Mensagem on

Y: Quando chegar da sua "viagem de negócios" me procura, preciso falar sério com você!

Mensagem off.

Tomei um remédio pra dor de cabeça, já que não estava aguentando com tudo isso e capotei, acordei algumas horas depois com o telefone tocando...


Notas Finais


O que será que vem nessa reta final?
Qual será o destino de Feyuri?
Até o próximo capítulo haha 🤭


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...